Co­mis­são Elei­to­ral su­per­vi­si­o­na re­gis­to

Con­di­ções téc­ni­cas e hu­ma­nas cri­a­das pa­ra os ac­tos de fis­ca­li­za­ção do pro­ces­so

Jornal de Angola - - PARTADA -

A Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE) ini­cia, no pró­xi­mo dia 3 de Ou­tu­bro, a su­per­vi­são do pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, ga­ran­tiu on­tem a por­ta-voz da ins­ti­tui­ção, Jú­lia Fer­rei­ra. Na ter­ça-fei­ra, os mem­bros da CNE par­ti­ci­pa­ram, em Lu­an­da, num se­mi­ná­rio so­bre su­per­vi­são dos ac­tos do re­gis­to elei­to­ral. O pre­si­den­te da CNE, Silva Neto, lem­brou aos mem­bros do ór­gão que re­a­li­za as elei­ções que têm de exe­cu­tar as su­as ac­ti­vi­da­des des­pi­dos de qual­quer com­pro­mis­so po­lí­ti­co par­ti­dá­rio.

A Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral ini­cia, no dia 3 de Ou­tu­bro, a su­per­vi­são do re­gis­to elei­to­ral, ga­ran­tiu a por­ta-voz da ins­ti­tui­ção, Jú­lia Fer­rei­ra. Na ter­ça-fei­ra, os mem­bros par­ti­ci­pa­ram, em Lu­an­da, num se­mi­ná­rio so­bre su­per­vi­são dos ac­tos do re­gis­to elei­to­ral.

O pre­si­den­te da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral, Silva Neto, afir­mou que, co­mo mem­bros do ór­gão que re­a­li­za as elei­ções, têm de exe­cu­tar as su­as ac­ti­vi­da­des, des­pi­dos de qual­quer com­pro­mis­so po­lí­ti­co par­ti­dá­rio, equi­dis­tan­te, im­par­ci­al e in­de­pen­den­te, apli­can­do com ri­gor e li­su­ra as nor­mas le­gais que re­gem os pro­ces­sos elei­to­rais no nos­so país.

Mo­bi­li­za­ção da po­pu­la­ção

O pri­mei­ro se­cre­tá­rio da UNITA no Bié, Adé­ri­to Can­dam­bo, afir­mou on­tem na ci­da­de do Cuito que o par­ti­do in­ten­si­fi­cou as ac­ções de mo­bi­li­za­ção jun­to da po­pu­la­ção pa­ra afluir aos pos­tos de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral.

Em de­cla­ra­ções à An­gop, o po­lí­ti­co dis­se que a UNITA co­me­çou a re­a­li­zar cam­pa­nhas por­ta-a-por­ta, es­sen­ci­al­men­te nos bair­ros da ci­da­de do Cuito, com vis­ta a es­ti­mu­lar os ci­da­dãos pa­ra o re­gis­to elei­to­ral. In­for­mou que ac­ti­vi­da­des do gé­ne­ro vão ser es­ten­di­das aos mu­ni­cí­pi­os do An­du­lo, Cuito, Chin­guar, Cu­nhin­ga, Chi­tem­bo, Nhâ­rea, Ca­ma­cu­pa, Cu­em­ba e Ca­ta­bo­la.

Adé­ri­to Can­dam­bo de­cla­rou que a UNITA tem en­vol­vi­dos no pro­ces­so 40 ele­men­tos pa­ra fis­ca­li­zar o pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral. Na úl­ti­ma ter­ça-fei­ra, a di­rec­ção da UNITA con­vo­cou a im­pren­sa pa­ra su­pos­tas ir­re­gu­la­ri­da­des re­gis­ta­das nos pri­mei­ros 15 di­as do pro­ces­so. En­tre as su­pos­tas ir­re­gu­la­ri­da­des apon­ta­das pe­lo se­cre­tá­rio da pre­si­dên­cia da UNITA pa­ra os As­sun­tos Elei­to­rais, Vitorino Nhany, des­ta­cam-se a proi­bi­ção de ac­tu­a­li­za­ção aos elei­to­res que não se fa­çam acom­pa­nhar dos res­pec­ti­vos bi­lhe­tes de iden­ti­da­de, a mo­vi­men­ta­ção e fi­xa­ção de bri­ga­dis­tas em lo­ca­li­da­des não de­cla­ra­das no ma­pe­a­men­to, bem co­mo a re­a­li­za­ção de pau­sas in­ter­mi­ten­tes fei­tas por bri­ga­dis­tas, apro­vei­tan­do fa­zer ou­tros re­gis­tos fo­ra da bri­ga­da em ser­vi­ço.

A não in­clu­são, no ma­pe­a­men­to, de áre­as po­pu­lo­sas em cer­tas pro­vín­ci­as co­mo o Cuanza Sul (co­mu­na de Kis­son­go, mu­ni­cí­pio de Ca­lu­lo, e Lo­nhe no mu­ni­cí­pio de Ki­ba­la), Cu­an­do Cu­ban­go, Bié e Lu­an­da (mais con­cre­ta­men­te nos mu­ni­cí­pi­os do Ca­zen­ga, Vi­a­na e Ca­cu­a­co), bem co­mo a su­pos­ta exis­tên­cia de re­gis­tos múl­ti­plos são ou­tras das ir­re­gu­la­ri­da­des que a UNITA diz es­tar a as­sis­tir no pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral.

Efec­ti­vos da Po­lí­cia

No mu­ni­cí­pio do An­du­lo, a 130 qui­ló­me­tros a nor­te da ci­da­de do Cuito, pro­vín­cia do Bié, mais de 100 efec­ti­vos do co­man­do mu­ni­ci­pal ac­tu­a­li­za­ram on­tem o seu re­gis­to elei­to­ral. De acor­do com o res­pon­sá­vel dos re­gis­tos no mu­ni­cí­pio do An­du­lo, Ge­ró­ni­mo Chi­va­la, além dos efec­ti­vos da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, o pro­ces­so já abran­geu os fun­ci­o­ná­ri­os da ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal, dos sec­to­res da Saú­de e Edu­ca­ção, da Jus­ti­ça e das Fi­nan­ças, bem co­mo as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais. Fun­ci­o­ná­ri­os do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, em Lu­an­da, efec­tu­a­ram quar­ta-fei­ra a ac­tu­a­li­za­ção dos seus da­dos elei­to­rais. Na oca­sião, o mi­nis­tro Ân­ge­lo da Vei­ga Ta­va­res re­a­fir­mou es­ta­rem ga­ran­ti­das as con­di­ções de se­gu­ran­ça das fa­ses do pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral pa­ra a re­a­li­za­ção de elei­ções ge­rais tran­qui­las em 2017.

O mi­nis­tro do In­te­ri­or su­bli­nhou que os mem­bros do seu pe­lou­ro têm nes­te pro­ces­so a res­pon­sa­bi­li­da­de de fa­zer o re­gis­to co­mo ci­da­dãos elei­to­res e as­se­gu­rar que tu­do de­cor­ra com to­da a tran­qui­li­da­de e se­gu­ran­ça. Ân­ge­lo Ta­va­res pe­diu aos agen­tes po­lí­ti­cos pa­ra agi­rem com se­re­ni­da­de e res­pon­sa­bi­li­da­de na ava­li­a­ção do pro­ces­so em cur­so, por­que é in­te­res­se de to­dos que as elei­ções ge­rais de­cor­ram em paz e tran­qui­li­da­de.

Pro­ces­so no Ca­co­lo

A po­pu­la­ção do mu­ni­cí­pio de Ca­co­lo, a 145 qui­ló­me­tros a Es­te da ci­da­de ca­pi­tal da pro­vín­cia da Lun­da Sul (Sau­ri­mo), foi in­cen­ti­va­da se­gun­da-fei­ra, pe­la go­ver­na­do­ra Cân­di­da Nar­ci­so, a ade­rir em mas­sa aos pos­tos de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral, por se tra­tar de um ac­to de ci­da­da­nia e pa­tri­o­tis­mo.

Cân­di­da Nar­ci­so fez es­te ape­lo de­pois de ter efec­tu­a­do uma vi­si­ta aos pos­tos de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral na re­fe­ri­da cir­cuns­cri­ção, ten­do exor­ta­do as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais no sen­ti­do de con­tri­buí­rem pa­ra o êxi­to do pro­ces­so.

“É pre­ci­so que as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais, as igre­jas, or­ga­ni­za­ções ju­ve­nis, par­ti­dá­ri­as e ou­tras con­ti­nu­em a sen­si­bi­li­zar e mo­bi­li­zar as pes­so­as a ade­ri­rem aos pos­tos de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral pa­ra que, em 2017, pos­sam es­tar ha­bi­li­ta­das a vo­tar e es­co­lher os fu­tu­ros di­ri­gen­tes do país”, de­fen­deu.

Lem­brou que as elei­ções são um ac­to on­de ca­da ci­da­dão es­co­lhe li­vre­men­te os seus di­ri­gen­tes, daí a ne­ces­si­da­de da par­ti­ci­pa­ção e ade­são de to­dos en­quan­to ci­da­dãos na­ci­o­nais. Na mes­ma oca­sião, a go­ver­na­do­ra ape­lou à po­pu­la­ção de Ca­co­lo pa­ra a ne­ces­si­da­de do re­for­ço do es­pí­ri­to de to­le­rân­cia, no sen­ti­do de con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to har­mo­ni­o­so e con­so­li­da­ção da paz em Angola.

O mu­ni­cí­pio de Ca­co­lo con­ta com 30.525 ha­bi­tan­tes, se­gun­do da­dos do Re­cen­se­a­men­to Ge­ral da Po­pu­la­ção e Ha­bi­ta­ção, re­a­li­za­do em Maio de 2014.

MO­TA AM­BRÓ­SIO

Pri­mei­ros di­as do pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção de da­dos elei­to­rais são con­si­de­ra­dos po­si­ti­vos da­da a res­pos­ta da po­pu­la­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.