ONU pe­de cri­a­ção ime­di­a­ta de um go­ver­no de con­sen­so

En­vi­a­do das Na­ções Uni­das quer mais ce­le­ri­da­de na re­so­lu­ção da cri­se po­lí­ti­ca

Jornal de Angola - - PARTADA -

O en­vi­a­do das Na­ções Uni­das pa­ra a Gui­né-Bissau, Mo­di­bo Tou­ré, pe­diu aos po­lí­ti­cos do país uma rá­pi­da im­ple­men­ta­ção do acor­do as­si­na­do no sá­ba­do pa­ra re­sol­ver a cri­se no país, anun­ci­ou o pró­prio num co­mu­ni­ca­do.

Mo­di­bo Tou­ré re­fe­re no do­cu­men­to que o acor­do “é um pas­so en­co­ra­ja­dor na bus­ca da es­ta­bi­li­da­de no país”, pe­de aos ac­to­res po­lí­ti­cos gui­ne­en­ses que to­mem “me­di­das rá­pi­das e de­ci­si­vas” pa­ra im­ple­men­tar as pro­pos­tas e des­ta­ca o fac­to de o do­cu­men­to iden­ti­fi­car “di­fe­ren­tes pas­sos pa­ra al­can­çar a es­ta­bi­li­da­de pa­ra o pe­río­do res­tan­te da ac­tu­al le­gis­la­tu­ra”, que ter­mi­na em 2018.

O re­pre­sen­tan­te da ONU re­al­ça os com­pro­mis­sos as­su­mi­dos em prol do diá­lo­go, da for­ma­ção de um go­ver­no in­clu­si­vo e da re­a­li­za­ção de re­for­mas da Cons­ti­tui­ção, ad­mi­nis­tra­ção ter­ri­to­ri­al, lei elei­to­ral e da lei so­bre os par­ti­dos po­lí­ti­cos.

Mo­di­bo Tou­ré tam­bém des­ta­ca o com­pro­mis­so de for­ta­le­cer o sis­te­ma de jus­ti­ça, avan­çar com re­for­mas nos sec­to­res da de­fe­sa e da se­gu­ran­ça e re­ti­rar a for­ça de es­ta­bi­li­za­ção in­ter­na­ci­o­nal Eco­mib den­tro de seis me­ses, “de­pois de as for­ças cor­res­pon­den­tes da Gui­né-Bissau se­rem trei­na­das.”

O acor­do pa­ra a cri­a­ção de um Go­ver­no de con­sen­so foi as­si­na­do por di­fe­ren­tes in­ter­ve­ni­en­tes po­lí­ti­cos gui­ne­en­ses, no sá­ba­do pas­sa­do, du­ran­te uma vi­si­ta dos pre­si­den­tes da Gui­né-Co­na­kry, Alpha Con­dé, e da Ser­ra Le­oa, Er­nest Ko­ro­ma, en­vi­a­dos da Ce­de­ao pa­ra aju­dar a re­sol­ver a cri­se po­lí­ti­ca. En­tre­tan­to, na vés­pe­ra, o Go­ver­no da Gui­né-Bissau fez um ba­lan­ço po­si­ti­vo do tra­ba­lho dos pri­mei­ros 100 di­as do Exe­cu­ti­vo, des­ta­can­do al­gu­mas das me­di­das to­ma­das, ape­sar do que con­si­de­rou ser “uma con­jun­tu­ra ad­ver­sa.”

O Exe­cu­ti­vo foi for­ma­do de­pois de um lon­go im­pas­se en­tre o Par­ti­do Afri­ca­no pa­ra a In­de­pen­dên­cia da Gui­né-Bissau e Ca­bo Ver­de (PAIGC), ven­ce­dor das elei­ções le­gis­la­ti­vas, e o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, num qua­dro em que o Par­la­men­to fi­cou mui­to po­la­ri­za­do, com acu­sa­ções mú­tu­as de ile­ga­li­da­des.

Ao dis­cur­sar pe­ran­te os mem­bros do Go­ver­no gui­ne­en­se, na quar­ta­fei­ra, o pri­mei­ro-mi­nis­tro, Ba­ci­ro Djá, jus­ti­fi­cou que o seu Exe­cu­ti­vo te­ve que to­mar me­di­das pa­ra “tra­var o alas­trar dos ma­les que es­ta­vam a in­fes­tar a so­ci­e­da­de.”

A sua equi­pa, pros­se­guiu, te­ve que en­fren­tar gre­ves nos sec­to­res da Saú­de e Edu­ca­ção, pro­ble­mas nas fi­nan­ças pú­bli­cas, com des­pe­sas não ti­tu­la­das, uma cri­se com o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) e o Ban­co Mun­di­al e a ame­a­ça de um mau ano agrí­co­la. Ba­ci­ro Djá acres­cen­tou que o seu Go­ver­no te­ve que to­mar “me­di­das drás­ti­cas” con­tra o res­ga­te aos ban­cos co­mer­ci­ais, as­su­mi­do pe­lo an­te­ri­or Exe­cu­ti­vo, e des­ta­cou co­mo re­sul­ta­dos do seu Go­ver­no a pro­mo­ção de boa go­ver­na­ção, o re­lan­ça­men­to da co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal, o fo­men­to do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co, a me­lho­ria na ges­tão das fi­nan­ças pú­bli­cas, a ele­va­ção das re­cei­tas pú­bli­cas, nos úl­ti­mos três me­ses, e “um su­ces­so ab­so­lu­to, com re­sul­ta­dos his­tó­ri­cos” na ex­por­ta­ção da cas­ta­nha do ca­ju, es­ti­ma­da em 188 mil to­ne­la­das até à se­ma­na pas­sa­da.

JAIMAGENS.COM

Gui­ne­e­ses es­pe­ram que o acor­do pa­ra a cri­a­ção de um go­ver­no in­clu­si­vo po­nha fim à gra­ve cri­se po­lí­ti­ca e ins­ti­tu­ci­o­nal que as­so­la o país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.