CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JOSEFA AN­TÓ­NIO AL­FRE­DO BONDO LAURINDO GONÇALVES

Pais e edu­can­dos

É im­por­tan­te que os pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção acom­pa­nhem re­gu­lar­men­te o de­sem­pe­nho dos seus edu­can­dos na es­co­la. Pen­so que não é bom os pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção só se pre­o­cu­pa­rem com o de­sem­pe­nho dos seus edu­can­dos no fi­nal do ano lec­ti­vo. Te­nho fi­lhos a es­tu­dar nu­ma es­co­la pú­bli­ca e no­to que mui­tos pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção fal­tam às reu­niões que são con­vo­ca­das pe­la di­rec­ção des­sa es­co­la. E as reu­niões só ocor­rem tri­mes­tral­men­te. Não con­si­go per­ce­ber que ha­ja pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção que não ar­ran­jam tem­po pa­ra sa­ber da si­tu­a­ção dos seus fi­lhos ou edu­can­dos. A edu­ca­ção dos nos­sos fi­lhos é im­por­tan­te .

Os pais e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção de­vem pre­o­cu­par-se com o que os seus fi­lhos ou edu­can­dos fa­zem na es­co­la, de po­si­ti­vo e ne­ga­ti­vo. Pro­fes­so­res e pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção de­vem es­tar jun­tos nes­te pro­ces­so de edu­ca­ção de cri­an­ças e ado­les­cen­tes. es­co­las sem quar­tos de ba­nho ou, quan­do exis­tem, não te­nham quais­quer con­di­ções. É pre­ci­so que as di­rec­ções das es­co­las ve­lem não só pe­las ques­tões de or­dem pe­da­gó­gi­ca, mas tam­bém pe­la exis­tên­cia de bons es­pa­ços fí­si­cos nos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no que di­ri­gem . Os alu­nos de­vem sen­tir-se bem nas su­as es­co­las, on­de pas­sam uma par­te con­si­de­rá­vel do seu tem­po. Não pos­so acei­tar que não se con­si­ga ter quar­tos de ba­nho lim­pos nas nos­sas es­co­las pú­bli­cas. Quan­to é que as es­co­las pri­va­das gas­tam pa­ra ter os seus quar­tos de ba­nho lim­pos ? Se­rá as­sim tan­to di­nhei­ro que o Es­ta­do não po­de gas­tar?

Dei­xo es­tas pre­o­cu­pa­ções às en­ti­da­des com­pe­ten­tes pa­ra re­flec­ti­rem , a fim de que no pró­xi­mo ano as coi­sas me­lho­rem nos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no pú­bli­co. Já ago­ra , apro­vei­to pa­ra que se ve­ja tam­bém a ques­tão das in­fra-es­tru­tu­ras des­por­ti­vas nos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no pú­bli­cos. De­ve ha­ver, quan­to a mim, es­pa­ços pa­ra a prá­ti­ca des­por­ti­va. De­ve­se pres­tar aten­ção à con­tra­ta­ção de pro­fes­so­res de edu­ca­ção fí­si­ca, pois es­tes são ne­ces­sá­ri­os pa­ra que ha­ja des­por­to es­co­lar.

Que­re­mos ter des­por­tis­tas bons na al­ta com­pe­ti­ção, mas não cui­da­mos do des­por­to nas es­co­las. Mui­ta coi­sa de­ve co­me­çar nas es­co­las pri­má­ri­as e mé­di­as pa­ra ter­mos fu­tu­ra­men­te des­por­tis­tas de ele­va­do ní­vel com­pe­ti­ti­vo.

Gos­ta­va tam­bém de ape­lar, a exem­plo do que ou­tros lei­to­res já fi­ze­ram nes­te es­pa­ço, pa­ra a cri­a­ção ou re­a­bi­li­ta­ção das in­fra-es­tru­tu­ras des­por­ti­vas nas nos­sas es­co­las. É pre­ci­so que ha­ja mui­tas cen­te­nas de jo­vens a pra­ti­car des­por­to nas es­co­las, em to­do o país, e não ape­nas nos clu­bes fe­de­ra­dos.

Pro­du­ção de tri­go

Te­nho acom­pa­nha­do pro­gra­mas eco­nó­mi­cos de uma rá­dio an­go­la­na e aper­ce­bi-me que há cam­po­ne­ses que que­rem apos­tar na pro­du­ção de tri­go . É bom que se pro­du­za mui­to tri­go no país, pa­ra evi­tar­mos es­tar de­pen­den­tes ex­ces­si­va­men­te da im­por­ta­ção des­te im­por­tan­te pro­du­to. Se pu­der­mos pro­du­zir tri­go em vá­ri­as pro­vín­ci­as de Angola, o pre­ço do pão há-de bai­xar con­si­de­ra­vel­men­te no país.

Um re­pre­sen­tan­te dos cam­po­ne­ses de uma pro­vín­cia en­tre­vis­ta­do pe­la re­fe­ri­da rá­dio dis­se que es­tes es­tão dis­pos­tos a avan­çar com am­bi­ci­o­sos pro­jec­tos pro­du­ti­vos pa­ra que ha­ja mui­to tri­go. Que se apoi­em es­tes cam­po­ne­ses, a fim de não fi­car­mos sem­pre de­pen­den­tes do que é pro­du­zi­do no ex­te­ri­or do país. É pre­ci­so va­lo­ri­zar as ca­pa­ci­da­des dos nos­sos em­pre­sá­ri­os e cam­po­ne­ses que no cam­po são ca­pa­zes de con­tri­buir gran­de­men­te pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da pro­du­ção.

Es­ta­mos em cri­se e es­ta cri­se de­ve le­var-nos a ser cri­a­ti­vos pa­ra su­pe­rar­mos as di­fi­cul­da­des. Não po­de­mos es­tar pa­ra­dos, a la­men­tar cons­tan­te­men­te. Te­mos de par­tir pa­ra o tra­ba­lho, mes­mo sen­do ár­duo, pa­ra que pos­sa­mos re­sol­ver mui­tos dos nos­sos pro­ble­mas .

AR­MAN­DO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.