Os três ní­veis de abor­da­gem em Edu­ca­ção

Jornal de Angola - - OPINIÃO - FI­LI­PE ZAU|*

No âm­bi­to da or­ga­ni­za­ção e ges­tão po­de­mos, se­gun­do o so­ció­lo­go por­tu­guês Her­ma­no Carmo, pro­fes­sor ca­te­drá­ti­co do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as So­ci­ais e Po­lí­ti­cas da Uni­ver­si­da­de Clás­si­ca de Lis­boa (ISCSP), en­ca­rar as ques­tões edu­ca­ti­vas a par­tir de três ní­veis de abor­da­gem:

– Nu­ma pers­pec­ti­va ma­cro-so­ci­o­ló­gi­ca, a edu­ca­ção é con­ce­bi­da co­mo uma ques­tão eco­nó­mi­ca e po­lí­ti­ca, quer pe­la am­pli­tu­de de ne­ces­si­da­des e re­cur­sos en­vol­vi­dos, quer ain­da pe­los efei­tos glo­bais do seu fun­ci­o­na­men­to;

– Nu­ma pers­pec­ti­va me­so-so­ci­o­ló­gi­ca, a edu­ca­ção é en­ten­di­da co­mo um pro­ble­ma or­ga­ni­za­ci­o­nal, uma vez que a ges­tão dos re­cur­sos (hu­ma­nos, ma­te­ri­ais e fi­nan­cei­ros) tem efei­tos ime­di­a­tos na efi­cá­cia e na efi­ci­ên­cia do pro­ces­so edu­ca­ti­vo;

– Nu­ma pers­pec­ti­va mi­cro-so­ci­o­ló­gi­ca, a edu­ca­ção é en­ten­di­da co­mo um pro­ble­ma psi­co-so­ci­al, uma vez que o pro­ces­so edu­ca­ti­vo re­sul­ta de re­la­ções in­ter-pes­so­ais, es­ta­be­le­ci­das en­tre os di­ver­sos pro­ta­go­nis­tas en­vol­vi­dos no pro­ces­so.

Ao ní­vel ma­cro-so­ci­o­ló­gi­co os sis­te­mas edu­ca­ti­vos de­vem pro­cu­rar res­pon­der à enor­me pro­cu­ra, com um ti­po de po­lí­ti­ca que pos­sa pri­vi­le­gi­ar a qua­li­fi­ca­ção e a di­ver­si­fi­ca­ção da ofer­ta. Das es­tra­té­gi­as mais re­le­van­tes so­bres­sa­em as se­guin­tes:

Em pri­mei­ro lu­gar, uma po­lí­ti­ca de co­e­rên­cia cur­ri­cu­lar. Pre­fa­ci­an­do Sé­ne­ca ou Con­fú­cio (?), “não há ven­tos fa­vo­rá­veis quan­do não se co­nhe­cem os ru­mos”.

Em ter­mos ge­rais, qual­quer sis­te­ma edu­ca­ti­vo de­ve­rá ori­en­tar-se pa­ra as­ne­ces­si­da­des edu­ca­ti­vas bá­si­cas: a adap­ta­ção e ges­tão da mu­dan­ça, o de­sen­vol­vi­men­to, a so­li­da­ri­e­da­de, a au­to­no­mia, a e a de­mo­cra­cia.Es­ta po­lí­ti­ca exi­ge um con­tro­lo ab­so­lu­to e sis­te­má­ti­co dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros, já que a mes­ma de­vem vi­sar o de­sen­vol­vi­men­to de com­pe­tên­ci­as me­ta­cog­ni­ti­vas, que per­mi­tam a ca­da es­tu­dan­te ser su­jei­to da sua pró­pria his­tó­ria e, as­sim sen­do, to­do o pro­ces­so edu­ca­ti­vo de­ve di­rec­ci­o­nar-se pa­ra a sua au­to­no­mi­za­ção pro­gres­si­va. O en­si­no a dis­tân­cia (por ve­zes, com­bi­na­do com mo­de­los de en­si­no pre­sen­ci­al) en­con­tra-se em fa­se de ex­pan­são e ho­je es­tá pra­ti­ca­men­te im­plan­ta­do em to­do o mun­do. O mes­mo tem vin­do a re­ve­lar-se um mo­de­lo de en­si­no de gran­de efi­cá­cia pa­ra a au­to­no­mi­za­ção pes­so­al e, con­se­quen­te­men­te, de to­da a so­ci­e­da­de.

Ou­tra es­tra­té­gia de di­ver­si­fi­ca­ção da ofer­ta pas­sa pe­lo uso de re­cur­sos ex­te­ri­o­res ao sis­te­ma edu­ca­ti­vo tra­di­ci­o­nal, atra­vés de par­ce­ri­as com agen­tes da co­mu­ni­da­de en­vol­ven­te (em­pre­sas, ONG e ou­tros) ou atra­vés da uti­li­za­ção de Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção e Co­mu­ni­ca­ção (TIC). Es­ta es­tra­té­gia exi­ge a ne­ces­si­da­de de se ge­ne­ra­li­zar ao ní­vel dos ci­da­dãos a al­fa­be­ti­za­ção au­di­o­vi­su­al e in­for­má­ti­ca, sob pe­na de se cri­a­rem no­vos gru­pos de ex­cluí­dos.A edu­ca­ção di­rec­ci­o­na­da pa­ra o gé­ne­ro fe­mi­ni­no e pa­ra as cri­an­ças e ado­les­cen­tes em ida­de es­co­lar de­ve­rá ser to­ma­da em li­nha de con­ta, de mo­do a ate­nu­ar o pro­fun­do fos­so exis­ten­te, por um la­do, em re­la­ção à edu­ca­ção das mu­lhe­res e, por ou­tro, em re­la­ção aos paí­ses in­dus­tri­a­li­za­dos. De um mo­do ge­ral,ao ní­vel or­ga­ni­za­ci­o­nal, as po­lí­ti­cas edu­ca­ti­vas di­rec­ci­o­nam-se em três sen­ti­dos di­fe­ren­tes:

– “Na cla­ri­fi­ca­ção dos pa­péis e das re­gras de co­mu­ni­ca­ção en­tre a es­co­la e os or­ga­nis­mos de tu­te­la;

– No es­ta­be­le­ci­men­to de par­ce­ri­as en­tre a or­ga­ni­za­ção-es­co­la e a co­mu­ni­da­de en­vol­ven­te, a fim de pro­cu­rar po­ten­ci­ar os re­cur­sos mú­tu­os pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de pro­jec­tos edu­ca­ti­vos em re­gi­me de co­res­pon­sa­bi­li­za­ção”.

– Na qua­li­fi­ca­ção pa­ra a ad­mi­nis­tra­ção in­ter­na das ins­ti­tui­ções edu­ca­ti­vas, nos seus di­fe­ren­tes ní­veis de for­ma­ção, re­gis­tan­do-se uma cons­ci­ên­cia cres­cen­te de que o de­sem­pe­nho da fun­ção de ges­tão re­quer com­pe­tên­ci­as es­pe­cí­fi­cas, pa­ra além da sim­ples pre­pa­ra­ção pro­fis­si­o­nal exi­gi­da a um do­cen­te. Nes­se sen­ti­do, a for­ma­ção de ges­to­res tem-se as­su­mi­do co­mo uma po­lí­ti­ca in­dis­pen­sá­vel pa­ra do­tar a es­co­la de mais efi­cá­cia e efi­ci­ên­cia.

Na es­fe­ra psi­co-so­ci­al, tem vin­do a ser de­fen­di­do to­do um con­jun­to mui­to di­ver­si­fi­ca­do de po­lí­ti­cas de in­ter­ven­ção, en­tre as quais sa­li­en­ta­mos ape­nas al­gu­mas, pe­la sua re­le­vân­cia:

– No que to­ca aos es­tu­dan­tes, têm apa­re­ci­do ca­da vez mais pro­gra­mas com­pen­sa­tó­ri­os, que têm co­mo pro­pó­si­to cri­ar uma si­tu­a­ção de dis­cri­mi­na­ção po­si­ti­va re­la­ti­va­men­te aos di­fe­ren­tes ti­pos de di­fi­cul­da­des (só­cio-eco­nó­mi­cas, ét­ni­cas, lin­guís­ti­cas, re­la­ci­o­na­das com de­fi­ci­en­tes e ou­tros);

– Re­la­ti­va­men­te aos pro­fes­so­res, a for­ma­ção con­tí­nua tem vin­do a as­su­mir-se, quer co­mo um di­rei­to, quer co­mo um de­ver, “cons­ti­tuin­do­se já não co­mo uma ex­cen­tri­ci­da­de de al­guns, mas co­mo uma ro­ti­na de to­dos, va­lo­ri­za­da em ter­mos de pro­gres­são na car­rei­ra”.

– Por fim, têm vin­do a de­se­nhar-se tam­bém po­lí­ti­cas que vi­sam do­tar os mai­o­res pro­ta­go­nis­tas do pro­ces­so edu­ca­ti­vo (pro­fes­sor/alu­nos) de em­power­ment, de mo­do a que pos­sam ven­cer di­fi­cul­da­des quo­ti­di­a­nas de um pro­ces­so com­ple­xo de en­si­no­a­pren­di­za­gem em si­tu­a­ções, por ve­zes, mui­to di­fí­ceis. Nes­te do­mí­nio, si­tu­am-se di­ver­sos “pro­gra­mas de edu­ca­ção in­ter­cul­tu­ral, de in­ter­ven­ção co­mu­ni­tá­ria, de fo­men­to de gru­pos de au­to-aju­da e de de­sen­vol­vi­men­to da in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal”.

A In­te­li­gên­cia Emo­ci­o­nal é um con­cei­to re­la­ci­o­na­do com a cha­ma­da ‘in­te­li­gên­cia so­ci­al’, pre­sen­te na psi­co­lo­gia e cri­a­do pe­lo psi­có­lo­go ame­ri­ca­no Da­ni­el Go­le­man. Um in­di­ví­duo emo­ci­o­nal­men­te in­te­li­gen­te é aque­le que con­se­gue iden­ti­fi­car as su­as emo­ções com mais fa­ci­li­da­de. Uma das gran­des van­ta­gens das pes­so­as com in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal é a ca­pa­ci­da­de de se au­to-mo­ti­va­rem e se­guir em fren­te, mes­mo di­an­te de frus­tra­ções e de­si­lu­sões. En­tre as ca­rac­te­rís­ti­cas da in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal es­tá a ca­pa­ci­da­de de con­tro­lar im­pul­sos, ca­na­li­zar emo­ções pa­ra si­tu­a­ções ade­qua­das, pra­ti­car a gra­ti­dão e mo­ti­var as pes­so­as, além de ou­tras qua­li­da­des que pos­sam aju­dar a en­co­ra­jar ou­tros in­di­ví­du­os. De acor­do com Go­le­man, a in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal po­de ser sub­di­vi­di­da em cin­co ha­bi­li­da­des es­pe­cí­fi­cas: au­to-co­nhe­ci­men­to emo­ci­o­nal, con­tro­lo emo­ci­o­nal,au­to-motivação, em­pa­tia, de­sen­vol­vi­men­to de re­la­ci­o­na­men­tos in­ter­pes­so­ais (ha­bi­li­da­des so­ci­ais).

“O ‘con­tro­lo’das emo­ções e sen­ti­men­tos, com o in­tui­to de con­se­guir atin­gir al­gum ob­jec­ti­vo, po­de ac­tu­al­men­te ser con­si­de­ra­do com um dos prin­ci­pais trun­fos pa­ra o su­ces­so pes­so­al e pro­fis­si­o­nal. Por exem­plo, uma pes­soa que con­se­gue con­cen­trar-se no tra­ba­lho e fi­na­li­zar to­das as su­as ta­re­fas e obri­ga­ções, mes­mo se sen­ti­do tris­te, an­si­o­sa ou abor­re­ci­da. A in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, pa­ra gran­de par­te dos es­tu­di­o­sos do com­por­ta­men­to hu­ma­no, po­de ser con­si­de­ra­da mais im­por­tan­te do que a in­te­li­gên­cia men­tal (o co­nhe­ci­do QI), pa­ra al­can­çar a sa­tis­fa­ção a ní­vel ge­ral”.

Co­mo ti­ve­mos opor­tu­ni­da­de de ve­ri­fi­car, a Edu­ca­ção re­pre­sen­ta, no mun­do con­tem­po­râ­neo, uma ques­tão so­ci­al com­ple­xa, que de­ve ser vis­ta em vá­ri­as es­ca­las de aná­li­se, ca­da uma de­las exi­gin­do me­di­das de in­ter­ven­ção ade­qua­das. Co­mo di­ria o pro­fes­sor Ro­bert Henry Srour, so­ció­lo­go e do­cen­te da Uni­ver­si­da­de de São Paulo (USP), “di­fí­cil não é fa­zer o que é cer­to, é des­co­brir o que é cer­to fa­zer”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.