“Paz” na Colôm­bia com 14 es­qua­drões da mor­te à sol­ta

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LUIS AL­BER­TO FER­REI­RA |*

Um mo­vi­men­to guer­ri­lhei­ro não tem qual­quer le­gi­ti­mi­da­de quan­do, no país em cau­sa, pre­va­le­ce um Par­la­men­to re­pre­sen­ta­ti­vo de vá­ri­as ten­dên­ci­as e um Go­ver­no re­sul­tan­te do es­cru­tí­nio po­pu­lar e alheio a quais­quer “aju­das” cúm­pli­ces do ex­te­ri­or. O Par­la­men­to e os Go­ver­nos da Re­pú­bli­ca da Colôm­bia ao lon­go dos úl­ti­mos 52 anos não res­pon­de­ram nun­ca às pri­mí­ci­as que, do pon­to de vis­ta éti­co e ins­ti­tu­ci­o­nal, amor­da­ças­sem as ra­zões dos gru­pos guer­ri­lhei­ros. Que se ve­ri­fi­quem no ex­te­ri­or, Es­pa­nha e Por­tu­gal, por exem­plo, dis­tor­ções des­sa re­a­li­da­de, não me sur­pre­en­de. Um de­ca­den­te jor­nal que se pu­bli­ca em Lis­boa “no­ti­ci­a­va”, na se­gun­da-fei­ra, a pro­pó­si­to do con­fli­to ar­ma­do na Colôm­bia: “Ví­ti­mas: a guer­ri­lha das FARC é con­si­de­ra­da res­pon­sá­vel pe­la mor­te e se­ques­tro de 16.862 pes­so­as. O ou­tro gru­po de guer­ri­lha no país, o ELN, é res­pon­sá­vel por mais de no­ve mil mor­tos”. Co­me­ti­men­tos re­gis­ta­dos, pois, no es­pa­ço de 52 anos. Sem ter saí­do da pa­ró­quia, mui­to me­nos do país, o jor­na­lis­ta per­mi­tiu-se, até, as­si­nar a “no­tí­cia”, co­mo se de um en­vi­a­do à Colôm­bia se tra­tas­se.

A “paz” que tem vin­do a ser ne­go­ci­a­da na Colôm­bia – com a con­tri­bui­ção de Cu­ba – in­te­res­sa ao mun­do. Pe­la pi­or das ra­zões: a sis­te­má­ti­ca e in­ten­ci­o­nal dis­tor­ção da his­tó­ria dos 52 anos de con­fli­to en­tre o Go­ver­no se­di­a­do em Bo­go­tá e os vá­ri­os gru­pos de guer­ri­lha. Dis­tor­ção que com­pro­me­te quais­quer ini­ci­a­ti­vas ou re­fle­xões de ca­rác­ter pe­da­gó­gi­co – den­tro e fo­ra da Amé­ri­ca do Sul. As con­tra­di­ções e os opor­tu­nis­mos, co­mo o lei­tor ve­rá, co­me­çam a ser tre­men­dos.

Em di­as re­cen­tes, a coin­ci­dir com as ne­go­ci­a­ções de paz a de­cor­rer em Ha­va­na, o Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no Ju­an Ma­nu­el San­tos des­lo­cou-se à Ve­ne­zu­e­la pa­ra, com o seu ho­mó­lo­go e vi­zi­nho Ni­co­lás Ma­du­ro, ana­li­sar a si­tu­a­ção con­fu­sa rei­nan­te na fron­tei­ra co­mum(2.500 kms). Ju­an Ma­nu­el San­tos é na re­a­li­da­de um dos eter­nos oli­gar­cas de ori­gem his­pâ­ni­ca na Pre­si­dên­cia da Colôm­bia, mas per­ce­be-se ne­le um ho­mem ca­ti­van­te no ges­to e no dis­cur­so. E a ele se de­vem as ac­tu­ais di­li­gên­ci­as pa­ra pa­ci­fi­car a na­ção. Em so­lo ve­ne­zu­e­la­no, Ju­an Ma­nu­el San­tos não fez se­não um re­co­nhe­ci­men­to ple­nís­si­mo do Go­ver­no de Ma­du­ro. No en­tan­to, o gru­po es­pa­nhol PRISA, que usa o seu diá­rio “El País” co­mo meio de in­ge­rên­cia e hos­ti­li­za­ção ob­ses­si­o­nan­te do Exe­cu­ti­vo de Ca­ra­cas, afoi­tou-se ago­ra na ur­di­du­ra de no­va in­tro­mis­são re­gi­o­nal: jun­tou-se a uma ar­ti­fi­ci­al Fun­da­ção “Bom Go­ver­no” e a du­as rá­di­os co­lom­bi­a­nas pa­ra pro­mo­ver, em Bo­go­tá, um “de­ba­te” so­bre “um fu­tu­ro em paz” na Colôm­bia. (Sin­gu­la­ri­da­de: a Es­pa­nha en­con­tra-se, des­de De­zem­bro de 2015, sem um Go­ver­no “de fac­to”, é gran­de o so­bres­sal­to na­ci­o­nal e nin­guém ar­ris­ca qual pos­sa ser “um fu­tu­ro em paz” no país que Fran­co es­tig­ma­ti­zou). Re­to­man­do a te­se dos fran­co-ati­ra­do­res ibé­ri­cos so­bre os cau­sa­do­res das bai­xas hu­ma­nas na Colôm­bia: o ce­ná­rio ven­di­do pe­los pas­quins da de­sin­for­ma­ção é re­ve­la­dor de ig­no­rân­cia, ama­do­ris­mo e ir­res­pon­sa­bi­li­da­de. Ten­tar in­flu­en­ci­ar, a par­tir de Ma­drid, os ru­mos da “paz na Colôm­bia”, é uma ma­qui­na­ção de igual mo­do ab­sur­da e de­plo­rá­vel.

Dei­xan­do, por ago­ra, o his­to­ri­al das FARC, uma guer­ri­lha na­da im­po­lu­ta ou ino­cen­te (mo­ti­va­ções à par­te), ve­ja­mos o per­cur­so da UP (União Pa­trió­ti­ca), que é um par­ti­do po­lí­ti­co de es­quer­da me­dro­so e in­tro­ver­ti­do. A mo­vên­cia da UP, em so­lo pá­trio, é o mais con­se­gui­do re­tra­to da cul­tu­ra do me­do na Colôm­bia. A União Pa­trió­ti­ca nas­ceu em 1985. Deu-se a co­nhe­cer por meio de “uma pro­pos­ta po­lí­ti­ca le­gal” con­ge­mi­na­da por vá­ri­os gru­pos guer­ri­lhei­ros. A “ideia” con­ti­nha par­tí­cu­las da ide­o­lo­gia das FARC, por exem­plo. Es­te qua­dro vi­ria, con­tu­do, a al­te­rar-se: o con­se­lho di­rec­ti­vo da União Pa­trió­ti­ca (UP) mar­cou dis­tân­ci­as com as guer­ri­lhas, com o ra­di­ca­lis­mo des­tas, e abra­çou, na com­pa­nhia, já, do Par­ti­do Co­mu­nis­ta Co­lom­bi­a­no (PCC), a via da or­to­do­xia par­la­men­tar. Tu­do is­to sob o ar­co tem­po­ral as­so­ci­a­do, pe­la per­ver­si­da­de dos pas­quins ibé­ri­cos, à fa­la­ci­o­sa ver­são es­ta­tís­ti­ca das ví­ti­mas ex­clu­si­va­men­te atri­buí­das às FARC e ao ELN. Quan­do, em 1986-1987, a União Pa­trió­ti­ca co­me­ça­va a ga­nhar es­pa­ço po­lí­ti­co e acei­ta­ção po­pu­lar, eclo­diu so­bre o par­ti­do uma va­ga in­fer­nal de as­sas­si­na­tos. A sel­va­ja­ria, de cu­nho sis­te­má­ti­co, de­ce­pou pe­la raiz a UP: dois can­di­da­tos pre­si­den­ci­ais – os ad­vo­ga­dos Jai­me Par­do Le­al e Ber­nar­do Ja­ra­mil­lo Os­sa –8 se­na­do­res, 13 de­pu­ta­dos, 70 qua­dros or­ga­ni­za­ti­vos, 11 au­tar­cas e cer­ca de 4 mil mi­li­tan­tes. Car­ni­fi­ci­na de­sen­ca­de­a­da por gru­pos pa­ra­mi­li­ta­res, ele­men­tos do Exér­ci­to e da Se­gu­ran­ça do Es­ta­do, po­lí­ci­as se­cre­ta e re­gu­lar, e nar­co­tra­fi­can­tes.

Os dois par­ti­dos po­lí­ti­cos que há bem mais de 52 anos go­ver­nam a Colôm­bia man­têm acan­to­na­dos na po­bre­za e no anal­fa­be­tis­mo os ame­rín­di­os, os ne­gros, os cam­po­ne­ses, os ope­rá­ri­os. Ho­je, ao lí­der co­lom­bi­a­no Ju­an Ma­nu­el San­tos é atri­buí­vel o gran­de mé­ri­to de en­fren­tar as cor­ren­tes mo­bi­li­za­das pe­lo fas­cis­ta Álvaro Uri­be, an­te­ri­or Pre­si­den­te, cu­jo ob­jec­ti­vo é im­pe­dir a as­si­na­tu­ra dos acor­dos de paz. En­quan­to o ac­tu­al Pre­si­den­te exal­ta­va a paz e con­ver­sa­va com os mi­li­o­ná­ri­os es­pa­nhóis do gru­po PRISA, três ac­ti­vis­tas da União Pa­trió­ti­ca per­de­ram a vi­da às mãos dos si­cá­ri­os que abas­te­cem os 14 nú­cle­os de es­qua­drões ain­da à sol­ta na Colôm­bia. O Pre­si­den­te a di­zer que “o po­vo não en­ten­de­ria os que que­rem de­ter a His­tó­ria”– e os es­qua­drões da mor­te aba­ten­do a ti­ro Ce­cí­lia Coi­cué, agri­cul­to­ra e mem­bro da Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal Agrá­ria, e Nes­tor Mar­tí­nez, ac­ti­vis­ta dos di­rei­tos hu­ma­nos.

Mais: So­cor­ro Pi­so, uma ac­ti­vis­ta do mun­do ru­ral, con­tou aos jor­na­lis­tas que, des­de o dia da con­clu­são dos acor­dos de paz em Ha­va­na até ao úl­ti­mo fim-de-se­ma­na, 49 cam­po­ne­ses fo­ram tam­bém as­sas­si­na­dos pe­los pa­ra­mi­li­ta­res. “A gu­er­ra”, co­men­tou a ac­ti­vis­ta, “é um bom ne­gó­cio, e os cam­po­ne­ses um es­tor­vo”. O Pen­tá­go­no, afir­ma o in­sus­pei­to Car­los Fa­zio, “le­va anos a pro­fis­si­o­na­li­zar o Exér­ci­to co­lom­bi­a­no”. Pe­lo meio, al­guns lu­xos. He­li­cóp­te­ros UH-1 Hu­ey. Aviões Hér­cu­les C-130. Uma cen­te­na de “boi­nas ver­des” no ter­re­no “ca­pa­ci­tam” ho­mens de­di­ca­dos à ar­te va­ga­bun­da de ma­tar. “Te­nho trei­na­do a ma­tar bú­fa­los”, ga­ba­va­se o xe­ri­fe Gar­rett.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.