Aviões che­gam per­to da Co­reia do Nor­te

Pro­ce­di­men­to ope­ra­ci­o­nal es­tá in­te­gra­do no sis­te­ma de de­fe­sa e se­gu­ran­ça

Jornal de Angola - - MUNDO -

A Ca­sa Bran­ca es­tá pre­o­cu­pa­da com a pos­si­bi­li­da­de de Pyongyang re­a­li­zar um no­vo tes­te nuclear, pre­vi­a­men­te anun­ci­a­do na ter­ça-fei­ra pe­las su­as au­to­ri­da­des, e num pro­ce­di­men­to de per­su­a­são so­bre­vo­ou a fron­tei­ra sul­co­re­a­na com dois aviões B-1B.

Tra­ta-se de uma me­di­da con­si­de­ra­da por es­pe­ci­a­lis­tas de al­to ní­vel no qua­dro de de­fe­sa e se­gu­ran­ça, que pre­ten­de “pas­sar um si­nal não ape­nas de for­ça, mas tam­bém de que as for­ças nor­te-ame­ri­ca­nas es­tão pron­tas pa­ra agir em ca­so de uma agres­são ao seu ali­a­do.”

Os aviões B-1B são bom­bar­dei­ros de al­ta ca­pa­ci­da­de de ma­no­bras e de po­der de des­trui­ção pro­fun­do, ca­pa­zes de pro­vo­car os mai­o­res es­tra­gos e neu­tra­li­zar sis­te­mas de de­fe­sa an­ti­aé­rea, re­cor­dam os es­pe­ci­a­lis­tas.

Os aviões su­per­só­ni­cos en­tra­ram no es­pa­ço aé­reo sul-co­re­a­no, per­to da ba­se aé­rea nor­te-ame­ri­ca­na Osan, de Pye­ong­ta­ek, a 64 qui­ló­me­tros a sul de Seul.

Ca­da uma das ae­ro­na­ves, pro­ce­den­tes da ba­se aé­rea An­der­sen de Gu­am, no Pa­cí­fi­co, foi es­col­ta­da por ca­ças nor­te-ame­ri­ca­nos e sul­co­re­a­nos. “A de­mons­tra­ção de ho­je (ac­tu­al) é ape­nas um exem­plo de to­da a sé­rie de ca­pa­ci­da­des mi­li­ta­res des­ta só­li­da ali­an­ça, que pre­ten­de re­for­çar o seu po­der de dis­su­a­são”, de­cla­rou o ge­ne­ral Vin­cent Bro­oks, co­man­dan­te das for­ças nor­te-ame­ri­ca­nas na Co­reia do Sul.

“O tes­te nuclear nor­te-co­re­a­no cons­ti­tui uma es­ca­la­da pe­ri­go­sa e re­pre­sen­ta uma ame­a­ça ina­cei­tá­vel”, com­ple­tou o ge­ne­ral, que rei­te­rou o com­pro­mis­so in­can­sá­vel dos Es­ta­dos Uni­dos com a de­fe­sa dos seus ali­a­dos na re­gião.

O ge­ne­ral re­fe­riu que Washing­ton vai adop­tar as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra al­can­çar, com ope­ra­ções co­mo a de ho­je e a mo­bi­li­za­ção da ba­te­ria THAAD (Ter­mi­nal High Al­ti­tu­de Air De­fen­se) na pe­nín­su­la co­re­a­na, acres­cen­tou, em re­fe­rên­cia ao es­cu­do an­ti­mís­seis nor­te-ame­ri­ca­nos que de­ve ser ins­ta­la­do na Co­reia do Sul. A Chi­na opõe-se com ve­e­mên­cia à pre­sen­ça dos sis­te­mas so­fis­ti­ca­dos, mui­to per­to do seu ter­ri­tó­rio, por sus­pei­tar que os mes­mos po­dem ser uti­li­za­dos pa­ra vi­gi­ar os seus pró­pri­os sis­te­mas mi­li­ta­res.

A opo­si­ção sul-co­re­a­na tam­bém cri­ti­ca a ideia, por con­si­de­rar que o THAAD vai pi­o­rar a si­tu­a­ção re­gi­o­nal. “Os vo­os de ter­ça-fei­ra ti­nham co­mo ob­jec­ti­vo fa­zer uma ad­ver­tên­cia cla­ra à Co­reia do Nor­te, so­bre os seus tes­tes nu­cle­a­res, pa­ra im­pe­dir qual­quer pro­vo­ca­ção adi­ci­o­nal”, dis­se Mo­on Sang-Gyun, por­ta-voz do Mi­nis­té­rio sul-co­re­a­no da De­fe­sa. A ad­mi­nis­tra­ção de Washing­ton ori­en­tou, nes­se sen­ti­do, a re­a­li­za­ção de vo­os si­mi­la­res em res­pos­ta aos su­ces­si­vos tes­tes nu­cle­a­res an­te­ri­o­res da Co­reia- do Nor­te. Qua­se 28.500 mi­li­ta­res nor­te-ame­ri­ca­nos es­tão mo­bi­li­za­dos em ba­ses lo­ca­li­za­das na Co­reia do Sul.

A Co­reia do Nor­te, que mul­ti­pli­cou os tes­tes de mís­seis nos úl­ti­mos me­ses, re­a­li­zou, na sex­ta-fei­ra pas­sa­da, o seu tes­te nuclear mais po­ten­te, na área de Punggye-ri (nor­des­te do país), se­gun­do da­dos de es­pe­ci­a­lis­tas sul-co­re­a­nos. O Go­ver­no de Pyongyang afir­mou que tes­tou uma ogi­va nuclear com ca­pa­ci­da­de pa­ra ser ins­ta­la­da num mís­sil.

REU­TERS

Os bom­bar­dei­ros que so­bre­vo­a­ram o es­pa­ço aé­reo da Co­reia do Sul par­ti­ram da ba­se nor­te-ame­ri­ca­na An­der­sen Gu­am no Pa­cí­fi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.