Ac­ti­vi­da­de agrí­co­la é fei­ta com mai­or se­gu­ran­ça

Obras abran­ge­ram as com­por­tas do di­que de re­ten­ção das águas da bar­ra­gem do Dun­go

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - AN­TÓ­NIO GONÇALVES |

A ac­ti­vi­da­de agrí­co­la da po­pu­la­ção que vi­ve à mar­gem do rio Ca­va­co, na pro­vín­cia de Ben­gue­la, vai ser de­sen­vol­vi­da com mai­or se­gu­ran­ça, a par­tir des­te ano, de­pois das ac­ções de me­lho­ria das com­por­tas do di­que de re­ten­ção das águas da bar­ra­gem do Dun­go.

O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal de Cu­bal, Al­ber­to Guar­da­do, sa­li­en­tou on­tem que, com as obras de re­a­bi­li­ta­ção do di­que de re­ten­ção das águas da bar­ra­gem do Dun­go, no rio Cu­bal da Ha­nha, que vi­sou man­ter o ní­vel freá­ti­co no va­le de Ca­va­co, há con­di­ções pa­ra o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de dos agri­cul­to­res e mai­or se­gu­ran­ça pa­ra os mo­ra­do­res das mar­gens do re­fe­ri­do rio.

Os tra­ba­lhos de re­a­bi­li­ta­ção, exe­cu­ta­dos em 15 di­as, ba­se­a­ram­se na re­ci­cla­gem das par­tes do di­que, que so­fre­ram ro­tu­ras de­vi­do ao em­ba­te de tron­cos de ár­vo­res ar­ras­ta­dos pe­la for­ça das águas du­ran­te as úl­ti­mas chu­vas.

Com es­te tra­ba­lho, o ad­mi­nis­tra­dor re­fe­riu que as com­por­tas do di­que de re­ten­ção das águas da bar­ra­gem do Dun­go fo­ram aber­tas on­tem, pa­ra per­mi­tir que o rio Ca­va­co pos­sa re­ce­ber água e, com is­so, au­men­tar o seu ní­vel freá­ti­co.

Ten­do em aten­ção o grau de pe­ri­go­si­da­de que re­pre­sen­ta a aber­tu­ra das com­por­tas da al­bu­fei­ra, nu­ma al­tu­ra em que se apro­xi­mam as chu­vas, Al­ber­to Guar­da­do ex­pli­cou que as com­por­tas vão ser aber­tas de for­ma par­ci­al.“A ideia é fa­zer com que ape­nas se man­te­nha o ní­vel freá­ti­co de­se­ja­do pa­ra o rio Ca­va­co, evi­tan­do, des­ta for­ma, pos­sí­veis inun­da­ções ao lon­go do per­cur­so do rio”, ex­pli­cou o ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal do Cu­bal.

O res­pon­sá­vel fa­la­va no ter­mo de uma vi­si­ta do go­ver­na­dor de Ben­gue­la, Isa­ac dos An­jos, àque­la lo­ca­li­da­de, si­tu­a­da a 180 qui­ló­me­tros da ci­da­de, pa­ra ve­ri­fi­car o an­da­men­to dos tra­ba­lhos de re­a­bi­li­ta­ção das in­fra-es­tru­tu­ras que com­põem a bar­ra­gem do Dun­go, que so­fre­ram ro­tu­ras du­ran­te as úl­ti­mas chu­vas.

Al­ber­to Guar­da­do ex­pli­cou que as obras de re­a­bi­li­ta­ção do di­que de re­ten­ção das águas da bar­ra­gem do Dun­go fo­ram efec­tu­a­das pe­lo fac­to de as úl­ti­mas chu­vas te­rem da­ni­fi­ca­do par­tes des­te, daí a ne­ces­si­da­de de efec­tu­ar-se uma in­ter­ven­ção pa­li­a­ti­va, no sen­ti­do de ga­ran­tir que, nes­te pe­río­do, a in­fra-es­tru­tu­ra fun­ci­o­ne sem so­bres­sal­tos.

Na ba­se des­sas ro­tu­ras, dis­se que re­si­de o fac­to de aque­la in­fra-es­tru­tu­ra ter si­do cons­truí­da com cal hi­dráu­li­co na­tu­ral e pe­dras. Por is­so, foi pre­ci­so re­for­çá-la com uma es­tru­tu­ra de ma­lhas­sol e be­tão ar­ma­do, com vis­ta a im­pe­dir a pe­ne­tra­ção da água e per­mi­tir que ela re­sis­ta ao im­pac­to dos tron­cos e de ou­tros ob­jec­tos ar­ras­ta­dos pe­la for­ça das águas ao lon­go do per­cur­so do rio.

O di­rec­tor pro­vin­ci­al das Obras Pú­bli­cas, en­ge­nhei­ro An­tó­nio Re­go, re­fe­riu que, por uma ques­tão de se­gu­ran­ça, a pró­xi­ma em­prei­ta­da vai ser a de efec­tu­ar um tra­ba­lho de­fi­ni­ti­vo de pro­tec­ção do di­que de re­ten­ção das águas.Pa­ra is­so, avan­çou que vai ser re­for­ça­do o di­que com uma ou­tra pa­re­de do la­do opos­to, cu­jo or­ça­men­to es­tá a ser pre­pa­ra­do, pa­ra jun­tar-se ao an­te­ri­or, ava­li­a­da em mais de dois mi­lhões de kwan­zas.

Cor­rec­ção dos so­los

O agró­no­mo sa­li­en­tou que, com a di­mi­nui­ção do len­çol freá­ti­co, vai ser ne­ces­sá­rio fa­zer-se uma cor­rec­ção dos so­los, uma vez que a di­mi­nui­ção do len­çol ori­gi­na o pro­ble­ma da sa­li­ni­da­de da ter­ra, que afec­ta par­ti­cu­lar­men­te as hor­tí­co­las. Fernando As­sis ex­pli­cou es­ta par­ti­cu­la­ri­da­de pa­ra jus­ti­fi­car a par­ti­ci­pa­ção de agri­cul­to­ras na de­le­ga­ção que se des­lo­cou ao Cu­bal. En­tre es­tes es­tá o agri­cul­tor Gil Oli­vei­ra, do Va­le do Ca­va­co, que afir­mou que, após o tér­mi­no das úl­ti­mas chu­vas, dei­xou de ha­ver água no rio.

“Não ha­ven­do o su­por­te da bar­ra­gem do Dun­go pa­ra o Ca­va­co, o ní­vel freá­ti­co vai bai­xan­do e co­me­ça­mos a ter di­fi­cul­da­des na cap­ta­ção da água”, exem­pli­fi­cou o agri­cul­tor. Acres­cen­tou que a re­a­bi­li­ta­ção do di­que de re­ten­ção das águas da bar­ra­gem vai per­mi­tir que a água flua no rio, o que faz com que o ní­vel freá­ti­co au­men­te e, des­ta for­ma, se ob­te­nha água su­fi­ci­en­te pa­ra a ir­ri­ga­ção dos cam­pos agrí­co­las.Er­gui­da em prin­cí­pi­os da dé­ca­da de 80 e con­ce­bi­da pa­ra ser­vir de re­ser­va hi­dro­grá­fi­ca do va­le do Ca­va­co, a bar­ra­gem do Dun­go ser­ve igual­men­te de re­ser­va­tó­rio de re­for­ço do rio Cu­bal da Ha­nha.

DOMIANO FER­NAN­DES

Ac­ções em cur­so nas mar­gens do rio Ca­va­co vi­sam fa­zer com que os cam­po­ne­ses pos­sam au­men­tar a pro­du­ção com se­gu­ran­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.