Mé­di­cos tra­ba­lham em con­di­ções di­fí­ceis

Te­re­sa Cohen afir­ma que os pro­fis­si­o­nais de saú­de es­tão bem pre­pa­ra­dos

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - CAR­LA BUMBA |

Te­re­sa Cohen, pro­fes­so­ra ti­tu­lar da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Neto, re­fu­tou quar­ta-fei­ra, em Lu­an­da, a ideia de que os mé­di­cos no exer­cí­cio da sua pro­fis­são têm co­me­ti­do os cha­ma­dos “er­ros mé­di­cos” no tra­ta­men­to dos do­en­tes.

Te­re­sa Cohen, que fa­la­va à mar­gem da I bienal do Di­rei­to da Saú­de, que ter­mi­nou on­tem, lem­brou que o er­ro mé­di­co não es­tá no Có­di­go de Éti­ca e De­on­to­lo­gia e no Có­di­go Dis­ci­pli­nar. “Nós não fa­la­mos em er­ro mé­di­co, por­que o mé­di­co, em prin­cí­pio, não er­ra in­ten­ci­o­nal­men­te. En­ten­de­mos, que o pro­fis­si­o­nal co­me­te in­frac­ção dis­ci­pli­nar, por­que o mé­di­co ao fa­zer o ju­ra­men­to de Hi­pó­cra­tes pro­me­te dar tu­do pa­ra sal­var a vi­da do seu pa­ci­en­te”, dis­se.

Te­re­sa Cohen la­men­tou o fac­to de não se ana­li­sar as con­di­ções em que mui­tas ve­zes os pro­fis­si­o­nais de saú­de tra­ba­lham no sen­ti­do de pres­tar as­sis­tên­cia aos do­en­tes. “Te­mos co­le­gas que aten­dem mais de 200 pes­so­as em hos­pi­tais sem equi­pa­men­tos su­fi­ci­en­tes”, dis­se a mé­di­ca, que já foi vi­ce-mi­nis­tra da Saú­de.

A do­cen­te uni­ver­si­tá­ria de­fen­deu que o mé­di­co só po­de ser res­pon­sa­bi­li­za­do pe­la mor­te do pa­ci­en­te 48 ho­ras de­pois de o ter aten­di­do. “Se eu re­ce­ber um do­en­te e cin­co mi­nu­tos de­pois ele mor­rer, sig­ni­fi­ca que o pa­ci­en­te já che­gou mui­to mal ao hos­pi­tal e já não ha­via mais na­da a fa­zer”, ex­pli­cou, fri­san­do que não ex­cluía a pos­si­bi­li­da­de de ha­ver tam­bém al­gu­ma ne­gli­gên­cia no aten­di­men­to ao do­en­te.

Te­re­sa Cohen re­a­fir­mou ser fun­da­men­tal a me­lho­ria das con­di­ções em que os mé­di­cos tra­ba­lham, na me­di­da em que, des­de os anos 80, os pro­fis­si­o­nais de saú­de têm re­cla­ma­do das con­di­ções em que os pa­ci­en­tes são aten­di­dos.

“Não es­ta­mos a pe­dir au­men­to de sa­lá­rio. Pre­ci­sa­mos de ins­ti­tui­ções pú­bli­cas de saú­de com ser­vi­ços de qua­li­da­de, pa­ra as pes­so­as dei­xa­rem de vi­a­jar pa­ra o ex­te­ri­or pa­ra se tra­ta­rem”, dis­se a mé­di­ca Te­re­sa Cohen, ga­ran­tin­do que os mé­di­cos an­go­la­nos es­tão su­fi­ci­en­te­men­te bem pre­pa­ra­dos pa­ra pres­tar um bom ser­vi­ço à po­pu­la­ção.

“Te­mos mui­tos mé­di­cos na­ci­o­nais que são che­fes de ser­vi­ço em gran­des hos­pi­tais no ex­te­ri­or e ou­tros fo­ram fa­zer es­pe­ci­a­li­da­de e vol­ta­ram com gran­des dis­tin­ções”, afir­mou.Pa­ra a do­cen­te uni­ver­si­tá­ria, a fal­ta de exa­mes com­ple­men­ta­res de­on­to­ló­gi­cos, co­mo a eco­gra­fia e a to­mo­gra­fia, faz com que o mé­di­co não te­nha uma apre­ci­a­ção cor­rec­ta do qua­dro clí­ni­co do pa­ci­en­te. A co­or­de­na­dor ci­en­tí­fi­ca da I bienal do Di­rei­to da Saú­de, Lu­zia Se­bas­tião, que apre­sen­tou o te­ma “A res­pon­sa­bi­li­da­de pe­nal dos mé­di­cos em Angola: o Có­di­go Pe­nal ac­tu­al e o pro­jec­to de Có­di­go Pe­nal”, de­fen­deu que o Di­rei­to da Me­di­ci­na de­ve ser tra­ta­do no âm­bi­to das ou­tras dis­ci­pli­nas ju­rí­di­cas, co­mo o Di­rei­to Ci­vil.

“Er­ro mé­di­co e tra­ta­men­tos er­ra­dos não são uma ques­tão re­cen­te, nem um mo­no­pó­lio do Di­rei­to Ci­vil, an­tes pe­lo con­trá­rio, foi no cam­po do Di­rei­to Pe­nal que se trou­xe à dis­cus­são ju­rí­di­ca a ques­tão so­bre os tra­ta­men­tos mé­di­cos e os in­te­res­ses de pro­tec­ção dos do­en­tes”, es­cla­re­ceu .

CONTREIRAS PIPA

Te­re­sa Cohen an­ti­ga vi­ce-mi­nis­tra da Saú­de (ao cen­tro) dis­se ser fun­da­men­tal a me­lho­ria das con­di­ções em que os mé­di­cos no país tra­ba­lham

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.