Vi­o­lên­cia de Hé­cu­ba na Ca­sa das Ar­tes

Jornal de Angola - - DESPORTO -

O Elinga es­tre­ou on­tem, na re­cém-inau­gu­ra­da Ca­sa das Ar­tes, em Ta­la­to­na, a pe­ça

do ro­me­no Matèi Vis­ni­ec. A pe­ça re­pe­te-se ho­je e ama­nhã no mes­mo lo­cal.

Ma­téi Vis­ni­ec nas­ceu em 1956, na Ro­mé­nia. Co­me­çou a es­cre­ver teatro ain­da jo­vem, mas re­cu­sou “ins­tin­ti­va­men­te a re­gra do re­a­lis­mo so­ci­a­lis­ta” e pre­fe­riu ins­pi­rar­se nas van­guar­das do iní­cio do sé­cu­lo XX (sur­re­a­lis­tas, da­daís­tas, ex­pres­si­o­nis­tas) e tam­bém na li­te­ra­tu­ra fan­tás­ti­ca e no re­a­lis­mo má­gi­co la­ti­no-ame­ri­ca­no.

“Por quê, Hé­cu­ba? é uma pe­ça so­bre a vi­o­lên­cia, co­mo a Hé­cu­ba, de Eu­rí­pe­des, mas no tra­ba­lho de Matèi Vis­ni­ec, se­gun­do o dra­ma­tur­go, “o olhar vai além, além do so­fri­men­to e da vin­gan­ça. Eu quis ‘em­pur­rar’ Hé­cu­ba pa­ra a re­vol­ta. Eu quis que es­sa mu­lher, fru­to da mi­to­lo­gia gre­ga, in­ter­pe­las­se os deu­ses e, com is­so, os pró­pri­os fun­da­men­tos da nos­sa ci­vi­li­za­ção. Pois o ver­da­dei­ro de­ba­te es­tá aí: por que cons­truí­mos tan­tas coi­sas so­bre o san­gue e a vi­o­lên­cia, so­bre a gu­er­ra e o so­fri­men­to?”

“Vi­ve­mos num mun­do on­de, há qua­tro mil anos ou até mais, as guer­ras nun­ca ter­mi­nam, on­de os cri­mes se en­ca­dei­am sem pa­rar, on­de a vi­o­lên­cia é ba­na­li­za­da ou, pi­or, trans­for­ma­da na ba­se nar­ra­ti­va da in­dús­tria do en­tre­te­ni­men­to e em mo­de­lo de com­por­ta­men­to”, des­ta­ca Vis­ni­ec. “Om­ni­pre­sen­te, glo­ri­fi­ca­da pe­los jo­gos elec­tró­ni­cos e pe­lo ci­ne­ma, a vi­o­lên­cia tor­nou-se um ali­men­to quo­ti­di­a­no, uma dro­ga que pre­ci­sa­mos de con­su­mir di­a­ri­a­men­te em do­ses ca­da vez mais al­tas... Exis­te tam­bém uma vi­o­lên­cia na ima­gem e na lin­gua­gem, uma agres­si­vi­da­de na pu­bli­ci­da­de e na in­for­ma­ção. Es­ta­mos, en­fim, em gu­er­ra con­tra nós mes­mos, fi­lhos de uma vi­o­lên­cia mi­le­nar que se trans­mi­te pe­la mi­to­lo­gia, pe­la edu­ca­ção, pe­la po­lí­ti­ca, pe­la cul­tu­ra po­pu­lar e pe­lo cul­to da com­pe­ti­ção.” Na pe­ça, Vis­ni­ec quer mos­trar “ape­nas al­gu­mas pis­tas pa­ra a re­fle­xão”, atra­vés do teatro, que “não po­de nun­ca dar Elinga es­treia pe­ça na Ca­sa das Ar­tes res­pos­tas com­ple­tas, mas é im­por­tan­te que ele pos­sa tra­zer à su­per­fí­cie ques­tões es­sen­ci­ais.”

Elen­co e fi­cha téc­ni­ca

O elen­co é for­ma­do por Ana­cle­ta Pe­rei­ra (Hé­cu­ba), Vír­gu­la Ca­pom­ba (Pas­tor/Zeus), Correia Adão (Ve­lho Ce­go/Po­sei­don), Cláu­dia Pú­cu­ta (Er­na­da/Adi­vi­nha 1), Ma­da­le­no da Fon­se­ca (Mem­bro do Co­ro 1/Apre­sen­ta­dor), Nzady An­tó­nio (Mem­bro do Co­ro 2/He­ra/ Adi­vi­nha 2), Ho­nó­rio dos San­tos (Mem­bro do Co­ro 3/He­fes­to/Po­li­do­ro), Emí­lio Lu­com­bo (Mem­bro do Co­ro 4/Po­li­mes­tor), Ca­e­ta­no San­tos (Mem­bro do Co­ro 5/Her­mes), Ado­ra­do Ma­ra (Mem­bro do Co­ro 6/Apo­lo), Ber­nar­de­te Mu­kin­da (Ate­nas/Po­li­xe­na/Adi­vi­nha 3). Ac­triz con­vi­da­da: Pulqué­ria VanDú­nem (Afro­di­te).

Adap­ta­ção, ce­no­gra­fia, se­lec­ção de ima­gens e di­rec­ção – Jo­sé Me­na Abran­tes; Fi­gu­ri­nos – Ana­cle­ta Pe­rei­ra; Mú­si­ca Da­vid Me­na (con­tra­bai­xo) e Fred (per­cus­são); Ví­de­oshow (ima­gens re­co­lhi­das na net) – Paulo Aze­ve­do; De­se­nho de lu­zes Rui Vi­dal/Anas­tá­cio Silva; Con­fec­ção de ce­ná­rio e más­ca­ras - Ma­da­le­no da Fon­se­ca; Con­fec­ção dos fi­gu­ri­nos – Mu­amby Wa­sa­ki/Cláu­dia No­bre; Pro­du­ção – Elinga-Teatro (50ª pro­du­ção).

ELINGA -TEATRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.