“No Bra­sil só me vence Je­sus Cris­to”

LU­LA DA SIL­VA

Jornal de Angola - - PORTADA - ROSA SULLEIRO | AFP

Nu­ma emo­ti­va con­fe­rên­cia de im­pren­sa da­da quin­ta-fei­ra em São Pau­lo, o ex-Pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va re­ba­teu a de­nún­cia apre­sen­ta­da pe­lo Ministério Pú­bli­co Fe­de­ral e atri­buiu as gra­ves acu­sa­ções de cor­rup­ção contra si à von­ta­de das “eli­tes” bra­si­lei­ras de aca­ba­rem com sua vi­da po­lí­ti­ca.

“Es­tou a fa­lar co­mo um ci­da­dão in­dig­na­do. Eu te­nho uma his­tó­ria pú­bli­ca co­nhe­ci­da. No Bra­sil só Je­sus Cris­to me vence”, de­cla­rou Lu­la, de­nun­ci­a­do na vés­pe­ra pe­lo pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol co­mo o “co­man­dan­te má­xi­mo” da gi­gan­tes­ca re­de de cor­rup­ção da Pe­tro­bras.

Nu­ma res­pos­ta emi­nen­te­men­te po­lí­ti­ca, no tom das acu­sa­ções fei­tas, o ex-Pre­si­den­te, que go­ver­nou en­tre 2003 e 2010 e po­ten­ci­al can­di­da­to às elei­ções de 2018, pro­cu­rou uma abor­da­gem emo­ci­o­nal ao fa­lar com os elei­to­res do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res (PT), de­cla­ran­do o seu “or­gu­lho de ter cri­a­do o mais im­por­tan­te par­ti­do de es­quer­da da Amé­ri­ca La­ti­na”.

Lu­la, que di­ri­giu o Bra­sil na sua épo­ca de ou­ro, com­ba­ten­do a fo­me e a po­bre­za e alar­gan­do a ba­se da clas­se mé­dia do país, ga­ran­tiu ser ino­cen­te das acu­sa­ções e de­sa­fi­ou os pro­cu­ra­do­res a apre­sen­ta­rem pro­vas con­cre­tas contra ele. “Nin­guém es­tá aci­ma da lei. Quan­do eu trans­gre­dir a lei, pu­nam-me pa­ra ser­vir de exem­plo”.

Lu­la emo­ci­o­nou-se ao re­cor­dar, com voz em­bar­ga­da, o que con­si­de­ra a sua “mai­or con­quis­ta”: o di­rei­to pa­ra to­dos os bra­si­lei­ros de “an­da­rem de ca­be­ça er­gui­da”.

O ex-Pre­si­den­te do Bra­sil con­ti­nu­ou a di­zer que es­ta­rá à dis­po­si­ção da jus­ti­ça e não se­rá por cau­sa dis­so que per­de­rá o so­no. “A his­tó­ria mal co­me­çou. Al­guns pen­sam que ela ter­mi­nou. Eu vou vi­ver mui­to. Es­tou com 70 anos, com von­ta­de de vi­ver mais 20”, acres­cen­tou Lu­la.

Re­ce­bi­do com gri­tos de “Lu­la, guer­rei­ro, do po­vo bra­si­lei­ro”, ele es­te­ve ro­de­a­do na con­fe­rên­cia de im­pren­sa por mui­tos mi­li­tan­tes e li­de­ran­ças do par­ti­do du­ran­te to­do en­con­tro. “Pro­vem uma cor­rup­ção mi­nha que eu irei a pé ser pre­so”, pro­me­teu emo­ci­o­na­do.

Contra as eli­tes

Lu­la tam­bém con­si­de­rou que “o ódio” das eli­tes do Bra­sil contra as su­as po­lí­ti­cas so­ci­ais ex­pli­ca boa par­te das tur­bu­lên­ci­as que le­va­ram, no fi­nal de Agos­to, à des­ti­tui­ção de Dil­ma pe­lo Se­na­do, acu­sa­da de “ma­qui­lhar” as con­tas pú­bli­cas, um “gol­pe tran­qui­lo”, se­gun­do des­cre­veu, que le­vou Mi­chel Te­mer ao má­xi­mo car­go do país.

O pe­núl­ti­mo ca­pí­tu­lo do gol­pe foi a des­ti­tui­ção do de­pu­ta­do ul­tra­con­ser­va­dor Edu­ar­do Cu­nha, ar­tí­fi­ce do pro­ces­so de “im­pe­a­ch­ment”, mas mui­to des­gas­ta­do pe­las acu­sa­ções de cor­rup­ção.

Pa­ra o ex-Pre­si­den­te es­tá na ho­ra de “con­cluir a no­ve­la”. “Vão ago­ra pro­vo­car o des­fe­cho: co­lo­ca­ram Te­mer, des­ti­tuí­ram Dil­ma e de­pois Cu­nha, e ago­ra que­rem aca­bar com a vi­da po­lí­ti­ca do Lu­la”.

O pre­si­den­te do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res (PT), Rui Fal­cão, ape­lou à es­quer­da pa­ra cer­rar fi­lei­ras em tor­no de Lu­la da Sil­va e con­ti­nu­ar a “re­sis­tir” à ofen­si­va da direita.

“Ape­la­mos a to­dos os de­mo­cra­tas pa­ra re­sis­ti­rem às ma­no­bras des­ta ín­do­le. A so­li­da­ri­e­da­de na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal pa­ra com Lu­la é fun­da­men­tal”, dis­se Fal­cão.

Lu­la da Sil­va, que há uma dé­ca­da im­pres­si­o­na­va o mun­do no co­man­do de um Bra­sil em fran­co avan­ço, acu­sou o governo de Mi­chel Te­mer de que­rer “en­tre­gar ao ca­pi­tal es­tran­gei­ro” as gran­des in­dús­tri­as na­ci­o­nais, ci­tan­do co­mo exem­plo a Pe­tro­bras.

Mais áci­do do que cos­tu­ma ser, vol­tou a mos­trar a sua re­tó­ri­ca di­an­te do mi­cro­fo­ne. Sem dei­xar de la­do o bom hu­mor e pi­a­das so­bre a sua in­ten­sa vi­da pú­bli­ca, Lu­la lem­brou iro­ni­ca­men­te o per­cur­so do seu an­te­ces­sor, Fer­nan­do Hen­ri­que Cardoso, do Par­ti­do So­ci­al-De­mo­cra­ta Bra­si­lei­ro (PSDB).Afir­man­do que mui­tos aguar­da­vam a ruí­na de um me­ta­lúr­gi­co sem es­tu­do quan­do ga­nhou as elei­ções de 2002, Lu­la da Sil­va as­se­gu­rou que o pró­prio Fer­nan­do Hen­ri­que Cardoso de­se­ja­va que ele ven­ces­se pa­ra im­pe­dir a vi­tó­ria do can­di­da­to Jo­sé Ser­ra, do seu par­ti­do, pa­ra pre­pa­rar o ter­re­no pa­ra o seu re­gres­so, já que apos­ta­va num fra­cas­so do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res. “O meu fra­cas­so não te­ria ge­ra­do tan­to ódio ao Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res”, co­men­tou Lu­la.

In­ter­ro­ga­do so­bre as ex­pli­ca­ções da­que­le que foi o seu gran­de opo­si­tor em Bra­sí­lia, Fer­nan­do Hen­ri­que Cardoso dis­se quin­ta-fei­ra que não se que­ria pro­nun­ci­ar so­bre o as­sun­to. “Acre­di­to que o Pre­si­den­te Lu­la es­te­ja a pas­sar por um mo­men­to di­fí­cil. É um mo­men­to em que es­tá a de­sa­ba­far e di­zen­do o que es­tá ao seu al­can­ce pa­ra se jus­ti­fi­car. La­men­to, sin­ce­ra­men­te”, res­pon­deu Fer­nan­do Hen­ri­que, após um ac­to do seu par­ti­do no Rio de Ja­nei­ro.

REU­TERS

Ex-Pre­si­den­te acu­sa a elite bra­si­lei­ra de gol­pe

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.