An­go­la ape­la à co­e­são e con­de­na in­ge­rên­ci­as

Jornal de Angola - - PARTADA -

A XVII Ci­mei­ra do Mo­vi­men­to dos Não-Ali­nha­dos, or­ga­ni­za­ção que in­te­gra120 paí­ses, ter­mi­nou on­tem na Ilha Mar­ga­ri­ta (Ve­ne­zu­e­la), com os Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no a de­fen­de­rem a re­for­ma das Na­ções Uni­das, in­cluin­do o seu Con­se­lho de Se­gu­ran­ça. Has­san Roha­ni, do Irão, pas­sou a pre­si­dên­cia da or­ga­ni­za­ção a Ni­co­lás Ma­du­ro, da Ve­ne­zu­e­la. O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, que re­pre­sen­tou na Ci­mei­ra o Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no, Jo­sé Eduardo dos San­tos, pe­diu aos paí­ses Não-Ali­nha­dos que se man­te­nham co­e­sos, con­de­nan­do in­ter­fe­rên­ci­as nos as­sun­tos in­ter­nos. Ma­nu­el Vi­cen­te dis­se que a or­ga­ni­za­ção de­ve re­cu­sar a in­ter­fe­rên­cia nos seus as­sun­tos in­ter­nos, o des­res­pei­to da in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al e a so­be­ra­nia dos seus po­vos, que ten­dem a de­sa­ce­le­rar o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel dos paí­ses em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to. Pe­diu, por is­so, uma mai­or ar­ti­cu­la­ção com os or­ga­nis­mos das Na­ções Uni­das pa­ra uma abor­da­gem sé­ria e iden­ti­fi­car as po­lí­ti­cas de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co sus­ten­tá­veis e igua­li­tá­ri­as, pa­ra que o mun­do se­ja me­nos de­si­gual e po­li­ti­ca­men­te mais es­tá­vel. “Os nos­sos paí­ses de­vem, num es­for­ço con­cer­ta­do, de­fen­der a re­for­ma do sis­te­ma das Na­ções Uni­das, a re­es­tru­tu­ra­ção do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça e a re­vi­ta­li­za­ção do tra­ba­lho da As­sem­bleia-Ge­ral”, fri­sou.

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, pe­diu ao Mo­vi­men­to de Paí­ses Não Ali­nha­dos que se man­te­nham co­e­sos na de­fe­sa dos Es­ta­dos-mem­bros e dos prin­cí­pi­os da­que­le or­ga­nis­mo, con­de­nan­do in­ter­fe­rên­ci­as nos as­sun­tos in­ter­nos. “De­ve­mos pro­mo­ver a co­e­são dos Es­ta­dos pa­ra po­der man­ter-nos fiéis e de­fen­der, com fir­me­za, os pro­pó­si­tos e prin­cí­pi­os que fo­ram as ba­ses da cri­a­ção do Mo­vi­men­to, con­ti­dos na Car­ta de Ban­dung, na De­cla­ra­ção de Ha­va­na, de Ba­li e na Car­ta das Na­ções Uni­das”, dis­se.

Ma­nu­el Vi­cen­te fa­la­va na ses­são de aber­tu­ra da XVII Ci­mei­ra dos Não-Ali­nha­dos, que de­cor­re na ilha ve­ne­zu­e­la­na de Mar­ga­ri­ta, uma in­ter­ven­ção que ter­mi­nou com um “mui­to obri­ga­do”, em lín­gua por­tu­gue­sa, do Pre­si­den­te ve­ne­zu­e­la­no, Ni­co­lás Ma­du­ro. “De­ve­mos re­cu­sar a in­ter­fe­rên­cia nos as­sun­tos in­ter­nos dos nos­sos Es­ta­dos e o des­res­pei­to pe­la in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al e a so­be­ra­nia dos nos­sos po­vos, que ten­dem a de­sa­ce­le­rar o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel dos paí­ses em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to”, dis­se.

Ma­nu­el Vi­cen­te pe­diu uma mai­or ar­ti­cu­la­ção com “os or­ga­nis­mos das Na­ções Uni­das pa­ra ter uma abor­da­gem sé­ria e iden­ti­fi­car as po­lí­ti­cas de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e sus­ten­tá­veis, igua­li­tá­ri­as, pa­ra que o mun­do se­ja me­nos de­si­gual e po­li­ti­ca­men­te es­tá­vel”. Os Não-Ali­nha­dos de­vem ain­da con­ti­nu­ar a con­de­nar to­das as po­lí­ti­cas e prá­ti­cas dis­cri­mi­na­do­ras que im­pe­dem o aces­so dos paí­ses em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to de ob­ter os be­ne­fí­ci­os da in­for­ma­ção e tec­no­lo­gi­as de co­mu­ni­ca­ção e de re­des es­ta­be­le­ci­das em paí­ses de­sen­vol­vi­dos, re­fe­riu.

“Os nos­sos paí­ses de­vem, num es­for­ço con­cer­ta­do, de­fen­der a re­for­ma do sis­te­ma das Na­ções Uni­das, a re­es­tru­tu­ra­ção do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, a me­lho­ria das relações com os or­ga­nis­mos prin­ci­pais das Na­ções Uni­das e a re­vi­ta­li­za­ção do tra­ba­lho da As­sem­bleia-Ge­ral”, fri­sou. A com­ple­xi­da­de dos pro­ble­mas que o mun­do ac­tu­al en­fren­ta re­quer con­cer­ta­ção, diá­lo­go e ne­go­ci­a­ção per­ma­nen­te, por­que a in­ter­de­pen­dên­cia e mai­or pro­xi­mi­da­de fa­zem com que os pro­ble­mas lo­cais se tor­nem glo­bais, obri­gan­do a res­pos­tas con­cer­ta­das e uni­ver­sais pa­ra aca­bar com os cri­mes trans­na­ci­o­nais, as gran­des do­en­ças en­dé­mi­cas, o ter­ro­ris­mo e a des­trui­ção con­tí­nua do meio am­bi­en­te, re­fe­riu Ma­nu­el Vi­cen­te.

Es­ta­bi­li­da­de e paz

O Vi­ce-Pre­si­den­te des­ta­cou que “An­go­la tem si­do um fac­tor im­por­tan­te de paz e de es­ta­bi­li­da­de re­gi­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal”. En­quan­to lí­der da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal da Re­gião dos Gran­des La­gos, An­go­la tem re­a­li­za­do “um de­ba­te mi­nis­te­ri­al aber­to so­bre a ma­nu­ten­ção da paz e da se­gu­ran­ça in­ter­na­ci­o­nal, pre­ven­ção e re­so­lu­ção de con­fli­tos na re­gião, que as­sen­tou ba­ses que po­dem con­tri­buir pa­ra a re­so­lu­ção dos con­fli­tos que con­ti­nu­am a afec­tar a sub-re­gião de Áfri­ca”.

An­go­la con­ti­nu­a­rá com­pro­me­ti­da “com a pro­mo­ção e pre­ser­va­ção da har­mo­nia e da se­gu­ran­ça” no con­ti­nen­te afri­ca­no e em re­cu­pe­rar “a sua ca­pa­ci­da­de pro­du­ti­va, na pro­mo­ção da di­ver­si­fi­ca­ção da sua eco­no­mia na­ci­o­nal”, acres­cen­tou Ma­nu­el Vi­cen­te.

Li­de­ran­ça ira­ni­a­na

O Pre­si­den­te do Irão, Has­san Roha­ni, afir­mou sá­ba­do no iní­cio da Ci­mei­ra dos Não-ali­nha­dos, na qual pas­sa a pre­si­dên­cia à Ve­ne­zu­e­la, que a reu­nião de­cor­re no meio de uma si­tu­a­ção em que a paz es­tá em ris­co no mun­do in­tei­ro.

“Os mem­bros dos Não-ali­nha­dos pre­ci­sam mais do que nun­ca de so­li­da­ri­e­da­de, con­so­li­da­ção e in­te­gra­ção”, dis­se o Pre­si­den­te ira­ni­a­no, que con­si­de­rou “mui­to pre­o­cu­pan­te o que es­tá a acon­te­cer ac­tu­al­men­te nas relações in­ter­na­ci­o­nais” no mun­do glo­ba­li­za­do.

Roha­ni des­ta­cou que os paí­ses não-ali­nha­dos cons­ti­tu­em dois ter­ços da As­sem­bleia-Ge­ral da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) e são “uma par­te in­dis­pen­sá­vel nas so­lu­ções pa­ra os de­sa­fi­os ac­tu­ais do mun­do”.

O Pre­si­den­te ira­ni­a­no as­se­gu­rou que a “ten­dên­cia da po­la­ri­za­ção mi­li­tar ac­tu­al es­tá a su­pe­rar as cor­ri­das ar­ma­men­tis­tas do pas­sa­do” com a pro­li­fe­ra­ção de guer­ras, dis­pu­tas e a in­ge­rên­cia nos as­sun­tos in­ter­nos das na­ções por par­te de paí­ses que têm po­der e ri­que­za.

“Te­mos vis­to in­ci­den­tes mui­to do­lo­ro­sos na Sí­ria, Ira­que, Lí­bia que têm fe­ri­do e ain­da atin­gem a cons­ci­ên­cia de mi­lha­res de pes­so­as no mun­do”, re­fe­riu, con­si­de­ran­do o que acon­te­ce nes­tes paí­ses um “sím­bo­lo da ir­res­pon­sa­bi­li­da­de das gran­des po­tên­ci­as”. Em re­la­ção a is­to, Roha­ni dis­se que o Irão “ad­ver­tiu des­de o prin­cí­pio so­bre o pe­ri­go do ter­ro­ris­mo jiha­dis­ta” jun­to de go­ver­nos co­mo os do Ira­que e da Sí­ria.

AFP

Pre­si­den­te do Irão Has­san Roha­ni pas­sa a pre­si­dên­cia dos Não-Ali­nha­dos ao ho­mó­lo­go da Ve­ne­zu­e­la Ni­co­lás Ma­du­ro

DOMBELE BER­NAR­DO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.