Pe­cuá­ria re­ce­be in­cen­ti­vos

Com­pro­mis­so da Huí­la na pro­du­ção de ali­men­tos. Os mu­ni­cí­pi­os são im­por­tan­tes pa­ra ven­cer os de­sa­fi­os da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia

Jornal de Angola - - PARTADA - ARÃO MAR­TINS

Os mu­ni­cí­pi­os têm um pa­pel im­por­tan­te pa­ra en­ca­rar os de­sa­fi­os ine­ren­tes à di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e a agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar po­de con­tri­buir pa­ra o cum­pri­men­to des­se de­si­de­ra­to, afir­mou o vi­ce-go­ver­na­dor da Huí­la pa­ra o sec­tor Eco­nó­mi­co, Sér­gio da Cu­nha Ve­lho.

No Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to 2013/2017, no que diz res­pei­to a op­ções es­tra­té­gi­cas e a pro­jec­tos es­tru­tu­ran­tes, a pro­vín­cia da Huí­la tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de con­tri­buir e as­su­mir-se co­mo pro­du­to­ra de ex­ce­den­tes agro-pe­cuá­ri­os, diz o go­ver­nan­te.

Com vis­ta a pro­por­ci­o­nar, ain­da mais, me­lho­ri­as no sec­tor agro-pe­cuá­rio, o go­ver­no pro­vin­ci­al pro­jec­tou, no seu Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to de Mé­dio Pra­zo 2013-2017, um va­lor cor­res­pon­den­te a 12 por cen­to do or­ça­men­to to­tal pre­vis­to, pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da agri­cul­tu­ra, pe­cuá­ria e pes­cas, ex­pli­cou.

O di­rec­tor pro­vin­ci­al da Agri­cul­tu­ra, Lu­te­ro Cam­pos, dis­se que, pa­ra a cam­pa­nha agrí­co­la 2015/2016, fo­ram cul­ti­va­dos por ini­ci­a­ti­va das au­to­ri­da­des 605 hec­ta­res. Na pri­mei­ra épo­ca, pro­du­ziu-se mi­lho, mas­san­go, mas­sam­ba­la e tam­bém fei­jão.

A pro­du­ção pri­vi­le­gi­ou as zo­nas com mai­or vo­lu­me de chu­va, co­mo os mu­ni­cí­pi­os do Nor­te co­mo Ca­cu­la, Ca­lu­quem­be, Chi­com­ba, Chi­pin­do, Qui­pun­go e Ma­ta­la, pa­ra as gran­des plan­ta­ções, sem des­cu­rar aque­las em que a si­tu­a­ção se tor­na crí­ti­ca en­tre Ou­tu­bro a Ja­nei­ro.Na se­gun­da épo­ca, de fi­nais de Ja­nei­ro até Mar­ço, deu-se pri­ma­zia à cul­tu­ra de le­gu­mi­no­sas, co­mo o fei­jão, pa­ra, na ter­cei­ra épo­ca, que vai de fi­nais de Abril a Ju­lho, se pro­du­zir hor­tí­co­las, ba­ta­ta re­na, pi­men­to e ce­nou­ra. Apro­vei­tan­do as zo­nas bai­xas, en­tre Ju­lho a Se­tem­bro, a hu­mi­da­de ser­ve na pré-épo­ca que é das na­cas, pa­ra os agri­cul­to­res lan­çam a se­men­te pa­ra e te­rem mas­sa­ro­ca ver­de.

Na zo­na les­te da pro­vín­cia, so­bre­tu­do no Cu­van­go, in­cen­ti­va-se a pro­du­ção de man­di­o­ca em gran­de es­ca­la. Es­tá em cur­so um pro­gra­ma de apro­vei­ta­men­to das zo­nas en­tre mon­ta­nhas pa­ra a pro­du­ção de ar­roz e de tri­go.

Lu­te­ro Cam­pos diz que já se es­tá a pro­du­zir, mas o pro­gra­ma pre­ci­sa de divulgação pa­ra ga­nhar ade­são. As pre­vi­sões são bo­as, ga­ran­tiu o di­rec­tor.

Em ca­da cam­pa­nha agrí­co­la, 289 mil fa­mí­li­as são as­sis­ti­das na Huí­la por in­ter­mé­dio de pro­gra­mas de­sen­vol­vi­dos pe­lo Go­ver­no com o apoio de par­cei­ros so­ci­ais, co­mo a União Na­ci­o­nal dos Cam­po­ne­ses de An­go­la (Una­ca), que pro­cu­ra mo­bi­li­zar mais cam­po­ne­ses.

Os cam­po­ne­ses be­ne­fi­ci­a­dos pe­los pro­gra­mas do Go­ver­no têm fei­to o re­tor­no dos in­su­mos re­ce­bi­dos, o que per­mi­te abran­ger ca­da vez mais cam­po­ne­ses. “Es­te pro­gra­ma es­tá a sur­tir efei­to”, afir­mou.

Atri­bui­ção de ter­ras

A agri­cul­tu­ra é das áre­as que mais pos­tos de tra­ba­lho cri­ou na Huí­la nos úl­ti­mos anos, afir­mou o di­rec­tor pro­vin­ci­al do sec­tor, Lu­te­ro Cam­pos. Um as­pec­to po­si­ti­vo é o fac­to de o ci­da­dão ser o pro­pri­e­tá­rio da par­ce­la, fri­sa o res­pon­sá­vel. Ho­je, as co­mu­ni­da­des já têm o tí­tu­lo de con­ces­são de ter­ra.

O Go­ver­no da Huí­la, por in­ter­mé­dio da Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Agri­cul­tu­ra e De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral, dis­tri­bui par­ce­las de ter­ra em de­ter­mi­na­das lo­ca­li­da­des in­di­ca­das pe­las au­to­ri­da­des, pa­ra se pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to de for­ma sus­ten­tá­vel.

“Tam­bém es­ta­mos a men­ta­li­zar a po­pu­la­ção pa­ra uma con­vi­vên­cia sã en­tre os cam­po­ne­ses, agri­cul­to­res e in­ves­ti­do­res”, que tem re­fle­xos po­si­ti­vos na ac­ti­vi­da­de de to­dos, re­fe­re.

Lu­te­ro Cam­pos des­ta­ca tam­bém o cré­di­to agrí­co­la de cam­pa­nha que, na Huí­la, fez a pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia em 2011 e a se­gun­da em 2015/2016. Os fi­nan­ci­a­men­tos au­men­ta­ram a ca­pa­ci­da­de dos pe­que­nos fa­zen­dei­ros, que, além de pro­pri­e­tá­ri­os dos ter­re­nos, se sen­tem ho­je par­tí­ci­pes no pro­ces­so pro­du­ti­vo e na di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia.

Os pro­gra­mas de cré­di­to agrí­co­la de cam­pa­nha con­tam com a par­ti­ci­pa­ção dos ban­cos de Pou­pan­ça e Cré­di­to (BPC), Sol e de Co­mér­cio e In­dús­tria (BCI), além de par­cei­ros so­ci­ais co­mo a ADRA, que tra­ba­lha com o BCI na Hum­pa­ta e que apoia os agri­cul­to­res e cam­po­ne­ses na área do cré­di­to.

In­cen­ti­vo do Pa­pa­gro

O pro­gra­ma de aqui­si­ção dos pro­du­tos do cam­po (Pa­pa­gro) au­men­tou a mo­ti­va­ção dos cam­po­ne­ses com os mer­ca­dos de pro­xi­mi-

da­de, on­de po­dem co­mer­ci­a­li­zar os ex­ce­den­tes de pro­du­ção e ob­ter mais ren­di­men­tos.

Sér­gio da Cu­nha Ve­lho dis­se que se tem pro­cu­ra­do iden­ti­fi­car e re­cu­pe­rar os prin­ci­pais ra­mais ro­do­viá­ri­os de es­co­a­men­to dos pro­du­tos agro-pe­cuá­ri­os, pa­ra fa­ci­li­tar a co­mer­ci­a­li­za­ção de pro­du­tos do cam­po e re­du­zir as per­das pós-co­lhei­ta. O vi­ce-go­ver­na­dor de­fen­deu mais in­ves­ti­men­tos pa­ra ma­nu­ten­ção do pro­gra­ma. A aqui­si­ção de si­los trou­xe mais se­gu­ran­ça na con­ser­va­ção de ce­re­ais, adi­an­tou o di­rec­tor da Agri­cul­tu­ra. Uma uni­da­de de frio com ca­pa­ci­da­de de ar­ma­ze­nar 2.400 to­ne­la­das de pro­du­tos di­ver­sos es­tá em cons­tru­ção no mu­ni­cí­pio da Chi­bia. A uni­da­de, que co­me­ça a fun­ci­o­nar em bre­ve, vai pro­ces­sar a con­ser­va­ção e a con­ge­la­ção de pro­du­tos pe­cuá­ri­os.

Apoio à pe­cuá­ria

O Go­ver­no Pro­vin­ci­al da Huí­la tem pro­mo­vi­do a ma­nu­ten­ção do re­ba­nho bo­vi­no, o mai­or do país com mais de 1.2 mi­lhões de ca­be­ças, atra­vés de cam­pa­nhas de va­ci­na­ção e de um pro­gra­ma de me­lho­ra­men­to do ga­do au­tóc­to­ne, com a in­tro­du­ção de re­pro­du­to­res de ra­ças me­lho­ra­das.

Es­tá em cur­so o pro­jec­to de com­ba­te a zo­o­no­ses, com o re­gis­to de ani­mais e a cons­tru­ção de ca­sas de ma­tan­ça e de sa­las de aba­te, pa­ra se con­fe­rir mai­or sa­lu­bri­da­de aos pro­du­tos pe­cuá­ri­os, dis­ci­pli­nar e de­sen­co­ra­jar os aba­tes clan­des­ti­nos. Sér­gio da Cu­nha Ve­lho esclarece que, no âm­bi­to do pro­gra­ma mu­ni- ci­pal in­te­gra­do de de­sen­vol­vi­men­to ru­ral e com­ba­te à po­bre­za (PMIDRCP), fo­ram re­a­bi­li­ta­das e re­cons­truí­das vá­ri­as man­gas de va­ci­na­ção e tan­ques ba­nhei­ros em to­dos os mu­ni­cí­pi­os da pro­vín­cia.

O di­rec­tor da Agri­cul­tu­ra des­ta­cou ain­da as po­ten­ci­a­li­da­des da pro­vín­cia pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da aqui­cul­tu­ra. A Huí­la tem mui­tas al­bu­fei­ras, ri­os e la­go­as, re­fe­re.

“Va­mos fa­zer com que a cri­a­ção de pes­ca­do ren­da mui­to mais do que ir­mos ao rio sem su­ces­so”, afir­ma o res­pon­sá­vel.

Di­ver­sos pro­jec­tos es­tão em cur­so a ní­vel mu­ni­ci­pal e co­mu­nal, o que ren­deu à pro­vín­cia as pri­mei­ras seis to­ne­la­das de pei­xe de­pois de seis me­ses de ex­plo­ra­ção. A ex­pe­ri­ên­cia es­tá na ter­cei­ra fa­se. A di­rec­ção pro­vin­ci­al apoia tam­bém pes­ca­do­res ar­te­sa­nais, a quem dis­tri­buiu bar­cos com e sem mo­tor, além de re­des e an­zóis.

Pa­pel dos mu­ni­cí­pi­os

Qui­pun­go é co­nhe­ci­do co­mo o “ce­lei­ro de An­go­la” pe­la gran­de pro­du­ção de ce­re­ais. Na Ex­poHuí­la, o mu­ni­cí­pio mos­trou as po­ten­ci­a­li­da­des que de­tém: mi­lho bran­co, ama­re­lo e ver­me­lho, so­ja, mas­san­go e mas­sam­ba­la. A man­di­o­ca, que an­tes era pro­du­zi­da, so­bre­tu­do no nor­te do país, ga­nha ago­ra cor­po no sul e pe­la fer­ti­li­da­de do so­lo ex­pan­de-se.

O mu­ni­cí­pio pre­ten­de alar­gar a sua fa­tia no bo­lo da eco­no­mia na­ci­o­nal e es­gri­me o tu­ris­mo co­mo ar­ma de com­ba­te. Pa­ra a in­dús­tria da paz, Qui­pun­go avan­ça com o Par­que Na­ci­o­nal do Bi­cu­ar.

Amé­lia Ca­si­mi­ro, ad­mi­nis­tra­do­ra mu­ni­ci­pal do Qui­pun­go, diz que além do au­men­to da pro­du­ção do mi­lho ama­re­lo, es­pé­cie no­va na re­gião e que res­pon­de ao mer­ca­do, se es­tá a de­sen­vol­ver, de acor­do com as exi­gên­ci­as do Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te, “ac­ções pa­ra po­ten­ci­a­li­zar o tu­ris­mo, um con­tri­bu­to va­li­o­so pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia.”

Mais de mil cam­po­ne­ses do mu­ni­cí­pio de Ca­lu­quem­be são abas­te­ci­dos pe­lo ban­co de se­men­tes cri­a­do em 2011 por ori­en­ta­ção do Exe­cu­ti­vo, diz ao Jor­nal de An­go­la o ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal, Jo­sé Na­ta­ni­el. As au­to­ri­da­des dis­tri­bu­em tam­bém ga­do de trac­ção pa­ra aju­dar os cam­po­ne­ses na la­vou­ra.

Pe­rí­me­tros ir­ri­ga­dos

Os pe­rí­me­tros ir­ri­ga­dos per­mi­tem a pro­du­ção de ali­men­tos em gran­de es­ca­la, quer na área dos ce­re­ais, quer de hor­tí­co­las e fru­tí­co­las.

Ma­ta­la tem 10 mil, e Gan­ge­las, na Chi­bia, 6.220. O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal da Ma­ta­la, Ma­nu­el Vi­cen­te, dis­se que o pro­ble­ma, ho­je, es­tá na dis­tri­bui­ção. “Ain­da não se tem mui­ta sa­ga­ci­da­de pa­ra ir à pro­cu­ra dos mer­ca­dos e co­lo­car lá os pro­du­tos. Mas is­so vai-se fa­zen­do pau­la­ti­na­men­te”, afir­mou.

“Sa­be­mos que, quan­do che­ga a al­tu­ra da co­lhei­ta, se en­con­tra mui­ta ba­ta­ta no mer­ca­do a bai­xo pre­ço”, dis­se. As fei­ras tam­bém são uma so­lu­ção pa­ra a pro­mo­ção dos pro­du­tos, acres­cen­ta o ad­mi­nis­tra­dor, que ape­la à par­ti­ci­pa­ção de to­dos na divulgação do que se pro­duz. “Só se im­por­ta aqui­lo que não se pro­duz a ní­vel in­ter­no e es­se fac­tor é mo­ti­va­dor e in­cen­ti­va­dor pa­ra que a pro­du­ção se­ja fei­ta com mai­or flui­dez e res­pon­sa­bi­li­da­de”, dis­se.

O pro­jec­to Hum­pa­ta, com ba­se no pe­rí­me­tro ir­ri­ga­do das na­ves, com 1.600 hec­ta­res, e o do Wa­ba, em Ca­con­da, com 88.644, são ou­tros co­los­sos da agri­cul­tu­ra na pro­vín­cia. A for­ma­ção em áre­as li­ga­das à agri­cul­tu­ra tam­bém ga­nhou di­nâ­mi­ca na Huí­la. O Ins­ti­tu­to Mé­dio Agrá­rio do Tchi­vin­gui­ro já for­mou mi­lha­res de téc­ni­cos e cres­ce o in­gres­so de jo­vens em dis­tin­tas fa­cul­da­des pa­ra for­ma­ção em Ve­te­ri­ná­ria, En­ge­nha­ria, Flo­res­tas e Zo­o­tec­nia.

Bas­tião da pro­du­ção na­ci­o­nal

Pau­lo Gas­par, pre­si­den­te de di­rec­ção da As­so­ci­a­ção Agro-pe­cuá­ria, Co­mer­ci­al e In­dus­tri­al (AAPCIL) na Huí­la, afir­mou que a pro­vín­cia po­de tor­nar-se em pou­co tem­po no bas­tião da pro­du­ção na­ci­o­nal, des­de que o Go­ver­no olhe com mais aten­ção pa­ra a re­gião, que já foi um dos ce­lei­ros de An­go­la.

Afir­mou que a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia pas­sa por um apoio mai­or às mi­cro e pe­que­nas em­pre­sas, as­sim co­mo à in­dús­tria fa­mi­li­ar. “Não te­mos dú­vi­das de que a agri­cul­tu­ra, pe­cuá­ria, pes­cas e a agro-in­dús­tria são fac­to­res de­ci­si­vos pa­ra sair­mos da cri­se. Po­rém, não po­de­mos es­que­cer o sec­tor do tu­ris­mo, cons­tru­ção ci­vil, dis­tri­bui­ção e a re­de de re­ta­lhis­tas”, re­fe­re. Mes­mo no ac­tu­al con­tex­to eco­nó­mi­co, exis­tem em­pre­sá­ri­os com mui­ta von­ta­de de de­sen­vol­ver ac­ções ca­pa­zes de con­tri­buí­rem pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca, adi­an­ta Pau­lo Gas­par, que in­di­cou os mu­ni­cí­pi­os de Ca­lu­quem­be, Chi­com­ba, Ca­con­da e Qui­pun­go co­mo o rec­tân­gu­lo do mi­lho.

Com mais aten­ção e apoio aos cam­po­ne­ses e em­pre­sá­ri­os des­tas zo­nas, fi­li­a­dos na AAPCIL, os ga­nhos po­dem ser mai­o­res na pro­du­ção de ali­men­tos, ga­ran­te.

Po­ten­ci­al tu­rís­ti­co

O vi­ce-go­ver­na­dor da Huí­la en­fa­ti­za o gran­de po­ten­ci­al tu­rís­ti­co da pro­vín­cia e o ac­tu­al cres­ci­men­to do sec­tor ho­te­lei­ro e de res­tau­ra­ção, tan­to na ca­pi­tal pro­vin­ci­al, co­mo nos mu­ni­cí­pi­os. O go­ver­no pro­vin­ci­al tra­ba­lha pa­ra alo­car ver­bas pa­ra a re­cu­pe­ra­ção das vi­as ter­ciá­ri­as com al­to grau de de­gra­da­ção de mo­do a atrair tu­ris­tas e in­ves­ti­men­tos pa­ra as zo­nas com re­cur­sos tu­rís­ti­cos. O mu­ni­cí­pio do Qui­pun­go apos­ta no Par­que Na­ci­o­nal do Bi­cu­ar que, de acor­do com a ad­mi­nis­tra­do­ra, po­de ca­ta­pul­tar o eco­tu­ris­mo na re­gião e tra­zer re­cei­tas pa­ra o mu­ni­cí­pio. Im­por­tan­te, nes­te qua­dro, é o con­tro­lo do am­bi­en­te, pa­ra o que exis­te um acor­do com o Mi­nis­té­rio cor­res­pon­den­te, com vis­ta ao con­tro­lo do de­pó­si­to de de­tri­tos das em­pre­sas de ex­plo­ra­ção de mi­ne­rais, co­mo as pe­drei­ras, se­ja ter­re­no, se­ja na at­mos­fe­ra, co­mo o dió­xi­do de car­bo­no. “Se re­du­zir­mos es­se fei­to, te­re­mos mui­to mais ga­nhos”, afir­ma.

In­dús­tria e Mi­nas

Vá­ri­as ac­ções es­tão di­rec­ci­o­na­das pe­lo Go­ver­no da Huí­la e o Exe­cu­ti­vo pa­ra o sec­tor da In­dús­tria, Ge­o­lo­gia e Mi­nas na Huí­la, con­si­de­ra­do cha­ve pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e in­cre­men­to das re­cei­tas do Es­ta­do, diz a di­rec­to­ra pro­vin­ci­al, Pau­la Jo­a­quim.

Nos úl­ti­mos anos, fo­ram li­cen­ci­a­das 91 uni­da­des de pro­du­ção, a mai­or par­te do ra­mo agro­a­li­men­tar, com 53 uni­da­des e a pro­du­ção de ma­te­ri­al de cons­tru­ção, com 13.

O Mi­nis­té­rio da In­dús­tria tem mui­tos pro­jec­tos di­rec­ci­o­na­dos pa­ra a pro­vín­cia, acres­cen­ta a di­rec­to­ra.

No ra­mo da mi­ne­ra­ção, já exis­tem al­gu­mas uni­da­des de trans­for­ma­ção, so­bre­tu­do na área de ro­chas or­na­men­tais, que tem cres­ci­do mui­to nos úl­ti­mos qua­tro anos. A ex­plo­ra­ção e a trans­for­ma­ção de gra­ni­to são fei­tas ago­ra por seis em­pre­sas, quan­do ape­nas du­as exis­ti­am em 2009.

“An­tes, o gra­ni­to era ex­por­ta­do em bru­to e ho­je já é trans­for­ma­do na pro­vín­cia, o que per­mi­te mai­or ren­ta­bi­li­da­de e agre­ga­ção de va­lor co­mer­ci­al”, afir­mou.

EUNÍCE SUZANA

Cri­a­do­res de ga­do de­ter­mi­na­dos a re­du­zir a im­por­ta­ção de car­ne e pou­par di­vi­sas ao país

ARIMATEIA BASPTISTA | HUÍ­LA

Vi­ce-go­ver­na­dor Sér­gio da Cu­nha Ve­lho des­ta­ca o pa­pel dos mu­ni­cí­pi­os na pro­du­ção

ESTANISLAU COS­TA | HUÍ­LA

ARÃO MAR­TINS | HUÍ­LA

Gran­des si­los pa­ra a con­ser­va­ção de ce­re­ais es­tão mon­ta­dos em di­ver­sos mu­ni­cí­pi­os da Huí­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.