CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AFON­SO ESTRIA MÁ­RIO VITA

Ban­cos e cam­bi­ais

Es­cre­vo pa­ra es­te es­pa­ço de­di­ca­do aos lei­to­res des­te pres­ti­gi­a­do ór­gão de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pa­ra ma­ni­fes­tar o meu des­con­ten­ta­men­to em re­la­ção ao tra­ta­men­to que al­guns ban­cos co­mer­ci­ais dão, nes­ta fa­se di­fí­cil pa­ra to­dos, aos seus cli­en­tes com sa­lá­ri­os do­mi­ci­li­a­dos há anos nes­sas ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras.

Sou cli­en­te de um ban­co co­mer­ci­al, que não in­te­res­sa ci­tar, há anos e co­mo te­nho três fi­lhos a fa­zer cur­sos su­pe­ri­o­res no es­tran­gei­ro à mi­nha cus­ta, há anos que tam­bém acor­dei com o ban­co, atra­vés de um ins­tru­ti­vo per­ma­nen­te e os do­cu­men­tos ne­ces­sá­ri­os, pa­ra a trans­fe­rên­cia men­sal de um de­ter­mi­na­do mon­tan­te re­ti­ra­do do meu sa­lá­rio pa­ra cus­te­ar os es­tu­dos, ali­men­ta­ção e o pa­ga­men­to da ren­da.

Nos pri­mei­ros anos, quan­do a cri­se cam­bi­al não se fa­zia ain­da sen­tir co­mo ago­ra, o ban­co foi trans­fe­rin­do, mês sim mês não, as aju­das aos meus fi­lhos. Acei­tei es­sa si­tu­a­ção sem re­cla­mar, em­bo­ra en­quan­to cli­en­te de­via ser o ban­co, atra­vés do ges­tor de con­tas, a co­mu­ni­car so­bre es­sas fa­lhas, por­que afi­nal há um ins­tru­ti­vo per­ma­nen­te que não foi re­vo­ga­do nem por mim, nem pe­lo ban­co.

Mas co­mo a cri­se afec­ta a to­dos, não fiz gran­de ala­ri­do e fui “de­sen­ras­can­do” co­mo po­dia, pa­ra fa­zer che­gar o ne­ces­sá­rio pa­ra os meus fi­lhos não pas­sa­rem fo­me ou dor­mi­rem ao re­len­to. Há três me­ses que o ban­co não en­via um vin­tém à mi­nha fi­lha, mes­mo com o di­nhei­ro na mi­nha con­ta.

Já fui re­cla­mar “n” ve­zes, sem su­ces­so. O ban­co ale­ga que es­ta é uma ques­tão con­jun­tu­ral, em­bo­ra sai­ba que o Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) re­a­li­za se­ma­nal­men­te ven­da de di­vi­sas aos ban­cos co­mer­ci­ais. Meus se­nho­res, há di­rei­tos que não po­dem ser pi­so­te­a­dos de qual­quer for­ma. Eu te­nho o meu di­nhei­ro no vos­so ban­co e me­re­ço ser tra­ta­do com res­pei­to. Dois dos meus fi­lhos fo­ram re­ti­ra­dos da ca­sa ar­ren­da­da, por fal­ta de pa­ga­men­to, e a mi­nha fi­lha cor­re o mes­mo ris­co. A quem pe­dir con­tas? Es­ta é a ques­tão que dei­xo no ar, com a es­pe­ran­ça de que o as­sun­to se re­sol­va o mais rá­pi­do pos­sí­vel.

Tro­cas no trân­si­to

A tro­ca de agen­tes de trân­si­to efec­tu­a­da pe­lo Co­man­do-Ge­ral da Po­lí­cia Na­ci­o­nal já es­tá a dar re­sul­ta­dos. Em al­gu­mas zo­nas da ci­da­de de Lu­an­da, per­ma­nen­te­men­te en­gar­ra­fa­das, de­vi­do à má con­du­ção de mui­tos ta­xis­tas, a cir­cu­la­ção já se faz com al­gu­ma flui­dez. Per­cor­ri a ci­da­de du­ran­te al­gu­mas ho­ras e re­pa­rei que os no­vos agen­tes tra­tam os au­to­mo­bi­lis­tas com dig­ni­da­de e, em al­guns ca­sos, com de­ma­si­a­da bran­du­ra. Acho que não se po­de con­ti­nu­ar a per­mi­tir que au­to­mo­bi­lis­tas, com car­ros de al­ta ci­lin­dra­da, não res­pei­tem os peões na pas­sa­dei­ra. Era su­pos­to que quem con­duz um car­ro de al­ta ci­lin­dra­da, al­guns dos quais ofi­ci­ais, te­nha al­gu­ma ur­ba­ni­da­de e res­pei­te os peões. Va­mos fa­zer fi­gas pa­ra que os no­vos agen­tes re­gu­la­do­res do trân­si­to em Lu­an­da e no país in­tei­ro co­me­cem a exi­gir des­sa gen­te al­gu­ma edu­ca­ção, que pa­re­ce fal­tar.

Os no­vos agen­tes não de­vem trans­por­tar o ve­lho e mau há­bi­to de con­cen­tra­ção nas di­tas pa­ra­gens de can­don­guei­ros nas ho­ras de pon­ta e de­vem re­a­li­zar um am­plo tra­ba­lho de sen­si­bi­li­za­ção jun­to dos peões pa­ra não atra­ves­sa­rem fo­ra das pas­sa­dei­ras. Por­que, pa­ra mim, fi­ca mui­to di­fí­cil com­pre­en­der uma pes­soa atra­ves­sar a rua por bai­xo da pas­sa­dei­ra aé­rea, com o ris­co de vi­da que is­so acar­re­ta. Is­so é uma coi­sa que me ar­re­pia. A Po­lí­cia de­ve to­mar is­so a sé­rio, por­que já há mui­ta gen­te a ser atro­pe­la­da mor­tal­men­te por es­sa ati­tu­de ir­res­pon­sá­vel.

Não se po­de con­ti­nu­ar a ver gen­te a cor­rer ris­co e às ve­zes di­an­te das au­to­ri­da­des. Re­ti­rar as bar­rei­ras de se­pa­ra­ção das vi­as pa­ra fa­zer a tra­ves­sia é ou­tro mal que de­ve ser er­ra­di­ca­do. As áre­as da Clí­ni­ca do Pren­da e as pon­tes aé­re­as do Mor­ro Ben­to re­gis­tam to­dos os di­as ca­sos de gen­te a atra­ves­sar a rua atra­vés de bu­ra­cos fei­tos nas re­des de pro­tec­ção que se­pa­ram as áre­as de cir­cu­la­ção au­to­mó­vel. Tem de ser fei­ta al­gu­ma coi­sa pa­ra tra­var es­te van­da­lis­mo con­tra os bens pú­bli­cos.

ARMANDO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.