A di­ver­si­da­de e o de­ba­te

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

As elei­ções ge­rais que se re­a­li­zam no pró­xi­mo ano me­xem já com a so­ci­e­da­de an­go­la­na. Os an­go­la­nos têm o há­bi­to, des­de 1992, quan­do se re­a­li­za­ram as pri­mei­ras elei­ções mul­ti­par­ti­dá­ri­as, de irem às ur­nas em mas­sa. Os an­go­la­nos têm da­do pro­va de que que­rem par­ti­ci­par no pro­ces­so de con­so­li­da­ção da de­mo­cra­cia.

Os an­go­la­nos têm cons­ci­ên­cia de que as elei­ções são acon­te­ci­men­tos nos quais os ci­da­dãos de­vem par­ti­ci­par, co­mo for­ma de con­tri­buí­rem pa­ra con­so­li­dar a de­mo­cra­cia.É po­si­ti­vo o fac­to de os par­ti­dos po­lí­ti­cos e or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil es­ta­rem a mo­bi­li­zar os ci­da­dãos pa­ra a ac­tu­a­li­za­ção dos seus da­dos elei­to­rais.

Em 2017 te­re­mos elei­ções ge­rais, em que os ci­da­dãos elei­to­res vão po­der es­co­lher os seus go­ver­nan­tes. É pre­ci­so que as pes­so­as sai­bam, em par­ti­cu­lar aque­las que são po­ten­ci­ais elei­to­res, que de­vem ac­tu­a­li­zar os seus da­dos elei­to­rais ou pro­ce­der ao re­gis­to elei­to­ral pe­la pri­mei­ra vez.

No pró­xi­mo ano, o mai­or acon­te­ci­men­to se­rão as elei­ções ge­rais. É po­si­ti­vo que os par­ti­dos po­lí­ti­cos es­te­jam a mo­bi­li­zar os seus mi­li­tan­tes e sim­pa­ti­zan­tes pa­ra o re­gis­to elei­to­ral. Os par­ti­dos po­lí­ti­cos são or­ga­ni­za­ções que, por se­rem con­cor­ren­tes ao po­der, são es­sen­ci­ais pa­ra o avan­ço da de­mo­cra­cia no nos­so país.

Mas a con­so­li­da­ção da de­mo­cra­cia não se faz ape­nas com os par­ti­dos po­lí­ti­cos. A so­ci­e­da­de ci­vil é tam­bém fun­da­men­tal pa­ra que o país pro­gri­da no sen­ti­do de ter­mos ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas só­li­das. As elei­ções são um mo­men­to im­por­tan­te da nos­sa vi­da em de­mo­cra­cia. To­das as for­ças da Na­ção– no­me­a­da­men­te, os par­ti­dos po­lí­ti­cos e so­ci­e­da­de ci­vil– de­vem em­pe­nhar-se em dar va­lor acres­cen­ta­do à nos­sa de­mo­cra­cia que pre­ci­sa de ter uma mai­or vi­ta­li­da­de pa­ra que o país be­ne­fi­cie do re­gi­me de­mo­crá­ti­co, em que to­dos ex­pri­mem as su­as idei­as, in­de­pen­den­te­men­te das con­vic­ções po­lí­ti­cas e ide­o­ló­gi­cas.

É pre­ci­so com­pre­en­der que a di­ver­si­da­de de idei­as é uma das nos­sas prin­ci­pais ri­que­zas em de­mo­cra­cia. É ne­ces­sá­rio que to­dos sai­bam que têm a opor­tu­ni­da­de de ex­pres­sar os seus pon­tos de vis­ta. A di­fe­ren­ça não é um mal. É mes­mo ne­ces­sá­rio a di­fe­ren­ça de opi­niões. O con­tra­di­tó­rio po­de le­var-nos a en­con­trar o en­ten­di­men­to e as so­lu­ções pa­ra mui­tos dos nos­sos pro­ble­mas, que é o que faz avan­çar o mun­do. É bom que ha­ja, nu­ma so­ci­e­da­de, opi­niões di­ver­sas. Nem sem­pre a una­ni­mi­da­de é o ca­mi­nho que le­va à re­so­lu­ção dos pro­ble­mas. Tam­bém não é pre­ci­so que as so­lu­ções pas­sem sem­pre pe­lo con­fron­to. Os go­ver­nan­tes, em par­ti­cu­lar, de­vem sa­ber, is­so sim, cap­tar a opi­nião cor­rec­ta dos vá­ri­os sec­to­res da so­ci­e­da­de. Te­mos no país qua­dros de ele­va­da com­pe­tên­cia que têm emi­ti­do as su­as opi­niões so­bre as­sun­tos im­por­tan­tes que têm a ver com a vi­da do país. Não se de­vi­am ig­no­rar as opi­niões de es­pe­ci­a­lis­tas an­go­la­nos que não se can­sam de di­zer o que de­ve ser fei­to e o que não de­ve ser fei­to.O país é de to­dos nós e os ar­gu­men­tos dos es­pe­ci­a­lis­tas que dis­cor­dam de cer­tas de­ci­sões em re­la­ção à po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca ou a ou­tros as­sun­tos da vi­da na­ci­o­nal de­vi­am ser ana­li­sa­dos com pon­de­ra­ção, pa­ra se ver se eles po­dem ser úteis pa­ra dar so­lu­ção a pro­ble­mas con­cre­tos.

Im­põe-se ho­je, por exem­plo, com o iní­cio do pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, um diá­lo­go mais fre­quen­te en­tre os go­ver­nan­tes e a clas­se em­pre­sa­ri­al. Não te­nha­mos dú­vi­das: as em­pre­sas são o mo­tor do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co. Há mui­tos an­go­la­nos com ex­pe­ri­ên­cia em vá­ri­os ra­mos do sa­ber. Es­tes an­go­la­nos de­vem po­der dar a sua con­tri­bui­ção, com as su­as idei­as, pa­ra a con­cre­ti­za­ção de pro­jec­tos que re­sul­tem de fac­to em bem-es­tar das po­pu­la­ções.

Há an­go­la­nos, e não são pou­cos, que es­tão en­vol­vi­dos em ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas. Eles tra­ba­lham, em mui­tos ca­sos, em con­di­ções di­fí­ceis. Há em­pre­sá­ri­os com mui­ta von­ta­de de re­a­li­zar os seus pro­jec­tos pro­du­ti­vos, mas in­fe­liz­men­te têm di­fi­cul­da­des em en­con­trar fi­nan­ci­a­men­to.

É in­dis­pen­sá­vel que co­me­ce­mos a de­ba­ter as­sun­tos di­ver­sos, so­bre­tu­do os que têm a ver com a ac­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al. Os em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos têm es­ta­do dis­po­ní­veis pa­ra abor­dar as­sun­tos di­ver­sos so­bre o ru­mo a dar à nos­sa di­ver­si­fi­ca­ção­e­co­nó­mi­ca. O pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção­não é um as­sun­to ex­clu­si­vo do Es­ta­do. O Exe­cu­ti­vo tem cons­ci­ên­cia dis­so e em­pre­en­deu ac­ções pa­ra in­cen­ti­var a ini­ci­a­ti­va pri­va­da.

Os em­pre­sá­ri­os têm de es­tar no cen­tro des­te pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia.Tra­ta-se de um pro­ces­so que te­ve um iní­cio e que se vai pro­lon­gar no tem­po. Co­mo dis­se um pres­ti­gi­a­do eco­no­mis­ta an­go­la­no, a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia tem um iní­cio, mas não tem um fim. Va­mos ter de di­ver­si­fi­car a eco­no­mia ao lon­go de mui­tos anos.

Te­re­mos uma vez mais no pró­xi­mo ano elei­ções mul­ti­par­ti­dá­ri­as, num con­tex­to em que ain­da te­re­mos pro­ble­mas eco­nó­mi­cos e fi­nan­cei­ros, em vir­tu­de da que­da do pre­ço do pe­tró­leo, o que fez com que se re­du­zis­sem con­si­de­ra­vel­men­te as re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais. O de­ba­te, no qua­dro das elei­ções, de­ve con­tri­buir pa­ra aju­dar o país a en­con­trar as saí­das pa­ra a cri­se que atra­ves­sa, a fim de to­dos ter­mos uma vi­da me­lhor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.