Farc apre­sen­ta acor­do de paz aos guer­ri­lhei­ros

Jornal de Angola - - MUNDO -

O che­fe das for­ças de guer­ri­lha na Colôm­bia, a de­sig­na­da FARC, Ti­mo­león Ji­mé­nez, dis­se on­tem que a paz con­se­gui­da em Ha­va­na, ca­pi­tal de Cu­ba, não tem ven­ce­do­res, “por­que ne­nhu­ma das par­tes es­ta­va à al­tu­ra de es­ta­bi­li­zar o país ape­nas com o seu es­for­ço”.

Ti­mo­león Ji­mé­nez fez es­ta de­cla­ra­ção no en­con­tro on­de apre­sen­tou, aos seus par­ti­dá­ri­os, o acor­do de paz às su­as for­ças. “Com es­te acor­do, fi­ca de­fi­ni­ti­va­men­te cla­ro que nes­ta guer­ra não exis­tem ven­ce­do­res nem ven­ci­dos”, en­fa­ti­zou o che­fe das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (FARC), tam­bém co­nhe­ci­do co­mo “Ti­mo­chen­ko”, num lo­cal re­mo­to de Ca­guán, no Su­des­te da Colôm­bia.

“Se nos­sos ad­ver­sá­ri­os que­rem anun­ci­ar que ga­nha­ram a guer­ra, dei­xem fa­zê-lo. Pa­ra as “Pa­ra as FARC e o nos­so po­vo, a mai­or sa­tis­fa­ção se­rá sem­pre ter al­can­ça­do a paz”, de­cla­rou di­an­te de cer­ca de 500 re­bel­des reu­ni­dos sob um céu de chum­bo nas sa­va­nas do Ya­rí, tra­di­ci­o­nal re­du­to da guer­ri­lha nas­ci­da em 1964 de uma in­sur­rei­ção cam­po­ne­sa.

“Ti­mo­chen­ko” im­pul­si­o­na des­de sua che­ga­da à cú­pu­la guer­ri­lhei­ra, em 2011, a so­lu­ção ne­go­ci­a­da pa­ra um con­fli­to fra­tri­ci­da, que en­vol­veu guer­ri­lhas, pa­ra­mi­li­ta­res e agen­tes do Es­ta­do, com um ba­lan­ço de cer­ca de 260.000 mor­tos, 45.000 de­sa­pa­re­ci­dos e 6,9 mi­lhões de des­lo­ca­dos.

“Há to­do um po­vo que es­tá há 52 anos à es­pe­ra da paz e que ba­ta­lhou por is­so. O nos­so com­pro­mis­so in­de­cli­ná­vel com es­te po­vo de­ve ser ra­ti­fi­ca­do”, de­cla­rou Ji­mé­nez.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.