Que­da de re­ser­vas es­ti­mu­la pro­cu­ra

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

As re­ser­vas de pe­tró­leo dos Es­ta­dos Uni­dos bai­xa­ram na se­ma­na pas­sa­da em 600 mil bar­ris, fi­can­do em 510,8 mi­lhões, mas con­ti­nu­am em ní­veis his­to­ri­ca­men­te al­tos pa­ra es­ta épo­ca do ano, in­for­mou on­tem o Go­ver­no nor­te-ame­ri­ca­no, um dia de­pois do pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo Brent pa­ra en­tre­ga em No­vem­bro ter en­cer­ra­do em al­ta de 1,08 por cen­to, pa­ra os 46,45 dó­la­res.

Os ana­lis­tas ti­nham pre­vis­to um au­men­to de 1,4 mi­lhões de bar­ris nas re­ser­vas nor­te-ame­ri­ca­nas. De­pois de se­rem co­nhe­ci­dos es­tes da­dos, re­la­ti­vos à se­ma­na que ter­mi­nou em 9 de Se­tem­bro, o pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo do Te­xas pa­ra ven­da em Ou­tu­bro su­biu 0,3 por cen­to pa­ra 45,55 dó­la­res.

As im­por­ta­ções mé­di­as de cru­de nas úl­ti­mas qua­tro se­ma­nas fo­ram de 8,173 mi­lhões de bar­ris diá­ri­os, 10,1 por cen­to aci­ma do ve­ri­fi­ca­do no mes­mo pe­río­do do ano an­te­ri­or. O cru­de do Mar do Nor­te, de re­fe­rên­cia na Eu­ro­pa, ter­mi­nou a ses­são no In­ter­na­ti­o­nal Ex­chan­ge Fu­tu­res a co­tar 50 cên­ti­mos aci­ma dos 45,95 dó­la­res com que fe­chou as tran­sac­ções na quar­ta-fei­ra.

No seu re­la­tó­rio men­sal, pu­bli­ca­do na ter­ça-fei­ra, a Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Ener­gia (AIE) anun­ci­ou que a pro­cu­ra por pe­tró­leo es­tá a abran­dar a um rit­mo mais ace­le­ra­do que o pre­vis­to e o ex­ces­so de ofer­ta vai man­ter-se até ao fi­nal de 2017, pe­lo que o mer­ca­do vai con­ti­nu­ar de­se­qui­li­bra­do du­ran­te mais tem­po que o es­ti­ma­do. A aná­li­se da AIE re­fe­re que es­te pas­sa a ser o quar­to ano con­se­cu­ti­vo em que a pro­cu­ra não che­ga pa­ra ab­sor­ver a ofer­ta. A “de­sa­ce­le­ra­ção dra­má­ti­ca” na Ín­dia e na Chi­na, o bai­xo cres­ci­men­to nas eco­no­mi­as de­sen­vol­vi­das e o ex­ces­so de ofer­ta nos paí­ses da OPEP são os prin­ci­pais fac­to­res pa­ra o pes­si­mis­mo da AIE, que no úl­ti­mo re­la­tó­rio ti­nha pre­vis­to o re­gres­so do mer­ca­do ao equi­lí­brio ain­da es­te ano.

“A ofer­ta vai con­ti­nu­ar a ul­tra­pas­sar a pro­cu­ra pe­lo me­nos du­ran­te a pri­mei­ra me­ta­de do pró­xi­mo ano. Já o re­gres­so do mer­ca­do ao equi­lí­brio, pa­re­ce que vai ter de es­pe­rar um pou­co mais. As re­ser­vas nos paí­ses da OCDE es­tão a cres­cer pa­ra ní­veis nun­ca an­tes vis­tos”, su­bli­nha a AIE. A agên­cia, que acon­se­lha 29 paí­ses, re­viu o au­men­to da pro­cu­ra em bai­xa em re­la­ção ao mês an­te­ri­or. A agên­cia es­pe­ra ago­ra que a su­bi­da se­ja de 1,3 mi­lhões de bar­ris por dia, me­nos 0,1 mi­lhões fa­ce à pre­vi­são an­te­ri­or, “de­vi­do a um abran­da­men­to mais pro­nun­ci­a­do no ter­cei­ro tri­mes­tre”.

Pa­ra o pró­xi­mo ano, as pre­vi­sões são ain­da mais pes­si­mis­tas. A agên­cia an­te­ci­pa um avan­ço da pro­cu­ra de 1,2 mi­lhões de bar­ris por dia, “por­que as con­di­ções ma­cro-eco­nó­mi­cas sub­ja­cen­tes per­ma­ne­cem in­cer­tas”. Os nú­me­ros da AIE in­di­cam que a pro­du­ção da ma­té­ria-pri­ma caiu 0,3 bar­ris por dia em Agos­to, gra­ças aos paí­ses que não fa­zem par­te da OPEP (Or­ga­ni­za­ção dos Paí­ses Ex­por­ta­do­res de Pe­tró­leo).

A pro­du­ção mé­dia diá­ria de “ou­ro ne­gro” ron­dou os 96,9 mi­lhões de bar­ris diá­ri­os, me­nos 0,3 mi­lhões em re­la­ção ao ano an­te­ri­or. Ain­da as­sim, a pro­du­ção nos paí­ses do car­tel qua­se ba­teu re­cor­des, “não com­pen­san­do o re­cuo nos paí­ses que não per­ten­cem à OPEP”, cons­ta­ta a agên­cia.

AAIE avi­sa que os ní­veis de pro­du­ção do car­tel de­vem vol­tar a cres­cer em 2017 cer­ca de 380 mil bar­ris por dia, de­pois da que­da de 840 mil bar­ris diá­ri­os pre­vis­ta pa­ra es­te ano. A OPEP, que se reú­ne, jun­ta­men­te com a Rús­sia, no fi­nal des­te mês na Ar­gé­lia pa­ra dis­cu­tir um pos­sí­vel con­ge­la­men­to dos ní­veis de pro­du­ção, pro­du­ziu 33,47 mi­lhões de bar­ris em Agos­to, de­pois de os pro­du­to­res do Mé­dio Ori­en­te te­rem “aber­to as tor­nei­ras”.

A pro­du­ção no Kuwait e nos Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos foi a mais ele­va­da de sem­pre, en­quan­to a Ará­bia Sau­di­ta an­dou pró­xi­ma do re­cor­de. No Irão, a pro­du­ção atin­giu o va­lor mais ele­va­do des­de o fim das san­ções in­ter­na­ci­o­nais. Já os pre­ços da ma­té­ria-pri­ma su­bi­ram em Agos­to pa­ra cer­ca de 50 dó­la­res por bar­ril, de­pois de te­rem atin­gi­do um mí­ni­mo de qua­tro me­ses, de cer­ca de 42 dó­la­res. O mer­ca­do re­a­giu mal à divulgação do re­la­tó­rio da AIE. O bar­ril de Brent, que ser­ve de re­fe­rên­cia às im­por­ta­ções an­go­la­nas, es­ta­va a caiu 0,5 por cen­to, na ter­ça-fei­ra, pa­ra os 47,8 dó­la­res.

ROGÉRIO TUTI

Cru­de de re­fe­rên­cia na­ci­o­nal re­gis­tou su­bi­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.