Fá­bri­ca ins­ta­la­da no Ne­ga­ge di­na­mi­za pro­du­ção de água

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

Uma no­va fá­bri­ca de água ins­ta­la­da no Ne­ga­ge, na pro­vín­cia do Uíge, pro­duz por dia aci­ma de 12 mil gar­ra­fas de água de um li­tro e meio e 75 mi­li­li­tros, as­se­gu­rou, na quin­ta-fei­ra, o di­rec­tor da fá­bri­ca.

Gil­ber­to Ca­sum­ba, que fa­la­va pa­ra es­tu­dan­tes do en­si­no mé­dio do mu­ni­cí­pio do Uíge, que vi­si­ta­ram a uni­da­de fa­bril, de­sig­na­da “Ces­se”, pre­ci­sou que a fá­bri­ca tem uma ca­pa­ci­da­de diá­ria de pro­du­ção de 12 a 13 mil gar­ra­fas de água e em­pre­gou 53 tra­ba­lha­do­res, no­ve dos quais do gé­ne­ro fe­mi­ni­no.

“Ac­tu­al­men­te, es­ta­mos a pro­du­zir a água aro­ma­ti­za­da, com vá­ri­os sa­bo­res”, mas, por fal­ta de di­vi­sas, ain­da não che­gou à me­sa dos con­su­mi­do­res, o que ame­a­ça a con­ti­nui­da­de do pro­jec­to.

O di­rec­tor avan­çou que a fal­ta de ma­té­ri­as-pri­mas es­tá a di­fi­cul­tar mui­to o au­men­to da pro­du­ção da fá­bri­ca, mas tran­qui­li­za os con­su­mi­do­res do pro­du­to da sua mar­ca “por­que não fal­ta­rá água. Lo­go que hou­ver ma­té­ria-pri­ma su­fi­ci­en­te, a água aro­ma­ti­za­da vai po­der che­gar à me­sa dos con­su­mi­do­res”, ga­ran­tiu.

Pa­ra o ges­tor, a em­pre­sa es­tá sa­tis­fei­ta com a ino­va­ção e es­pe­ra que, nos pró­xi­mos di­as, ha­ja me­lho­ri­as no am­bi­en­te ma­cro­e­co­nó­mi­co no sen­ti­do de que to­dos pos­sam con­su­mir a água aro­ma­ti­za­da.

O che­fe de de­par­ta­men­to da Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção, Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia, em exer­cí­cio, Ma­lun­gui­la Bun­ga, que acom­pa­nhou os alu­nos do en­si­no mé­dio, dis­se que a vi­si­ta às fá­bri­cas de água e de col­chões ser­ve pa­ra os es­tu­dan­tes com­bi­na­rem a te­o­ria à prá­ti­ca.

O pro­fes­sor Fer­rei­ra Enes dis­se que a ini­ci­a­ti­va da Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção é be­né­fi­ca, nu­ma al­tu­ra em que se re­gis­ta ca­rên­cia de la­bo­ra­tó­ri­os nas es­co­las do mu­ni­cí­pio do Uíge. “A vi­si­ta aju­da os alu­nos de Quí­mi­ca e de Ci­ên­ci­as Exac­tas a apren­de­rem al­gu­ma coi­sa”, su­bli­nhou.

O do­cen­te so­li­ci­tou à Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção no sen­ti­do de con­ti­nu­ar a pro­mo­ver ac­ti­vi­da­des de gé­ne­ro pa­ra que os alu­nos pos­sam in­te­ri­o­ri­zar me­lhor os co­nhe­ci­men­tos teó­ri­cos.

Um dos alu­nos con­si­de­rou a vi­si­ta às fá­bri­cas de água e de col­chões mui­to va­li­o­sa. “Vi­mos co­mo é en­gar­ra­fa­da, cap­ta­da, tra­ta­da e dis­tri­buí­da a água. Os fun­ci­o­ná­ri­os de­ram-nos ex­pli­ca­ções de­ta­lha­das de co­mo fun­ci­o­na a Ces­se. Is­so é bom”, dis­se a alu­na Isabel Lu­ba­co.

Inau­gu­ra­da em 2014, a fá­bri­ca de água mi­ne­ral Água Ces­se é pro­pri­e­da­de do gru­po Mar­ce­gon Co­mér­cio Ge­ral. Cons­truí­do du­ran­te dois anos, o em­pre­en­di­men­to pos­sui la­bo­ra­tó­rio, zo­na de pro­du­ção de água, re­ser­va­tó­rio com ca­pa­ci­da­de pa­ra quin­ze mil li­tros, sa­la de com­pres­so­res, es­cri­tó­rio, en­fer­ma­ria, má­qui­nas de pro­du­ção de gar­ra­fas, uma área pa­ra en­gar­ra­fa­men­to da água e, tam­bém, equi­pa­men­tos de em­ba­la­gem de gar­ra­fas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.