Sim­bo­lis­mo his­tó­ri­co da “Or­dem Sa­gra­da Es­pe­ran­ça”

Jornal de Angola - - CULTURA - JOMO FORTUNATO |

A Fun­da­ção An­tó­nio Agostinho Neto re­co­nhe­ceu o mé­ri­to dos can­to­res e com­po­si­to­res que in­ter­pre­ta­ram can­ções so­bre po­e­mas de Agostinho Neto nos anos ses­sen­ta, se­ten­ta e oi­ten­ta, com a ou­tor­ga da Or­dem Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, em ce­ri­mó­nia re­a­li­za­da no pas­sa­do dia 10 no Cen­tro Cul­tu­ral Agostinho Neto, em Ca­te­te, no âm­bi­to da Se­ma­na do He­rói Na­ci­o­nal e da pro­gra­ma­ção cul­tu­ral da sex­ta edi­ção do Fes­ti­ne­to.

No dis­cur­so de aber­tu­ra da ce­ri­mó­nia de en­tre­ga das con­de­co­ra­ções, Ma­ria Eu­gé­nia Neto, viú­va do Pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, e Pre­si­den­te da Fun­da­ção An­tó­nio Agostinho Neto, dis­se a da­do pas­so da sua in­ter­ven­ção o se­guin­te: “O mês de Se­tem­bro é de tris­te­za e tam­bém de ale­gria. Mor­reu o po­e­ta e nas­ceu aque­le que di­tou o fim da opres­são e con­du­ziu-nos, vi­to­ri­o­sa­men­te, à li­ber­da­de. Por is­so, ce­le­bre­mos a vi­da que é o nos­so bem mai­or, cul­tu­e­mos a ami­za­de, a so­li­da­ri­e­da­de, a fra­ter­ni­da­de, tor­ne­mo-nos cúm­pli­ces nas ac­ções de in­te­res­se co­mum, es­ten­da­mos a mão ao pró­xi­mo e não o dei­xe­mos se de­gra­dar. Tri­lhe­mos jun­tos o ca­mi­nho do bem-es­tar, do pro­gres­so e da paz so­ci­al”.

De fac­to, Agostinho Neto, o po­e­ta mais can­ta­do em An­go­la, te­ve em di­ver­sos mo­men­tos a sua li­de­ran­ça trans­for­ma­da em can­ções num pro­ces­so de diá­lo­go per­ma­nen­te com os pro­pó­si­tos mo­bi­li­za­do­res da lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal, fac­to que gal­va­ni­zou a ac­ção po­lí­ti­ca e a cons­ci­en­ci­a­li­za­ção do po­vo an­go­la­no, na ce­le­bra­ção da in­de­pen­dên­cia. Pe­lo re­co­nhe­ci­men­to da men­sa­gem re­vo­lu­ci­o­ná­ria das su­as cri­a­ções mu­si­cais, fo­ram iden­ti­fi­ca­dos trin­ta e cin­co can­to­res e com­po­si­to­res e con­jun­tos mu­si­cais que can­ta­ram e enal­te­ce­ram a obra poé­ti­ca de Agostinho Neto, e cri­a­ram ver­sos so­bre o im­pac­to po­lí­ti­co e cul­tu­ral dos seus fei­tos.

Um dos des­ta­ques da pro­gra­ma­ção das con­de­co­ra­ções e da aber­tu­ra do Fes­ti­ne­to, foi a “Ex­po­si­ção In­ter­na­ci­o­nal de Gas­tro­no­mia, Cul­tu­ra e Ar­tes”, um even­to que, se­gun­do Ma­ria Eu­gé­nia Neto, “ilus­tra co­mo ca­be­mos to­dos no mes­mo es­pa­ço, pes­so­as de to­das as ra­ças, cre­dos e ori­gens, que mes­mo sem se co­nhe­ce­rem ce­le­bram de for­ma con­ver­gen­te, de­mons­tran­do que as di­fe­ren­ças são na ver­da­de um fac­tor de união e de­sen­vol­vi­men­to e que par­ti­lha­mos as mes­mas ne­ces­si­da­des e von­ta­des”.

Fes­ti­val

O Fes­ti­ne­to é um fes­ti­val de ce­le­bra­ções cul­tu­rais, des­por­ti­vas, e po­lí­ti­cas que de­cor­re de 10 a 17 de Se­tem­bro, du­ran­te a Se­ma­na do He­rói Na­ci­o­nal, ge­ral­men­te na lo­ca­li­da­de de

Mú­si­co Mi­rol au­tor da can­ção “A in­de­pen­dên­cia es­tá che­gan­do” foi um dos dis­tin­gui­dos es­te ano com a Or­dem Sa­gra­da Es­pe­ran­ça

Ico­lo e Bengo, ter­ra na­tal de An­tó­nio Agostinho Neto. O Fes­ti­ne­to en­con­tra-se na sua 6ª edi­ção, e foi cri­a­do pe­la Fun­da­ção An­tó­nio Agostinho Neto na en­tão pro­vín­cia do Bengo em 2008, com a de­no­mi­na­ção de Fes­ti­ben­go, quan­do a ges­tão do Cen­tro Cul­tu­ral Agostinho Neto foi en­tre­gue à Fun­da­ção Dr. An­tó­nio Agostinho Neto, no âm­bi­to de uma par­ce­ria com o Go­ver­no da Pro­vín­cia do Bengo.

Pro­gra­ma

O pro­gra­ma das con­de­co­ra­ções e aber­tu­ra do Fes­ti­ne­to in­cluiu a de­po­si­ção de uma co­roa de flo­res no bus­to de Agostinho Neto à en­tra­da de Ca­te­te, um ri­tu­al das au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais pa­ra o Ki­lam­ba, pseu­dó­ni­mo do po­e­ta Agostinho Neto, pro­jec­ção do DVD “An­go­la aos meus pró­pri­os olhos” pro­du­zi­do em 1971 pe­lo ci­ne­as­ta ho­lan­dês Ro­e­land Ker­bos­ch, fil­ma­do nas cha­nas do Les­te on­de o Mo­vi­men­to Po­pu­lar de Li­ber­ta­ção de An­go­la lu­ta­va con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês, um do­cu­men­tá­rio que ga­nhou um pré­mio em No­va Ior­que em 1971. O DVD, re­pro­du­zi­do pe­la Fun­da­ção An­tó­nio Agostinho Neto, po­de ser­vir de ma­te­ri­al de es­tu­do pa­ra es­tu­dan­tes e in­te­res­sa­dos. Na sequên­cia, o Ge­ne­ral Jo­sé Tei­xei­ra de Ma­tos “Se­li­va­li”, ou Ma­tos Gros­so, um dos co­man­dan­tes da re­gião on­de foi fil­ma­do o DVD, fez um lon­go e in­te­res­san­te de­poi­men­to, e a can­to­ra Mi­ma Nsin­gui in­ter­pre­tou o po­e­ma “Meia-noi­te na ki­tan­da” de Agostinho Neto.

Li­vros

A Pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Fun­da­ção Dr. Agostinho Neto, Dou­to­ra Ire­ne Neto, fez uma bre­ve apre­sen­ta­ção do se­gun­do vo­lu­me do li­vro de ban­da de­se­nha­da “Agostinho Neto, to­dos pa­ra o in­te­ri­or” e do li­vro “Man­gu­xi, uma Vi­da de Gló­ri­as”, do pro­fes­sor Sa­mu­el Pe­que­ni­no. A ban­da de­se­nha­da é uma sé­rie que con­ta as pe­ri­pé­ci­as, as tra­gé­di­as e as vi­tó­ri­as por que pas­sou Agostinho Neto e to­da a sua en­vol­vên­cia na con­quis­ta da li­ber­da­de e da in­de­pen­dên­cia. A sé­rie es­tá pro­jec­ta­da pa­ra qua­tro vo­lu­mes de 82 pá­gi­nas ca­da um, de uma his­tó­ria ilus­tra­da com ba­se em fac­tos ve­rí­di­cos e as ima­gens fo­ram re­ti­ra­das de fo­to­gra­fi­as re­ais pa­ra uma re­so­lu­ção mais fi­de­dig­na pos­sí­vel. A Fun­da­ção An­tó­nio Agostinho Neto for­ne­ceu o tex­to da ban­da de­se­nha­da ao ilus­tra­dor Os­val­do Medina que es­te­ve em Lu­an­da a con­vi­te do “Lu­an­da Car­to­on” e, num tra­ba­lho cri­a­ti­vo de equi­pa, foi cons­truí­da a nar­ra­ti­va, com mui­ta pes­qui­sa e in­ves­ti­ga­ção.

Por sua vez, o li­vro “Man­gu­xi, uma vi­da de Gló­ri­as” do pro­fes­sor, fi­ló­so­fo e so­ció­lo­go Sa­mu­el Pe­que­ni­no, é um hi­no es­cri­to em ver­sos, com cin­co can­tos. O au­tor não che­gou a ver a sua cri­a­ção pu­bli­ca­da por­que so­freu um in­faus­to aci­den­te em 2015, no Bié, do qual re­sul­tou a sua mor­te.

Por úl­ti­mo, a Dou­to­ra Ire­ne Neto con­si­de­rou a ban­da de­se­nha­da “um li­vro pi­o­nei­ro que ser­vi­rá de ba­se pa­ra fu­tu­ros tra­ba­lhos” , e “Man­gu­xi, uma vi­da de Gló­ri­as” do Pro­fes­sor Dou­tor Sa­mu­el Pe­que­ni­no, “uma pe­que­na ma­ra­vi­lha”.

Or­dem

Cri­a­da no dia 2 de Mar­ço de 2015, a Or­dem Sa­gra­da Es­pe­ran­ça é um tí­tu­lo ho­no­rí­fi­co da Fun­da­ção An­tó­nio Agostinho Neto, des­ti­na­da a ga­lar­do­ar ou dis­tin­guir, em vi­da ou a tí­tu­lo pós­tu­mo, os ci­da­dãos na­ci­o­nais ou es­tran­gei­ros que se no­ta­bi­li­za­ram por ac­tos ex­cep­ci­o­nais ou quem hou­ver pres­ta­do ser­vi­ços re­le­van­tes à lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal em An­go­la. A de­no­mi­na­ção da Or­dem foi ins­pi­ra­da na épi­ca obra poé­ti­ca de Agostinho Neto “Sa­gra­da Es­pe­ran­ça” . A con­ces­são da Or­dem Sa­gra­da Es­pe­ran­ça é da com­pe­tên­cia da Pre­si­den­te da Fun­da­ção, sob a for­ma de me­da­lha e de di­plo­ma, as­si­na­do pe­la Pre­si­den­te da Fun­da­ção e au­ten­ti­ca­do com o se­lo bran­co da mes­ma. A Me­da­lha Rai­a­da re­a­fir­ma a lo­ca­li­za­ção ge­o­grá­fi­ca de An­go­la e da Fun­da­ção An­tó­nio Agostinho Neto, re­pre­sen­tan­do a pro­jec­ção no fu­tu­ro da Or­dem Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, ex­pres­sa pe­la es­tre­la, que re­flec­te e se pro­pa­ga pe­la hu­ma­ni­da­de, agra­ci­an­do a luz da li­ber­da­de.

His­tó­ri­co

A pri­mei­ra edi­ção da Or­dem Sa­gra­da Es­pe­ran­ça te­ve lu­gar em 2015, na ca­te­go­ria Igre­ja e Re­co­nhe­ci­men­to dos Mo­vi­men­tos de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal. De fac­to no dia 5 de Mar­ço de 2015 foi agra­ci­a­da Sua San­ti­da­de o Pa­pa Pau­lo VI na Ci­da­de do Va­ti­ca­no, a tí­tu­lo pós­tu­mo, de no­me pró­prio Gi­o­van­ni Bat­tis­ta En­ri­co An­tó­nio Ma­ria Mon­ti­ni, em re­co­nhe­ci­men­to pe­la sua ex­cep­ci­o­nal aber­tu­ra de es­pí­ri­to, vi­são mo­der­na, vir­tu­de e au­to­ri­da­de com que con­ce­deu a au­di­ên­cia pri­va­da aos três lí­de­res dos mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção de An­go­la, Gui­né e Ca­bo Ver­de e Mo­çam­bi­que, no­me­a­da­men­te, Agostinho Neto, Amíl­car Ca­bral e Mar­ce­li­no dos San­tos,em Ju­lho de 1970, o que sim­bo­li­zou o re­co­nhe­ci­men­to da lu­ta con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês, pe­la li­ber­da­de, dig­ni­da­de e in­de­pen­dên­cia. Es­ta é a se­gun­da edi­ção de ou­tor­ga da Or­dem Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, que ocor­re por oca­sião do 94º ani­ver­sá­rio do Agostinho Neto e no 10º ani­ver­sá­rio da Fun­da­ção, na Ca­te­go­ria deAr­tis­tas, Mú­si­cos, In­tér­pre­tes ou Con­jun­tos An­go­la­nos que Can­ta­ram Agostinho Neto nos Anos 60, 70 e 80.

Con­de­co­ra­dos

A ou­tor­ga da Or­dem Sa­gra­da Es­pe­ran­ça a uma ilus­tre ge­ra­ção de mú­si­cos dos anos ses­sen­ta, se­ten­ta e oi­ten­ta que se no­ta­bi­li­za­ram pe­la co­ra­gem e por te­rem mo­bi­li­za­do as po­pu­la­ções atra­vés das su­as can­ções so­bre Agostinho Neto, can­tan­do a li­ber­da­de, in­de­pen­dên­cia, e de­fe­sa do so­lo pá­trio, acon­te­ceu pe­la pri­mei­ra vez. Nes­te sen­ti­do fo­ram con­de­co­ra­dos os se­guin­tes can­to­res e com­po­si­to­res, que can­ta­ram po­e­mas de Agostinho Neto ou es­cre­ve­ram ver­sos so­bre o pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la:An­ti­gos Pi­o­nei­ros do MPLA , com o po­e­ma“As­pi­ra­ção”, 1973, An­tó­nio da Luz, Ca­la­be­to, “Ca­ma­ra­da, ca­ma­ra­da Pre­si­den­te”, 1975, To­ni­to, “Ca­mi­nho do Ma­to”, 1973, San­to­cas, “Va­ló­dia” e “Mas­sa­cres de Ki­fan­gon­do”, 1976, Armando de Carvalho, “Não di­rei na­da”, 1974, Dom Ca­e­ta­no e Zeca Sá, “Sa­bi­as sim”, 1982, Con­jun­to An­go­la 74, Tany Nar­ci­so, “Oh nda­ka ó wi­nhe”, 1975, pe­lo Con­jun­to “Nza­gi”, Ma­ria Mam­bo Ca­fé, AnaWil­son, Amé­lia Min­gas, “Dou­tor Neto”,1966, San­tos Jú­ni­or, “Ki­ta­di­kián­go­la”, 1975, Pra­do Paim, “Po­vo an­go­la­no fi­cou a cho­rar”, 1980, Eli­as dya Ki­mu­e­zo, “Agostinho Neto”, 1982,Mi­rol,“A in­de­pen­dên­cia es­tá che­gan­do”, 1975, Car­los La­mar­ti­ne, “Ó di­pan­da olo­tu­la­kiá”, 1974, Mi­to Gas­par, “Ha­ve­mos de vol­tar” tra­du­zi­do em quim­bun­do, 1981, Zé Ka­fa­la, “Re­nún­cia im­pos­sí­vel”,1985, Ma­nu­el Fa­ria, “Po­vo no po­der”, 1974, Má­rio Ga­ma, “Pre­si­den­te”, 1975, Ma­ta­di­di Má­rio, “Um mi­nu­to de si­lên­cio”, 1980, Ta­bon­ta, “Wel­le Neto”, 1980, An­tó­nio Paulino, “Neto, Neto”, 1975, Li­to Jú­ni­or, “Pre­si­den­te”, 1975”, e Ruy Min­gas, “Adeus à ho­ra da lar­ga­da”, 1973.

Fo­ram ain­da con­de­co­ra­dos, a tí­tu­lo pós­tu­mo, os ar­tis­tas: Ur­ba­no de Cas­tro, “Ta­ta mu­kun­zi”, 1974, Ar­tur Adri­a­no, “Pre­si­den­te”, 1974, Be­li­ta Pal­ma, “Man­gu­xi”, 1983, Min­gui­to, Avo­zi­nho, Moi­sés Ka­fa­la, Ngu­xi, ir­mãos Ka­fa­la, e Beto Gour­gel,1985. Em­bo­ra te­nham si­do con­de­co­ra­dos, não fo­ram lo­ca­li­za­dos os ar­tis­tas: Co­ral do Bo­coio de Ben­gue­la, Co­ral Ho­ji ya Hen­da de Ben­gue­la, Was­sin­ga Jo­nes e Fá­ti­ma.

KINDALA MA­NU­EL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.