Con­se­lho a jo­vens pa­ra le­rem li­vros

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA |

A Áfri­ca vi­ve ho­je um pe­río­do de de­mo­cra­ti­za­ção e de­sen­vol­ve es­for­ços pa­ra ser par­te de­ci­si­va do sis­te­ma eco­nó­mi­co e po­lí­ti­co mun­di­al. Dig­no de es­tu­do é o pe­río­do re­vo­lu­ci­o­ná­rio, quan­do, ins­pi­ra­dos pe­lo pan-afri­ca­nis­mo, pe­la ne­gri­tu­de e pe­lo na­ci­o­na­lis­mo, os paí­ses afri­ca­nos al­can­ça­ram a in­de­pen­dên­cia, a que se se­guiu a eta­pa do par­ti­do úni­co, du­ran­te a Guer­ra Fria.

O con­ti­nen­te afri­ca­no marcha, po­rém, ain­da ver­ga­do ao pe­so dos gra­ves pro­ble­mas her­da­dos des­se pas­sa­do e que fi­ca­ram por so­lu­ci­o­nar. Nes­ta eta­pa do cur­so da His­tó­ria, os si­nais vi­sí­veis nas gran­des ci­da­des in­di­cam que o fu­tu­ro da Áfri­ca de­pen­de da cri­a­ti­vi­da­de dos jo­vens.

Por mais que se in­vis­ta na es­co­la­ri­za­ção, o país ca­re­ce de in­dús­tri­as e de in­fra-es­tru­tu­ras téc­ni­co­ci­en­tí­fi­cas, nos mais di­ver­sos do­mí­ni­os, pa­ra ab­sor­ver a mão-de­o­bra que ter­mi­na a for­ma­ção aca­dé­mi­ca, se­ja ela de ní­vel mé­dio ou su­pe­ri­or. Es­te é o gran­de di­le­ma da Áfri­ca. En­quan­to a Eu­ro­pa foi dis­se­mi­nan­do o aces­so à edu­ca­ção, ten­do uma ba­se tec­no­ló­gi­ca her­da­da dos tem­pos da Épo­ca Clás­si­ca, com o uso da ro­da me­tá­li­ca, dos guin­das­tes, das em­bar­ca­ções ma­rí­ti­mas e flu­vi­ais e da si­de­rur­gia, a Áfri­ca cria es­se aces­so à edu­ca­ção sem aque­la ba­se pro­gres­si­va cu­ja evo­lu­ção se re­per­cu­tia nas ino­va­ções e es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos, so­ci­ais e hu­ma­nos dos aca­dé­mi­cos e es­tu­di­o­sos. Daí, a zun­ga ser o des­ti­no de mui­tos jo­vens em to­da a Áfri­ca.

Ora, nes­te con­tex­to, o que po­de­mos fa­zer pa­ra en­co­ra­jar o nas­ci­men­to e o de­sen­vol­vi­men­to de um pen­sa­men­to, de uma cul­tu­ra que con­tem­ple as es­pe­ci­fi­ci­da­des e ne­ces­si­da­des do de­sen­vol­vi­men­to afri­ca­no, ca­paz de ab­sor­ver as van­ta­gens ofe­re­ci­das pe­la mo­der­ni­da­de e pe­la re­no­va­ção ci­en­tí­fi­ca e tec­no­ló­gi­ca do Oci­den­te? Co­mo en­co­ra­jar a ju­ven­tu­de es­tu­dan­til a pro­mo­ver o con­tri­bu­to que a ci­vi­li­za­ção afri­ca­na po­de dar à ci­vi­li­za­ção uni­ver­sal?

O Pre­si­den­te Nel­son Man­de­la, na 50ª con­fe­rên­cia na­ci­o­nal do Con­gres­so Na­ci­o­nal Afri­ca­no (ANC), re­a­li­za­da em Ma­fi­keng a 16 de De­zem­bro de 1997, apre­sen­tou a sua ver­são dos ele­men­tos-cha­ve do re­nas­ci­men­to afri­ca­no são:

1. O de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co do con­ti­nen­te;

2. A afir­ma­ção de sis­te­mas po­lí­ti­cos de­mo­crá­ti­cos;

3. A rup­tu­ra dos la­ços de de­pen­dên­cia eco­nó­mi­ca ne­o­co­lo­ni­a­lis­ta;

4. A mo­bi­li­za­ção dos afri­ca­nos pa­ra que se tor­nem obrei­ros da sua his­tó­ria;

5. O rá­pi­do de­sen­vol­vi­men­to de uma eco­no­mia cen­tra­da nas pes­so­as. En­tre os cin­co ele­men­tos-cha­ve in­di­ca­dos, três são ni­ti­da­men­te eco­nó­mi­cos, e mes­mo nos ou­tros dois se en­con­tram resquí­ci­os eco­nó­mi­cos. O de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co, por si só, sem a com­po­nen­te éti­co-cul­tu­ral, e ali­cer­ça­do no cha­ma­do li­be­ra­lis­mo, cria um sis­te­ma so­ci­al on­de tu­do e to­dos po­dem ser com­pra­dos, bas­ta sa­ber a que pre­ço.

O Re­nas­ci­men­to do jo­vem an­go­la­no in­ci­de nu­ma re-apro­pri­a­ção cul­tu­ral e no res­ga­te da tra­di­ção, con­fi­gu­ran­do, as­sim, a ten­ta­ti­va de evi­tar a re­pe­ti­ção dos pa­ra­dig­mas oci­den­tais, ou mes­mo, sem par­tir da tra­di­ção, ten­tar ela­bo­rar uma obra ino­va­do­ra que o le­ve a si­tu­ar o seu pró­prio ser en­quan­to ho­mem an­go­la­no in­te­gra­do no mun­do glo­ba­li­za­do.

O gran­de de­sa­fio do jo­vem an­go­la­no ac­tu­al é tor­nar-se po­ten­ci­al­men­te ap­to pa­ra en­fren­tar o efei­to mi­gra­tó­rio da mas­sa cin­zen­ta (know-how) oci­den­tal (Eu­ro­pa e Amé­ri­ca) e asiá­ti­ca (Chi­na, Ín­dia, Co­reia, Ja­pão).

É o de­sa­fio de de­sen­vol­ver a sua per­so­na­li­da­de, os seus ta­len­tos bem co­mo as su­as ca­pa­ci­da­des fí­si­cas e men­tais, no seu má­xi­mo po­ten­ci­al, con­for­me su­ge­re a Car­ta Afri­ca­na dos Di­rei­tos e Bem-es­tar da Cri­an­ça.

Ora, pa­ra al­can­çar o má­xi­mo po­ten­ci­al, o jo­vem an­go­la­no tem de ul­tra­pas­sar a pre­sen­te apa­tia aca­dé­mi­ca. Ele de­ve:

a) Ser um in­te­lec­tu­al éti­ca e mo­ral­men­te com­pro­me­ti­do com a so­ci­e­da­de em que vi­ve e com os pro­ble­mas da sua épo­ca, quer di­zer, ser uma es­pé­cie de re­ser­va mo­ral da so­ci­e­da­de.

b) Or­ga­ni­zar o TEM­PO (ser do­no do tem­po e não es­cra­vo do tem­po). Agen­das (de bol­so, de me­sa e aju­das-me­mó­ria). Ex­pur­gar tu­do o que é inú­til e su­pér­fluo (no­ve­las ba­ra­tas; Big Brother, jo­gos não ins­tru­ti­vos, chats na in­ter­net).

c) Ser um AU­TO-DIDACTA (em con­sequên­cia da or­ga­ni­za­ção do tem­po)

d) Usar par­te fun­da­men­tal do tem­po na lei­tu­ra de li­vros ins­tru­ti­vos.

Pa­ra se tor­nar um gran­de in­te­lec­tu­al há que ler, no mí­ni­mo, um ou dois li­vros por mês. Con­sul­tar um di­ci­o­ná­rio de lín­gua por­tu­gue­sa sem­pre que ti­ver dú­vi­das so­bre al­gu­ma pa­la­vra e es­tu­dar a gra­má­ti­ca da lín­gua. Ós­car Ri­bas não an­dou na Uni­ver­si­da­de, mas ti­nha es­tu­da­do mui­to, ti­nha li­do mui­to, mes­mo sen­do ce­go. En­tão, se vo­cê, jo­vem an­go­la­no, tem os dois olhos sãos, não po­de­rá es­tu­dar mais do que Ós­car Ri­bas? No tem­po co­lo­ni­al, mui­tos de nós, que vi­vía­mos no mus­se­que, não tí­nha­mos luz nem água cor­ren­te em ca­sa. Mas es­tu­dá­mos à luz de can­de­ei­ros a pe­tró­leo. E apa­nhá­va­mos o au­to­car­ro que nos dei­xa­va cin­co a dez qui­ló­me­tros lon­ge de ca­sa. Por­tan­to, mui­tas das des­cul­pas que al­guns jo­vens avan­çam ho­je, não co­lhem.

Quem qui­ser ser al­guém na vi­da tem de gas­tar di­nhei­ro e tem­po com li­vros. Tem de cons­ti­tuir uma bi­bli­o­te­ca. Não só de li­te­ra­tu­ra. De­ve ler li­vros so­bre Ge­o­gra­fia, His­tó­ria, Bo­tâ­ni­ca, Ci­ên­ci­as, Ar­te e ou­tras ma­té­ri­as. Jo­sé Sa­ra­ma­go, que não an­dou na Uni­ver­si­da­de (era car­pin­tei­ro) e foi Pré­mio No­bel da Li­te­ra­tu­ra, por­que pas­sou vin­te anos a es­tu­dar e ler co­mo au­to­di­dac­ta, an­tes de se lan­çar no mun­do di­fí­cil da Li­te­ra­tu­ra.

An­go­la pre­ci­sa de no­vos ta­len­tos da cra­vei­ra de Ós­car Ri­bas e até mai­o­res que o pró­prio No­bel Sa­ra­ma­go. E tam­bém pre­ci­sa de téc­ni­cos mé­di­os e pro­fis­si­o­nais que sai­bam cons­truir obras e ma­nu­se­ar má­qui­nas e equi­pa­men­tos ca­pa­zes de trans­for­mar a pai­sa­gem ur­ba­na e ru­ral. Uma saí­da pa­ra os jo­vens zun­guei­ros e fu­gi­dos do lar, se­ria o mo­de­lo cu­ba­no de es­co­las ru­rais, li­ga­das ao de­sen­vol­vi­men­to agrí­co­la. Um país não se faz só com en­ge­nhei­ros e dou­to­res. Mas, se­ja qual for o do­mí­nio do sa­ber, é pre­ci­so mui­to es­for­ço e sa­cri­fí­cio, es­tu­do e apren­di­za­gem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.