Mi­nis­tro das Fi­nan­ças ga­ran­te exe­cu­ção ri­go­ro­sa

Gru­pos par­la­men­ta­res da UNITA e CASA-CE vo­ta­ram con­tra en­quan­to o PRS se abs­te­ve

Jornal de Angola - - POLÍTICA - ADELINA INÁCIO |

A As­sem­bleia Na­ci­o­nal apro­vou on­tem, com vo­tos a fa­vor do MPLA e FNLA, con­tra da UNITA e CASACE e abs­ten­ções do PRS, o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) Re­vis­to pa­ra 2016. O do­cu­men­to, que com­por­ta re­cei­tas na or­dem de seis tri­liões, 959 mil mi­lhões, 728 mi­lhões, 851 mil e 527 kwan­zas, pre­vê o au­men­to das des­pe­sas de in­ves­ti­men­to pú­bli­cos.

An­tes da re­vi­são do OGE do ano em cur­so, a per­cen­ta­gem do Pro­du­to In­ter­no Bru­to atri­buí­da aos in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos era de 5.7 por cen­to. Com a re­vi­são, pas­sou pa­ra 7.7 por cen­to, equi­va­len­te a 6.5 mil mi­lhões de dó­la­res, que de­vem ser alo­ca­dos pa­ra os in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos.

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças dis­se que o Or­ça­men­to foi re­vis­to pa­ra fa­zer os ajus­ta­men­tos que se im­põem no mo­men­to ac­tu­al que o país vi­ve. Ar­cher Man­guei­ra ga­ran­tiu que o Exe­cu­ti­vo vai tra­ba­lhar pa­ra equi­li­brar a ges­tão ma­cro­e­co­nó­mi­ca e re­du­zir o efei­to ad­ver­so às con­tas fis­cais e mo­ne­tá­ri­as. As­se­gu­rou tam­bém que o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças vai ze­lar pe­la exe­cu­ção ri­go­ro­sa do prin­ci­pal ins­tru­men­to de ges­tão fi­nan­cei­ra do Es­ta­do, o OGE.

Pri­o­ri­da­de na Ener­gia e Águas

O mi­nis­tro da Ener­gia e Águas dis­se que o seu sec­tor deu pri­o­ri­da­de à con­clu­são dos gran­des pro­jec­tos es­tru­tu­ran­tes no sec­tor eléc­tri­co vi­ra­dos pa­ra o au­men­to da pro­du­ção de ener­gia e o au­men­to do abas­te­ci­men­to. Es­tes pro­jec­tos, as­se­gu­rou João Bap­tis­ta Bor­ges, es­tão pro­te­gi­dos no Or­ça­men­to re­vis­to. Os de­pu­ta­dos de­ci­di­ram não fa­zer re­co­men­da­ções ao Exe­cu­ti­vo, man­ten­do-se vá­li­das as que fo­ram fei­tas por al­tu­ra da pri­mei­ra apro­va­ção ini­ci­al. A ses­são de on­tem fi­cou mar­ca­da pe­las apre­sen­ta­ções de de­cla­ra­ções po­lí­ti­cas das ban­ca­das par­la­men­ta­res do MPLA, UNITA, CASA-CE e a re­pre­sen­ta­ção da FNLA.

An­tes da apro­va­ção do do­cu­men­to, o pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos, as­se­gu­rou que o OGE re­vis­to foi am­pla­men­te dis­cu­ti­do nas co­mis­sões es­pe­ci­a­li­za­das do Parlamento. O de­pu­ta­do Pe­dro Se­bas­tião, do MPLA, con­si­de­rou a apro­va­ção do Or­ça­men­to re­vis­to co­mo um exer­cí­cio ne­ces­sá­rio pa­ra o pla­ne­a­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al do país, ten­do em con­ta a va­ri­a­ção do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, mas que di­fi­cil­men­te vol­ta­rá a si­tu­ar-se nos 45 dó­la­res por bar­ril, co­mo era a pre­vi­são do OGE 2016.

Pa­ra Pe­dro Se­bas­tião, a re­vi­são do Or­ça­men­to era ine­vi­tá­vel por­que ha­ve­rá me­nos re­cei­tas do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro que cons­ti­tui­rão 44 por cen­to da re­cei­ta to­tal. Por is­so, es­cla­re­ceu, as re­cei­tas tri­bu­ta­ri­as do sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro ten­dem a au­men­tar, pa­ra com­pen­sar a re­du­ção da re­cei­ta pe­tro­lí­fe­ra. Pe­dro Se­bas­tião fa­lou da im­ple­men­ta­ção dos pro­gra­mas do Exe­cu­ti­vo re­la­ti­va­men­te a re­for­ma tri­bu­tá­ria que na sua opi­nião tem al­can­ça­dos re­sul­ta­dos vi­sí­veis no que diz res­pei­to ao au­men­to da re­cei­ta fis­cal não pe­tro­lí­fe­ra.

A re­vi­são do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pri­o­ri­za os in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos, com o au­men­to dos re­cur­sos de 5.7 por cen­to pa­ra 7.7 por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to. Os in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos, de acor­do com o de­pu­ta­do, são im­por­tan­tes pa­ra o país, não só pa­ra a cri­a­ção de in­fra-es­tru­tu­ras ne­ces­sá­ri­as pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to, mas tam­bém pa­ra ala­van­car o sec­tor pri­va­do, ga­ran­tir o au­men­to do em­pre­go, a pro­tec­ção so­ci­al, a ener­gia e ha­bi­ta­ção.

Jus­ti­fi­ca­ções da UNITA

A de­cla­ra­ção política da UNITA foi apre­sen­ta­da por Raul Dan­da. O de­pu­ta­do dis­se que o seu par­ti­do vo­tou con­tra o OGE re­vis­to por­que con­tém os mes­mos er­ros do Or­ça­men­to ini­ci­al. “O Exe­cu­ti­vo fala de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, mas con­ti­nua a atri­buir ver­bas in­fe­ri­o­res pa­ra as áre­as vi­tais co­mo agri­cul­tu­ra, a sil­vi­cul­tu­ra, as pes­cas e a ca­ça, que têm uma do­ta­ção de 0,3 por cen­to, in­fe­ri­or à fa­tia de­di­ca­da à in­ves­ti­ga­ção em se­gu­ran­ça pú­bli­ca, com 0,89 por cen­to”, exem­pli­fi­cou.

Raul Dan­da jus­ti­fi­cou ain­da os vo­tos con­tra da UNITA com a ale­ga­ção de que o OGE re­vis­to con­tém a ca­bi­men­ta­ção de re­cur­sos pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to dos ór­gãos de de­fe­sa ci­vil, um cor­po de mi­lí­ci­as ile­gal, à luz da Cons­ti­tui­ção, e ina­cei­tá­veis em qual­quer Es­ta­do de­mo­crá­ti­co e de di­rei­to.

A FNLA vo­tou fa­vo­ra­vel­men­te o OGE re­vis­to. O de­pu­ta­do Lu­cas Ngon­da con­si­de­rou o do­cu­men­to um ins­tru­men­to que pro­cu­ra dar so­lu­ções aos pro­ble­mas trans­ver­sais da so­ci­e­da­de. Ape­sar dis­so, dis­se que o seu par­ti­do não es­tá de acor­do com as po­lí­ti­cas pre­co­ni­za­das pa­ra a ges­tão da coi­sa pú­bli­ca.

O de­pu­ta­do Ale­xan­dre Se­bas­tião An­dré, da CASA-CE, ao apre­sen­tar a de­cla­ra­ção de vo­to da co­li­ga­ção, fa­lou dos gran­des de­sa­fi­os pa­ra o no­vo mi­nis­tro das Fi­nan­ças e sa­li­en­tou que o Exe­cu­ti­vo não de­ve fa­zer cor­tes num mo­men­to em que se ca­mi­nha pa­ra apre­sen­ta­ção do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017, que en­tra na As­sem­bleia Na­ci­o­nal já no pró­xi­mo mês.

KINDALA MA­NU­EL

As­sem­bleia Na­ci­o­nal apro­vou on­tem Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do re­vis­to que pre­vê o au­men­to das des­pe­sas de in­ves­ti­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.