CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LUÍ­SA LAU LUCRÉCIO AN­TÓ­NIO | LU­CAS AL­FRE­DO |

Ban­co agrá­rio

Há em­pre­sá­ri­os que se de­di­cam à ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va no cam­po que de­fen­dem a cri­a­ção de um Ban­co des­ti­na­do a apoi­ar os pro­jec­tos agrí­co­las no país, no sen­ti­do de se im­pul­si­o­nar a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia. Um dos gran­des pro­ble­mas da nos­sa eco­no­mia agrá­ria é a fal­ta de fi­nan­ci­a­men­to dos pro­jec­tos pro­du­ti­vos no cam­po. A exis­tên­cia de um ban­co ex­clu­si­va­men­te vi­ra­do pa­ra a con­ces­são de crédito à ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va no cam­po pode vir a re­sol­ver mui­tos pro­ble­mas. Era bom que se dis­cu­tis­se pro­fun­da­men­te es­ta ques­tão do fi­nan­ci­a­men­to dos em­pre­sá­ri­os que têm pro­jec­tos que po­dem ala­van­car a pro­du­ção agrí­co­la.

A di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia pas­sa pe­lo fi­nan­ci­a­men­to das ac­ti­vi­da­des dos agri­cul­to­res e de ou­tros agen­tes que es­tão re­al­men­te vo­ca­ci­o­na­dos pa­ra o tra­ba­lho no cam­po. É pre­ci­so acre­di­tar que há an­go­la­nos ca­pa­zes de fa­ze­rem coi­sas bo­as no nos­so país. Te­mos de dei­xar, co­mo mui­tas ve­zes acon­te­ce, de des­con­fi­ar sem­pre das ca­pa­ci­da­des dos an­go­la­nos. Há cri­té­ri­os pa­ra se sa­ber em que me­di­da é que es­te ou aque­le em­pre­sá­rio es­tá em con­di­ções de as­se­gu­rar uma boa uti­li­za­ção do dinheiro que lhe é da­do por em­prés­ti­mo por um ban­co. Não se de­ve dar dinheiro a pes­so­as que apa­ren­te­men­te sa­bem fa­zer tu­do e mais al­gu­ma coi­sa, mas que na prá­ti­ca não con­cre­ti­zam pro­jec­to al­gum. Se um dia vi­er a ser cons­ti­tuí­do um ban­co agrá­rio, que não se re­pi­tam os er­ros do pas­sa­do, co­mo por exem­plo o de con­ce­der crédito a pes­so­as que não têm qual­quer vo­ca­ção pa­ra ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas no cam­po. A di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia é as­sun­to mui­to sé­rio. Co­mo dis­se um pres­ti­gi­a­do eco­no­mis­ta an­go­la­no, a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia tem um iní­cio mas não tem um fim. Ela vai pro­lon­gar­se por mui­tos anos. A di­ver­si­fi­ca­ção tem de se fa­zer per­ma­nen­te­men­te.

Água no Sa­gra­da Es­pe­ran­ça

Co­me­çou a cor­rer no­va­men­te água nas tor­nei­ras do meu Bair­ro, o Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, Dis­tri­to Ur­ba­no da Mai­an­ga, de­pois de vá­ri­os di­as de in­ter­rup­ção do abas­te­ci­men­to da­que­le pre­ci­o­so lí­qui­do. Apro­vei­to es­te es­pa­ço pa­ra su­ge­rir que a Epal avi­se os seus cli­en­tes, com a de­vi­da an­te­ce­dên­cia, que vai fa­zer cor­tes ao abas­te­ci­men­to du­ran­te um cer­to nú­me­ro de di­as. Não é bom que os con­su­mi­do­res se­jam apa­nha­dos des­pre­ve­ni­dos. A co­mu­ni­ca­ção com os con­su­mi­do­res de­ve fun­ci­o­nar. Pen­so que os con­su­mi­do­res têm o di­rei­to de ser in­for­ma­dos so­bre as in­ter­rup­ções no abas­te­ci­men­to de água.

Já ago­ra apro­vei­to es­te es­pa­ço pa­ra ape­lar a to­dos os con­su­mi­do­res pa­ra pa­ga­rem as su­as con­tas de con­su­mo de água. A Epal pre­ci­sa de dinheiro pa­ra me­lho­rar a qua­li­da­de dos seus ser­vi­ços. Nós, os con­su­mi­do­res, de­ve­mos pa­gar re­gu­lar­men­te a água que con­su­mi­mos. Um bom ci­da­dão de­ve pa­gar as su­as con­tas. De res­to, as dí­vi­das ex­ces­si­vas com­pli­cam ain­da mais a vi­da do con­su­mi­dor. Se os con­su­mi­do­res de água não pa­ga­rem as su­as dí­vi­das, a Epal di­fi­cil­men­te con­cre­ti­za­rá os seus pro­jec­tos, que não são pou­cos, pa­ra me­lho­rar os seus ser­vi­ços, que são de gran­de im­por­tân­cia pa­ra a vi­da das po­pu­la­ções.

En­si­no de qua­li­da­de

Sou en­car­re­ga­do de edu­ca­ção e es­tou com a es­pe­ran­ça de que o nos­so en­si­no pri­má­rio ve­nha a ter nos pró­xi­mos tem­pos mui­ta qua­li­da­de. De­vo enal­te­cer o fac­to de as nos­sas au­to­ri­da­des es­ta­rem a dar im­por­tân­cia es­pe­ci­al ao en­si­no pri­má­rio. É bom que se con­so­li­de a ba­se do nos­so sis­te­ma de edu­ca­ção e en­si­no, pa­ra que te­nha­mos bons alu­nos no en­si­no mé­dio e su­pe­ri­or. Gos­ta­va de in­cen­ti­var as au­to­ri­da­des li­ga­das à edu­ca­ção a pros­se­gui­rem nos seus es­for­ços pa­ra que o nos­so en­si­no pri­má­rio te­nha mui­ta qua­li­da­de. Sei que, pa­ra se atin­gir es­ta qua­li­da­de, se­rá ne­ces­sá­rio ha­ver bons pro­fes­so­res. É pre­ci­so que se in­vis­ta na for­ma­ção de pro­fes­so­res pri­má­ri­os. Os pro­fes­so­res pri­má­ri­os de­vem ser va­lo­ri­za­dos. Lem­bro-me de um Che­fe de Es­ta­do afri­ca­no que te­ve de de­cre­tar nos anos 60 do sé­cu­lo pas­sa­do, um au­men­to con­si­de­rá­vel de sa­lá­ri­os e ou­tros in­cen­ti­vos pa­ra pro­fes­so­res pri­má­ri­os, o que le­vou mui­ta gen­te a con­cor­rer (in­cluin­do téc­ni­cos su­pe­ri­o­res for­ma­dos em vá­ri­as áre­as do sa­ber) pa­ra dar au­las em es­co­las pri­má­ri­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.