Con­ten­ção da ca­ça fur­ti­va

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Mui­to já se dis­se so­bre a ca­ça fur­ti­va em An­go­la, nu­ma al­tu­ra em que o Exe­cu­ti­vo, pa­ra fa­zer jus à ne­ces­si­da­de vi­tal de pre­ser­va­ção das es­pé­ci­es em pe­ri­go e às re­gras in­ter­na­ci­o­nais, de­cre­tou a proi­bi­ção de co­mér­cio de ani­mais sel­va­gens.

Há um gran­de es­for­ço da par­te das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do no sen­ti­do da pro­tec­ção das es­pé­ci­es, ra­zão pe­la qu­al exis­tem no país mi­lha­res de qui­ló­me­tros qua­dra­dos de áre­as pro­te­gi­das, en­tre re­ser­vas na­tu­rais e par­ques na­ci­o­nais, pa­ra vi­a­bi­li­zar a pre­ser­va­ção. Tra­ta-se de uma res­pon­sa­bi­li­da­de que trans­cen­de o pa­pel das en­ti­da­des li­ga­das ao sec­tor da Agri­cul­tu­ra e do Am­bi­en­te em que os ci­da­dãos or­ga­ni­za­dos ou não po­dem igual­men­te de­sem­pe­nhar o seu pa­pel. A pre­ser­va­ção da fau­na e flo­ra diz res­pei­to a to­dos nós por­que quan­do e se aque­les dois im­por­tan­tes agre­ga­dos so­fre­rem de­gra­da­ção sig­ni­fi­ca­ti­va mai­or é a di­fi­cul­da­de de vi­da pa­ra os hu­ma­nos.

Re­co­nhe­ce­mos que vi­ve­mos ain­da inú­me­ros de­sa­fi­os ao ní­vel das ini­ci­a­ti­vas, pú­bli­cas e pri­va­das, pa­ra pre­ser­var so­bre­tu­do as es­pé­ci­es em vi­as de ex­tin­ção em to­do o país. A vas­ti­dão do país acres­cen­ta de­sa­fi­os na ho­ra de equa­ci­o­nar prá­ti­cas e es­tra­té­gi­as de ac­tu­a­ção no sen­ti­do da con­ten­ção da ca­ça fur­ti­va de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne, in­de­pen­den­te­men­te da apa­ren­te lo­ca­li­za­ção do “ma­pa da ca­ça”.

É ver­da­de que em mui­tas lo­ca­li­da­des a ca­ça cons­ti­tui um dos mei­os de sub­sis­tên­cia das co­mu­ni­da­des e fa­mí­li­as, fac­to que de­ve le­var as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do a cam­pa­nhas de edu­ca­ção e sen­si­bi­li­za­ção. Há nor­mas ele­men­ta­res e ori­en­ta­ções prá­ti­cas que po­dem ser ob­ser­va­das pa­ra o exer­cí­cio de ca­ça que, se de­vi­da­men­te ex­pli­ca­das às co­mu­ni­da­des, con­tri­bu­em pa­ra a con­ten­ção do aba­te in­dis­cri­mi­na­do de ani­mais. No fun­do, mui­tos ci­da­dãos, na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, que se de­di­cam à ca­ça co­nhe­cem de an­te­mão as re­gras pa­ra o exer­cí­cio des­ta ac­ti­vi­da­de que, em An­go­la co­mo em qual­quer par­te do mun­do, es­tá re­gu­la­men­ta­da. É pre­ci­so dar a co­nhe­cer que An­go­la ade­riu à Con­ven­ção so­bre o Co­mér­cio In­ter­na­ci­o­nal de Es­pé­ci­es da Fau­na e da Flo­ra Sel­va­gem Ame­a­ça­das de Ex­tin­ção (CITES) que im­põe a proi­bi­ção de aba­te de es­pé­ci­es em ex­tin­ção.

E por via do De­cre­to Exe­cu­ti­vo 469/15 de 13 de Ju­lho, pre­ten­de-se eli­mi­nar o aba­te in­dis­cri­mi­na­do de ani­mais e o co­mér­cio de es­pé­ci­es, vi­vas ou mor­tas, co­mo se no­ta com frequên­cia jun­to das es­tra­das na­ci­o­nais, no in­te­ri­or das co­mu­ni­da­des. Não es­tá de to­do proi­bi­da a ca­ça na me­di­da em que pre­va­le­cem os pro­ce­di­men­tos le­gais pa­ra ob­ten­ção de li­cen­ças de ca­ça, di­ver­sas au­to­ri­za­ções, emis­são de cer­ti­fi­ca­dos CITES pa­ra ex­por­ta­ção de ani­mais sel­va­gem e tro­féus, cer­ti­fi­ca­do-ma­ni­fes­to de pro­pri­e­da­des jun­to das en­ti­da­des com­pe­ten­tes. É fun­da­men­tal o cum­pri­men­to das dis­po­si­ções le­gais pa­ra ser­mos ca­pa­zes de le­gar às ge­ra­ções vin­dou­ras uma fau­na e flo­ra em con­di­ções de as­se­gu­rar o equi­lí­brio e a sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bi­en­tais.

Cons­ta do de­cre­to pre­si­den­ci­al que, “nas Áre­as de Con­ser­va­ção, sal­vo ini­ci­a­ti­va das en­ti­da­des com­pe­ten­tes des­ti­na­da a be­ne­fi­ci­ar de pro­tec­ção das es­pé­ci­es sel­va­gens ou ain­da por mo­ti­vos de in­te­res­se pú­bli­co ou ci­en­tí­fi­co, é proi­bi­do per­se­guir, cap­tu­rar, des­truir ou per­tur­bar os ani­mais, ate­ar in­cên­di­os pa­ra fins de ca­ça, pra­ti­car quais­quer ac­tos que afu­gen­tem a po­pu­la­ção ani­mal do seu ha­bi­tat (...)”, ape­nas pa­ra men­ci­o­nar es­tas dis­po­si­ções.

Não po­de­mos es­pe­rar que a ca­ça fur­ti­va atin­ja ní­veis in­con­tro­lá­veis, em­bo­ra vi­va­mos uma fa­se em que pre­ci­sa­mos de re­do­brar a vi­gi­lân­cia e aper­tar o cer­co ao aba­te de de­ter­mi­na­das es­pé­ci­es co­mo ele­fan­tes, par­ti­cu­lar­men­te no su­do­es­te do país. Ur­ge re­for­çar em ho­mens e mei­os o Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal (IDF) pa­ra que, no exer­cí­cio das su­as atri­bui­ções, con­si­ga aju­dar o Es­ta­do a con­ter o aba­te in­dis­cri­mi­na­do de ani­mais, so­bre­tu­do os ame­a­ça­dos de ex­tin­ção. Acre­di­ta­mos que o for­ta­le­ci­men­to do pa­pel e fun­ções dos fis­cais do Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te, so­bre­tu­do com fo­co nas Áre­as de Con­ser­va­ção, pode de­sem­pe­nhar um pa­pel im­por­tan­te na con­ten­ção de ile­ga­li­da­des e aten­ta­dos con­tra a fau­na an­go­la­na. De­sen­co­ra­jar a com­pra e fa­zer de­nún­ci­as às au­to­ri­da­des da ven­da de es­pé­ci­es proi­bi­das, vi­vas ou mor­tas, ao lon­go das es­tra­das na­ci­o­nais e no in­te­ri­or das co­mu­ni­da­des tem de ser uma obri­ga­ção de to­dos.

Não po­de­mos cru­zar os bra­ços en­quan­to nu­me­ro­sas es­pé­ci­es são aba­ti­das in­dis­cri­mi­na­da­men­te, cor­ren­do sé­ri­os ris­cos de ex­tin­ção, com to­das as con­sequên­ci­as pa­ra o equi­lí­brio na na­tu­re­za. Mas es­ta­mos es­pe­ran­ça­dos em que com a le­gis­la­ção, acom­pa­nha­da de uma cam­pa­nha agres­si­va de sen­si­bi­li­za­ção das po­pu­la­ções so­bre­tu­do ali on­de são ele­va­dos os ní­veis de ca­ça fur­ti­va e enor­mes os pe­ri­gos pa­ra os ani­mais em vi­as de ex­tin­ção, va­mos ser bem su­ce­di­dos.

Par­ti­mos do pres­su­pos­to de que as nos­sas po­pu­la­ções acom­pa­nham as au­to­ri­da­des no cum­pri­men­to de ob­jec­ti­vos que vi­sam equi­li­brar as vi­das, hu­ma­na, ani­mal e ve­ge­tal, em nos­so be­ne­fí­cio e das ge­ra­ções vin­dou­ras. Es­te com­ba­te en­qua­dra-se cla­ra­men­te en­tre os mai­o­res de­sa­fi­os en­fren­ta­dos pe­lo país, pa­ra o qu­al não fal­tam ho­mens e mei­os, bem co­mo le­gis­la­ção ac­tu­a­li­za­da, pa­ra que se­ja­mos bem su­ce­di­dos. Por is­so acre­di­ta­mos que é pos­sí­vel con­ter a ca­ça fur­ti­va em to­do o país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.