Mos­co­vo e Washing­ton pro­cu­ram pon­tos for­tes

John Ker­ry e Ser­gey La­vrov ana­li­sam no­vos me­ca­nis­mos di­plo­má­ti­cos e po­lí­ti­cos

Jornal de Angola - - MUNDO - ALTINO MA­TOS |

Os Es­ta­dos Uni­dos e a Rús­sia es­tão a apre­ci­ar a si­tu­a­ção na Sí­ria pa­ra de­ter­mi­nar que ele­men­tos es­ti­ve­ram na ba­se da vi­o­la­ção do ces­sar-fo­go que vi­go­rou ape­nas uma se­ma­na, tem­po con­si­de­ra­do in­su­fi­ci­en­te pe­las agên­ci­as de as­sis­tên­cia hu­ma­ni­tá­ria pa­ra pres­tar aju­da aos ci­vis.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do nor­te­a­me­ri­ca­no, John Ker­ry, e o mi­nis­tro rus­so dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, Ser­gey La­vrov, pro­cu­ram pon­tos fon­tes den­tro do qua­dro de me­ca­nis­mo po­lí­ti­cos e di­plo­má­ti­co, que ain­da dão al­gu­ma ga­ran­tia de ser pos­sí­vel al­can­çar a paz na Sí­ria a par­tir de uma so­lu­ção po­lí­ti­ca.

Al­guns lí­de­res mun­di­ais acre­di­tam que a tro­ca de acu­sa­ções en­tre Washing­ton e Mos­co­vo pi­o­ra ain­da mais o qua­dro po­lí­ti­ca e mi­li­tar no país, o que dá lu­gar à guer­ra en­tre as for­ças do Go­ver­no e re­bel­des.

O Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das (ONU), Ban Ki-mo­on, afir­mou que é pos­sí­vel aca­bar com a guer­ra na Sí­ria, bas­ta re­ti­rar o apoio aos re­bel­des e às for­ças do Go­ver­no. Ban Ki-mo­on não ci­tou o no­me dos Es­ta­dos Uni­dos nem da Rús­sia, que pres­tam apoio aber­to, em la­dos opos­tos, aos opo­nen­tes na Sí­ria.

As au­to­ri­da­des de Mos­co­vo di­vul­ga­ram ima­gens, re­co­lhi­das a par­tir de um avião sem pi­lo­to, do ata­que aé­reo con­tra um com­boio de aju­da na Sí­ria, des­cri­ta pe­la co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal co­mo uma gra­ve tra­gé­dia hu­ma­ni­tá­ria.

Mos­co­vo ne­ga que as su­as ae­ro­na­ves ou as de seus ali­a­dos, o Go­ver­no sí­rio, te­nham se en­vol­vi­do em qual­quer ata­que con­tra ci­vis, mui­to me­nos “des­fe­rir um gol­pe bru­tal con­tra pes­so­as in­de­fe­sas que tra­ba­lha­vam a fa­vor da hu­ma­ni­da­de pa­ra di­mi­nuir o so­fri­men­to dos seus se­me­lhan­tes na Sí­ria”.

Após a ex­pli­ca­ção da de­le­ga­ção rus­sa, as Na­ções Uni­das di­vul­ga­ram uma ver­são de um co­mu­ni­ca­do an­te­ri­or, re­ti­ran­do as ex­pres­sões “ata­ques aé­re­os” que subs­ti­tuiu por “ata­ques” não es­pe­ci­fi­ca­dos.

O ata­que le­vou a ONU a sus­pen­der to­das as re­mes­sas aé­re­as de aju­da pa­ra a Sí­ria e dei­xou os es­for­ços mais re­cen­tes de pa­ci­fi­ca­ção à bei­ra do co­lap­so. O Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU, Ban Ki-mo­on, che­gou mes­mo a afir­mar que, nes­te mo­men­to, pode con­si­de­rar-se que a po­pu­la­ção sí­ria es­tá sob sua con­ta e ris­co, por cul­pa da­que­les que in­sis­tem em man­ter as su­as po­si­ções no te­a­tro das ope­ra­ções.

Ban Ki-mo­on pe­diu a to­dos quan­to pos­sam in­flu­en­ci­ar um diá­lo­go sé­rio pa­ra o al­can­ce da paz na Sí­ria a não pou­pa­rem es­for­ço pa­ra o bem da hu­ma­ni­da­de. “A guer­ra na Sí­ria dei­xou de ser um pro­ble­ma re­si­du­al, e pas­sou a ser um pro­ble­ma de to­dos os go­ver­nos e po­vos, con­si­de­rou o Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU, sem nun­ca se re­fe­rir di­rec­ta­men­te aos in­ter­ve­ni­en­tes da guer­ra.

O Cres­cen­te Ver­me­lho da Sí­ria dis­se que o che­fe de um dos seus es­cri­tó­ri­os lo­cais e cer­ca de 20 ci­vis fo­ram mor­tos, ape­sar de ou­tros sal­dos de mor­tos di­fe­ri­ram des­se da­do. O vi­ce-con­se­lhei­ro de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal da Ca­sa Bran­ca, Ben Rho­des, atri­buiu a res­pon­sa­bi­li­da­de do ata­que ao Go­ver­no rus­so, “uma vez que o seu com­pro­mis­so nos ter­mos da ces­sa­ção das hos­ti­li­da­des era cer­ta­men­te pa­rar as ope­ra­ções aé­re­as on­de a as­sis­tên­cia hu­ma­ni­tá­ria ha­via de fluir, e aju­dar os ci­vis ne­ces­si­ta­dos nes­sas re­giões”.

Ben Rho­des dis­se que os Es­ta­dos Uni­dos pre­fe­rem con­ti­nu­ar com o ces­sar-fo­go na Sí­ria, mas es­tão pre­o­cu­pa­dos com a fal­ta de de­mons­tra­ção de boa-fé da Rús­sia.

Ces­sar-fo­go

O acor­do de ces­sar-fo­go na Sí­ria, me­di­a­do pe­los Es­ta­dos Uni­dos e a Rús­sia, apa­ren­ta ter si­do des­fei­to. “To­dos sa­be­mos que o que es­tá a acon­te­cer na Sí­ria é ina­cei­tá­vel”, dis­se o Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Ba­rack Oba­ma. “Não es­ta­mos tão uni­fi­ca­dos quan­to de­vía­mos pa­ra aca­bar com is­to”, dis­se o lí­der nor­te-ame­ri­ca­no, Ba­rac­ka Oba­ma.

A tro­ca de acu­sa­ções en­tre Oba­ma e Pu­tin abri­ram um de­ba­te mais pro­fun­do so­bre as ca­pa­ci­da­des dos mei­os di­plo­má­ti­cos e po­lí­ti­cos pa­ra aca­bar com a guer­ra na Sí­ria, prin­ci­pal­men­te por­que os dois lí­de­res con­tro­lam os cor­re­do­res de fo­go e pres­tam apoio téc­ni­co e mi­li­tar às par­tes em con­fli­to.

Os Pre­si­den­tes nor­te-ame­ri­ca­no e rus­so in­sis­ti­ram que ain­da é pos­sí­vel cor­ri­gir as fa­lhas no ces­sar-fo­go e avan­çar pa­ra um es­tá­gio mais só­li­do, que per­mi­ta uma apro­xi­ma­ção das par­tes e um diá­lo­go aber­to so­bre o pe­río­do de tran­si­ção.

Os gru­pos re­bel­des, apoi­a­dos pe­los Es­ta­dos Uni­dos, re­cla­ma­ram o di­rei­to a man­ter-se nas re­giões sob seu do­mí­nio, e se­rem eles a ge­rir o pro­ces­so de tré­guas, pres­tan­do a de­vi­da in­for­ma­ção aos agen­tes que en­tra­rem nas ci­da­des pa­ra pres­tar aju­da hu­ma­ni­tá­ria aos vi­cis.

Se­gun­do re­la­tos da im­pren­sa oci­den­tal, es­se di­fe­ren­ci­al pode ter si­do o cau­sa­dor da vi­o­la­ção do ces­sar-fo­go em cer­tas re­giões. A in­for­ma­ção não foi con­fir­ma­da nem des­men­ti­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos.

Aviões des­co­nhe­ci­dos

Pe­lo me­nos, 24 pes­so­as mor­re­ram on­tem em bom­bar­de­a­men­tos de aviões não iden­ti­fi­ca­dos con­tra zo­nas das pro­vín­ci­as se­ten­tri­o­nais sí­ri­as de Alep­po e Idlib.

Das pes­so­as mor­tas, 13, den­tre as quais três me­no­res, per­de­ram a vi­da num ata­que aé­reo con­tra a po­pu­la­ção de Khan Shaykhun, em Idlib, on­de hou­ve tam­bém de­ze­nas fe­ri­dos, se­gun­do da­dos não ofi­ci­ais.

O Ob­ser­va­tó­rio Sí­rio dos Di­rei­tos Hu­ma­nos apon­tou que os aviões lan­ça­ram oi­to pro­jéc­teis con­tra dis­tin­tas áre­as da ci­da­de, o que oca­si­o­nou am­plos da­nos ma­te­ri­ais em ca­sas, al­gu­mas das quais fi­ca­ram to­tal­men­te des­truí­das.

A fon­te não des­car­tou que o nú­me­ro de ví­ti­mas mor­tais au­men­te, por­que há fe­ri­dos em es­ta­do gra­ve e de­sa­pa­re­ci­dos en­tre os es­com­bros, on­de as equi­pas de res­ga­te ain­da tra­ba­lham.

A mai­or par­te da pro­vín­cia de Idlib es­tá nas mãos da Fren­te da Con­quis­ta do Le­van­te (an­ti­ga fi­li­al sí­ria da Al Qa­e­da) e de vá­ri­as fac­ções con­si­de­ra­dos ex­tre­mis­tas.

Pe­lo me­nos, 11 pes­so­as mor­re­ram, den­tre elas dois me­no­res, em ata­ques nos bair­ros de Al Sa­lhin, Al Mashhad, Al Su­ka­ri e Al Mu­a­sa­lat, na pro­vín­cia de Alep­po.

Na Sí­ria, ex­plo­ra­ram o es­pa­ço aé­reo aviões da For­ça Ae­ro­es­pa­ci­al Rus­sa e da Co­li­ga­ção In­ter­na­ci­o­nal, li­de­ra­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos.

Os úl­ti­mos ata­ques, re­a­li­za­dos por aviões de pro­ve­ni­ên­cia des­co­nhe­ci­da, não fo­ram al­vo de ex­pli­ca­ções con­cre­tas tan­to dos Es­ta­dos Uni­dos, co­mo da Rús­sia, que ape­nas la­men­ta­ram o su­ce­di­do. Os vo­os tác­ti­cos, no qua­dro ope­ra­ci­o­nal, con­ti­nu­am bas­tan­te ac­ti­vos.

AFP

Aviões des­co­nhe­ci­dos re­a­li­za­ram ata­ques em Alep­po e Idlib con­tra al­vos ci­vis e dei­xa­ram um gran­de ras­to de des­trui­ção e vá­ri­os mor­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.