ONU saú­da lí­de­res po­lí­ti­cos

EN­TEN­DI­MEN­TO NA GUI­NÉ-BIS­SAU Ki-mo­on elo­gia acor­do pa­ra no­me­a­ção de Go­ver­no in­clu­si­vo

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU elo­gi­ou num co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do on­tem os pro­gres­sos al­can­ça­dos pe­los lí­de­res po­lí­ti­cos da Gui­néBis­sau e o acor­do as­si­na­do en­tre es­tes, que pre­vê um go­ver­no in­clu­si­vo des­ti­na­do a pôr fim à ac­tu­al cri­se po­lí­ti­ca e ins­ti­tu­ci­o­nal e que le­ve o país até ao fim da ac­tu­al le­gis­la­tu­ra, em 2018.

Ban Ki-mo­on, é re­fe­ri­do no do­cu­men­to, fa­la­va du­ran­te um en­con­tro, na segunda-feira, com o Pre­si­den­te gui­ne­en­se em No­va Ior­que, à mar­gem da As­sem­bleia Ge­ral da ONU e no qu­al foi abor­da­do a si­tu­a­ção do país da Áfri­ca Oci­den­tal.

Jo­sé Má­rio Vaz e Ban Ki-mo­on, con­clui a no­ta, dis­cu­ti­ram o im­pac­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co da cri­se so­bre a po­pu­la­ção gui­ne­en­se e a im­por­tân­cia de se cri­a­rem con­di­ções pa­ra a re­to­ma­da com­ple­ta do apoio fi­nan­cei­ro in­ter­na­ci­o­nal ao país.

Na terça-feira, o mi­nis­tro por­tu­guês dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros afir­mou, no fi­nal de um en­con­tro da Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Es­ta­dos da Áfri­ca Oci­den­tal (CEDEAO), em No­va Ior­que, tam­bém à mar­gem da ci­mei­ra da ONU, que há “con­sen­so in­ter­na­ci­o­nal” so­bre o acor­do po­lí­ti­co al­can­ça­do na Gui­né-Bis­sau.

Os po­lí­ti­cos gui­ne­en­ses con­cor­da­ram es­te mês com a cri­a­ção de um no­vo Go­ver­no in­clu­si­vo.

Se­gun­do o acor­do en­tre os po­lí­ti­cos, en­tre as ta­re­fas es­sen­ci­ais do no­vo Go­ver­no in­clu­si­vo es­tá a re­vi­são da Cons­ti­tui­ção, a reforma da lei elei­to­ral, da lei-qua­dro dos par­ti­dos po­lí­ti­cos e do sec­tor mi­li­tar.

Jo­sé Má­rio Vaz abor­dou a ac­tu­a­li­da­de da Gui­né-Bis­sau em No­va Ior­que com o lí­der da ONU

No domingo, na ce­le­bra­ção dos 60 anos do Par­ti­do Afri­ca­no da In­de­pen­dên­cia da Gui­né e Ca­bo Verde (PAIGC), em Bis­sau, o seu pre­si­den­te, Domingos Simões Pe­rei­ra, ma­ni­fes­tou dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal.

“Ex­pres­sa­mos, evo­can­do a Amíl­car Ca­bral e os seus en­si­na­men­tos, a nos­sa dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra o diá­lo­go in­clu­si­vo, a re­con­ci­li­a­ção e a co­e­são in­ter­na do par­ti­do”, dis­se na oca­sião o lí­der da mai­or for­ça po­lí­ti­ca gui­ne­en­se. “Es­ta­mos dis­pos­tos a to­dos os sa­cri­fí­ci­os e con­ces­sões pa­ra res­ga­tar o di­rei­to e a res­pon­sa­bi­li­da­de de cons­truir a na­ção, é che­ga­do o mo­men­to de ex­pe­ri­men­tar­mos al­go de no­vo, di­fe­ren­te”, dis­se Domingos Simões Pe­rei­ra, pa­ra con­cluir que o PAIGC “de­ve ser re­co­nhe­ci­do co­mo a for­ma­ção po­lí­ti­ca es­co­lhi­da pe­lo po­vo pa­ra governar nes­ta le­gis­la­tu­ra”.

Até on­tem de ma­nhã, a ca­pi­tal con­go­le­sa, Kinsha­sa, ti­nha re­en­con­tra­do a cal­ma, após dois di­as de con­fron­tos mor­tais, acom­pa­nha­dos de pi­lha­gens e in­cên­di­os a se­des de par­ti­dos po­lí­ti­cos da opo­si­ção, se­gun­do a agên­cia de notícias Fran­ce Press.

A fon­te no­ti­ci­ou que os bair­ros do cen­tro, oes­te e sul de Kinsha­sa re­co­me­ça­vam a sua vi­da nor­mal, e a cir­cu­la­ção es­ta­va mais flui­da na me­tró­po­le de dez mi­lhões de ha­bi­tan­tes ha­bi­tu­a­dos a gran­des en­gar­ra­fa­men­tos.

As 9h00 lo­cais, mes­ma ho­ra em An­go­la, os trans­por­tes cir­cu­la­vam nor­mal­men­te e os ven­de­do­res am­bu­lan­tes que de­sa­pa­re­ce­ram du­ran­te os dois di­as de vi­o­lên­cia trans­por­ta­vam as mer­ca­do­ri­as à ca­be­ça. As bom­bas de combustíveis e as lojas es­ta­vam aber­tas e as es­co­las re­to­ma­vam o cur­so nor­mal, de acor­do com a Fran­ce Press.

Um dia an­tes, pros­se­gui­am em Kinsha­sa, com igual vi­o­lên­cia, as ma­ni­fes­ta­ções con­vo­ca­das segunda-feira pe­la Con­gre­ga­ção das For­ças Po­lí­ti­cas e So­ci­ais pa­ra a Mu­dan­ça (RFPSAM), pla­ta­for­ma da opo­si­ção ra­di­cal con­go­le­sa con­trá­ria ao Diá­lo­go Na­ci­o­nal cri­a­do pe­lo Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la com mem­bros da opo­si­ção, da Mai­o­ria Pre­si­den­ci­al que su­por­ta o Che­fe de Es­ta­do e com in­te­gran­tes da sociedade ci­vil con­go­le­sa, e me­di­a­do pe­lo en­vi­a­do es­pe­ci­al da União Afri­ca­na Edem Kod­jo.

Dis­pa­ros fo­ram ou­vi­dos em vá­ri­os bair­ros da ca­pi­tal con­go­le­sa on­de a Po­lí­cia ten­tou, com gás la­cri­mo­gé­neo e dis­pa­ros ao ar, dis­su­a­dir os ma­ni­fes­tan­tes e res­ta­be­le­cer a or­dem. As es­co­las não abri­ram, as­sim co­mo os ar­ma­zéns e os mer­ca­dos. As ma­ni­fes­ta­ções de segunda-feira fi­ze­ram 17 mor­tos e 14 fe­ri­dos a ti­ro, se­gun­do o Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, e pe­lo me­nos 50 mor­tos, pa­ra a opo­si­ção.

Vá­ri­as se­des dos par­ti­dos po­lí­ti­cos que com­pões a Mai­o­ria Pre­si­den­ci­al - PPRD, RCD, ATD, ARC e CNC - fo­ram in­cen­di­a­das, segunda-feira, em Kinsha­sa, por ma­ni­fes­tan­tes da opo­si­ção, ao mes­mo tem­po que vá­ri­as se­des dos par­ti­dos da opo­si­ção UDPS, MLP, ECIDE e FONUS fo­ram igual­men­te in­cen­di­a­das por ho­mens ar­ma­dos, de acor­do com o se­cre­tá­rio na­ci­o­nal da UDPS, o mai­or par­ti­do po­lí­ti­co da opo­si­ção con­go­le­sa.

A RFPSAM opõe-se a um even­tu­al alar­ga­men­to da Pre­si­dên­cia de Jo­seph Ka­bi­la além do li­mi­te cons­ti­tu­ci­o­nal de dois man­da­tos, que ter­mi­na a 19 de De­zem­bro de 2016, re­jei­ta Edem Kod­jo co­mo fa­ci­li­ta­dor do diá­lo­go e acu­sa os opo­si­to­res pro­diá­lo­go de “acei­tar o ter­cei­ro man­da­to do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la”.

Por im­pe­ra­ti­vos cons­ti­tu­ci­o­nais, o Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la, que go­ver­na des­de 2001, não pode con­cor­rer a um ter­cei­ro man­da­to.

A Co­mis­são Elei­to­ral Na­ci­o­nal In­de­pen­den­te (CENI) afir­ma que não há con­di­ções pa­ra a re­a­li­za­ção das elei­ções pre­si­den­ci­ais na da­ta ini­ci­al­men­te pre­vis­ta, em No­vem­bro, e ad­mi­te que a vo­ta­ção pode ser adi­a­da por pe­lo me­nos 18 me­ses.

O Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal de­ter­mi­nou que o Pre­si­den­te ces­san­te pode con­ti­nu­ar a governar com o adi­a­men­to das elei­ções.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.