“Coi­sas de mu­lher” exi­bi­da no Ca­mões

EX­PO­SI­ÇÃO CO­LEC­TI­VA DE AR­TE Ar­tis­tas plás­ti­cas des­con­tex­tu­a­li­zam o uni­ver­so feminino na sociedade

Jornal de Angola - - CULTURA - MA­NU­EL ALBANO |

O pre­con­cei­to e ide­o­lo­gi­as dis­cri­mi­na­tó­ri­as con­tra as mu­lhe­res são as pro­pos­tas da ex­po­si­ção co­lec­ti­va “Im­bam­ba ya muha­tu” (Coi­sas de mu­lher), das ar­tis­tas plás­ti­cas an­go­la­na Keye­zua e da ni­ge­ri­a­na Wu­ra Na­tasha Ogun­ji, a ser inau­gu­ra­da dia 29, às 18h30, no Ca­mões - Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, na bai­xa de Lu­an­da.

O tra­ba­lho das du­as ar­tis­tas fi­ca pa­ten­te até dia 20 de Ou­tu­bro e pre­ten­de tra­zer pa­ra o pú­bli­co al­gu­mas coi­sas de mu­lher, pro­cu­ran­do, des­sa for­ma, sus­ci­tar a re­fle­xão e ques­ti­o­nar o que es­ses ob­jec­tos re­pre­sen­tam e ocu­pam, se­gun­do uma no­ta do Ca­mões.

A ex­pres­são “Coi­sas de mu­lher” é fre­quen­te­men­te uti­li­za­da pa­ra iden­ti­fi­car coi­sas su­pér­flu­as, co­mo ca­be­lo, unhas e ali­men­tos. Es­sa prá­ti­ca re­du­to­ra, ao re­me­ter es­sas “coi­sas” pa­ra o mun­do pri­va­do e in­ti­mis­ta da mu­lher des­con­tex­tu­a­li­za, mar­gi­na­li­za e ig­no­ra a im­por­tân­cia do pa­pel da mu­lher na sociedade, ao lon­go da his­tó­ria, co­mo agen­te ac­ti­vo no do­mí­nio eco­nó­mi­co, po­lí­ti­co, so­ci­al e cul­tu­ral.

A ex­po­si­ção cha­ma a aten­ção pa­ra a ex­clu­são do sig­ni­fi­ca­do eco­nó­mi­co e es­té­ti­co de al­gu­mas des­sas “Coi­sas de mu­lher”, do es­pa­ço feminino, con­fi­na­do a um uni­ver­so fe­cha­do, no qu­al atra­vés das ge­ra­ções se vão per­pe­tu­an­do tra­di­ções de re­sig­na­ção e sub­mis­são a pa­drões dis­cri­mi­na­tó­ri­os. Keye­zua e Wu­ra-Na­tasha Ogun­ji des­ven­dam e ques­ti­o­nam, nes­te tra­ba­lho, uma re­a­li­da­de, ain­da do­mi­nan­te de su­bal­ter­ni­za­ção do pa­pel da mu­lher. O re­cur­so à per­for­man­ce é cen­tral e abri es­pa­ço pa­ra um vas­to cam­po de in­ter­pre­ta­ção.

Wu­ra-Na­tasha Ogun­gi abor­da um te­ma li­ga­do à ta­re­fa de acar­re­tar água, ge­ne­ra­li­za­da co­mo pró­pria da mu­lher, em to­do o con­ti­nen­te afri­ca­no e Keye­zua tra­ba­lha com o seu pró­prio cor­po, tor­nan­do pú­bli­ca a ro­ti­na diá­ria de gran­de par­te das mu­lhe­res de ma­qui­lhar o ros­to e es­ti­car o ca­be­lo afri­ca­no, se­guin­do pa­drões es­té­ti­cos con­ven­ci­o­na­dos de be­le­za.

Keye­zua é uma ar­tis­ta an­go­la­na li­cen­ci­a­da pe­la Re­al Aca­de­mia de Artes em Haia, Ho­lan­da. So­bre o seu per­fil diz: “Des­de pe­que­na fui a cri­an­ça de­so­be­di­en­te em ca­sa, mu­dan­do as coi­sas pa­ra mos­trar os meus sen­ti­men­tos, de for­ma a pro­vo­car re­ac­ções. É al­go que não de­sa­pa­re­ceu com os anos, cres­ceu em mim e tor­nei-me al­guém que in­te­ra­ge com ques­tões hu­ma­nas ex­pon­do-as pa­ra cri­ar es­pa­ços de de­ba­te ou pa­ra uma segunda opi­nião da mi­nha au­di­ên­cia. A mi­nha ar­te es­tá en­tre o ex­pres­si­o­nis­mo, sur­re­a­lis­mo e pan-afri­ca­nis­mo. Gos­to de de­fi­nir-me co­mo uma con­ta­do­ra de his­tó­ri­as.’’

En­quan­to, a pin­to­ra ni­ge­ri­a­na Wu­ra-Na­tasha Ogun­ji é co­nhe­ci­da pe­los seus ví­de­os em que usa o pró­prio cor­po pa­ra ex­plo­rar no­ções de mo­vi­men­to e de im­pres­são em água, ter­ra e ar. A sua mais re­cen­te sé­rie de per­for­man­ces in­ti­tu­la­da “Mo gbo mo bran­ch/I he­ard and I bran­ched my­self in­to the party” ex­plo­ra a pre­sen­ça da mu­lher no es­pa­ço pú­bli­co em Lagos, Ni­gé­ria.

PAU­LO MULAZA

Obras de Keye­zua e Wu­ra Na­tasha Ogun­ji res­sal­tam a im­por­tân­cia do pa­pel da mu­lher na sociedade co­mo agen­te ac­ti­va nos vá­ri­os do­mí­ni­os da vi­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.