An­go­lo­fo­bia e pa­ter­na­lis­mo em Portugal

Jornal de Angola - - PARTADA - LUCIANO ROCHA |

An­go­lo­fo­bia e pa­ter­na­lis­mo, ra­mi­fi­ca­ções da me­di­o­cri­da­de in­te­lec­tu­al, con­ti­nu­am, em ple­no sé­cu­lo XXI, ar­rei­ga­dos em pes­so­as de al­guns paí­ses, es­pe­ci­al­men­te de Portugal, co­mo fa­cil­men­te se com­pro­va nos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, em dis­cur­sos po­lí­ti­cos e até em con­ver­sas in­for­mais.

En­tre um e ou­tro, ve­nha o di­a­bo e es­co­lha, que nós te­mos mui­ta di­fi­cul­da­de em fa­zê-lo, pois re­ve­lam am­bos com­ple­xos de in­fe­ri­o­ri­da­de, com más­ca­ras apa­ren­te­men­te di­fe­ren­tes a en­co­brir re­cal­ca­men­tos, co­mo to­dos do­lo­ro­sos, re­ve­la­do­res do sen­ti­do de per­da do que na ver­da­de nun­ca se te­ve, que a an­go­la­ni­da­de ja­mais per­ten­ceu a qu­em não a me­re­ce, co­mo a His­tó­ria com­pro­va.

A an­go­lo­fo­bia sur­ge qua­se sem­pre de for­ma de­sa­bri­da, re­ve­la­do­ra do ódio, é o ter­mo, que o nos­so país, li­vre e in­de­pen­den­te, sus­ci­ta em pes­so­as de vá­ri­os qua­dran­tes da vi­da po­lí­ti­ca e so­ci­al, nes­te a ca­so a por­tu­gue­sa. To­dos os mo­men­tos, to­dos os mo­ti­vos, lhes ser­vem de alam­bi­ques de in­ve­jas, sen­ti­men­tos ne­o­co­lo­ni­ais, rai­vas por os an­go­la­nos re­pe­ti­da­men­te op­ta­rem – em elei­ções li­vres, re­co­nhe­ci­das por ob­ser­va­do­res e ins­ti­tui­ções in­ter­na­ci­o­nais co­mo trans­pa­ren­te –, por qu­em en­ten­de que me­lhor os re­pre­sen­ta e apos­ta no pro­gres­so. Que lhes cons­trói ca­sas, hos­pi­tais, es­co­las, es­tra­das, pon­tes, bar­ra­gens e fon­ta­ná­ri­os. Acima de tu­do, lhes dá a cer­te­za de um pre­sen­te de paz e a ga­ran­tia de um fu­tu­ro ri­so­nho pa­ra os vin­dou­ros.

Por is­so, aque­les alam­bi­quei­ros, mes­mo quan­do tra­ja­dos de fa­to e gra­va­ta, amiú­de ca­em no ri­dí­cu­lo, des­tor­cem ver­da­des in­des­men­tí­veis, in­ven­tam, ca­lu­ni­am. Mui­tos de­les, pe­la des­fa­ça­tez cons­tan­te, tor­na­ram-se co­nhe­ci­dos de to­dos nós, em­bo­ra vol­ta e meia emir­jam ou­tros, tal­vez na pro­cu­ra do mi­nu­to de fa­ma ou co­mo for­ma de di­ze­rem aos pa­trões dos pri­mei­ros que tam­bém eles têm di­rei­to à vi­da e bol­sos à es­pe­ra que os en­cham.

Os pa­ter­na­lis­tas são mais co­me­di­dos na pos­tu­ra e nas ex­pres­sões.Es­co­lhem fa­li­nhas man­sas, que usam por prin­cí­pio de for­ma sur­di­na­da, pro­cu­ram ser afá­veis, com­pre­en­si­vos e, na­tu­ral­men­te, to­le­ran­tes. Mas, cui­dem-se os in­cau­tos. Quan­do me­nos es­pe­ram, po­dem sen­tir a al­fi­ne­ta­da em for­ma de “con­se­lho de­sin­te­res­sa­do” so­bre o que de­via ter si­do fei­to e não foi, do que foi mas não de­via ou po­dia ser me­lhor ou de ou­tra ma­nei­ra. Tam­bém se ser­vem da téc­ni­ca es­ta­fa­da de dar uma no cra­vo e ou­tra na fer­ra­du­ra, que apli­cam pa­ra ten­ta­rem mos­trar que fa­zem aná­li­ses im­par­ci­ais, de­sin­te­res­sa­das, so­li­dá­ri­as.

Uns e ou­tros, na es­ma­ga­do­ra mai­o­ria,des­co­nhe­cem a re­a­li­da­de an­go­la­na. Nun­ca vi­e­ram ao nos­so país ou, se o vi­si­ta­ram, foi por pe­río­dos cur­tos e ja­mais o per­cor­re­ram de uma pon­ta a ou­tra. Li­mi­ta­ram-se a em­pan­tur­rar-se em al­mo­ça­ra­das e jan­ta­ra­das em res­tau­ran­tes ca­ros e bons em qual­quer par­te do mun­do. Ao pro­nun­ci­a­rem-se so­bre An­go­la nem se­quer fa­zem com­pa­ra­ções so­bre o que ela era quan­do a guer­ra aca­bou e o que é ago­ra. Em al­guns ca­sos por ig­no­rân­cia in­des­cul­pá­vel, mas qua­se sem­pre por má-fé. In­ter­ro­ga­dos co­mo po­dem fa­lar de re­a­li­da­des que des­co­nhe­cem, ar­gu­men­tam que lêem jor­nais e ou­vem es­ta­ções de rá­dio e de te­le­vi­são, ór­gãos que não são pa­ra le­var a sé­rio quan­do não di­zem bem o que que­rem ler e ou­vir. Per­ce­be­se que tam­bém na­ve­gam nas águas nem sem­pre lím­pi­das da In­ter­net, bas­tas ve­zes en­char­ca­das pe­lo lo­do da an­go­lo­fo­bia.

Uns e ou­tros são, no fun­do, ra­mos da mes­ma ár­vo­re con­ta­mi­na­da pe­la xe­no­fo­bia, o ne­o­co­lo­ni­a­lis­mo, a de­mên­cia, o des­pu­dor, a ar­ro­gân­cia, a ta­ca­nhez, o ape­go à ca­lú­nia, o com­ple­xo de in­fe­ri­o­ri­da­de. Não fos­se a gra­vi­da­de do que di­zem, eram dig­nos de co­mi­se­ra­ção. As­sim, o me­lhor que lhes po­de­mos dar é des­pre­zo.

O lei­tor mais pa­ci­en­te es­tá a es­ta al­tu­ra a in­ter­ro­gar-se por que mo­ti­vo não men­ci­o­nei o ou­tro ra­mo da mes­ma ár­vo­re con­ta­mi­na­da, o dos ca­ma­leões, os que, con­so­an­te as cir­cuns­tân­ci­as e con­ve­ni­ên­ci­as pes­so­ais, tan­to de­fen­dem An­go­la com unhas e den­tes co­mo a agri­dem com to­das as for­ças que con­se­guem reu­nir. Sem­pre os hou­ve, em­bo­ra pas­sem des­per­ce­bi­dos du­ran­te lar­gos pe­río­dos de tem­po, con­ti­nu­am a exis­tir e não são tão pou­cos co­mo is­so. O as­sun­to pode vir a ser mo­ti­vo de uma des­tas estórias de on­tem e ho­je. Não es­tá es­que­ci­do. Pa­ra já, fi­ca em agen­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.