Es­tra­das vão ser in­ter­ven­ci­o­na­das

Em­prei­ta­da em­pre­ga cen­te­nas de jo­vens e gas­ta mais de 200 mi­lhões de dó­la­res

Jornal de Angola - - REPORTAGEM - FRAN­CIS­CO CURIHINGANA | Ma­lan­je EDU­AR­DO CU­NHA

A pro­vín­cia de Ma­lan­je vai ver me­lho­ra­da a cir­cu­la­ção ro­do­viá­ria quan­do ter­mi­na­rem as obras dos cer­ca de 290 qui­ló­me­tros de es­tra­da adjudicadas às em­pre­sas chi­ne­sas CR20 e Si­nohi­dro. Os tro­ços ro­do­viá­ri­os em ques­tão li­gam o mu­ni­cí­pio de Lu­ca­la à ci­da­de de Ma­lan­je, Ca­cu­la­ma a Ta­la­mun­gon­go, com 43 qui­ló­me­tros, Ta­la­mun­gon­go-Mus­so­lo e Cam­bun­di-Ca­tem­bo, com 66 qui­ló­me­tros, bem co­mo Mus­so­lo a Dum­ba Ca­ban­go, em Cam­bun­di Ca­tem­bo, com 66 qui­ló­me­tros, que no pra­zo de 14 me­ses vão me­re­cer a in­ter­ven­ção de du­as em­prei­tei­ras chi­ne­sas, pa­ra fa­ci­li­tar a cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens, cri­an­do no­vos pos­tos de tra­ba­lho pa­ra a ju­ven­tu­de. Es­ta ac­ção do Go­ver­no é re­sul­ta­do do Pla­no Ope­ra­ci­o­nal da li­nha de crédito da Chi­na.

O mi­nis­tro da cons­tru­ção Val­de­mar Pi­res Ale­xan­dre as­se­gu­ra que “após a as­si­na­tu­ra dos do­cu­men­tos com as res­pec­ti­vas em­prei­tei­ras, dar-se-á de se­gui­da o iní­cio dos tra­ba­lhos de re­cu­pe­ra­ção das es­tra­das”.

O so­ba An­tó­nio Fran­cis­co do mu­ni­cí­pio de Ca­cu­so que foi até à lo­ca­li­da­de de Cam­bu­ze, on­de de­cor­reu a ce­ri­mó­nia de con­sig­na­ção das obras, dis­se que as obras da es­tra­da vão pro­por­ci­o­nar mui­tos be­ne­fí­ci­os à po­pu­la­ção. Além da di­mi­nui­ção dos aci­den­tes de vi­a­ção, vai ha­ver mais tro­cas co­mer­ci­ais, de que re­sul­ta a me­lho­ria da si­tu­a­ção da po­pu­la­ção.

Lourenço João, mu­ní­ci­pe de Ca­cu­so, con­si­de­rou que qu­em vai sair a ga­nhar com a in­ter­ven­ção nas es­tra­das é a po­pu­la­ção. “Nós aqui, pa­ra além da es­tra­da, tam­bém te­mos o ca­mi­nho-de-fer­ro, e en­tão é mais uma van­ta­gem pa­ra a pro­vín­cia, com par­ti­cu­lar re­al­ce pa­ra o nos­so mu­ni­cí­pio”, dis­se.

Do­na Isa­bel Jo­sé Men­des é cam­po­ne­sa e re­si­de no sec­tor de Cam­bun­ze ao lon­go da es­tra­da 230. Pa­ra a nos­sa in­ter­lo­cu­to­ra, a re­pa­ra­ção das es­tra­das vai tra­zer um gran­de be­ne­fí­cio na me­di­da em que vai mi­ni­mi­zar o pro­ble­ma dos aci­den­tes que são re­gis­ta­dos com frequên­cia, pa­ra além de aju­dar no es­co­a­men­to dos pro­du­tos do cam­po pa­ra a ci­da­de.

A re­a­bi­li­ta­ção da es­tra­da é aguar­da­da pe­los jo­vens co­mo for­ma de so­lu­ci­o­nar a sua si­tu­a­ção na pers­pec­ti­va de en­con­trar um em­pre­go. É o ca­so de Domingos Pe­dro An­tó­nio que vi­ve na se­de mu­ni­ci­pal de Ca­cu­so. Domingos ma­ni­fes­ta dis­po­si­ção de jun­tar as su­as ener­gi­as fí­si­cas àque­la ac­ti­vi­da­de, pois co­mo re­fe­riu, “vai per­mi­tir que eu ga­nhe dinheiro pa­ra me aju­dar a so­lu­ci­o­nar os meus pro­ble­mas so­ci­ais as­sim co­mo os da fa­mí­lia”.

Fran­cis­co Pas­co­al Ne­to é de­sem­pre­ga­do, ac­tu­al­men­te tra­ba­lha no cam­po, mas o sur­gi­men­to da obra da es­tra­da pode fa­zê-lo mu­dar de ideia e con­se­guir um em­pre­go, pois o dinheiro que vai ga­nhar na em­prei­ta­da vai per­mi­tir dar so­lu­ção aos seus mais va­ri­a­dos pro­ble­mas.

O lo­cal pre­pa­ra­do pa­ra ser­vir de es­ta­lei­ro da em­pre­sa Si­nohy­dro já ti­nha um gru­po de jo­vens uni­for­mi­za­dos e dis­pos­tos a dar o seu me­lhor. No gru­po, con­ver­sá­mos com Domingos João, um jo­vem oriun­do da vi­zi­nha pro­vín­cia do Cu­an­za Sul. Diz que é a sua segunda par­ti­ci­pa­ção em obras do gé­ne­ro. “O es­pí­ri­to que mo­ra aqui é de de­sen­vol­ver o país. Sou do Cu­an­za Sul. Já tra­ba­lhei no Cu­ne­ne. Is­so me ale­gra por­que os nos­sos des­cen­den­tes vão en­con­trar já tra­ba­lho re­a­li­za­do pa­ra a sua fe­li­ci­da­de”, dis­se.

Ad­mi­nis­tra­do­res aplau­dem re­a­bi­li­ta­ção

O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal de Ca­cu­so, Ca­e­ta­no da Rita Tin­tas, ba­teu pal­mas de ale­gria, por­que a re­a­bi­li­ta­ção do tro­ço ro­do­viá­rio Lu­ca­laMa­lan­je, pas­san­do por Ca­cu­so, ob­vi­a­men­te, vai tra­zer inú­me­ras me­lho­ri­as pa­ra a po­pu­la­ção. Ca­e­ta­no Tin­tas diz que to­dos de­vem tra­ba­lhar no sen­ti­do da pre­ser­va­ção e con­ser­va­ção da es­tra­da que vai ser re­pa­ra­da. “Va­mos aqui tam­bém apro­vei­tar es­ta opor­tu­ni­da­de pa­ra ape­lar aos au­to­mo­bi­lis­tas no sen­ti­do de te­rem mui­to cui­da­do pois não va­mos ter a es­tra­da co­mo uma pis­ta.

Pa­ra o ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal de Cam­bun­di Ca­tem­bo, Fran­cis­co Mu­ta Cam­bo, “aqui­lo que an­tes era so­nho é ho­je uma re­a­li­da­de”. Sus­ten­tou que a cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens na­que­la par­ce­la que in­te­gra a re­gião do Son­go era de­fi­ci­tá­ria, mas, “com as obras que vão ini­ci­ar, já re­pre­sen­ta uma luz no fun­do do tú­nel, pa­ra a cir­cu­la­ção e o in­cre­men­to da ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al”, dis­se.

“Ago­ra sim, po­de­mos as­su­mir o de­sen­vol­vi­men­to por­que sem es­tra­das não há vi­da. Há áre­as ho­je que ain­da têm ca­rên­cia de um pos­to de saú­de, da edu­ca­ção e de ou­tros ser­vi­ços, por­que re­al­men­te de­pen­día­mos das es­tra­das, mas com is­so, já po­de­mos atrair mais in­ves­ti­do­res in­te­res­sa­dos nos mu­ni­cí­pi­os da re­gião Son­go, e is­to é fun­da­men­tal”, afir­mou o ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal do Qui­ri­ma, Al­ber­to de Cam­pos.

O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal de Ca­cu­la­ma, Se­bas­tião Ro­dri­go, con­si­de­rou as es­tra­das co­mo o san­gue que cir­cu­la nas vei­as de um ser hu­ma­no. Pa­ra o res­pon­sá­vel, sem es­tra­das não é pos­sí­vel dar-se so­lu­ção aos pro­ble­mas que as po­pu­la­ções vi­vem. A me­lho­ria das es­tra­das vai per­mi­tir mais con­tac­tos com a po­pu­la­ção e co­nhe­cer me­lhor as su­as di­fi­cul­da­des.

Go­ver­na­dor sa­tis­fei­to

O go­ver­na­dor Nor­ber­to dos San­tos “Kwa­ta Ka­nawa”, vi­si­vel­men­te sa­tis­fei­to, re­fe­riu que a es­tra­da vai dar mui­ta ale­gria aos mais ve­lhos, aos jo­vens e res­tan­te po­pu­la­ção, com mai­or re­al­ce pa­ra a re­gião do Son­go que in­te­gra os mu­ni­cí­pi­os de Cam­bun­di Ca­tem­bo, Lu­quem­bo e Qui­ri­ma. “Es­ta es­tra­da é a mais di­fí­cil aqui da pro­vín­cia de Ma­lan­je. Nós que tra­ba­lha­mos aqui co­nhe­ce­mos bem o que é che­gar à Qui­ri­ma e Sau­tar pas­san­do por es­sa es­tra­da”, dis­se.

Ao des­ta­car a im­por­tân­cia da re­gião do Son­go, Kwa­ta Ka­nawa apon­tou as su­as po­ten­ci­a­li­da­des pe­lo fac­to de se pro­du­zir na­que­la re­gião de Ma­lan­je o ar­roz em gran­de es­ca­la, que não ti­nha saí­da de­vi­do à fal­ta de es­co­a­men­to, tu­do por cul­pa do pés­si­mo es­ta­do das es­tra­das. Do vo­lu­me de pro­ble­mas que Ma­lan­je apre­sen­ta, es­te é um da­que­les que ti­ra­va o so­no à go­ver­na­ção de Kwa­ta Ka­nawa.

O go­ver­na­dor des­ta­cou os be­ne­fí­ci­os que a obra vai ofe­re­cer às po­pu­la­ções, den­tre eles, o em­pre­go que vai ga­ran­tir aos jo­vens lo­cais a so­lu­ção de mui­tos dos seus pro­ble­mas, en­ca­lha­dos por fal­ta de re­cur­sos fi­nan­cei­ros.

Es­tra­da per­mi­te es­co­a­men­to

O mi­nis­tro wal­de­mar pi­res ale­xan­dre des­ta­cou a im­por­tân­cia da­que­le ei­xo ro­do­viá­rio pa­ra as po­pu- la­ções da re­gião, uma vez que vai re­pre­sen­tar uma es­tra­da de es­co­a­men­to da pro­du­ção agrí­co­la.

“Sem­pre cons­tou das pri­o­ri­da­des dos pro­gra­mas de in­ves­ti­men­to pú­bli­co do Go­ver­no a re­a­bi­li­ta­ção des­se ei­xo ro­do­viá­rio li­gan­do Ca­cu­la­ma até Sau­tar, que é fron­tei­ra com a pro­vín­cia do Bié. Por di­ver­sas ve­zes, os pro­jec­tos es­ti­ve­ram ins­cri­tos no Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do, mas ques­tões li­ga­das a con­di­ci­o­na­lis­mos de or­dem fi­nan­cei­ra im­pos­si­bi­li­ta­ram que o seu de­sen­vol­vi­men­to fos­se nor­mal. Ho­je te­mos a opor­tu­ni­da­de de, atra­vés de uma fa­ci­li­da­de de crédito que foi ob­ti­da du­ran­te a vi­si­ta do ca­ma­ra­da Pre­si­den­te à Chi­na, le­var a ca­bo pro­jec­tos de in­ves­ti­men­to pú­bli­co no nos­so país”, dis­se.

Wal­de­mar ale­xan­dre as­su­miu o com­pro­mis­so do en­ga­ja­men­to e em­pe­nho do Exe­cu­ti­vo na pers­pec­ti­va da con­clu­são com su­ces­so e com a qua­li­da­de de­se­ja­da das obras ora adjudicadas. O mi­nis­tro da cons­tru­ção anun­ci­ou que qua­tro ou­tros tro­ços vão co­nhe­cer a mes­ma sor­te, no­me­a­da­men­te, os tro­ços On­gi­va-Cu­ve­lai, na pro­vín­cia do Cu­ne­ne, a es­tra­da que li­ga o Hu­am­bo à Huí­la, no ca­so, o tro­ço Cui­ma-Cus­se, a es­tra­da que li­ga Sam­ba Ca­jú e Ban­ga ya Ngom­be-Ki­cu­lun­go até Bo­lon­gon­go, no Cu­an­za Nor­te, e a es­tra­da que li­ga Con­dé ao Ebo, na pro­vín­cia do Cu­an­za Sul.

Pa­ra es­tas es­tra­das fo­ram lan­ça­dos con­cur­sos pú­bli­cos pa­ra a sua ad­ju­di­ca­ção e a bre­ve tre­cho de­ve­rão tam­bém ser in­cor­po­ra­das nes­se es­for­ço do Go­ver­no de re­com­po­si­ção da ma­lha viá­ria exis­ten­te, me­lho­ran­do as su­as con­di­ções de trá­fe­go. “Exis­tem ain­da ou­tras fa­ci­li­da­des de crédito que es­tão a ser ne­go­ci­a­das e dis­po­ni­bi­li­za­das pe­lo Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, on­de pon­de­ra­mos fa­zer cons­tar mais dez pro­jec­tos de re­a­bi­li­ta­ção de es­tra­das. Es­te as­sun­to tam­bém es­tá em tra­ta­men­to e mui­to bre­ve­men­te nós tra­re­mos a co­nhe­ci­men­to pú­bli­co de que pro­jec­tos se tra­tam”, anun­ci­ou.

Até 2017, dis­se o go­ver­nan­te, vão ser re­pa­ra­dos 1.600 qui­ló­me­tros de es­tra­da. “Até ho­je con­sig­ná­mos 905 qui­ló­me­tros de es­tra­das. Nes­te ac­to que aca­bá­mos de tes­te­mu­nhar fo­ram con­sig­na­dos mais 290 qui­ló­me­tros, o que faz pres­su­por que já atin­gi­mos a fas­quia de mais de 1.100 qui­ló­me­tros de es­tra­das con­sig­na­das e que a bre­ve tre­cho de­ve­rão atin­gir o va­lor to­tal que se abei­ra dos 1.600 qui­ló­me­tros que pre­ten­de­mos de­sen­vol­ver até 2017. Por­tan­to, é um de­sa­fio enor­me, te­mos o tem­po a cor­rer mui­to rá­pi­do, acha­mos que tam­bém de­ve­mos cor­rer na mes­ma ve­lo­ci­da­de e acre­di­to que cum­pri­re­mos os pra­zos de­ter­mi­na­dos con­tra­tu­al­men­te”, pre­ci­sou.

A gran­de in­ten­ção do Es­ta­do con­sis­te na me­lho­ria da qua­li­da­de de cir­cu­la­ção, re­du­zin­do a si­nis­tra­li­da­de, ga­ran­tin­do as con­di­ções de se­gu­ran­ça da es­tra­da e daí o ri­gor que de­ve­rá ser im­pos­to no pro­ces­so de fis­ca­li­za­ção a car­go das en­ti­da­des po­li­ci­ais.

O mi­nis­tro re­co­men­dou mai­or pru­dên­cia da par­te dos au­to­mo­bi­lis­tas que são os prin­ci­pais des­ti­na­tá­ri­os das vi­as, com o cum­pri­men­to das re­gras de trân­si­to pa­ra evi­tar os cons­tan­tes aci­den­tes que ocor­rem nas nos­sas es­tra­das. A ma­nu­ten­ção das es­tra­das, lo­go após a sua re­a­bi­li­ta­ção, de acor­do com o mi­nis­tro, es­tá sal­va­guar­da­da, pois co­mo re­fe­riu, nos úl­ti­mos anos tem-se tra­ba­lha­do na re­es­tru­tu­ra­ção do Fun­do Ro­do­viá­rio, ór­gão que é res­pon­sá­vel pe­lo fi­nan­ci­a­men­to des­ta com­po­nen­te vi­ra­da pa­ra a ges­tão ro­do­viá­ria.

A Es­tra­da Na­ci­o­nal 230 vai ser alar­ga­da pa­ra on­ze me­tros, con­tra­ri­a­men­te aos ac­tu­ais no­ve que pos­sui. Vai ter ber­mas, es­pa­ços pa­ra aco­mo­da­ção de veí­cu­los que even­tu­al­men­te de­se­ja­rem pa­rar ao lon­go da via. A em­prei­ta­da vai ga­ran­tir 400 no­vos pos­tos de tra­ba­lho e vai cus­tar aos co­fres do Es­ta­do mais de 200 mi­lhões de dó­la­res.

EDU­AR­DO CU­NHA

Re­a­bi­li­ta­ção das es­tra­das em Ma­lan­je vai per­mi­tir o es­co­a­men­to dos pro­du­tos do cam­po

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.