Re­car­gas te­le­fó­ni­cas têm pre­ços ajus­ta­dos

Exe­cu­ti­vo apre­cia me­mo­ran­do so­bre as pre­mis­sas do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do de 2017

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA RO­SA |

O Exe­cu­ti­vo apro­vou on­tem a ac­tu­a­li­za­ção da Uni­da­de de Ta­xa de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (UTT) que pas­sa de 7,2 pa­ra 10 kwan­zas. Com es­sa de­ci­são, o pre­ço da re­car­ga te­le­fó­ni­ca de 125 UTT pas­sa a cus­tar 1.250 kwan­zas, de­pois de mais de dez anos a ser co­mer­ci­a­li­za­da a 900 kwan­zas. Se­gun­do o mi­nis­tro das Te­le­co­mu­ni­ca­ções e Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção, Jo­sé Car­va­lho da Ro­cha, a ma­nu­ten­ção do ta­ri­fá­rio em vi­gor des­de 2006 re­sul­ta­va em pre­juí­zos não ape­nas pa­ra os ope­ra­do­res, mas tam­bém pa­ra os con­su­mi­do­res, em fun­ção da qua­li­da­de dos ser­vi­ços pres­ta­dos. Nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa, após a reu­nião con­jun­ta das co­mis­sões Eco­nó­mi­ca e pa­ra a Eco­no­mia Re­al do Con­se­lho de Mi­nis­tros, ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, Car­va­lho da Ro­cha va­lo­ri­zou os con­sen­sos ob­ti­dos no diá­lo­go man­ti­do des­de o ano pas­sa­do en­tre o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Co­mu­ni­ca­ções, que é a en­ti­da­de re­gu­la­do­ra, e os ope­ra­do­res do sec­tor. Exe­cu­ti­vo apro­vou a ac­tu­a­li­za­ção da Uni­da­de de Ta­xa de Te­le­co­mu­ni­ca­ções

O Exe­cu­ti­vo apro­vou on­tem a ac­tu­a­li­za­ção da uni­da­de de ta­xa de te­le­co­mu­ni­ca­ções (UTT) que pas­sa de 7.2 pa­ra 10 kwan­zas. Com es­sa de­ci­são, o pre­ço da re­car­ga te­le­fó­ni­ca de 125 UTT pas­sa a cus­tar 1.250 kwan­zas, de­pois de mais de 10 anos a ser co­mer­ci­a­li­za­da a 900.

Se­gun­do o mi­nis­tro das Te­le­co­mu­ni­ca­ções e Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção, Jo­sé Car­va­lho da Ro­cha, a ma­nu­ten­ção do ta­ri­fá­rio em vi­gor des­de 2006 re­sul­ta­va em pre­juí­zos não ape­nas pa­ra os ope­ra­do­res, mas tam­bém pa­ra os con­su­mi­do­res.

Nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa, após a reu­nião con­jun­ta das co­mis­sões Eco­nó­mi­ca e pa­ra Eco­no­mia Re­al, ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o mi­nis­tro va­lo­ri­zou os con­sen­sos ob­ti­dos no diá­lo­go man­ti­do des­de o ano pas­sa­do en­tre o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Co­mu­ni­ca­ções (Ina­com), que é a en­ti­da­de re­gu­la­do­ra, e os ope­ra­do­res do sec­tor.

“Es­ta­mos num am­bi­en­te em que se im­põe a ne­ces­si­da­de de con­ti­nu­ar­mos a pres­tar os ser­vi­ços li­ga­dos às tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção e co­mu­ni­ca­ção com o mí­ni­mo de qua­li­da­de e com pre­ços aces­sí­veis, mas tam­bém de man­ter es­ses mes­mos ser­vi­ços”, dis­se Jo­sé Car­va­lho da Ro­cha, an­tes de su­bli­nhar que a ac­tu­a­li­za­ção do va­lor da UTT re­sul­tou de con­sen­so nas vá­ri­as abor­da­gens a ní­vel do Co­mi­té de Pre­ços das Te­le­co­mu­ni­ca­ções, cons­ti­tuí­do pe­los mi­nis­té­ri­os das Fi­nan­ças e das Te­le­co­mu­ni­ca­ções, pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca e pe­la en­ti­da­de re­gu­la­do­ra do sec­tor. O mi­nis­tro dis­cor­da da ideia de que a ac­tu­a­li­za­ção re­sul­te ape­nas na one­ra­ção do ser­vi­ço de te­le­co­mu­ni­ca­ções. “É pre­ci­so per­ce­ber o am­bi­en­te eco­nó­mi­co de cer­to mo­do ad­ver­so em que vi­ve­mos e a ne­ces­si­da­de que exis­te não só de pres­tar es­se ser­vi­ço, mas de man­ter”, re­fe­riu o ti­tu­lar da pas­ta das Te­le­co­mu­ni­ca­ções e Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção. Jo­sé Car­va­lho da Ro­cha lem­brou que quan­do foi es­ta­be­le­ci­do o va­lor da uni­da­de de ta­xa de te­le­co­mu­ni­ca­ções, em 2006, a re­fe­rên­cia foi a ta­xa de câm­bio em re­la­ção ao dó­lar que era de 7.2 kwan­zas por ca­da dó­lar. “Por es­sa ló­gi­ca, aten­den­do à ta­xa de câm­bio ac­tu­al, es­ta­ría­mos à es­pe­ra de um va­lor mui­to mais ele­va­do, mas hou­ve con­sen­so em re­la­ção à ne­ces­si­da­de de ga­ran­tir a ma­nu­ten­ção do ser­vi­ço a um pre­ço aces­sí­vel pa­ra o con­su­mi­dor.” A ac­tu­a­li­za­ção da Uni­da­de de Ta­xa de Te­le­co­mu­ni­ca­ção de 7,2 pa­ra 10 kwan­zas por UTT, de­cor­re da de­gra­da­ção do seu va­lor de mer­ca­do, fa­ce à de­pre­ci­a­ção da mo­e­da em mais de 60 por cen­to nos úl­ti­mos 12 me­ses e do au­men­to em mais de 50 por cen­to dos cus­tos no mer­ca­do in­ter­no, so­bre­tu­do ao ní­vel do su­pri­men­to ener­gé­ti­co e pro­tec­ção de si­tes.

Or­ça­men­to de 2017

As co­mis­sões ana­li­sa­ram o Me­mo­ran­do so­bre as Pre­mis­sas e De­sa­fi­os na Ela­bo­ra­ção e Ges­tão do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do de 2017, que vi­sam as­se­gu­rar o con­tro­lo sus­ten­tá­vel do dé­fi­ce fis­cal, den­tro dos li­mi­tes in­ter­na­ci­o­nal­men­te re­co­men­da­dos e ga­ran­tir a ma­nu­ten­ção dos ra­tings e da con­fi­an­ça cre­di­tí­cia do país pe­ran­te os par­cei­ros eco­nó­mi­cos e fi­nan­cei­ros na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais. No iní­cio do cor­ren­te mês, re­fi­ra-se, as Co­mis­sões Eco­nó­mi­ca e pa­ra Eco­no­mia Re­al do Con­se­lho de Mi­nis­tros apro­va­ram os li­mi­tes de Des­pe­sa pa­ra a Ela­bo­ra­ção do OGE de 2017.

No do­mí­nio das Po­lí­ti­cas Fis­cal, Mo­ne­tá­ria e Cam­bi­al, pro­ce­deu-se à apre­ci­a­ção do Ba­lan­ço da Exe­cu­ção Fi­nan­cei­ra do Te­sou­ro Na­ci­o­nal de Agos­to, do­cu­men­to que con­den­sa o de­sem­pe­nho de exe­cu­ção dos flu­xos de en­tra­da e saí­da de re­cur­sos fi­nan­cei­ros, bem co­mo da Pro­pos­ta de Pro­gra­ma­ção Fi­nan­cei­ra do IV Tri­mes­tre de 2016 e do Pla­no de Cai­xa pa­ra o mês de Ou­tu­bro de 2016, que con­têm as pro­jec­ções das en­tra­das e saí­das de re­cur­sos fi­nan­cei­ros no pe­río­do em aná­li­se.

Tam­bém fo­ram apre­ci­a­dos os me­mo­ran­dos so­bre a pre­pa­ra­ção da par­ti­ci­pa­ção de An­go­la nas reu­niões anu­ais do FMI e Ban­co Mun­di­al, de 4 a 9 de Ou­tu­bro, e da pre­pa­ra­ção da Mis­são do Ar­ti­go IV do FMI, pre­vis­ta pa­ra o pe­río­do de 18 a 31 de Ou­tu­bro. Foi ain­da ob­jec­to de apre­ci­a­ção o Es­ta­tu­to Or­gâ­ni­co da Uni­da­de de Ges­tão da Dí­vi­da Pú­bli­ca, do­cu­men­to ade­qua­do ao es­ti­pu­la­do no De­cre­to Le­gis­la­ti­vo Pre­si­den­ci­al n.º 2/13, de 25 de Ju­nho, que es­ta­be­le­ce as re­gras de cri­a­ção, es­tru­tu­ra­ção e de fun­ci­o­na­men­to dos Ins­ti­tu­tos Pú­bli­cos.

As co­mis­sões apre­ci­a­ram igual­men­te o Re­la­tó­rio e Con­tas do Ban­co de De­sen­vol­vi­men­to de An­go­la re­fe­ren­te ao ano de 2015, que con­tém o ba­lan­ço de ges­tão e os re­sul­ta­dos do de­sem­pe­nho da­que­la ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra no pe­río­do em re­fe­rên­cia. A reu­nião de­bru­çou-se so­bre a in­for­ma­ção re­fe­ren­te aos pro­ces­sos de ad­mis­são de no­vos fun­ci­o­ná­ri­os nos sec­to­res da saú­de, en­si­no su­pe­ri­or e edu­ca­ção, no âm­bi­to do pro­gra­ma in­te­gra­do de re­for­ço da for­ça de tra­ba­lho, no pe­río­do 2015-2017, bem co­mo so­bre o es­ta­do ac­tu­al dos tra­ba­lha­do­res em re­gi­me de con­tra­to no Sis­te­ma In­te­gra­do de Ges­tão Fi­nan­cei­ra do Es­ta­do.

Areu­nião apre­ci­ou a pro­pos­ta de al­te­ra­ção pon­tu­al da Lei n.º 30/11, de 13 de Se­tem­bro, das Mi­cro, Pe­que­nas e Mé­di­as Em­pre­sas, que vi­sa per­mi­tir por par­te de ou­tros ti­pos so­ci­e­tá­ri­os o usu­fru­to dos be­ne­fí­ci­os pre­vis­tos no Fun­do Ac­ti­vo de Ca­pi­tal de Ris­co An­go­la­no. Ou­tro di­plo­ma em dis­cus­são foi o Re­gu­la­men­to da Lei de Ba­se do Sec­tor Em­pre­sa­ri­al Pú­bli­co, que­es­ta­be­le­ce a clas­si­fi­ca­ção das em­pre­sas, as re­gras de ges­tão, a fi­xa­ção do con­teú­do dos con­tra­tos-pro­gra­ma e os me­ca­nis­mos de acom­pa­nha­men­to e ava­li­a­ção.

SAN­TOS PE­DRO

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Jo­sé Car­va­lho da Ro­cha fa­lou so­bre o ajus­te no va­lor da ta­xa de te­le­co­mu­ni­ca­ções

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.