CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AFON­SO PI­RES | APOLINÁRIO JOÃO | ARMANDA CON­CEI­ÇÃO |

Os con­tri­buin­tes

Os im­pos­tos são em qu­al­quer país re­cei­tas ne­ces­sá­ri­as pa­ra a sa­tis­fa­ção de ne­ces­si­da­des co­lec­ti­vas. É im­por­tan­te que to­dos pa­guem im­pos­tos. É pre­ci­so que se com­ba­ta in­tran­si­gen­te­men­te a fu­ga ao Fis­co. As re­cei­tas de­cor­ren­tes dos im­pos­tos são tan­to mais ne­ces­sá­ri­as quan­to se sa­be que é pre­ci­so que o Es­ta­do te­nha vá­ri­as fon­tes de re­cur­sos pa­ra po­der re­a­li­zar mui­tas das su­as ta­re­fas, so­bre­tu­do aque­las que se des­ti­nam a pro­mo­ver o bem-es­tar das po­pu­la­ções. Em mui­tos paí­ses há fre­quen­tes fe­nó­me­nos de fu­ga ao pa­ga­men­to de im­pos­tos, em par­ti­cu­lar da­que­les que têm ele­va­dos ren­di­men­tos e mui­ta ri­que­za. Acre­di­to que a nos­sa Ad­mi­nis­tra­ção Tri­bu­tá­ria vai re­sol­ver mui­tos dos pro­ble­mas que te­mos em re­la­ção à fu­ga ao Fis­co. Nun­ca per­co um pro­gra­ma so­bre tri­bu­ta­ção de uma rá­dio an­go­la­na, que reú­ne vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas. Gos­ta­va que es­tes es­pe­ci­a­lis­tas abor­das­sem a ques­tão so­bre a ac­tu­al si­tu­a­ção de in­cum­pri­men­to de obri­ga­ções fis­cais ao ní­vel de to­das as ca­te­go­ri­as de con­tri­buin­tes, pe­que­nos ou gran­des con­tri­buin­tes.

A apos­ta na agri­cul­tu­ra

Fa­la-se ho­je mui­to de pro­jec­tos agrí­co­las no país. An­go­la tem ter­ras fér­teis pa­ra pro­du­zir gran­de quan­ti­da­de de ali­men­tos pa­ra o mer­ca­do in­ter­no e até pa­ra ex­por­tar. Foi as­sim no pas­sa­do, em que vá­ri­os pro­du­tos ali­men­ta­res pro­du­zi­dos no país eram ex­por­ta­dos pa­ra di­ver­sas par­tes do mun­do. Ou­vi há di­as aten­ta­men­te um ex­pe­ri­en­te em­pre­sá­rio an­go­la­no a fa­lar da agri­cul­tu­ra. Ele su­bli­nhou que a ac­ti­vi­da­de agrí­co­la era uma coi­sa mui­ta tra­ba­lho­sa e com­ple­xa, que exi­ge de quem es­tá a de­sen­vol­ver um pro­jec­to pro­du­ti­vo no cam­po mui­to em­pe­nho e mui­ta de­di­ca­ção ao tra­ba­lho. Tra­ta-se de um em­pre­sá­rio que tra­ba­lhou mui­tos anos no cam­po e es­tá em con­di­ções de aju­dar as au­to­ri­da­des a tra­çar bons pla­nos de de­sen­vol­vi­men­to ru­ral. Ain­da bem que as au­to­ri­da­des es­tão a ou­vir em­pre­sá­ri­os que de­sen­vol­vem a sua ac­ti­vi­da­de no cam­po. É bom sa­ber das pre­o­cu­pa­ções da­que­les que co­nhe­cem a vi­da do cam­po, tra­ba­lham no cam­po e es­tão re­al­men­te vo­ca­ci­o­na­dos pa­ra a ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va no meio ru­ral. De­ve-se in­cen­ti­var to­dos os que que­rem, com os seus co­nhe­ci­men­tos e di­na­mis­mo, re­lan­çar a ac­ti­vi­da­de agrí­co­la.

Mar­ga­ri­da Fran­cis­co | For­ma­ção pro­fis­si­o­nal

Te­mos já ho­je em vá­ri­as re­giões do país mui­tas es­co­las de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, que têm for­ma­do mui­tos jo­vens , que apren­dem di­fe­ren­tes ofí­ci­os. A ex­pe­ri­ên­cia mos­trou que os cur­sos de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal re­sul­ta­ram em be­ne­fí­ci­os pa­ra os jo­vens que os fre­quen­ta­ram, na me­di­da em que mui­tos de­les têm con­se­gui­do em­pre­gos em di­fe­ren­tes em­pre­sas. Al­guém já de­fen­deu nes­te es­pa­ço do lei­tor que se de­via au­men­tar o nú­me­ro de es­co­las de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, de­ven­do es­tar si­tu­a­das em vá­ri­os mu­ni­cí­pi­os do país. Con­cor­do com es­ta su­ges­tão. Há mui­tos jo­vens de­sem­pre­ga­dos que não têm con­di­ções de con­ti­nu­ar a es­tu­dar, por di­ver­sas ra­zões, pe­lo que os cur­sos de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal po­der-lhe­si­am abrir opor­tu­ni­da­des de em­pre­go. Pen­so que o com­ba­te ao de­sem­pre­go de­ve pas­sar pe­la cri­a­ção de mais cen­tros de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal no país.

Maus tra­tos a cri­an­ças

Há cri­an­ças que são qua­se di­a­ri­a­men­te ví­ti­mas de maus tra­tos nos seus la­res. Es­tes maus tra­tos são in­fli­gi­dos às cri­an­ças por adul­tos que são seus pa­ren­tes. Há cri­an­ças que vi­vem nos seus pró­pri­os la­res num am­bi­en­te de mui­to so­fri­men­to. Ape­lo aos vi­zi­nhos des­tas cri­an­ças que são mal­tra­ta­das pa­ra que não he­si­tem em de­nun­ci­ar os ca­sos de vi­o­lên­cia às au­to­ri­da­des po­li­ci­ais. Que não te­nham re­ceio de de­nun­ci­ar a vi­o­lên­cia con­tra as cri­an­ças. A nos­sa Po­lí­cia tem ho­je me­ca­nis­mos de pro­tec­ção das pes­so­as que dão in­for­ma­ções so­bre ac­tos de vi­o­lên­cia con­tra me­no­res. Não de­ve­mos dei­xar que as nos­sas cri­an­ças so­fram. As cri­an­ças são o fu­tu­ro. Que as en­ti­da­des com­pe­ten­tes do Es­ta­do fa­çam to­dos os es­for­ços pa­ra res­ga­tar as cri­an­ças que são ví­ti­ma de vi­o­lên­cia, pa­ra as co­lo­car em lo­cais se­gu­ros. Pe­las cri­an­ças tu­do de­ve ser fei­to.

AR­MAN­DO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.