O va­lor das in­fra-es­tru­tu­ras

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

De­pois de ter­mi­na­da a guer­ra em 2002, as au­to­ri­da­des apos­ta­ram na edi­fi­ca­ção de in­fra-es­tru­tu­ras in­dis­pen­sá­veis ao cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to do país. Mui­ta coi­sa foi fei­ta des­de 2002, em ter­mos de in­fra-es­tru­tu­ras, e é ine­gá­vel que o nú­me­ro de ne­gó­ci­os au­men­tou no país gra­ças à re­a­bi­li­ta­ção de mui­tas es­tra­das e de vi­as fer­ro­viá­ri­as.

É en­tre­tan­to ne­ces­sá­rio apos­tar na qua­li­da­de das obras. Es­tão a re­a­li­zar­se obras em vá­ri­as re­giões do país cen­tra­das na re­a­bi­li­ta­ção de es­tra­das, o que é um in­ves­ti­men­to ne­ces­sá­ri­os pa­ra con­ti­nu­ar­mos a apos­tar no cres­ci­men­to da eco­no­mia.

É pre­ci­so que as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes li­ga­das a pro­jec­tos de re­a­bi­li­ta­ção de in­fra-es­tru­tu­ras não su­bes­ti­mem a fis­ca­li­za­ção das obras de que é do­no o Es­ta­do. As in­fra-es­tru­tu­ras têm de ter a qua­li­da­de que per­mi­ta que elas sir­vam os ci­da­dãos por mui­to tem­po. An­go­la não po­de con­ti­nu­ar a gas­tar mui­to di­nhei­ro em obras que du­ram pou­co tem­po.

É pre­ci­so que o Es­ta­do co­me­ce a de­fen­der in­tran­si­gen­te­men­te o in­te­res­se pú­bli­co, no que diz res­pei­to a obras que man­da exe­cu­tar. Te­mos no país uma ins­ti­tui­ção, o La­bo­ra­tó­rio de En­ge­nha­ria de An­go­la, que es­tá vo­ca­ci­o­na­da pa­ra fis­ca­li­zar as obras de cons­tru­ção ci­vil. É pre­ci­so dar au­to­ri­da­de a es­ta ins­ti­tui­ção pa­ra agir no in­te­res­se do Es­ta­do, quan­do se ve­ri­fi­ca­rem ir­re­gu­la­ri­da­des. O Es­ta­do tem de sa­tis­fa­zer ne­ces­si­da­des de mi­lhões de ci­da­dãos, pe­lo que não se de­ve per­mi­tir que o di­nhei­ro em­pa­ta­do nas obras pú­bli­cas não pro­du­za os re­sul­ta­dos de­se­ja­dos.

As ir­re­gu­la­ri­da­des que se ve­ri­fi­cam nas obras man­da­das exe­cu­tar pe­lo Es­ta­do não são pou­cas e es­te fac­to de­ve jus­ti­fi­car uma mu­dan­ça de ac­tu­a­ção das nos­sas ins­ti­tui­ções de fis­ca­li­za­ção. Os re­cur­sos fi­nan­cei­ros são es­cas­sos, pe­lo que es­tes, quan­do uti­li­za­dos, de­vem re­sul­tar em ver­da­dei­ros be­ne­fí­ci­os pa­ra as po­pu­la­ções.

Que os er­ros co­me­ti­dos no pas­sa­do sir­vam de li­ção pa­ra que tra­ba­lhe­mos me­lhor. Não de­ve­mos in­sis­tir nos er­ros. Ho­je es­ta­mos em­pe­nha­dos em di­ver­si­fi­car a eco­no­mia. Tra­ta-se de um pro­ces­so em que as in­fra-es­tru­tu­ras ro­do­viá­ri­as e fer­ro­viá­ri­as vão ser de­ci­si­vas. A di­ver­si­fi­ca­ção de uma eco­no­mia im­pli­ca tam­bém a cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens, pa­ra que ha­ja o mai­or nú­me­ro pos­sí­vel de ne­gó­ci­os, em vá­ri­os sec­to­res da eco­no­mia.

O cam­po tem si­do vis­to no país co­mo um dos sec­to­res que po­dem cons­ti­tuir uma im­por­tan­te ala­van­ca do nos­so cres­ci­men­to eco­nó­mi­co. Há uma gran­de apos­ta na eco­no­mia agrária, ha­ven­do em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos dis­pos­tos a en­ve­re­dar por uma ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va no cam­po que le­ve o país a dei­xar de de­pen­der ex­clu­si­va­men­te do pe­tró­leo.

A cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que vi­ve­mos, pro­vo­ca­da pe­la que­da do pre­ço do pe­tró­leo, per­mi­tiu-nos per­ce­ber que afi­nal va­le sem­pre a pe­na apos­tar em to­dos os re­cur­sos na­tu­rais de que dis­po­mos. E um dos gran­des re­cur­sos na­tu­rais que te­mos são as ter­ras, on­de tra­ba­lham mui­tos mi­lha­res de an­go­la­nos. É ho­ra de co­me­çar­mos a va­lo­ri­zar as ter­ras e fa­zer­mos tu­do pa­ra que ha­ja de fac­to um bom apro­vei­ta­men­to de­las.

As nos­sas ter­ras são uma ri­que­za que nos po­de aju­dar a di­ver­si­fi­car a eco­no­mia, pe­lo que os pro­jec­tos pro­du­ti­vos po­ten­ci­al­men­te exequí­veis de em­pre­sá­ri­os na­ci­o­nais no cam­po de­vem ser apoi­a­dos por ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras ban­cá­ri­as vo­ca­ci­o­na­das pa­ra a con­ces­são de cré­di­to. Te­mos de ra­pi­da­men­te co­me­çar a fa­zer no cam­po o que já de­vía­mos ter co­me­ça­do há mais tem­po. O país tem de sair da si­tu­a­ção de cri­se em que se en­con­tra. A cri­se pe­na­li­za a mai­o­ria dos ci­da­dãos.

Te­mos an­go­la­nos que na área pro­du­ti­va têm ini­ci­a­ti­vas que vão po­der con­tri­buir pa­ra que An­go­la pos­sa da­qui a al­guns anos ser, por exem­plo, au­to-su­fi­ci­en­te em ali­men­tos. Há no país gen­te tra­ba­lha­do­ra. De Ca­bin­da ao Cu­ne­ne, há an­go­la­nos ca­pa­zes, com o seu tra­ba­lho e co­nhe­ci­men­to, de su­pe­rar os nos­sos ac­tu­ais pro­ble­mas.

Te­mos ho­je no país mui­tas ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or que têm for­ma­do mui­tos téc­ni­cos. Que os qua­dros an­go­la­nos es­te­jam ali­nha­dos com o es­for­ço que se es­tá a fa­zer pa­ra di­ver­si­fi­car­mos a nos­sa eco­no­mia. Os qua­dros for­ma­dos em agro­no­mia vão par­ti­cu­lar­men­te po­der de­sem­pe­nhar um pa­pel im­por­tan­te no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to da ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va no cam­po, pon­do os seus co­nhe­ci­men­tos ao ser­vi­ço dos pro­ces­sos pro­du­ti­vos.

O mo­vi­men­to co­o­pe­ra­ti­vo no cam­po é ou­tro seg­men­to que po­de dar tam­bém um gran­de im­pul­so à pro­du­ção agrí­co­la. Que ha­ja pois ac­ções co­or­de­na­das pa­ra que to­dos os sec­to­res que po­dem con­cor­rer pa­ra o au­men­to e di­ver­si­fi­ca­ção da pro­du­ção agrí­co­la pos­sam de fac­to mos­trar o que po­dem fa­zer em prol do cres­ci­men­to da eco­no­mia agrária.

Há de fac­to uma gran­de dis­po­ni­bi­li­da­de por par­te de em­pre­sá­ri­os, co­o­pe­ra­ti­vas e as­so­ci­a­ções de cam­po­ne­ses pa­ra cri­ar as con­di­ções no cam­po ca­pa­zes de tor­nar es­te sec­tor uma fon­te ge­ra­do­ra de em­pre­gos e de ri­que­za. Que as in­fra-es­tru­tu­ras ro­do­viá­ri­as e fer­ro­viá­ri­as con­ti­nu­em a ser cons­truí­das ou re­a­bi­li­ta­das, as­se­gu­ran­do-se sem­pre a sua qua­li­da­de, pa­ra que te­nha­mos um cres­ci­men­to eco­nó­mi­co sus­ten­tá­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.