Bru­xe­las ad­mi­te con­tra­di­ções gra­ves

ACOLHIMENTO DE RE­FU­GI­A­DOS NA UNIÃO EU­RO­PEIA Ale­ma­nha e Gré­cia pro­cu­ram apoio ins­ti­tu­ci­o­nal pa­ra as­sis­tir os imi­gran­tes

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O pre­si­den­te da Co­mis­são Eu­ro­peia, Je­an-Clau­de Junc­ker, ad­mi­tiu con­tra­di­ções na po­lí­ti­ca de imi­gra­ção e acolhimento de re­fu­gi­a­dos, que com­pro­me­tem o va­lor da União Eu­ro­peia (UE) no cam­po da so­li­da­ri­e­da­de.

Je­an-Clau­de Junc­ker re­fe­riu que a Eu­ro­pa é um lu­gar de es­ta­bi­li­da­de so­ci­al e que, por is­so, tem a obri­ga­ção de ofe­re­cer con­di­ções de acolhimento sau­dá­veis àque­les que pro­cu­ram o “nos­so es­pa­ço pa­ra re­a­li­za­rem os seus so­nhos, por es­ta­rem im­pe­di­dos de fa­zê-lo nos seus paí­ses”.

As pa­la­vras de Je­an-Clau­de Junc­ker fo­ram pro­fe­ri­das em vir­tu­de de a Ale­ma­nha e a Gré­cia te­ce­rem du­ras crí­ti­cas aos de­mais paí­ses­mem­bros da UE, que in­sis­tem em im­pe­dir a en­tra­da de re­fu­gi­a­dos nos seus ter­ri­tó­ri­os.

A si­tu­a­ção na Eu­ro­pa es­tá ca­da vez mais com­pli­ca­da, se­gun­do a im­pren­sa oci­den­tal, que ci­ta po­lí­ti­cos com res­pon­sa­bi­li­da­des go­ver­na­men­tais que ad­mi­tem fa­lhas no sis­te­ma de as­sis­tên­cia so­ci­al e no acolhimento dos re­fu­gi­a­dos e en­qua­dra­men­to das mi­no­ri­as.

Os gru­pos mais fra­cos es­tão a pas­sar por uma fa­se de ex­clu­são, al­go que agra­vou com o tem­po a cri­se fi­nan­cei­ra e eco­nó­mi­ca. A Eu­ro­pa, se­gun­do os po­lí­ti­cos que ana­li­sa­ram o dis­cur­so do Es­ta­do União de Junc­ker, pre­ci­sa de en­con­trar uma pers­pec­ti­va pa­ra dar es­pe­ran­ça aos seus ci­da­dãos, que pre­ci­sam de um si­nal for­te de re­cu­pe­ra­ção e cres­ci­men­to, que pos­sa ser trans­fe­ri­do aos imi­gran­tes. Pa­ra eles, es­sa pers­pec­ti­ca é fun­da­men­tal na si­tu­a­ção dos re­fu­gi­a­dos, por ser uma ga­ran­tia bas­tan­te se­gu­ra.

Ban­co Mun­di­al

Nes­te sen­ti­do, o Ban­co Mun­di­al (BM), ao apre­ci­ar a si­tu­a­ção na Eu­ro­pa, ela­bo­rou um re­la­tó­rio on­de, além de ca­rac­te­ri­zar a si­tu­a­ção, lan­ça ca­mi­nhos pa­ra aten­der as mi­no­ri­as e os re­fu­gi­a­dos. Os téc­ni­cos do BM tra­ba­lha­ram com ques­tões co­mo a me­lhor abor­da­gem pa­ra aju­dar mi­lhões de pes­so­as, que fo­ram for­ça­das a fu­gir das su­as ca­sas e a re­cons­truír as su­as vi­das. O BM re­fe­riu que es­te é um mo­men­to es­pe­ci­al, por­que o nú­me­ro de re­fu­gi­a­dos é o mais ele­va­do des­de a II Guer­ra Mun­di­al, atin­gin­do 65 mi­lhões de pes­so­as, cer­ca de 1 por cen­to da Hu­ma­ni­da­de. Os téc­ni­cos do BM tra­ba­lha­ram em par­ce­ria com as Na­ções Uni­das. O res­pon­sá­vel pe­lo pro­gra­ma de re­fu­gi­a­dos do Ban­co Mun­di­al, Xa­vi­er De­vic­tor, dis­se que “ser re­fu­gi­a­do du­ran­te dois ou três anos co­lo­ca um cer­to nú­me­ro de pro­ble­mas. Ser re­fu­gi­a­do du­ran­te 30 anos levanta ou­tros, se­ja em ter­mos da edu­ca­ção das cri­an­ças ou da ca­pa­ci­da­de pa­ra re­cons­truir a sua exis­tên­cia. É uma pers­pec­ti­va mui­to di­fe­ren­te”. “Ca­da vez nos aper­ce­be­mos mais que a mai­o­ria des­tas pes­so­as vi­vem em lo­cais on­de é qua­se im­pos­sí­vel con­se­guir um em­pre­go. Ou por­que é le­gal­men­te im­pos­sí­vel tra­ba­lhar pa­ra quem tem es­ta­tu­to de re­fu­gi­a­do, co­mo é o ca­so de al­guns paí­ses, ou sim­ples­men­te por­que vi­vem em paí­ses on­de é mui­to di­fí­cil en­con­trar em­pre­go”, acres­cen­tou Xa­vi­er De­vic­tor.

O re­la­tó­rio, que con­tou com co­la­bo­ra­ção da agên­cia da ONU pa­ra os Re­fu­gi­a­dos, vi­sa en­con­trar so­lu­ções pa­ra a cri­se com ba­se nu­ma alar­ga­da re­co­lha de da­dos, a ní­vel glo­bal. O Ban­co Mun­di­al re­fe­riu que “não é ape­nas uma ques­tão hu­ma­ni­tá­ria, por­que o des­lo­ca­men­to for­ça­do es­tá a emer­gir co­mo gran­de de­sa­fio.

AFP

Po­lí­ti­cos são a fa­vor da cri­a­ção de uma pers­pec­ti­va de es­pe­ran­ça na Eu­ro­pa pa­ra que os imi­gran­tes e re­fu­gi­a­dos se­jam bem aco­lhi­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.