A po­lui­ção so­no­ra

Jornal de Angola - - LAZER -

Po­lui­ção so­no­ra re­fe­re-se ao efei­to no­ci­vo, pro­vo­ca­do por sons em de­ter­mi­na­do vo­lu­me, que su­pe­ra os ní­veis con­si­de­ra­dos nor­mais pa­ra os se­res hu­ma­nos. Po­de-se, con­tu­do, as­su­mir ou­tros pa­râ­me­tros de aná­li­se pa­ra es­se ti­po de po­lui­ção, to­man­do co­mo ba­se o im­pac­to dos ruí­dos dos motores de em­bar­ca­ções na co­mu­ni­ca­ção de ce­tá­ce­os, o es­tou­ro de ro­jões pa­ra ani­mais co­mo bo­vi­nos, cães e ga­tos ou mes­mo a in­ter­fe­rên­cia de ruí­dos ur­ba­nos da co­mu­ni­ca­ção das aves.

Di­fe­ren­te de ou­tros ti­pos de po­lui­ção, a so­no­ra não dei­xa re­sí­du­os, tem um me­nor raio de acção, não é trans­por­ta­da atra­vés de fon­tes na­tu­rais e é per­ce­bi­da so­men­te por um sen­ti­do: a au­di­ção. Tu­do is­so faz com que mui­tos su­bes­ti­mem os seus efei­tos, ain­da que ela pos­sa tra­zer gra­ves da­nos à saú­de hu­ma­na e à de ou­tros ani­mais.

O som é de­fi­ni­do co­mo com­pres­são ou on­da me­câ­ni­cas que se pro­pa­gam de for­ma cir­cun­cên­tri­ca em mei­os que te­nham mas­sa e elas­ti­ci­da­de, se­jam só­li­dos, lí­qui­dos ou ga­so­sos. Os sons de qu­al­quer na­tu­re­za po­dem tor­nar-se pre­ju­di­ci­ais à saú­de ou mes­mo in­su­por­tá­veis quan­do emi­ti­dos em gran­de vo­lu­me e, nes­ses ca­sos, diz-se que de­ter­mi­na­do som tem um ní­vel ele­va­do de pres­são so­no­ra, ou ele­va­da in­ten­si­da­de.

O ter­mo ruí­do, por sua vez, po­de ser uti­li­za­do em vá­ri­os con­tex­tos. É al­go ino­por­tu­no e in­de­se­já­vel, que po­de pre­ju­di­car a per­cep­ção de um si­nal ou ge­rar des­con­for­to. Tra­ta-se de um atri­bu­to qua­li­ta­ti­vo, não quan­ti­ta­ti­vo. Qu­an­ti­ta­ti­va­men­te me­de-se, no ca­so de um de­ter­mi­na­do som, o seu ní­vel de pres­são so­no­ra.

Fa­la-se de ruí­do na co­mu­ni­ca­ção quan­do exis­te qu­al­quer fac­tor ex­ter­no à fon­te emis­so­ra e re­cep­to­ra que pre­ju­di­que a com­pre­en­são de uma men­sa­gem. Quan­do se faz re­fe­rên­cia a um fac­tor in­ter­fe­ren­te so­no­ro, o ter­mo ba­ru­lho é mais ade­qua­do.

A sen­si­bi­li­da­de a sons in­ten­sos po­de va­ri­ar de pes­soa pa­ra pes­soa. O ruí­do so­no­ro, em ge­ral, é o som pre­ju­di­ci­al à co­mu­ni­ca­ção. Po­de ser cons­ti­tuí­do por gran­de nú­me­ro de vi­bra­ções acús­ti­cas com re­la­ções de am­pli­tu­de e fa­se mui­to al­tas, o que tor­na o seu ní­vel de pres­são so­no­ro bas­tan­te ele­va­do, pre­ju­di­can­do as­sim os se­res vi­vos em ge­ral.

A per­da da au­di­ção é o efei­to mais, fre­quen­te­men­te, as­so­ci­a­do a qu­al­quer som, se­ja ele rui­do­so ou não, mu­si­cal ou não, que pos­sua ní­veis ele­va­dos de pres­são so­no­ra, ou se­ja, que ul­tra­pas­se os li­mi­tes de to­le­rân­cia ci­en­ti­fi­ca­men­te já es­ta­be­le­ci­dos pa­ra o ou­vi­do hu­ma­no, pa­ra a mai­o­ria das pes­so­as, de for­ma gaus­si­a­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.