Pre­si­den­te Bon­go aber­to ao diá­lo­go

Re­cur­so apre­sen­ta­do no Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal de­ve ser de­ci­di­do na pró­xi­ma se­ma­na

Jornal de Angola - - PARTADA - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

O Che­fe de Es­ta­do ces­san­te e ven­ce­dor das pre­si­den­ci­ais de 27 de Agos­to no Ga­bão, Ali Bon­go, ma­ni­fes­tou es­ta se­ma­na dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra di­a­lo­gar com o ri­val e su­pos­to can­di­da­to der­ro­ta­do na cor­ri­da, Je­an Ping, que se au­to­pro­cla­mou ven­ce­dor da vo­ta­ção e pe­diu a re­con­ta­gem dos vo­tos.Pa­ra evi­tar no­vas mor­tes en­tre ga­bo­ne­ses, o Pre­si­den­te Ali Bon­go es­tá dis­pos­to a en­con­trar-se com to­dos os can­di­da­tos das úl­ti­mas elei­ções pre­si­den­ci­ais.

Os re­sul­ta­dos do re­cur­so apre­sen­ta­do pe­lo can­di­da­to der­ro­ta­do nas elei­ções pre­si­den­ci­ais de 27 de Agos­to no Ga­bão, Je­an Ping, que con­tes­ta os nú­me­ros da vo­ta­ção na ci­da­de na­tal do pre­si­den­te ces­san­te e ven­ce­dor do es­cru­tí­nio, Ali Bon­go, que, se­gun­do a lei, de­vem ser di­vul­ga­dos ho­je, pro­va­vel­men­te são pu­bli­ca­dos na ter­ça-fei­ra, de acor­do com in­for­ma­ções de úl­ti­ma ho­ra e fon­tes pró­xi­mas do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal ga­bo­nês.

O can­di­da­to Je­an Ping re­cor­reu ao Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal no dia oi­to des­te mês pa­ra exi­gir a re­con­ta­gem dos vo­tos na pro­vín­cia de Haut-Ogo­oué.

Se­gun­do os da­dos da Co­mis­são Elei­to­ral do Ga­bão, Ali Bon­go te­ve 95 por cen­to dos vo­tos num ín­di­ce de 99 de par­ti­ci­pa­ção na pro­vín­cia de Haut-Ogo­oué, sua ter­ra na­tal, quan­do no res­to do país o ín­di­ce de par­ti­ci­pa­ção foi de 53.

O re­sul­ta­do per­mi­tiu ao Che­fe de Es­ta­do ces­san­te ter van­ta­gem em to­do o país, com pe­lo me­nos cin­co mil vo­tos. Es­tes da­dos, con­tu­do, são re­jei­ta­dos pe­lo can­di­da­to der­ro­ta­do e an­ti­go pre­si­den­te da Co­mis­são da União Afri­ca­na.

A lei ga­bo­ne­sa pre­vê que a res­pos­ta ao re­cur­so de­ve ser di­vul­ga­da 15 di­as de­pois da sua apre­sen­ta­ção, mas os mei­os de co­mu­ni­ca­ção lo­cais ga­ran­ti­am, nas úl­ti­mas ho­ras, que a de­ci­são do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal é co­nhe­ci­da ape­nas no dia 27 des­te mês, por­tan­to, ter­ça-fei­ra. Os ru­mo­res so­bre o adi­a­men­to da de­ci­são do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal ga­bo­nês acon­te­cem de­pois de o Che­fe de Es­ta­do ces­san­te e ven­ce­dor das elei­ções pre­si­den­ci­ais anun­ci­ar na noi­te de ter­ça-fei­ra, atra­vés do por­ta-voz do Go­ver­no, que es­tá dis­pos­to a en­con­trar-se com o ri­val e can­di­da­to der­ro­ta­do na cor­ri­da - que en­tre­tan­to se au­to­pro­cla­mou ven­ce­dor da vo­ta­ção an­tes de pe­dir a re­con­ta­gem dos vo­tos - “pa­ra evi­tar no­vas mor­tes en­tre os ci­da­dãos ga­bo­ne­ses.”

Ali Bon­go “es­tá dis­pos­to a en­con­trar-se com to­dos os can­di­da­tos das úl­ti­mas elei­ções pre­si­den­ci­ais, en­tre os quais Je­an Ping, pa­ra que mais ne­nhum ga­bo­nês en­con­tre a mor­te sob pre­tex­to de uma rei­vin­di­ca­ção de­mo­crá­ti­ca, cu­jos me­ca­nis­mos de re­so­lu­ção es­tão pre­vis­tos na lei e co­nhe­ci­dos por to­dos”, dis­se Alain-Clau­de Bi­lie-by-Nzé. Na men­sa­gem, o por­ta-voz do Go­ver­no ga­bo­nês tam­bém de­nun­ci­ou o que qua­li­fi­cou de “vo­zes ir­res­pon­sá­veis (que) se le­van­tam de no­vo” e “en­car­nam uma vi­o­lên­cia po­lí­ti­ca ja­mais atin­gi­da no Ga­bão ao pro­me­ter ins­ta­bi­li­da­de du­ra­dou­ra ca­so o re­sul­ta­do do Tri­bu­nal não lhes for fa­vo­rá­vel.”

Es­te dis­cur­so foi fei­to de­pois de o em­bai­xa­dor do Ga­bão nos Es­ta­dos Uni­dos, Mi­cha­el Mous­sa-Ada­mo, ti­do co­mo “ho­mem de con­fi­an­ça” do Pre­si­den­te Ali Bon­go, afir­mar no mes­mo dia que o Che­fe de Es­ta­do ces­san­te acei­tou a re­con­ta­gem dos vo­tos das pre­si­den­ci­ais, de­pois de for­tes pres­sões in­ter­na­ci­o­nais da União Afri­ca­na, União Eu­ro­peia e EUA.

O em­bai­xa­dor do Ga­bão nos Es­ta­dos Uni­dos não es­pe­ci­fi­cou qu­al­quer da­ta pa­ra a di­vul­ga­ção dos re­sul­ta­dos da re­con­ta­gem dos vo­tos, pa­ra es­ta ser ve­ri­fi­ca­da por ob­ser­va­do­res in­de­pen­den­tes.

Pa­ra o re­cuo do Pre­si­den­te ces­san­te ga­bo­nês, que no iní­cio re­cu­sa­va a re­con­ta­gem dos vo­tos, mui­to pa­re­ce ter con­tri­buí­do a pos­tu­ra da União Afri­ca­na. Na se­ma­na pas­sa­da, a or­ga­ni­za­ção con­ti­nen­tal anun­ci­ou num co­mu­ni­ca­do o de­se­jo de ga­ran­tir a trans­pa­rên­cia do re­cur­so apre­sen­ta­do pe­lo can­di­da­to der­ro­ta­do Je­an Ping, ra­zão pe­la qual en­vi­a­va “o mais bre­ve pos­sí­vel” uma mis­são de ob­ser­va­ção “com emi­nen­tes ju­ris­tas” pa­ra “apoi­ar o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal do Ga­bão.”

A ideia, ex­pli­cou na al­tu­ra a Co­mis­são da União Afri­ca­na, era “ga­ran­tir a trans­pa­rên­cia e tor­nar cre­dí­vel e le­gí­ti­mo o pro­ces­so de re­cur­so do can­di­da­to Je­an Ping”, an­ti­go pre­si­den­te des­te or­ga­nis­mo da or­ga­ni­za­ção con­ti­nen­tal.

“As con­sul­tas es­tão em cur­so pa­ra es­ta­be­le­cer a equi­pa de ju­ris­tas, que se­jam es­pe­ci­a­lis­tas de di­rei­to ad­mi­nis­tra­ti­vo fran­cês, em co­or­de­na­ção com o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal do Ga­bão”, in­for­mou na al­tu­ra a Co­mis­são da União Afri­ca­na, ao mes­mo tem­po que re­ve­lou pre­fe­rên­cia por “an­ti­gos pre­si­den­tes de tri­bu­nais su­pre­mos e pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­ri­os.”

A mis­são de ob­ser­va­ção afri­ca­na com “emi­nen­tes ju­ris­tas”, avan­çou na al­tu­ra a Co­mis­são da União Afri­ca­na, de­vi­am ser pe­lo me­nos cin­co, “em re­pre­sen­ta­ção de ca­da re­gião do con­ti­nen­te.”

O anún­cio dos re­sul­ta­dos das pre­si­den­ci­ais no Ga­bão pro­vo­cou tu­mul­tos e pi­lha­gens em mas­sa. Co­mo con­sequên­cia, três pes­so­as fo­ram mor­tas, se­gun­do o Mi­nis­té­rio ga­bo­nês do In­te­ri­or, e “mais de 50”, se­gun­do Je­an Ping.

Ini­ci­al­men­te pre­vis­to pa­ra Se­tem­bro, o en­vio, pe­la União Afri­ca­na, de uma de­le­ga­ção de Che­fes de Es­ta­do li­de­ra­da pe­lo Pre­si­den­te cha­di­a­no e lí­der em exer­cí­cio da União Afri­ca­na, Idriss Deby, pa­ra uma mis­são de me­di­a­ção con­ti­nen­tal, fi­cou sus­pen­so en­quan­to se aguar­da pe­la de­ci­são do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal so­bre o re­cur­so apre­sen­ta­do pe­lo can­di­da­to der­ro­ta­do Je­an Ping.

AFP

Juí­zes do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal de­ci­dem se os vo­tos em Haut- Oo­goué são re­con­ta­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.