Stock de me­di­ca­men­tos es­tá a ser re­pos­to

Ac­to cen­tral do Dia do Tra­ba­lha­dor da Saú­de de­cor­re no Amé­ri­co Bo­a­vi­da

Jornal de Angola - - POLÍTICA - ALEXA SONHI |

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Saú­de, Cons­tan­ti­na Fur­ta­do, anun­ci­ou, on­tem, que a fal­ta de me­di­ca­men­tos que se tem ve­ri­fi­ca­do nos hos­pi­tais e far­má­ci­as, a ní­vel na­ci­o­nal, vai ser bre­ve­men­te ul­tra­pas­sa­da, por­que há cer­ca de du­as se­ma­nas co­me­ça­ram a che­gar as en­co­men­das fei­tas nos pri­mei­ros me­ses do ano.

Cons­tan­ti­na Fur­ta­do, que fa­la­va nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa re­a­li­za­da na sa­la de reu­niões do Mi­nis­té­rio de Saú­de, so­bre 25 de Se­tem­bro, dia do tra­ba­lha­dor da Saú­de, dis­se que à me­di­da em que o mi­nis­té­rio for re­ce­ben­do as en­co­men­das, tam­bém, vai fa­zer a de­vi­da dis­tri­bui­ção a ca­da pro­vín­cia, com ba­se nas su­as re­ais ne­ces­si­da­des, aten­den­do à ac­tu­al si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra do país.

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Saú­de fri­sou que a ro­tu­ra no stock de me­di­ca­men­tos de­veu-se gran­de­men­te à fal­ta de di­vi­sas que o país re­gis­ta, por­que to­dos os me­di­ca­men­tos e qua­se to­do o ma­te­ri­al hos­pi­ta­lar são im­por­ta­dos e com mui­to tem­po de an­te­ce­dên­cia. A ac­tu­al cri­se fi­nan­cei­ra, ex­pli­cou, não nos per­mi­te fa­zer is­so num tem­po opor­tu­no.

“Co­mo con­sequên­cia, vão-se es­go­tan­do os stocks hos­pi­ta­la­res e das far­má­ci­as sem ser fei­ta a re­po­si­ção ime­di­a­ta, co­mo era fei­ta an­tes. Por is­so, se foi ve­ri­fi­can­do al­gu­ma fal­ta de me­di­ca­men­tos em al­gu­mas uni­da­des hos­pi­ta­la­res.

Mas tu­do es­tá a ser fei­to pa­ra que ha­ja mais alo­ca­ção de me­di­ca­men­tos num cur­to es­pa­ço de tem­po,” su­bli­nhou a se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Saú­de.

Em re­la­ção ao 25 Se­tem­bro, dia do tra­ba­lha­dor da Saú­de, Cons­tan­ti­na Fur­ta­do anun­ci­ou que pa­ra es­te ano o le­ma es­co­lhi­do é “Pro­mo­ven­do cui­da­dos hu­ma­ni­za­dos, me­lho­re­mos a ges­tão dos re­cur­sos”.

Cons­tan­ti­na Fur­ta­do ex­pli­cou que a es­co­lha do te­ma acon­te­ce pa­ra cha­mar aten­ção dos pro­fis­si­o­nais de saú­de e da so­ci­e­da­de pa­ra es­tes dois as­pec­tos que de­vem es­tar no cen­tro do de­sem­pe­nho da fun­ção de qual­quer tra­ba­lha­dor da saú­de.

“O ter­mo 'hu­ma­ni­za­ção' con­ti­nua a es­tar pre­sen­te nos te­mas li­ga­dos à Saú­de, por­que a hu­ma­ni­za­ção não po­de ser um ac­to es­cri­to no pa­pel, é pre­ci­so ma­te­ri­a­li­zar is­so no nos­so dia-a dia, cul­ti­var mais o amor ao pró­xi­mo, ter mai­or dis­ci­pli­na, ri­gor e bus­car mais pe­lo co­nhe­ci­men­to. Quan­do al­guém pro­cu­ra um pro­fis­si­o­nal de saú­de, é por­que pre­ci­sa da sua aju­da, en­tão, de­ve­mos pres­tar es­sa aju­da com res­pon­sa­bi­li­da­de”, sa­li­en­tou a se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Saú­de. O ac­to cen­tral alu­si­vo às co­me­mo­ra­ções do dia do tra­ba­lha­dor da Saú­de de­cor­re, ama­nhã, no Hos­pi­tal Amé­ri­co Boa Vi­da, em Lu­an­da. Du­ran­te a ce­ri­mó­nia, vai ser inau­gu­ra­da uma ex­po­si­ção iti­ne­ran­te com o es­pó­lio do dou­tor Amé­ri­co Bo­a­vi­da, a de­po­si­ção de uma co­roa de flo­res jun­to ao seu bus­to e al­gu­mas ac­ti­vi­da­des cul­tu­rais.

No mês pas­sa­do, o mi­nis­tro da Saú­de re­ve­lou que a re­du­ção do nú­me­ro de in­fec­ções e de mor­tes por VIH/Si­da e por ma­lá­ria em An­go­la é pri­o­ri­da­de “nú­me­ro um” do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de Saú­de Pú­bli­ca, mes­mo no mo­men­to de cri­se que o país atra­ves­sa. Luís Go­mes Sam­bo, que fa­la­va à co­mu­ni­ca­ção so­ci­al de­pois de uma ce­ri­mó­nia de as­si­na­tu­ra de um acor­do de fi­nan­ci­a­men­to en­tre o Mi­nis­té­rio da Saú­de e o Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (PNUD), dis­se que a si­tu­a­ção do VIH/Si­da e da ma­lá­ria no país é ain­da pre­o­cu­pan­te, ape­sar dos es­for­ços do Go­ver­no e da so­ci­e­da­de ci­vil.

O fi­nan­ci­a­men­to, ava­li­a­do em 60 mi­lhões de dó­la­res, ce­di­dos pe­lo Fun­do Glo­bal, vai ser dis­tri­buí­do de for­ma equi­ta­ti­va aos pro­gra­mas de com­ba­te à ma­lá­ria e ao VIH/Si­da, com vis­ta à re­du­ção do nú­me­ro de no­vas in­fec­ções.

“O nú­me­ro de no­vas in­fec­ções e mor­tes tem au­men­ta­do”, dis­se o mi­nis­tro da Saú­de, acres­cen­tan­do que, em de­cor­rên­cia da cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que o país vi­ve, “te­mos de olhar pa­ra as or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais e par­cei­ros”.

Dos 30 mi­lhões de dó­la­res des­ti­na­dos ao Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Com­ba­te ao VIH/Si­da, 60 por cen­to são des­ti­na­dos à aqui­si­ção de re­tro­vi­rais e 40 por cen­to a in­ter­ven­ções sa­ni­tá­ri­as, com re­al­ce pa­ra os tra­ba­lhos co­mu­ni­tá­ri­os.

CONTREIRAS PIPAS

Se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Saú­de fa­lou em con­fe­rên­cia de im­pren­sa so­bre o sec­tor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.