Mais de dois mil re­clu­sos em li­ber­da­de

Jornal de Angola - - POLÍTICA -

Mais de dois mil e 500 re­clu­sos que cum­pri­am pe­nas nos es­ta­be­le­ci­men­tos pri­si­o­nais do país fo­ram pos­tos em li­ber­da­de, no âm­bi­to da Lei da Amnistia, apro­va­da em Ju­lho pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal, re­ve­lou o mi­nis­tro do In­te­ri­or, Ân­ge­lo Vei­ga Ta­va­res.

A Lei da Amnistia, de ini­ci­a­ti­va le­gis­la­ti­va do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, vai co­lo­car em li­ber­da­de mais de oi­to mil ci­da­dãos, en­tre de­ti­dos e con­de­na­dos por cri­mes co­muns, com pe­nas não in­fe­ri­o­res a 12 anos. Ao dis­cur­sar no Con­se­lho Me­to­do­ló­gi­co do Ser­vi­ço Pe­ni­ten­ciá­rio, que de­cor­reu até on­tem, em Lu­an­da, sob o le­ma “Hu­ma­ni­za­ção, re­a­bi­li­ta­ção e res­so­ci­a­li­za­ção”, Ân­ge­lo Ta­va­res de­cla­rou que o Ser­vi­ço Pe­ni­ten­ciá­rio de­ve re­do­brar a sua vi­gi­lân­cia e au­men­tar o tra­ba­lho das áre­as de edu­ca­ção mo­ral e pa­trió­ti­ca.

Cam­pa­nha di­fa­ma­tó­ria

O mi­nis­tro de­nun­ci­ou que nos úl­ti­mos di­as se re­gis­ta uma cam­pa­nha di­fa­ma­tó­ria, atra­vés das re­des so­ci­ais, con­tra o Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or e os seus prin­ci­pais ór­gãos, com des­ta­que pa­ra a Po­lí­cia Na­ci­o­nal, Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC) e Ser­vi­ço Pe­ni­ten­ciá­rio.

“De­ve­mos man­ter a se­re­ni­da­de, ve­ri­fi­can­do, no en­tan­to, to­das as de­nún­ci­as, aca­tar as crí­ti­cas fun­da­das e cor­ri­gir as nos­sas de­bi­li­da­des e in­su­fi­ci­ên­ci­as, cri­an­do con­di­ções pa­ra que os ci­da­dãos de boa-fé pos­sam, em se­gu­ran­ça, de­nun­ci­ar to­dos aque­les que vi­o­lem as leis e re­gu­la­men­tos”, fri­sou o mi­nis­tro. Ân­ge­lo Ta­va­res ape­lou aos fun­ci­o­ná­ri­os do sec­tor pa­ra es­ta­rem aten­tos, por­que, dis­se, “são co­nhe­ci­das as ma­no­bras pa­ra a de­ses­ta­bi­li­za­ção dos seus ór­gãos, bem co­mo a cri­a­ção de fac­tos po­lí­ti­cos.”

De­cla­rou que o Ser­vi­ço Pe­ni­ten­ciá­rio é um dos ór­gãos vi­sa­do nes­ta cam­pa­nha, “sen­do que, com re­cur­so ao co­var­de ano­ni­ma­to, al­guns se es­con­dem pa­ra re­cor­rer à di­fa­ma­ção e à ca­lú­nia.” Com efei­to, ape­lou à ca­pa­ci­da­de de aná­li­se dos an­go­la­nos e par­ti­cu­lar­men­te dos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al no tra­ta­men­to des­tas ma­té­ri­as. Agra­de­ceu, por ou­tro la­do, a so­li­da­ri­e­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal de­mons­tra­da pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de e pe­lo seu ti­tu­lar no tra­ta­men­to aos re­clu­sos por­ta­do­res de do­en­ças mais gra­ves, tais co­mo se­ro­po­si­ti­vos e os tu­ber­cu­lo­sos.

O Con­se­lho Me­to­do­ló­gi­co do Ser­vi­ço Pe­ni­ten­ciá­rio, que ter­mi­nou on­tem, reu­niu 18 di­rec­to­res pro­vin­ci­ais do sec­tor, 40 de es­ta­be­le­ci­men­tos pri­si­o­nais e res­pon­sá­veis dos seus ór­gãos cen­trais. O en­con­tro ana­li­sou, en­tre ou­tros as­sun­tos, a im­ple­men­ta­ção do sis­te­ma de in­for­ma­ção elec­tró­ni­ca a ní­vel das ca­dei­as do país, o De­cre­to Exe­cu­ti­vo 272/16, de 21 de Ju­nho, re­la­ti­vo às nor­mas de exe­cu­ção per­ma­nen­te do sis­te­ma pe­ni­ten­ciá­rio, bem co­mo a re­vi­ta­li­za­ção do sis­te­ma pro­du­ti­vo nos es­ta­be­le­ci­men­tos pri­si­o­nais.

GAR­CIA MAYATOKO

Mi­nis­tro do In­te­ri­or re­ve­lou que mais de oi­to mil re­clu­sos são abran­gi­dos pe­la amnistia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.