An­go­la qu­er alar­ga­men­to do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça

VI­CE-PRE­SI­DEN­TE DA RE­PÚ­BLI­CA DIS­CUR­SA NA ONU

Jornal de Angola - - POLÍTICA - JOSINA DE CAR­VA­LHO

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Manuel Vi­cen­te, afir­mou na As­sem­bleia-Ge­ral das Na­ções Uni­das que a re­for­ma do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça é “um im­pe­ra­ti­vo que se não for re­a­li­za­do po­de le­var à in­ca­pa­ci­da­de de ac­tu­a­ção da or­ga­ni­za­ção mun­di­al e ao con­tí­nuo es­bo­ro­ar da sua le­gi­ti­mi­da­de e cre­di­bi­li­da­de”.

Ao dis­cur­sar na quin­ta-fei­ra na 71ª ses­são da reu­nião mag­na da mai­or or­ga­ni­za­ção mun­di­al, em re­pre­sen­ta­ção do Che­fe de Es­ta­do, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o Vi­ceP­re­si­den­te da Re­pú­bli­ca de­cla­rou que An­go­la é a fa­vor do alar­ga­men­to do nú­me­ro dos mem­bros per­ma­nen­tes e não per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, pa­ra tor­nar es­te ór­gão mais re­pre­sen­ta­ti­vo e me­lhor ape­tre­cha­do na sua ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta na so­lu­ção dos con­fli­tos.

Por es­sa ra­zão, dis­se, An­go­la rei­te­ra o di­rei­to do con­ti­nen­te afri­ca­no de es­tar re­pre­sen­ta­do en­tre os mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, con­for­me o Con­sen­so de Ezulwi­ni. Quan­to à or­ga­ni­za­ção na sua ge­ne­ra­li­da­de, o Vi­ce-Pre­si­den­te afir­mou que a ONU de­ve ser ca­paz de pro­mo­ver a paz e se­gu­ran­ça in­ter­na­ci­o­nal, de agir com ce­le­ri­da­de e efi­cá­cia em si­tu­a­ções de con­fli­to e de dar res­pos­ta aos mais pre­men­tes de­sa­fi­os da ac­tu­a­li­da­de, co­mo o ter­ro­ris­mo in­ter­na­ci­o­nal sem pre­ce­den­tes e as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas inau­di­tas.

“Es­sas trans­for­ma­ções im­põem, na­tu­ral­men­te, uma re­fle­xão con­jun­ta so­bre o pa­pel e o fu­tu­ro das Na­ções Uni­das”, dis­se, ten­do su­bli­nha­do o pa­pel da As­sem­bleia-Ge­ral na bus­ca de so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas in­ter­na­ci­o­nais mais can­den­tes, na pre­ser­va­ção da paz, no re­for­ço da se­gu­ran­ça co­lec­ti­va e na re­nún­cia ao uso da for­ça nas re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais, no res­pei­to pe­la so­be­ra­nia dos Es­ta­dos, na de­fe­sa e pro­mo­ção dos Di­rei­tos Hu­ma­nos e na re­a­fir­ma­ção do pri­ma­do do Di­rei­to, co­mo prin­cí­pi­os fun­da­men­tais do sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal.

De acor­do com o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, An­go­la acre­di­ta que o es­pí­ri­to de aber­tu­ra pa­ra o diá­lo­go, a to­le­rân­cia e a pre­va­lên­cia do bom sen­so cons­ti­tu­em a cha­ve pa­ra a re­so­lu­ção dos pro­ble­mas que ho­je afec­tam a hu­ma­ni­da­de.

Manuel Vi­cen­te afir­mou que o país, en­quan­to pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal da Re­gião dos Gran­des La­gos, tem-se em­pe­nha­do na pro­cu­ra de so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas que afec­tam a re­gião no qua­dro bi­la­te­ral e mul­ti­la­te­ral, bem co­mo no âm­bi­to do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções e do Con­se­lho de Paz e Se­gu­ran­ça da União Afri­ca­na. “Re­a­fir­ma­mos a nos­sa de­ter­mi­na­ção de con­ti­nu­ar a apoi­ar e a pro­mo­ver o diá­lo­go, a paz, a se­gu­ran­ça e a es­ta­bi­li­da­de na Áfri­ca Cen­tral e no con­jun­to da Re­gião dos Gran­des La­gos”, acres­cen­tou.

Pa­ra o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, as Na­ções Uni­das e a União Afri­ca­na de­vem de­di­car es­pe­ci­al aten­ção às cri­ses na Lí­bia, no Ma­li, na Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, no Su­dão, no Su­dão do Sul, na So­má­lia e no Bu­run­di.

Manuel Vi­cen­te de­fen­deu ain­da que os con­fli­tos na Lí­bia, na Sí­ria e no Ira­que exi­gem uma rá­pi­da re­so­lu­ção, fa­ce às gra­ves con­sequên­ci­as hu­ma­ni­tá­ri­as, e uma res­pos­ta ime­di­a­ta e abran­gen­te por par­te da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, tal co­mo o pro­ces­so de dis­ten­são en­tre Cu­ba e os EUA, ape­sar do res­ta­be­le­ci­men­to das re­la­ções di­plo­má­ti­cas en­tre os dois paí­ses, que An­go­la es­pe­ra re­sul­tar no le­van­ta­men­to do blo­queio eco­nó­mi­co.

De­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel

No seu dis­cur­so, o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca fa­lou tam­bém dos Ob­jec­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel da Agen­da 2030 e ga­ran­tiu que An­go­la es­tá fir­me­men­te em­pe­nha­da na sua im­ple­men­ta­ção, atra­vés de me­di­das ade­qua­das a ní­vel na­ci­o­nal, em be­ne­fí­cio do pla­ne­ta, da sua pros­pe­ri­da­de, es­ta­bi­li­da­de e paz. “É nos­sa in­ten­ção ra­ti­fi­car no mais cur­to es­pa­ço de tem­po pos­sí­vel o Acor­do de Pa­ris, co­mo sen­do o nos­so inequí­vo­co com­pro­mis­so de con­tri­buir­mos pa­ra o al­can­ce dos seus ob­jec­ti­vos”, adi­an­tou Manuel Vi­cen­te.

As al­te­ra­ções cli­má­ti­cas, jus­ti­fi­cou, são uma das ques­tões mais com­ple­xas e ur­gen­tes da po­lí­ti­ca in­ter­na e ex­ter­na com que o mun­do se de­pa­ra ac­tu­al­men­te, ten­do em con­ta o seu im­pac­to so­bre as mi­gra­ções, a se­gu­ran­ça ali­men­tar, os re­cur­sos na­tu­rais, a pro­pa­ga­ção de epi­de­mi­as e até so­bre a ins­ta­bi­li­da­de so­ci­al e eco­nó­mi­ca.

O Acor­do de Pa­ris 2015, pros­se­guiu, cons­ti­tui um va­li­o­so ins­tru­men­to de ac­ção, am­bi­ci­o­so, equi­li­bra­do e equi­ta­ti­vo, cu­ja en­tra­da em vi­gor per­mi­ti­rá es­ti­mu­lar os es­for­ços co­lec­ti­vos pa­ra se con­tro­lar o aque­ci­men­to glo­bal. O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca in­di­cou que An­go­la re­pre­sen­ta so­men­te 0,17 por cen­to das emis­sões de ga­ses com efei­to de es­tu­fa, mas sen­te os efei­tos das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas pe­lo agra­va­men­to e en­cur­ta­men­to dos ci­clos de se­ca e al­ta pre­ci­pi­ta­ção, que co­lo­cam em ris­co a agri­cul­tu­ra, in­fra-es­tru­tu­ras so­ci­ais e eco­nó­mi­cas e o au­men­to da in­ci­dên­cia de vá­ri­as en­de­mi­as.

Manuel Vi­cen­te con­fir­mou a par­ti­ci­pa­ção de An­go­la na ter­cei­ra Con­fe­rên­cia das Na­ções Uni­das so­bre Alo­ja­men­to e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no Sus­ten­tá­vel (Ha­bi­tat III), no pró­xi­mo mês, em Qui­to, por con­si­de­rar o even­to uma opor­tu­ni­da­de pa­ra adop­ção de uma no­va agen­da ur­ba­na glo­bal, sus­cep­tí­vel de pro­mo­ver re­la­ções for­tes e si­ner­gi­as en­tre a ur­ba­ni­za­ção, o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel e as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas.

AAs­sem­bleia-Ge­ral foi in­for­ma­da que An­go­la é um país es­tá­vel do pon­to de vis­ta po­lí­ti­co e so­ci­al, que re­gis­ta uma mai­or con­so­li­da­ção da uni­da­de, da reconciliação na­ci­o­nal e das su­as ins­ti­tui­ções. No pla­no eco­nó­mi­co, Manuel Vi­cen­te as­si­na­lou que os de­sa­fi­os são mai­o­res, por cau­sa da in­cer­te­za dos pre­ços das ma­té­ri­as-pri­mas no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal. “Mas con­ti­nu­a­mos a tra­ba­lhar pa­ra re­a­jus­tar os nos­sos pla­nos de ac­ção e pa­ra en­con­trar os ca­mi­nhos do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e pro­te­ger a me­lho­ria de vi­da das nos­sas po­pu­la­ções”, ga­ran­tiu.

De­pois do dis­cur­so, Manuel Vi­cen­te te­ve um en­con­tro com o Pre­si­den­te da RCA, Ar­chan­ge Tou­a­dé­ra, com quem abor­dou as­sun­tos bi­la­te­rais e ou­tros li­ga­dos à si­tu­a­ção na Re­gião dos Gran­des La­gos, com des­ta­que pa­ra o seu país.

Ar­chan­ge Tou­a­dé­ra dis­se que nes­te mo­men­to as ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas es­tão a ser res­ta­be­le­ci­das, de­pois dos mo­men­tos di­fí­ceis que o país vi­veu e das elei­ções, e o po­vo al­me­ja a paz efec­ti­va, a es­ta­bi­li­da­de e o de­sen­vol­vi­men­to.

DOMBELE BER­NAR­DO | NO­VA IOR­QUE

Manuel Vi­cen­te dis­cur­sou em re­pre­sen­ta­ção do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.