LI­NHA DE AL­TA TEN­SÃO Ener­gia faz for­te in­ves­ti­men­to na re­gião do Pla­nal­to Cen­tral

Dis­po­ni­bi­li­za­dos 90 mi­lhões de dó­la­res pa­ra a exe­cu­ção da em­prei­ta­da

Jornal de Angola - - POLÍTICA - SAM­PAIO JÚ­NI­OR |

A su­pe­ra­ção dos fac­to­res crí­ti­cos no sec­tor da elec­tri­ci­da­de es­tá a ser en­ca­ra­da co­mo o prin­ci­pal de­sa­fio. O Exe­cu­ti­vo con­cen­trou com má­xi­ma pri­o­ri­da­de to­dos as me­lho­res es­tra­té­gi­as pa­ra su­pe­rar e de­sen­vol­ver o sis­te­ma ener­gé­ti­co. A mo­der­ni­za­ção e o pro­gres­so são fac­to­res im­pe­ri­o­sos pa­ra se fa­zer fren­te às ne­ces­si­da­des ac­tu­ais e fu­tu­ras im­pos­tas pe­lo de­sen­vol­vi­men­to do país.

O mi­nis­tro da Ener­gia e Águas, João Bap­tis­ta Bor­ges, apre­sen­tou, na ci­da­de do Hu­am­bo, dois pro­jec­tos do sec­tor eléc­tri­co, no­me­a­da­men­te a cons­tru­ção da li­nha de trans­por­te de ener­gia en­tre Laú­ca e o Hu­am­bo e a ex­ten­são da re­de de dis­tri­bui­ção eléc­tri­ca à re­gião do pla­nal­to cen­tral.

Tra­ta-se de uma li­nha de al­ta ten­são que vai in­ter­li­gar Laú­ca (Ma­lan­je) com o Wa­ku Cun­go (Cu­an­za Sul), ter­mi­na no pla­nal­to cen­tral e vai per­cor­rer 400 qui­ló­me­tros.

O pro­jec­to vai per­mi­tir a in­ter­li­ga­ção da re­gião Nor­te com o cen­tro do país e a li­nha vai fa­zer par­te do sis­te­ma eléc­tri­co na­ci­o­nal.

No fu­tu­ro, pro­jec­ta-se a con­ti­nu­a­ção da mes­ma li­nha pa­ra o Lu­ban­go e vai ha­ver in­ter­li­ga­ção en­tre Laú­ca, Hu­am­bo e Lu­ban­go.A re­a­li­za­ção des­tas ac­ções im­põe ao sec­tor eléc­tri­co imen­sos de­sa­fi­os e apre­sen­ta-se co­mo po­ten­ci­al­men­te com­ple­xa com ne­ces­si­da­de de con­cen­tra­ção de es­for­ço téc­ni­co e de ma­te­ri­al dis­po­ní­vel, bem co­mo de re­cur­sos fi­nan­cei­ros.

Na pro­vín­cia de Ben­gue­la, fo­ram dis­po­ni­bi­li­za­dos 90 mi­lhões de dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos, pa­ra a exe­cu­ção da em­prei­ta­da de elec­tri­fi­ca­ção e de li­ga­ções do­mi­ci­li­a­res da re­gião li­to­ral de Ben­gue­la, apro­va­da pe­lo Des­pa­cho Pre­si­den­ci­al nº 93/16. De­zoi­to me­ses é o pra­zo pre­vis­to pa­ra a con­clu­são das obras, a car­go da em­pre­sa chi­ne­sa CTCE, cu­ja do­na é a Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Dis­tri­bui­ção de Elec­tri­ci­da­de.In­se­ri­da no pro­gra­ma de in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos, al­gu­mas in­fra-es­tru­tu­ras já ins­ta­la­das e ou­tras por cons­truir vão ga­ran­tir a ofer­ta de qua­li­da­de e ex­pan­são dos ser­vi­ços de dis­tri­bui­ção de ener­gia eléc­tri­ca com a cons­tru­ção de no­vas su­bes­ta­ções, pos­tos de trans­for­ma­ção e re­des do­mi­ci­li­a­res nos mu­ni­cí­pi­os do Lo­bi­to, Ben­gue­la, Ca­tum­be­la e Baía Far­ta.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Ener­gia, Jo­a­quim Ven­tu­ra, que co­lo­cou a pri­mei­ra pe­dra co­mo sím­bo­lo do ar­ran­que do pro­jec­to, no ac­to re­a­li­za­do num ter­re­no de­vo­lu­to, nas ime­di­a­ções do bair­ro 11 de No­vem­bro, mu­ni­cí­pio da Baía Far­ta, anun­ci­ou que co­me­çou uma no­va era com o pro­gra­ma de elec­tri­fi­ca­ção nas ci­da­des do Lo­bi­to, Ca­tum­be­la e Baía Far­ta pa­ra me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da de cer­ca de 45 mil fa­mí­li­as. Num pro­ces­so de ex­ten­são pa­ra elec­tri­fi­ca­ção de al­guns bair­ros ti­dos co­mo áre­as cin­zen­tas. Es­se es­pec­tro vai de­sa­pa­re­cer com o re­for­ço de ca­pa­ci­da­de de dis­tri­bui­ção, ins­ta­lan­do no­vas in­fra-es­tru­tu­ras no sec­tor de dis­tri­bui­ção, re­fe­riu.

O ca­mi­nho pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to efec­ti­va­men­te sus­ten­tá­vel é lon­go, di­fí­cil e one­ro­so, mas é a úni­ca so­lu­ção pa­ra a re­du­ção do qua­dro de res­tri­ções de ener­gia eléc­tri­ca pa­ra Ben­gue­la, que co­me­ça a ser mais di­mi­nu­to. Tu­do is­to im­pli­cou es­pí­ri­to de mis­são do Exe­cu­ti­vo que pas­sa pe­lo pro­gra­ma de com­ba­te à po­bre­za, co­mo afir­mou o go­ver­na­dor Isa­ac dos An­jos.

“Com a con­clu­são do pro­jec­to de elec­tri­fi­ca­ção, cer­ca de 45 mil fa­mí­li­as em Ben­gue­la vão ser be­ne­fi­ci­a­das pe­la pri­mei­ra vez com o for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca da re­de pú­bli­ca”, dis­se Isa­ac dos An­jos.

Inau­gu­ra­ção das cen­tra­li­da­des

Os po­pu­la­res aguar­dam com mui­ta es­pe­ran­ça a inau­gu­ra­ção das cen­tra­li­da­des que se es­tá a tor­nar ca­da vez mais re­a­li­da­de, por­que um dos mai­o­res en­tra­ves era a ener­gia eléc­tri­ca. Os ter­re­nos lo­te­a­dos vão ter mai­or ade­são da po­pu­la­ção e os inú­me­ros pro­jec­tos fa­bris lan­ça­dos em Ben­gue­la vão ga­nhar vi­a­bi­li­da­de O em­pre­sá­rio Ra­mos da Cos­ta, no mu­ni­cí­pio da Baía Far­ta, fri­sou que, com mais es­te con­jun­to de ser­vi­ços no sec­tor de dis­tri­bui­ção da Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Dis­tri­bui­ção de Elec­tri­ci­da­de, o Exe­cu­ti­vo de­mons­tra que es­tá a tra­ba­lhar pa­ra a me­lho­ria das con­di­ções de vi­da da po­pu­la­ção e lem­brou que tu­do es­tá a cor­rer bem nos bair­ros 11 de No­vem­bro e Li­ro, na Baía Far­ta, que nun­ca ti­ve­ram ener­gia.

A dis­tri­bui­ção de ener­gia eléc­tri­ca vai pro­mo­ver a qua­li­da­de de ser­vi­ço e ga­ran­tir a sus­ten­ta­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra dos ci­da­dãos no mu­ni­cí­pio pis­ca­tó­rio da Baía Far­ta.

A ener­gia eléc­tri­ca é um dos fac­to­res de bem-es­tar so­ci­al e en­glo­ba coi­sas que in­ci­dem de for­ma po­si­ti­va na qua­li­da­de de vi­da, um em­pre­go dig­no, re­cur­sos eco­nó­mi­cos pa­ra sa­tis­fa­zer as ne­ces­si­da­des, aces­so à edu­ca­ção e à saú­de e tem­po pa­ra la­zer, co­mo afir­mou, Ra­mos da Cos­ta. “Com es­te con­jun­to de fac­to­res, to­dos nós va­mos go­zar de uma boa qua­li­da­de de vi­da. Ago­ra, te­mos que fa­zer um ser­vi­ço de sen­si­bi­li­za­ção pa­ra que não se des­trua os bens pú­bli­cos, co­mo as ca­bi­nes”, dis­se o em­pre­sá­rio e mo­ra­dor no bair­ro 11 de No­vem­bro no mu­ni­cí­pio da Baía Far­ta.

A ino­va­ção é um dos ei­xos pri­o­ri­tá­ri­os do sec­tor da elec­tri­ci­da­de. Tem gran­de des­ta­que tam­bém no Pro­gra­ma do Exe­cu­ti­vo de Com­ba­te à Po­bre­za, com for­tes re­fe­rên­ci­as pa­ra a ne­ces­si­da­de do es­tí­mu­lo ao em­pre­en­de­do­ris­mo e à cri­a­ção de pos­tos de tra­ba­lho.

Com a im­plan­ta­ção de no­vas in­fra-es­tru­tu­ras, jun­to ao sis­te­ma de trans­por­te e dis­tri­bui­ção de cor­ren­te eléc­tri­ca, a pro­vín­cia vai co­nhe­cer mai­or afir­ma­ção no do­mí­nio dos sec­to­res in­dus­tri­al, pes­quei­ro, agro-pe­cuá­rio, co­mér­cio e ho­te­la­ria, pro­mo­ven­do as­sim um fran­co pro­gres­so in­te­gra­do des­te ter­ri­tó­rio.Os in­ves­ti­men­tos das ci­da­des de­pen­dem mui­to da exis­tên­cia de ener­gia eléc­tri­ca, pa­ra fa­zer des- pon­tar ac­ti­vi­da­des ar­tís­ti­co-cul­tu­rais, des­por­ti­va, re­cre­a­ti­va e de la­zer. As ex­pec­ta­ti­vas so­ci­ais nas so­ci­e­da­des con­tem­po­râ­ne­as são va­ri­a­das e os pro­du­tos cul­tu­rais e des­por­ti­vos são par­te in­te­gran­te, co­mo fac­to­res de ren­di­men­to eco­nó­mi­co.

A ener­gia eléc­tri­ca é mui­to im­por­tan­te nos di­as de ho­je, pois é ela que pro­por­ci­o­na o con­for­to, be­mes­tar, se­gu­ran­ça e la­zer pa­ra a so­ci­e­da­de.Um cor­te de ape­nas uma ho­ra cria uma sé­rie de cons­tran­gi­men­tos no fun­ci­o­na­men­to de de­pen­dên­ci­as co­mo ban­cos, hos­pi­tais, in­dús­tri­as, es­co­las, se­má­fo­ros e to­do o sis­te­ma de co­mu­ni­ca­ção, por­tan­to, é im­pos­sí­vel ima­gi­nar a vi­da mo­der­na sem ener­gia eléc­tri­ca.

Pré-pa­gos

O pré-pa­go é o mo­de­lo co­mer­ci­al in­tro­du­zi­do na pro­vín­cia de Ben­gue­la, as­sim co­mo nou­tras pro­vín­ci­as, e foi mui­to bem aco­lhi­do de­pois de su­pe­ra­dos os pro­ble­mas ini­ci­ais. Es­te ins­tru­men­to ga­ran­te mai­or vi­a­bi­li­da­de no sis­te­ma de co­bran­ça. Já fo­ram ins­ta­la­dos mi­lha­res de con­ta­do­res mo­no­fá­si­cos pré­pa­gos de ener­gia eléc­tri­ca nas ci­da­des de Ben­gue­la e do Lo­bi­to, pe­la fir­ma chi­ne­sa ZTE, com a par­ti­ci­pa­ção da Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Dis­tri­bui­ção de Elec­tri­ci­da­de (ENDE).

O pro­jec­to vi­sa subs­ti­tuir os con­ta­do­res pós-pa­gos pe­los pré-pa­gos, pe­las inú­me­ras van­ta­gens que os no­vos ins­tru­men­tos tra­zem aos cli­en­tes que, por um la­do, dei­xam de acu­mu­lar dí­vi­da por fal­ta de pa­ga­men­to de ener­gia e pa­gam ape­nas o que con­so­mem e, por ou­tro, a re­de re­gis­ta me­lho­ri­as, dei­xa de ha­ver ex­ces­so de lâm­pa­das ace­sas e ou­tros apa­re­lhos nas re­si­dên­ci­as.

Ca­be aos ci­da­dãos pre­ser­var as ins­ta­la­ções pú­bli­cas co­lo­ca­das pa­ra o be­ne­fí­cio da co­mu­ni­da­de, de­nun­ci­an­do as pu­xa­das. Des­ta for­ma, os equi­pa­men­tos eléc­tri­cos du­ram mais tem­po e o go­ver­no pro­vin­ci­al pou­pa mais di­nhei­ro pa­ra po­der aten­der ou­tras ne­ces­si­da­des.

NI­LO MA­TEUS

Apre­sen­ta­dos no Hu­am­bo dois pro­jec­tos do sec­tor eléc­tri­co a cons­tru­ção da li­nha de trans­por­te de ener­gia en­tre Laú­ca e o Hu­am­bo e a ex­ten­são da re­de de dis­tri­bui­ção eléc­tri­ca à re­gião

JAIMAGENS

A dis­tri­bui­ção de ener­gia eléc­tri­ca vai pro­mo­ver a qua­li­da­de de ser­vi­ço e ga­ran­tir a sus­ten­ta­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra dos ci­da­dãos

JAIMAGENS

Mi­nis­tro da Ener­gia e Águas João Bap­tis­ta Bor­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.