CARTAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - FRAN­CIS­CO PE­REI­RA AIDA TA­VA­RES LUÍS VEN­TU­RA

Acor­do de Pa­ris

Sou am­bi­en­ta­lis­ta e si­go com aten­ção to­das as in­for­ma­ções so­bre o cli­ma, meio am­bi­en­te e ul­ti­ma­men­te ani­ma-me a pers­pec­ti­va da ma­te­ri­a­li­za­ção do Acor­do de Pa­ris.

Pa­re­ce cres­cer a pos­si­bi­li­da­de da en­tra­da, com for­ça, da Lei do Acor­do de Pa­ris so­bre a re­du­ção das emis­sões e in­vi­a­bi­li­zar a rá­pi­da de­gra­da­ção das con­di­ções cli­ma­té­ri­cas. Co­mo se sa­be, os paí­ses que emi­tem uma re­du­zi­da quan­ti­da­de de ga­ses no­ci­vos são cu­ri­o­sa­men­te os que mais ten­dem a so­frer com as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas em to­do o mun­do. E en­tre es­tes os paí­ses afri­ca­nos en­gros­sam es­sa lis­ta, ra­zão pe­la qu­al se im­põe a ne­ces­si­da­de de o acor­do es­tar já em vi­gor.

Acho que os paí­ses me­nos de­sen­vol­vi­dos de­vi­am dis­cu­tir bem as mo­da­li­da­des de im­ple­men­ta­ção des­se acor­do, por­que na sua mai­o­ria an­sei­am de­sen­vol­ver-se e, co­arc­ta­dos por de­ter­mi­na­dos ti­pos de emis­são, po­dem ver as su­as in­dús­tri­as a vi­ver uma es­pé­cie de “im­pro­du­ti­vi­da­de im­pos­ta”.

De­fen­do a exis­tên­cia de uma com­pen­sa­ção pa­ra os paí­ses que, não sen­do os que mais “in­to­xi­cam” o pla­ne­ta, são os que mais so­frem já os efei­tos das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas.

Im­pul­si­o­nar o tu­ris­mo

Há di­as, li al­gu­res uma no­tí­cia so­bre o fo­men­to de ini­ci­a­ti­vas que le­vem a um mai­or en­vol­vi­men­to das ope­ra­do­res de trans­por­tes in­ter­pro­vin­ci­ais nas ac­ti­vi­da­des li­ga­das ao tu­ris­mo. Tra­ta-se de um con­vé­nio as­si­na­do en­tre ins­ti­tui­ções do Es­ta­do e uma das ope­ra­do­ras de trans­por­te pa­ra con­tri­buir pa­ra o fo­men­to do tu­ris­mo in­ter­no.

Na ver­da­de, o nos­so país é de tal for­ma ex­ten­so que nu­me­ro­sas po­pu­la­ções têm gran­des di­fi­cul­da­des de mo­bi­li­da­de, so­bre­tu­do nas co­mu­ni­da­des fo­ra das gran­des ci­da­des e mu­ni­ci­pa­li­da­des. As co­mu­nas e al­dei­as es­tão mui­to dis­tan­te das se­des e, além des­ta re­a­li­da­de, os cen­tros dos prin­ci­pais ser­vi­ços di­ri­gi­dos às po­pu­la­ções nem sem­pre es­tão mui­to pró­xi­mos das po­pu­la­ções.

Era bom que es­sa re­de de trans­por­te fos­se ape­nas uma es­pé­cie de tu­bo de en­saio pa­ra que ini­ci­a­ti­vas se­me­lhan­tes ocor­res­sem pa­ra que o país, des­de as zo­nas ur­ba­nas e ru­rais, fi­que co­ber­to com mei­os de trans­por­tes dis­po­ní­veis.

Acho que es­sa ini­ci­a­ti­va che­ga em boa ho­ra na me­di­da em que há um gran­de es­for­ço da par­te das au­to­ri­da­des, pa­ra in­fra-es­tru­tu­ras ro­do­viá­ri­as em to­do o país.

Mui­tas es­tra­das vão ser in­ter­ven­ci­o­na­das, um pas­so im­por­tan­te na ga­ran­tia das con­di­ções pa­ra que as po­pu­la­ções te­nham mo­bi­li­da­de as­se­gu­ra­da nu­ma al­tu­ra em que re­pu­ta­mos to­dos co­mo vi­tais, pa­ra sair­mos do es­ta­do em que nos en­con­tra­mos.

Sem mo­bi­li­da­de, di­fi­cil­men­te, te­re­mos um pro­ces­so eco­nó­mi­co que aju­de o país a pro­du­zir mais pa­ra dis­tri­buir­mos mais, ra­zão pe­la qu­al ter­mi­no fe­li­ci­tan­do as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do e os par­cei­ros so­ci­ais que acom­pa­nham o Exe­cu­ti­vo, nes­ta ta­re­fa com­ple­xa.

Mu­ni­cí­pio de Lu­an­da

Sou mu­ní­ci­pe de Lu­an­da e es­cre­vo pe­la pri­mei­ra vez pa­ra o Jor­nal de An­go­la pa­ra fa­lar so­bre po­pu­la­ção, em fun­ção dos re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos do Cen­so Ge­ral da Po­pu­la­ção e Ha­bi­ta­ção.

Em­bo­ra fos­se mais ou me­nos do co­nhe­ci­men­to de to­dos que Lu­an­da era a pro­vín­cia mais po­vo­a­da, o Cen­so Ge­ral da Po­pu­la­ção e Ha­bi­ta­ção trou­xe da­dos in­te­res­san­tes na me­di­da em que for­ne­ce nu­me­ro­sas in­for­ma­ções.

É bom que o mu­ni­cí­pio de Lu­an­da se­ja o mais po­pu­lo­so de to­do o país, com 2,1 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, e, fun­da­men­tal­men­te, a in­for­ma­ção so­bre a di­fe­ren­ça nu­mé­ri­ca em ter­mos de se­xo. Se­gun­do da­dos de­fi­ni­ti­vos do cen­so, há 96 ho­mens por ca­da 100 mu­lhe­res, di­fe­ren­ça que con­tra­ria a “bo­ca do po­vo” em fun­ção do que se di­zia, que ha­ve­ria su­pos­ta­men­te uma mar­gem mai­or.

Em to­do o ca­so, es­pe­ro ape­nas que as au­to­ri­da­des e as po­pu­la­ções em si fa­çam me­lhor uso das in­for­ma­ções for­ne­ci­das pe­lo cen­so no sen­ti­do de me­lho­res po­lí­ti­cas pú­bli­cas. Acre­di­to que os de­ci­so­res pú­bli­cos aca­bam por ter em mãos, com os da­dos do Cen­so Ge­ral da Po­pu­la­ção e Ha­bi­ta­ção, uma im­por­tan­te fer­ra­men­ta, atra­vés da qu­al po­de­rão gi­zar me­lho­res de­ci­sões.

ARMANDO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.