O de­ba­te do ano en­tre Hil­lary Clin­ton e Do­nald Trump

ES­PEC­TÁ­CU­LO ELEI­TO­RAL

Jornal de Angola - - OPINIÃO - BRIGITTE DUSSEAU

Os can­di­da­tos à elei­ção nor­te­a­me­ri­ca­na, Hil­lary Clin­ton e Do­nald Trump, de­fron­tam-se se­gun­da-fei­ra no pri­mei­ro de­ba­te pre­si­den­ci­al do ano, um de­sa­fio com­ple­xo pa­ra a can­di­da­ta de­mo­cra­ta à Ca­sa Bran­ca, que te­rá pe­la fren­te um ad­ver­sá­rio im­pre­vi­sí­vel.

A ta­re­fa tor­na-se ain­da mais crí­ti­ca por­que as son­da­gens, que há al­guns me­ses mos­tra­vam Hil­lary co­mo fran­ca fa­vo­ri­ta, ago­ra exi­bem nú­me­ros mais equi­li­bra­dos a ape­nas se­te se­ma­nas das elei­ções pre­si­den­ci­ais de No­vem­bro.

De­ze­nas de mi­lhões de nor­te­a­me­ri­ca­nos as­sis­ti­rão ao de­ba­te de 90 mi­nu­tos, or­ga­ni­za­do na Uni­ver­si­da­de de Hofs­tra, per­to de No­va Ior­que, e que de­ve que­brar re­cor­des de au­di­ên­cia.

As ex­pec­ta­ti­vas e ris­cos pa­ra os dois can­di­da­tos são di­fe­ren­tes. Hil­lary Clin­ton tem mui­to mais ex­pe­ri­ên­cia na vi­da pú­bli­ca, mas pro­vo­ca pou­co en­tu­si­as­mo no elei­to­ra­do em ge­ral, ao mes­mo tem­po que de Trump, um po­pu­lis­ta adep­to de fra­se bom­bás­ti­cas, nin­guém es­pe­ra que co­nhe­ça de ma­nei­ra pro­fun­da os as­sun­tos fun­da­men­tais da agen­da. De­bi­li­ta­da re­cen­te­men­te por uma pneu­mo­nia que a afas­tou da cam­pa­nha por vá­ri­os di­as, a ex-se­cre­tá­ria de Es­ta­do e ex-se­na­do­ra de 68 anos re­pre­sen­ta a con­ti­nui­da­de de oi­to anos da ad­mi­nis­tra­ção de Ba­rack Oba­ma. Ela tem-se pre­pa­ra­do de ma­nei­ra mi­nu­ci­o­sa pa­ra o de­ba­te.

Hil­lary ana­li­sa há vá­ri­as se­ma­nas re­la­tó­ri­os e es­ta­tís­ti­cas pa­ra con­tra­por a Trump, re­vê os de­ba­tes or­ga­ni­za­dos du­ran­te as pri­má­ri­as de­mo­cra­tas e, de acor­do com o jor­nal “New York Ti­mes”, con­sul­ta in­clu­si­ve psi­có­lo­gos so­bre a per­so­na­li­da­de do mul­ti­mi­li­o­ná­rio re­pu­bli­ca­no pa­ra ten­tar an­te­ver as su­as re­ac­ções.

“Não sei que Do­nald Trump se vai se apre­sen­tar (ao de­ba­te). É pos­sí­vel que ten­te mos­trar uma ima­gem pre­si­den­ci­al e pro­cu­re de­mons­trar uma gra­vi­da­de que não te­ve até ago­ra, ou que che­gue com a ilu­são de in­sul­tar e ga­nhar al­guns pon­tos com is­so”, dis­se Hil­lary Clin­ton, re­cen­te­men­te, num ac­to de cam­pa­nha.

Pa­ra Wendy Schil­ler, ci­en­tis­ta po­lí­ti­ca da Uni­ver­si­da­de de Brown, o exer­cí­cio não é fá­cil pa­ra Clin­ton. “O seu ins­tin­to é es­tar ori­en­ta­da pa­ra po­lí­ti­cas, mas os seus sim­pa­ti­zan­tes que­rem que en­fren­te es­te in­di­ví­duo di­rec­ta­men­te, que o dei­xe in­co­mo­da­do”.

Es­ta op­ção é mui­to di­fí­cil pa­ra a de­mo­cra­ta, afir­ma Schil­ler, “por­que não é seu es­ti­lo”.

Ao mes­mo tem­po, os seus elei­to­res “es­pe­ram que ela te­nha uma di­men­são pre­si­den­ci­al, e is­to in­clui ser con­ti­da e edu­ca­da. E es­ta po­de não ser a es­tra­té­gia mais efec­ti­va pa­ra ga­nhar um de­ba­te”, dis­se Schil­ler. Ao mes­mo tem­po, de­pois da pneu­mo­nia, Clin­ton de­ve mos­trar que go­za de boa saú­de, que é di­nâ­mi­ca e que es­tá pre­pa­ra­da pa­ra ad­mi­nis­trar a sua cam­pa­nha de for­ma trans­pa­ren­te, dis­se Jen­ni­fer La­wless, da Ame­ri­can Uni­ver­sity.

O ní­vel de res­pon­sa­bi­li­da­des é me­nor pa­ra Trump, de 70 anos, um can­di­da­to atí­pi­co e im­pul­si­vo, que em gran­de me­di­da con­ti­nua a ser re­jei­ta­do pe­la li­de­ran­ça tra­di­ci­o­nal do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no e que nun­ca exer­ceu qual­quer car­go pú­bli­co.

Trump nun­ca en­fren­tou a pres­são de um de­ba­te pre­si­den­ci­al, mas ga­nhou fa­ma co­mo apre­sen­ta­dor de um “re­a­lity show” na te­le­vi­são. Pa­ra Schil­ler, Trump de­ve “re­cor­dar aos re­pu­bli­ca­nos que ele é um re­pu­bli­ca­no, que se­rá um pre­si­den­te re­pu­bli­ca­no”.

La­wless, no en­tan­to, des­ta­ca que ele pre­ci­sa de mos­trar que “tem ca­rác­ter pa­ra ser pre­si­den­te”, o que sig­ni­fi­ca “não fi­car ir­ri­ta­do ao ata­car Clin­ton. Tam­bém de­ve­rá ser um pou­co mais es­pe­cí­fi­co so­bre as su­as pro­pos­tas”. Em re­su­mo, to­dos sa­bem que qual­quer pas­so em fal­so aca­ba­rá por ser re­pe­ti­do sem quar­tel na te­le­vi­são.

Do­nald Trump dis­se que pre­ten­de tra­tar Clin­ton “com gran­de res­pei­to, a me­nos que ela me tra­te de uma for­ma es­pe­cí­fi­ca. Nes­te ca­so, se­rá o fim. Mas par­to do prin­cí­pio de que tra­ta­rei com res­pei­to”.

De acor­do com Bri­an Fal­lon, di­rec­tor de im­pren­sa da cam­pa­nha de Hil­lary, ela “não irá pa­ra o de­ba­te a pro­cu­rar pro­vo­car Trump. Ela mos­tra­rá que co­nhe­ce me­lhor to­dos os dos­si­ers, tem au­to­ri­da­de e for­ça pa­ra ser Co­man­dan­te-EmChe­fe. O con­tras­te fa­la­rá por si”.

Trump não por­me­no­ri­zou co­mo se pre­pa­ra pa­ra o de­ba­te. Mas en­vi­ou por e-mail um ques­ti­o­ná­rio aos seus elei­to­res, com um pe­di­do de aju­da. En­tre 30 per­gun­tas pro­cu­rou ori­en­ta­ção so­bre as ques­tões a abor­dar, que li­nhas de ata­que pri­o­ri­zar (po­lí­ti­ca ex­ter­na, es­cân­da­lo dos e-mails ou as dú­vi­das so­bre a Fun­da­ção Clin­ton) e até mes­mo se de­ve uti­li­zar no de­ba­te o ape­li­do que cri­ou, “Cro­o­ked Hil­lary” (Hil­lary De­so­nes­ta). “No ce­ná­rio, se­rá a sua voz. Es­te de­ba­te é um com­ba­te en­tre o po­vo ame­ri­ca­no e a má­qui­na po­lí­ti­ca que re­pre­sen­ta a Cro­o­ked Hil­lary”, es­cre­veu Do­nald Trump na men­sa­gem elec­tró­ni­ca. O de­ba­te é o pri­mei­ro de três, que se re­a­li­za­rão num pe­río­do de três se­ma­nas, e se­rá or­ga­ni­za­do por te­mas: pa­ra on­de os Es­ta­dos Uni­dos avan­çam, a pros­pe­ri­da­de e a se­gu­ran­ça.

O mo­de­ra­dor se­rá o jor­na­lis­ta Les­ter Holt, de 57 anos, uma per­so­na­li­da­de res­pei­ta­da que apre­sen­ta o no­ti­ciá­rio noc­tur­no do ca­nal NBC. Trump não per­deu a opor­tu­ni­da­de de se quei­xar do que con­si­de­ra um de­ba­te ten­den­ci­o­so. “Les­ter é um de­mo­cra­ta. É um sis­te­ma com ar­ma­di­lhas. São to­dos de­mo­cra­tas”, dis­se Trump ao ca­nal con­ser­va­dor Fox News.

REU­TERS

Hil­lary Clin­ton

REU­TERS

Do­nald Trump

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.