Reconciliação na Colôm­bia é exem­plo a se­guir

Pre­si­den­te Ju­an Manuel San­tos ga­ran­te na As­sem­bleia Ge­ral da ONU que a gu­er­ra aca­bou

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ELEAZAR VAN-DÚ­NEM |

A for­ma co­mo o Go­ver­no co­lom­bi­a­no e as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (FARC) con­du­zi­ram o pro­ces­so de paz e reconciliação nes­te país da Amé­ri­ca La­ti­na é um exem­plo a se­guir, não sen­do ar­ris­ca­do pers­pec­ti­var que po­de dar às du­as par­tes o Pré­mio No­bel da Paz des­te ano.

O dis­cur­so pro­nun­ci­a­do pe­lo Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no, Ju­an Manuel San­tos, du­ran­te a 71.ª ses­são da As­sem­bleia Ge­ral da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), que de­cor­reu es­ta se­ma­na em No­va Ior­que, re­flec­tiu o en­tu­si­as­mo dos co­lom­bi­a­nos com o pro­ces­so de reconciliação na­ci­o­nal.

Com a in­síg­nia de uma pom­ba bran­ca na la­pe­la, Ju­an Manuel San­tos des­ta­cou as van­ta­gens do pac­to as­si­na­do em Ha­va­na, Cu­ba.

“A gu­er­ra na Colôm­bia ter­mi­nou. Ter­mi­nou o úl­ti­mo e mais ve­lho con­fli­to ar­ma­do no Oci­den­te, que dei­xou mais de 220 mil mor­tos e mais de oi­to mi­lhões de ví­ti­mas”, afir­mou. O es­ta­dis­ta su­bli­nhou que des­de o en­ten­di­men­to “não foi re­gis­ta­do um só mor­to, um só fe­ri­do, uma só ba­la dis­pa­ra­da, por cau­sa do con­fli­to com as FARC”.

“Tal­vez se­ja a pri­mei­ra vez que du­as par­tes con­cor­da­ram em es­ta­be­le­cer um tri­bu­nal de paz e aca­tar as de­ci­sões da en­ti­da­de, que as ví­ti­mas es­tão no cen­tro do do­cu­men­to e que um acor­do de paz tem um ca­pí­tu­lo es­pe­ci­al so­bre o gé­ne­ro e tra­ta ho­mens e mu­lhe­res da mes­ma ma­nei­ra”, des­ta­cou o Pre­si­den­te Ju­an Manuel San­tos.

O en­tu­si­as­mo do Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no é par­ti­lha­do pe­las FARC, a ou­tra par­te sig­na­tá­ria do acor­do.

Na 10.ª Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal das FARC, re­a­li­za­da com o aval das au­to­ri­da­des e co­ber­tu­ra dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pú­bli­cos, os de­le­ga­dos ma­ni­fes­ta­ram “apoio unâ­ni­me” ao acor­do e con­cor­da­ram em depôr as ar­mas. Na oca­sião, foi anun­ci­a­da a da­ta de 27 de Maio pa­ra a tran­si­ção do mo­vi­men­to de guer­ri­lha pa­ra par­ti­do po­lí­ti­co e a in­ten­ção das FARC con­cor­re­rem às elei­ções pre­si­den­ci­ais e le­gis­la­ti­vas de 2018.

Pac­to de Ha­va­na

De­pois de qua­tro anos de ne­go­ci­a­ções em Ha­va­na, o Go­ver­no e as FARC anun­ci­a­ram em 24 de Agos­to que che­ga­ram a um acor­do de paz de­fi­ni­ti­vo pa­ra o con­fli­to ar­ma­do de mais de 50 anos na Colôm­bia, de­pois de ten­ta­ti­vas fra­cas­sa­das nos go­ver­nos de Be­li­sa­rio Be­tan­cur (1982-1986) , Cé­sar Ga­vi­ria (1990-1994) e An­drés Pas­tra­na (1998-2002).

En­tre ou­tros as­pec­tos, o acor­do in­te­gra te­mas co­mo a re­for­ma agrá­ria, par­ti­ci­pa­ção po­lí­ti­ca dos com­ba­ten­tes da guer­ri­lha, ces­sar-fo­go bi­la­te­ral e de­fi­ni­ti­vo, o pro­ble­ma das dro­gas, in­dem­ni­za­ção às ví­ti­mas do con­fli­to e me­ca­nis­mos de im­ple­men­ta­ção e ve­ri­fi­ca­ção.

Pre­vê, tam­bém, que quem con­fes­sar os cri­mes num tri­bu­nal es­pe­ci­al evi­ta a pri­são e re­ce­be pe­nas al­ter­na­ti­vas, e que as FARC ini­ci­em o de­sar­ma­men­to em três eta­pas, sob acom­pa­nha­men­to da ONU e do Go­ver­no co­lom­bi­a­no.

An­tes de en­trar em vi­gor, o Pac­to de Ha­va­na de­ve ser apro­va­do pe­los co­lom­bi­a­nos num re­fe­ren­do a re­a­li­zar em 2 de Ou­tu­bro. Pa­ra pas­sar na pro­va das ur­nas, o acor­do de Ha­va­na de­ve ter o aval de pe­lo me­nos 4,4 mi­lhões de vo­tan­tes.

Um gru­po in­flu­en­te na Colôm­bia, li­de­ra­do pe­lo an­ti­go Pre­si­den­te Ál­va­ro Uri­be (2002-2010), opõe­se ao acor­do por con­si­de­rar que “dei­xa cri­mes das FARC sem pu­ni­ção” e faz cam­pa­nha pe­lo “não”.

Apoio glo­bal ao acor­do

Pe­lo me­nos 13 Che­fes de Es­ta­do da Amé­ri­ca La­ti­na e os lí­de­res dos gran­des or­ga­nis­mos mul­ti­la­te­rais con­fir­ma­ram a pre­sen­ça no ac­to so­le­ne de as­si­na­tu­ra do acor­do de paz, que acon­te­ce em Car­ta­ge­na das Ín­di­as. Os Pre­si­den­tes de Cu­ba, Raúl Cas­tro, cu­jo país foi an­fi­trião das con­ver­sa­ções com as FARC, da Ve­ne­zu­e­la, Ni­co­lás Ma­du­ro, e do Chi­le, Mi­chel­le Ba­che­let, já con­fir­ma­ram a pre­sen­ça na ce­ri­mó­nia.

Tam­bém con­fir­ma­ram pre­sen­ça os Pre­si­den­tes En­ri­que Ni­e­to (Mé­xi­co), Jimmy Mo­ra­les (Gu­a­te­ma­la), Ju­an Her­nán­dez (Hon­du­ras), Sal­va­dor Ce­rén (El Sal­va­dor), Ju­an Va­re­la (Pa­na­má), Luis So­lís (Cos­ta Ri­ca), Ra­fa­el Cor­rea (Equa­dor), Pe­dro Kuczyns­ki (Pe­ru), Ho­ra­cio Car­tes (Pa­ra­guai) e Da­ni­lo Me­di­na (Re­pú­bli­ca Do­mi­ni­ca­na).

Os se­cre­tá­ri­os-ge­rais da Or­ga­ni­zac­ção das Na­ções Uni­das, Ban Ki­mo­on, da Or­ga­ni­za­ção dos Es­ta­dos Ame­ri­ca­nos (OEA), Luis Al­ma­gro, e o se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Va­ti­ca­no, Pi­e­tro Pa­ro­lin, tam­bém vão es­tar pre­sen­tes.

Tam­bém con­fir­ma­ram pre­sen­ça no ac­to so­le­ne de as­si­na­tu­ra do acor­do de paz na a al­ta re­pre­sen­tan­te da União Eu­ro­peia pa­ra as Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Fe­de­ri­ca Moghe­ri­ni, en­tre ou­tros dig­ni­tá­ri­os.

O Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU dis­se ser um pri­vi­lé­gio pa­ra a or­ga­ni­za­ção “par­ti­ci­par nes­te es­for­ço de le­var a paz ao úl­ti­mo con­fli­to do He­mis­fé­rio Oci­den­tal, que du­rou mais de 50 anos”.

O Pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no Ba­rack Oba­ma dis­se que o acor­do de paz po­de me­lho­rar a se­gu­ran­ça e a pros­pe­ri­da­de do po­vo co­lom­bi­a­no.

AFP

Gu­er­ri­lhei­ros das FARC dão apoio unâ­ni­me ao acor­do de paz com o Go­ver­no co­lom­bi­a­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.