Há luz no fun­do do tú­nel

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Pre­si­den­te da Guiné Bissau, Jo­sé Má­rio Vaz, re­ve­lou op­ti­mis­mo quan­to ao fim do que cha­mou de “de­sen­ten­di­men­to” e afir­mou que “há luz no fun­do do tú­nel” pa­ra a saí­da da cri­se po­lí­ti­ca e ins­ti­tu­ci­o­nal en­tre as par­tes de­sa­vin­das. À mar­gem da 71.ª ses­são da As­sem­bleia-Ge­ral da ONU, Jo­sé Má­rio Vaz fa­lou à Rá­dio ONU, pa­ra “ex­pli­car o que se pas­sa” no seu país.

“A con­fe­rên­cia de che­fes de Es­ta­do da Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Es­ta­dos da Áfri­ca Oci­den­tal (CEDEAO), em Da­kar, de­ci­diu en­vi­ar al­guns che­fes de Es­ta­do, co­le­gas, pa­ra nos aju­da­rem na saí­da des­sa cri­se. Ho­je, na Gui­néBis­sau, há um blo­queio no fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções e pro­ble­mas no pro­gra­ma de Go­ver­no que não con­se­guiu ser apro­va­do, as­sim co­mo o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do, de­vi­do ao blo­queio no Par­la­men­to”, dis­se.

A mis­são da CEDEAO, con­ti­nu­ou, foi mui­to bem-su­ce­di­da, “por­que deu ori­gem a um ro­tei­ro com seis pon­tos e es­ses são ex­tre­ma­men­te im­por­tan­tes”. “Pos­so di­zer que a si­tu­a­ção es­tá a an­dar bem e que es­ta­mos pra­ti­ca­men­te a ver a luz no fun­do do tú­nel pa­ra sair des­sa cri­se”, afir­mou.

Jo­sé Má­rio Vaz dis­se que a CPLP (Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa) po­de aju­dar os gui­ne­en­ses do pon­to de vis­ta fi­nan­cei­ro e po­lí­ti­co, pa­ra re­sol­ver o im­pas­se ins­ti­tu­ci­o­nal. “Do pon­to de vis­ta po­lí­ti­co, po­de aju­dar na apro­xi­ma­ção das par­tes, o que já es­tá a ser fei­to, e do pon­to de vis­ta fi­nan­cei­ro é im­por­tan­te por­que é o es­pa­ço on­de nós po­de­mos, de fac­to, tro­car mui­tas in­for­ma­ções”, es­cla­re­ceu. Ao dis­cur­sar pe­la pri­mei­ra vez na As­sem­bleia-Ge­ral da ONU, Jo­sé Má­rio Vaz afir­mou que a cri­se no país “já não é de ca­riz po­lí­ti­co-mi­li­tar, mas ape­nas po­lí­ti­co-ins­ti­tu­ci­o­nal”.

O Che­fe de Es­ta­do gui­ne­en­se su­bli­nhou que, “des­de o iní­cio do man­da­to, não hou­ve um úni­co dis­pa­ro de ar­mas por par­te dos mi­li­ta­res e pa­ra­mi­li­ta­res, nin­guém foi mor­to ou es­pan­ca­do por ra­zões po­lí­ti­cas, não fo­ram re­gis­ta­dos ca­sos de pri­sões ar­bi­trá­ri­as, há li­ber­da­de de ex­pres­são, de im­pren­sa e de ma­ni­fes­ta­ção, e não se co­lo­cam ques­tões de vi­o­la­ção de di­rei­tos hu­ma­nos”.

Jo­sé Má­rio Vaz rei­te­rou o com­pro­mis­so de “tu­do fa­zer”, atra­vés do diá­lo­go, pa­ra con­so­li­dar a paz e a es­ta­bi­li­da­de na Guiné-Bissau, e pe­diu aju­da à ONU “na ma­te­ri­a­li­za­ção da im­por­tan­te re­for­ma do sec­tor de de­fe­sa e se­gu­ran­ça, no con­tro­lo de ar­ma­men­to e ges­tão de ma­te­ri­al de gu­er­ra e ob­ten­ção de fun­dos pa­ra a rein­te­gra­ção dos des­mo­bi­li­za­dos”.

Ao con­cluir o seu dis­cur­so, Jo­sé Má­rio Vaz re­cor­dou que “os apoi­os dos par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais, con­subs­tan­ci­a­dos na Me­sa Re­don­da de Bru­xe­las, tra­du­zem de for­ma inequí­vo­ca a aten­ção pa­ra com a si­tu­a­ção do Es­ta­do e po­pu­la­ções gui­ne­en­ses”, ra­zão pe­la qu­al, “tal co­mo pro­me­ti­do, es­pe­ra­mos que os par­cei­ros nos aju­dem, pa­ra que o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co pos­sa ser um mo­tor pa­ra a paz e a es­ta­bi­li­da­de no nos­so país”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.