An­go­la­no cria apli­ca­ção pa­ra lo­ca­li­zar mo­ra­di­as

O sis­te­ma foi de­sen­vol­vi­do por João Main­sel pa­ra o con­tex­to de com­ple­xi­da­de ur­ba­na

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - NATACHA RO­BER­TO |

Uma em­pre­sa an­go­la­na lan­ça, nos pró­xi­mos di­as, em Lu­an­da uma apli­ca­ção que tem por fun­ção lo­ca­li­zar en­de­re­ços com co­di­fi­ca­ção nu­mé­ri­ca de imó­veis e ru­as.

O pes­qui­sa­dor e em­pre­sá­rio João Main­sel, pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Ocans Ma­na­ge­ment, dis­se que o sis­te­ma de co­di­fi­ca­ção nu­mé­ri­ca de imó­veis tem o no­me de CLEP, que sig­ni­fi­ca Có­di­go Lo­cal de En­de­re­ço e Pro­pri­e­da­de, e foi de­sen­vol­vi­do pa­ra um con­tex­to de com­ple­xi­da­de ur­ba­na, re­sul­tan­te do fac­to de mui­tos imó­veis e ru­as não pos­suí­rem iden­ti­fi­ca­ção.

“Te­mos qua­se se­te mi­lhões de ha­bi­tan­tes em Lu­an­da que pre­ci­sam de ter mo­ra­dia iden­ti­fi­cá­vel pa­ra que as en­ti­da­des pú­bli­cas e pri­va­das con­si­gam pres­tar um bom ser­vi­ço à po­pu­la­ção, so­bre­tu­do a que vi­ve em zo­nas de di­fí­cil aces­so e lo­ca­li­za­ção”, ex­pli­cou o em­pre­sá­rio an­go­la­no. Pa­ra o aces­so ao sis­te­ma de co­di­fi­ca­ção nu­mé­ri­ca de imó­veis, dis­se o em­pre­sá­rio, as pes­so­as de­vem fa­zer o re­gis­to de for­ma gra­tui­ta, de­ven­do re­ce­ber o nú­me­ro de CLEP, que é co­lo­ca­do na apli­ca­ção do te­le­mó­vel, pa­ra que se­ja iden­ti­fi­ca­da uma mo­ra­dia.

João Main­sel dis­se ter de­sen­vol­vi­do pa­ra o mun­do dos ne­gó­ci­os uma so­lu­ção que se re­su­me a um cor­res­pon­den­te ban­cá­rio, al­go que exis­te em al­guns paí­ses com pou­cos ban­cos nas co­mu­ni­da­des. Nes­ses paí­ses, adi­an­tou, as ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as uti­li­zam equi­pa­men­tos so­ci­ais, co­mo lo­jas de con­ve­ni­ên­cia, far­má­ci­as e pos­tos de com­bus­tí­veis, pa­ra se­rem usa­dos co­mo cor­res­pon­den­tes ban­cá­ri­os.

A pes­qui­sa que de­sen­vol­veu vi­sa au­men­tar a ca­pa­ci­da­de dos ban­cos e re­du­zir cus­tos pa­ra a cons­tru­ção de uma agên­cia nu­ma pe­que­na co­mu­ni­da­de.

“Ses­sen­ta por cen­to da nos­sa eco­no­mia é in­for­mal, o que sig­ni­fi­ca que es­ta per­cen­ta­gem de flu­xo fi­nan­cei­ro cir­cu­la fo­ra do ban­co”, sa­li­en­tou o em­pre­sá­rio, que aler­tou pa­ra a ne­ces­si­da­de da gran­de mas­sa mo­ne­tá­ria es­tar no ban­co pa­ra fi­nan­ci­ar a eco­no­mia. O cor­res­pon­de ban­cá­rio po­de ser fí­si­co ou elec­tró­ni­co, mas a sua fun­ção é ti­rar pes­so­as da in­for­ma­li­da­de, re­a­fir­mou o em­pre­sá­rio, que dis­se ter co­mo so­lu­ção a tec­no­lo­gia You, uma apli­ca­ção que co­mu­ni­ca com um co­fre in­te­li­gen­te, que po­de ser ins­ta­la­do em qual­quer lu­gar. Uma pes­soa, por exem­plo, quan­do vai pa­gar o con­su­mo de água, co­lo­ca o di­nhei­ro no co­fre, de­ven­do a má­qui­na en­vi­ar de­pois pa­ra o te­le­mó­vel a in­for­ma­ção de pa­ga­men­to.

A tec­no­lo­gia foi cri­a­da pa­ra evi­tar tam­bém que as pes­so­as te­nham pro­ble­mas no for­ne­ci­men­to de água, por in­su­fi­ci­ên­cia de fis­cais pa­ra fa­ze­rem co­bran­ças e cor­tes. Atra­vés de um con­ta­dor, tam­bém in­te­li­gen­te, que co­mu­ni­ca com o co­fre, li­ga­do à re­de You, o cli­en­te po­de efec­tu­ar o pa­ga­men­to, en­cos­tan­do o te­le­mó­vel ao con­ta­dor pa­ra o sis­te­ma ac­ti­var au­to­ma­ti­ca­men­te.

O mes­mo sis­te­ma po­de in­ter­rom­per o for­ne­ci­men­to de água sem­pre que não se pa­gue, as­sim co­mo activa de­pois de o pa­ga­men­to ser fei­to, à se­me­lhan­ça do que acon­te­ce com a ener­gia pré-pa­ga. A in­ten­ção do em­pre­sá­rio não é ven­der a tec­no­lo­gia ao ope­ra­dor, mas ce­le­brar um con­tra­to pa­ra a em­pre­sa pres­tar ser­vi­ço de co­bran­ça.

KINDALA MANUEL

Pes­qui­sa­dor João Main­sel dis­se a es­te jor­nal acre­di­tar no im­pac­to so­ci­al das su­as cri­a­ções

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.