An­go­la é exem­plo pa­ra o con­ti­nen­te afri­ca­no

Su­per­vi­sor da ONU-Ha­bi­tat afir­ma que o país é um dos mais ur­ba­ni­za­dos da Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - ARCÂNGELA RO­DRI­GUES |

O fun­ci­o­ná­rio sé­ni­or pa­ra os As­sen­ta­men­tos Hu­ma­nos do es­cri­tó­rio re­gi­o­nal pa­ra Áfri­ca da ONU-Ha­bi­tat, Mathi­as Spa­li­vi­e­ro, que dei­xou on­tem Lu­an­da de­pois de uma vi­si­ta de tra­ba­lho de 24 ho­ras, afir­mou que o pro­jec­to pa­ra a cons­tru­ção de um mi­lhão de ca­sas, lan­ça­do em 2008 pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, ser­viu de exem­plo pa­ra mui­tos paí­ses afri­ca­nos.

O ita­li­a­no Mathi­as Spa­li­vi­e­ro, que é a se­gun­da fi­gu­ra na hi­e­rar­quia do es­cri­tó­rio re­gi­o­nal pa­ra Áfri­ca da ONU-Ha­bi­tat, de­fen­deu, na quin­ta­fei­ra, em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, a re­a­li­za­ção pe­lo Go­ver­no de uma ava­li­a­ção do que fez até ho­je, ten­do em con­ta a ne­ces­si­da­de da re­cu­pe­ra­ção do fi­nan­ci­a­men­to pa­ra a cons­tru­ção de mais mo­ra­di­as.

“O Go­ver­no in­ves­tiu enor­mes quan­ti­da­des de di­nhei­ro”, re­co­nhe­ceu o al­to fun­ci­o­ná­rio da ONU-Ha­bi­tat, que su­bli­nhou a ne­ces­si­da­de de sa­ber quan­tas ha­bi­ta­ções já es­tão ocu­pa­das e quem es­tá a pa­gar, pa­ra que se­ja fei­ta uma aná­li­se da ges­tão fi­nan­cei­ra.

“Os in­ves­ti­men­tos na ha­bi­ta­ção são enor­mes pa­ra um país”, de­cla­rou Mathi­as Spa­li­vi­e­ro, su­bli­nhan­do que a ONU-Ha­bi­tat con­si­de­rou “uma ini­ci­a­ti­va co­ra­jo­sa” o lan­ça­men­to do pro­jec­to pa­ra a cons­tru­ção de um mi­lhão de ha­bi­ta­ções. Mathi­as Spa­li­vi­e­ro, que é su­per­vi­sor da ONU-Ha­bi­tat pa­ra 14 paí­ses afri­ca­nos, um dos quais An­go­la, afir­mou que, “co­mo es­ta­mos nu­ma épo­ca de cri­se, é pre­ci­so que se fa­ça uma aná­li­se pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca, que cons­ta do Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to”.

Mathi­as Spa­li­vi­e­ro sa­li­en­tou que o Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção, em­bo­ra se­ja uma es­tra­té­gia só­cio-eco­nó­mi­ca es­pa­ci­al, ne­ces­si­ta de um qua­dro ins­ti­tu­ci­o­nal e ju­rí­di­co-le­gal com­ple­men­tar, con­for­man­do uma Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Ha­bi­ta­ção, pa­ra que os in­ves­ti­do­res pri­va­dos pos­sam com­par­ti­ci­par na pro­du­ção de ha­bi­ta­ção. “É pre­ci­so en­ten­der que a ha­bi­ta­ção não é ape­nas ca­sa, uma vez que se de­ve ter em con­ta on­de é que es­tá a ca­sa, on­de es­tão os ser­vi­ços, se a ca­sa re­ce­be ener­gia e água, se tem um sis­te­ma de sa­ne­a­men­to, aces­so à rua e co­mo é fi­nan­ci­a­da”, acen­tu­ou o fun­ci­o­ná­rio su­pe­ri­or da ONU-Ha­bi­tat.

O su­per­vi­sor afir­mou que, em Áfri­ca, o sec­tor da cons­tru­ção é uma lo­co­mo­ti­va eco­nó­mi­ca. Em An­go­la, “tu­do o que é fei­to no âm­bi­to da cons­tru­ção ge­ra em­pre­go e in­ves­ti­men­tos”, exem­pli­fi­cou.“A au­to­cons­tru­ção di­ri­gi­da ain­da não atin­giu os ní­veis es­pe­ra­dos”, acen­tu­ou Mathi­as Spa­li­vi­e­ro, que de­fen­deu tam­bém que se de­ve dar pri­o­ri­da­de ao in­ves­ti­men­to de in­fra-es­tru­tu­ras pa­ra os ser­vi­ços bá­si­cos.

Es­cri­tó­rio em An­go­la

A aber­tu­ra em An­go­la de um es­cri­tó­rio sub-re­gi­o­nal da ONU-Ha­bi­tat es­tá con­di­ci­o­na­da à exis­tên­cia de fi­nan­ci­a­men­tos, in­for­mou Mathi­as Spa­li­vi­e­ro, que dis­se ter si­do o país es­co­lhi­do pe­la sua lo­ca­li­za­ção ge­o­grá­fi­ca, ca­pa­ci­da­de e di­nâ­mi­ca no âm­bi­to da ha­bi­ta­ção.

O al­to fun­ci­o­ná­rio da ONU-Ha­bi­tat deu ên­fa­se ao fac­to de An­go­la ser um dos paí­ses mais ur­ba­ni­za­dos da Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na. Em sua opi­nião, a No­va Agen­da Ur­ba­na, que vai ser lan­ça­da na Con­fe­rên­cia pa­ra Ha­bi­ta­ção e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no Sus­ten­tá­vel, a re­a­li­zar-se em Ou­tu­bro, no Equa­dor, “é uma opor­tu­ni­da­de pa­ra o mun­do en­xer­gar a ur­ba­ni­za­ção co­mo uma so­lu­ção pa­ra o fu­tu­ro e não co­mo um pro­ble­ma”.

KINDALA MANUEL

Mathi­as Spa­li­vi­e­ro con­si­de­rou uma ati­tu­de co­ra­jo­sa o lan­ça­men­to do pro­jec­to pa­ra cons­tru­ção de um mi­lhão de ca­sas e re­co­nhe­ceu a ca­pa­ci­da­de e a di­nâ­mi­ca de An­go­la nes­ta fa­se de re­cons­tru­ção

PAU­LO MULAZA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.