“Te­mos ain­da mui­to que fa­zer”

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Bastonário da Ordem dos Advogados, Her­me­ne­gil­do Ca­chim­bom­bo, dis­se na Huí­la que além de se­rem mui­to pou­cos os advogados em An­go­la, exis­te ain­da o pro­ble­ma da sua dis­tri­bui­ção ge­o­grá­fi­ca. O bastonário re­co­nhe­ce exis­tir um cer­to cres­ci­men­to na área de ad­vo­ca­cia, mas ad­mi­tiu que os mil e 700 advogados são “in­su­fi­ci­en­tes pa­ra res­pon­der à de­man­da”. Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, no Lu­ban­go, à mar­gem da Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal dos Advogados de An­go­la, que já vai na quin­ta edi­ção, o Bastonário de­fen­deu que é pre­ci­so um es­for­ço mai­or pa­ra cor­ri­gir a si­tu­a­ção de dé­fi­ce de cau­sí­di­cos no país.

O Bastonário da Ordem dos Advogados de An­go­la (OAA) de­fen­deu na ci­da­de do Lu­ban­go que é pre­ci­so um es­for­ço mai­or pa­ra cor­ri­gir a si­tu­a­ção de dé­fi­ce de cau­sí­di­cos no país.

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, fei­tas à mar­gem da Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal dos Advogados de An­go­la, que já vai na quin­ta edi­ção, Her­me­ne­gil­do Ca­chim­bom­bo dis­se que além de se­rem ain­da mui­to pou­cos os advogados em An­go­la, exis­te ain­da o pro­ble­ma da sua dis­tri­bui­ção ge­o­grá­fi­ca. O bastonário re­co­nhe­ce exis­tir um cer­to cres­ci­men­to na área de ad­vo­ca­cia, mas ad­mi­tiu que os mil e 700 advogados são in­su­fi­ci­en­tes pa­ra res­pon­der à de­man­da.

“São ne­ces­sá­ri­os pe­lo me­nos oi­to mil advogados pa­ra sa­tis­fa­zer os ní­veis de pro­cu­ra des­se ser­vi­ço”, dis­se o ad­vo­ga­do, que re­al­ça o fac­to de 40 advogados es­ta­rem con­fi­na­dos nas pro­vín­ci­as do Na­mi­be e da Huí­la. Pa­ra col­ma­tar es­ta si­tu­a­ção, o bastonário in­for­mou que a OAA está a ins­ta­lar ga­bi­ne­tes de re­pre­sen­ta­ção pe­las pro­vín­ci­as, com o ob­jec­ti­vo de le­var os ser­vi­ços de ad­vo­ca­cia pa­ra jun­to das po­pu­la­ções. Se­gun­do o res­pon­sá­vel, es­pe­ra-se que den­tro de dois anos es­sas me­di­das co­me­cem a sur­tir efei­tos po­si­ti­vos, pois a Ordem está a in­cen­ti­var os no­vos es­tu­dan­tes e li­cen­ci­a­dos em Di­rei­to a abra­ça­rem a ad­vo­ca­cia co­mo pro­fis­são, pa­ra que es­tas in­su­fi­ci­ên­ci­as se­jam col­ma­ta­das. Her­me­ne­gil­do Ca­chim­bom­bo as­su­miu co­mo obri­ga­ção da Ordem ele­var a cons­ci­ên­cia ju­rí­di­ca dos ci­da­dãos, não só na pers­pec­ti­va do aces­so aos tri­bu­nais, mas tam­bém na in­for­ma­ção e na edu­ca­ção dos ci­da­dãos em par­ce­ria com os ór­gãos de Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al. “Te­mos fei­to e le­va­do aca­bo uma sé­rie de ac­ti­vi­da­des, cu­jo ob­jec­ti­vo é de ele­var a cons­ci­ên­cia ju­rí­di­ca dos ci­da­dãos pa­ra que eles com­pre­en­dam os ins­tru­men­tos le­gais quan­do be­ne­fi­ci­a­rem da as­sis­tên­cia ju­rí­di­ca”, su­bli­nhou.

No en­con­tro que se re­a­li­zou sob o le­ma “A ad­vo­ca­cia e os efei­tos eco­nó­mi­cos e so­ci­ais”, os 350 par­ti­ci­pan­tes abor­da­ram te­mas co­mo a “Re­vi­são dos es­ta­tu­tos da Ordem dos Advogados de An­go­la” e a “Di­ver­si­fi­ca­ção da Eco­no­mia”.

Du­ran­te dois di­as, os advogados fa­la­ram so­bre o “Po­si­ci­o­na­men­to da OAA pe­ran­te os ór­gãos da ad­mi­nis­tra­ção da jus­ti­ça/re­la­ci­o­na­men­to en­tre os ope­ra­do­res fo­ren­ses” e o “Di­rei­to de de­fe­sa e o exer­cí­cio das li­ber­da­des fun­da­men­tais”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.