À ES­QUI­NA DO TEM­PO “Os sa­pos de fo­ra não chi­am”

Jornal de Angola - - OPINIÃO - CÂNDIDO LINCE |

Tal co­mo os as­sun­tos da nos­sa vi­da pri­va­da, há ques­tões da nos­sa vi­da so­ci­al, que, por se­rem nos­sas, te­mos de as res­guar­dar da cos­cu­vi­lhi­ce alheia. Tal co­mo a pru­dên­cia que rei­na em ou­tros paí­ses em re­la­ção a as­sun­tos que ape­nas a eles di­zem res­pei­to (e que nós sem­pre sou­be­mos res­pei­tar), tam­bém nós, com sen­ti­do de Es­ta­do, te­mos de nos pro­te­ger de abu­si­vas in­ge­rên­ci­as ex­ter­nas. Pe­lo que sei, nun­ca pas­sá­mos qual­quer pro­cu­ra­ção a quem quer que se­ja, pa­ra re­sol­ve­rem coi­sas, que só a nós di­zem res­pei­to. Não es­ta­mos de­pen­den­tes de nin­guém e não nos po­de­mos su­jei­tar às in­sa­ná­veis obs­ti­na­ções de ten­dên­cia ne­o­co­lo­ni­al, sis­te­ma­ti­ca­men­te ma­ni­fes­ta­das por gen­te da clas­se po­lí­ti­ca e em­pre­sa­ri­al por­tu­gue­sa, que, por sua vez, é apoi­a­da por al­guns ten­den­ci­o­sos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, sem­pre dis­po­ní­veis pa­ra fa­zer man­che­te so­bre o que ape­nas há de ne­ga­ti­vo em An­go­la.

Ape­sar dos mais de 40 anos de in­de­pen­dên­cia, há, la­men­ta­vel­men­te, ain­da pes­so­as in­ca­pa­zes de se re­la­ci­o­na­rem con­nos­co com ba­se em prin­cí­pi­os de ho­ri­zon­ta­li­da­de, on­de pre­va­le­ça o res­pei­to mú­tuo e o re­co­nhe­ci­men­to (de fac­to e de ju­ri) do di­rei­to de to­dos os po­vos se­rem do­nos do seu pró­prio des­ti­no. Ca­so con­trá­rio, co­mo di­ria Mar­tin Luther King “pa­ra cri­ar ini­mi­gos não é ne­ces­sá­rio de­cla­rar guer­ra, bas­ta di­zer o que pen­sa”. Mas não é, nem nun­ca foi es­se o de­se­jo dos an­go­la­nos, ape­sar da pe­sa­da he­ran­ça de do­mi­na­ção e sub­ju­ga­ção ao trá­fi­co ne­grei­ro (o mai­or ge­no­cí­dio al­gu­ma vez pra­ti­ca­do con­tra a hu­ma­ni­da­de, en­tre os sé­cu­los XV e XIX), da di­vi­são dos an­go­la­nos em as­si­mi­la­dos e in­dí­ge­nas e da con­se­quen­te ex­plo­ra­ção co­lo­ni­al com prá­ti­cas aber­ran­tes de tra­ba­lho for­ça­do… Mas, os an­go­la­nos não são re­van­chis­tas e têm mos­tra­do que sa­bem re­la­ci­o­nar-se, em pé de igual­da­de, co­mo to­dos os po­vos do mun­do.

Diz o di­ta­do que “sa­pos de fo­ra não chi­am”. Re­cor­ro à fi­lo­so­fia po­pu­lar por cons­ta­tar que, na mai­or par­te das ve­zes, há opi­niões que nos che­gam de fo­ra, isen­tas de com­pre­en­são e co­nhe­ci­men­to dos nos­sos re­ais pro­ble­mas. As opi­niões, por si só, va­lem o que va­lem. Po­rém, são me­nos apre­ci­a­das por nós, quan­do são des­ca­ra­da­men­te im­buí­das de má-fé e ain­da te­mos de as­sis­tir de­pois a ma­ni­fes­ta­ções de vi­ti­mi­za­ção.

Ho­je, pa­ra en­co­brir es­se pas­sa­do de opres­são so­bre os po­vos que, du­ran­te sé­cu­los, es­ti­ve­ram su­jei­tos à do­mi­na­ção co­lo­ni­al, há po­lí­ti­cos por­tu­gue­ses que se apre­sen­tam em fó­runs in­ter­na­ci­o­nais co­mo sen­do, des­de sem­pre, os mai­o­res pa­la­di­nos dos di­rei­tos hu­ma­nos e ocul­tam por completo, nas su­as fer­vo­ro­sas de­nún­ci­as con­tra o Es­ta­do an­go­la­no, a he­ran­ça de he­di­on­dos cri­mes pra­ti­ca­dos no pas­sa­do con­tra os pró­pri­os an­go­la­nos. A his­tó­ria tem me­mó­ria e tem re­pa­ro des­de que se for­ma­li­ze ofi­ci­al­men­te um pe­di­do de des­cul­pas, que nun­ca foi se­quer al­gu­ma vez equa­ci­o­na­do. O re­van­chis­mo não faz par­te da nos­sa ma­nei­ra de es­tar na vi­da. Mas, quem acha que po­de sem­pre di­zer o que quer, tem tam­bém de apren­der a ou­vir o que não gos­ta.

Há quem afir­me que há fo­me e po­bre­za ex­tre­ma em An­go­la e é ver­da­de. Fo­mos ví­ti­mas de uma guer­ra co­lo­ni­al, fo­mos ví­ti­mas de uma guer­ra con­tra in­va­sões es­tran­gei­ras com par­ti­ci­pa­ção ac­ti­va de mer­ce­ná­ri­os, for­mos ví­ti­mas, du­ran­te dé­ca­das, de uma guer­ra fra­tri­ci­da. Po­rém, mui­tos dos que usam o dis­cur­so da po­bre­za ex­tre­ma e da fo­me em An­go­la, pa­re­ce que as­so­bi­am pa­ra la­do, ao pre­sen­ci­a­rem, no lar­go do Sal­da­nha, em ple­no co­ra­ção de Lis­boa, à lon­ga fi­la de in­di­gen­tes por­tu­gue­ses na fi­la da so­pa.

So­mos, co­mo a mai­o­ria dos paí­ses em Áfri­ca, uma na­ção em cons­tru­ção, on­de o sen­ti­do de an­go­la­ni­da­de – a iden­ti­da­de de um só po­vo – te­rá ain­da de ser con­so­li­da­da. Por ra­zões de ordem his­tó­ri­ca, cul­tu­ral e ide­o­ló­gi­ca emer­gi­mos de um mo­der­no mo­vi­men­to na­ci­o­na­lis­ta, que cres­ceu di­vi­di­do e foi pro­fun­da­men­te in­flu­en­ci­a­do pe­las cor­ren­tes ide­o­ló­gi­cas da guer­ra-fria.

Se, ou­tro­ra, as po­lí­ti­cas re­sul­tan­tes de uma eco­no­mia cen­tra­li­za­da mos­tra­ram-se in­ca­pa­zes de re­sol­ver os nos­sos pro­ble­mas e fo­ram, con­for­me se afir­ma, ra­zão pa­ra a fal­ta de de­mo­cra­cia e di­vi­são en­tre an­go­la­nos, ho­je, no ac­tu­al con­tex­to ne­o­li­be­ral, on­de a ele­va­da com­pe­ti­ti­vi­da­de re­sul­tan­te da glo­ba­li­za­ção da eco­no­mia vem con­cor­ren­do pa­ra o agra­va­men­to das as­si­me­tri­as so­ci­ais em to­do o mun­do, tam­bém não é so­lu­ção pa­ra os nos­sos pro­ble­mas. Se­gun­do o Re­la­tó­rio do De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no de 2002, pre­via-se a exis­tên­cia de cer­ca de 840 mi­lhões de pes­so­as em si­tu­a­ção de fo­me, das quais 799 mi­lhões ha­bi­ta­vam nos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, 30 mi­lhões nos paí­ses em tran­si­ção e 11 mi­lhões nos paí­ses in­dus­tri­a­li­za­dos.

A cor­rup­ção, ou o “no­vo tri­ba­lis­mo” co­mo foi ape­li­da­do por Ba­sil Da­vid­son, no seu li­vro “O Far­do do Ho­mem Ne­gro – Os efei­tos do Es­ta­do-na­ção em Áfri­ca” é fac­tor de de­ses­tru­tu­ra­ção das so­ci­e­da­des, fe­re prin­cí­pi­os de­on­to­ló­gi­cos e ob­vi­a­men­te te­rá de ser sem­pre com­ba­ti­da. Po­rém, co­mo re­fe­re Le­an­dro Kar­nal, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Cam­pi­nas, a ques­tão da cor­rup­ção não é um pro­ble­ma de um só Es­ta­do, de uma qual­quer na­ção ou de um qual­quer par­ti­do po­lí­ti­co, já que, in­de­pen­den­te­men­te das mu­dan­ças que se ope­ra­ram pa­ra com­ba­tê-la, ela não dei­xa de per­ma­ne­cer em qua­se to­do o mun­do.

Se­gun­do Kar­nal, a ques­tão da cor­rup­ção é, an­tes de mais, um sé­rio pro­ble­ma so­ci­al, que, na mai­or par­te das ve­zes, co­me­ça na pró­pria fa­mí­lia. A tí­tu­lo de exem­plo, quan­do o pai men­te ao pro­fes­sor di­zen­do que o filho está do­en­te, pu­ra e sim­ples­men­te por­que o mes­mo não lhe ape­te­ce na­que­le dia ir à es­co­la (e a cri­an­ça aper­ce­be-se da men­ti­ra dos pais). Quan­do a mãe pro­cu­ra su­bor­nar o pro­fes­sor, pa­ra que o seu filho pas­se de clas­se sem es­tar de­vi­da­men­te pre­pa­ra­do (e a cri­an­ça, ce­do ou tar­de, to­ma co­nhe­ci­men­to dis­so).

Nas coi­sas apa­ren­te­men­te mais sim­ples e inó­cu­as, agu­ça-se, após o su­ces­so da frau­de, o ape­ti­te pa­ra as coi­sas mais com­ple­xas, mais ren­tá­veis e abre-se es­pa­ço pa­ra a pros­se­gui­men­to de fe­nó­me­nos de cor­rup­ção, on­de, nu­ma pe­que­na frac­ção da pi­râ­mi­de, a um ní­vel mais al­to, mais vi­sí­vel e mais me­di­a­ti­za­do, apa­re­ce a de­nún­cia de cor­rup­ção em uma qual­quer em­pre­sa, em um qual­quer par­ti­do po­lí­ti­co ou em um qual­quer go­ver­no ins­ti­tuí­do. Uma ques­tão so­ci­al, que, a ní­vel pla­ne­tá­rio, te­rá de ser me­lhor es­tu­da­da, pa­ra que pos­sa ser efi­ci­en­te­men­te su­pe­ra­da, com apoio de pro­ces­sos edu­ca­ti­vos e a co­la­bo­ra­ção de to­dos os ac­to­res so­ci­ais.

Mas nem sem­pre a cri­a­ção de ri­que­za está as­so­ci­a­da a fe­nó­me­nos de cor­rup­ção. De acor­do com Edu­ar­do Paz Fer­rei­ra, no seu li­vro “Va­lo­res e In­te­res­ses. De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co e Po­lí­ti­ca Co­mu­ni­tá­ria de Co­o­pe­ra­ção”, a cri­a­ção e o de­sen­vol­vi­men­to da bur­gue­sia na­ci­o­nal, en­quan­to an­te­câ­ma­ra de qual­quer pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­ta­do, “(…) mui­tas ve­zes le­vou ao au­men­to da de­si­gual­da­de, ao mes­mo tem­po que di­mi­nuía a co­e­são so­ci­al, pon­do em cau­sa va­lo­res tra­di­ci­o­nal­men­te es­tru­tu­ran­tes des­sas so­ci­e­da­des.”

Te­re­mos de che­gar ao mo­men­to de ser­mos ca­pa­zes de as­su­mir­mos in­te­gral­men­te os as­pec­tos po­si­ti­vos e ne­ga­ti­vos da nos­sa pró­pria me­mó­ria co­lec­ti­va, pa­ra que nin­guém de fo­ra, por ve­zes sem mo­ral pa­ra o fa­zer, nos man­de re­ca­dos, pe­la im­pren­sa es­tran­gei­ra, so­bre o que de­ve­mos ou não fa­zer. Os sa­pos de fo­ra, quan­do bem edu­ca­dos, só de­vem chi­ar quan­do são so­li­ci­ta­dos pa­ra tal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.