Ki­ku­an­ga com ma­kai­a­bo é igua­ria tí­pi­ca do Zai­re

Jornal de Angola - - BOM APETITE - FERNANDO NE­TO

Acu­li­ná­ria da pro­vín­cia do Zai­re é ri­ca em di­ver­si­da­de de igua­ri­as de­li­ci­o­sas, con­fec­ci­o­na­das à ba­se de pro­du­tos co­lhi­dos di­rec­ta­men­te do cam­po. En­tre os vá­ri­os qui­tu­tes que po­dem ser de­gus­ta­dos na re­gião, des­ta­cam-se as ki­ku­an­gas de ntolô­la e nses­sa, que são gé­ne­ros ali­men­tí­ci­os de­ri­va­dos da man­di­o­ca. Os mo­dos de pre­pa­ra­ção va­ri­am em fun­ção da qua­li­da­de da man­di­o­ca, amar­ga ou do­ce, com co­lo­ra­ção ama­re­la­da ou bran­ca. A ki­ku­an­ga, uma es­pé­cie de fun­je en­ro­la­da em fo­lhas sil­ves­tres, é fei­ta de man­di­o­ca amar­ga. O pro­ces­so de con­fec­ção co­me­ça com a co­lo­ca­ção da man­di­o­ca na água sem as cas­cas, por três di­as. De­pois são ex­traí­das to­das as raí­zes e o bom­bó é pos­to num sa­co de se­ra­pi­lhei­ra, on­de per­ma­ne­ce por mais três di­as a fim de es­cor­rer a água. Fin­do es­te pe­río­do, vai à fer­vu­ra e de se­gui­da é amas­sa­da. A mas­sa é re­par­ti­da em pe­que­nas por­ções que são en­ro­la­das em fo­lhas apro­pri­a­das e le­va­das à fer­vu­ra no­va­men­te, es­tan­do des­te mo­do pron­ta pa­ra o con­su­mo. A ki­ku­an­ga po­de ser acom­pa­nha­da de pei­xe, ba­ca­lhau ou ocapy, de pre­fe­rên­cia fri­to, vul­go ma­cai­a­bo. A Ntolô­la, ou­tro con­di­men­to en­ro­la­do de fo­lhas sil­ves­tres de­ri­va­do de man­di­o­ca do­ce, po­de ser de­gus­ta­da com ki­ta­ba (jin­gu­ba moí­da, mis­ta com jin­dun­go e sal). Nor­mal­men­te, é uti­li­za­da co­mo ape­ri­ti­vo, mui­to apre­ci­a­do no Zai­re, Ca­bin­da e Uí­ge nos mo­men­tos de la­zer. Quan­do é fei­ta com man­di­o­ca amar­ga, a Ntolô­la é tri­tu­ra­da com pou­co sal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.