Brin­ca­dei­ras do pas­sa­do são re­tra­ta­das em con­tos

Jornal de Angola - - CULTURA -

O li­vro de­di­ca­do a cri­an­ças “Du­as His­tó­ri­as de En­can­tar”, da au­to­ria de Cre­mil­da de Li­ma, com ilus­tra­ções de Ana Va­len­te, é apre­sen­ta­do no dia 28, a par­tir das 18 ho­ras, no Ca­mões - Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, em Luanda.

Edi­ta­do pe­la Leya Tex­to Edi­to­res e apre­sen­ta­do por Ke­nia Ca­mo­tim, o li­vro nar­ra du­as his­tó­ri­as, sen­do que a pri­mei­ra, “Uma Aven­tu­ra nas Nu­vens”, trans­por­ta-nos pa­ra uma vi­a­gem de avião, “o gran­de pás­sa­ro de fer­ro do qual se avis­ta um mar de flo­cos de al­go­dão for­man­do ani­mais, flo­res, anões e gi­gan­tes, um ver­da­dei­ro par­que de di­ver­sões”, de acor­do com um co­mu­ni­ca­do de im­pren­sa.

O li­vro “Du­as His­tó­ri­as de En­can­tar” é uma vi­a­gem que tam­bém in­cluiu um “so­nho” com os ami­gos Mar­ta, Li­li­a­na e Rui, fa­zen­do-os “flu­tu­ar nas nu­vens”, em ro­da.

A se­gun­da his­tó­ria, com o tí­tu­lo “Brin­ca­dei­ras ao Lu­ar”, pas­sa-se no Mor­ro da Mai­an­ga, on­de os fru­tos ga­nham vi­da, dan­çam e brin­cam com as cri­an­ças.

O Sa­pe-Sa­pe brin­ca às es­con­di­das, a Fru­ta Pi­nha brin­ca à ro­da, a Ca­ram­bo­la jo­ga às pe­dri­nhas, o Ca­ju e a Man­ga jo­gam à ma­ca­ca.

A es­tes, jun­tam-se mui­tos ou­tros fru­tos, co­mo a Ga­ja­ja, Pi­tan­ga, Tam­ba­ri­no, Ba­na­na, Aba­ca­xi, Ro­mã, La­ran­ja, Pa­paia, Nês­pe­ra e as Mú­cu­as so­li­tá­ri­as e tris­tes, no al­to do Im­bon­dei­ro, que por ma­gia do so­ba se sol­ta­ram e pu­de­ram sal­tar à cor­da.A es­ta ro­da jun­tou-se a Ru­ki­ta, pa­ra jú­bi­lo da sua avó que não gos­ta­va que ela es­ti­ves­se sem­pre agar­ra­da aos jo­gos de com­pu­ta­dor. “Uma noi­te de lu­ar em que não só os fru­tos brin­cam, jo­gam, di­ver­tem-se e a Lua sor­ri!... até os mais ve­lhos es­tão en­can­ta­dos e vol­tam aos seus tem­pos de in­fân­cia…”

Cre­mil­da de Li­ma nas­ceu em Luanda e li­cen­ci­ou-se em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção (Op­ção Pe­da­go­gia) na Es­co­la Su­pe­ri­or de Edu­ca­ção de Lei­ria, em Por­tu­gal. É pro­fes­so­ra do En­si­no Bá­si­co e mem­bro da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos e da As­so­ci­a­ção Cul­tu­ral e Re­cre­a­ti­va “Chá de Ca­xin­de”.

En­tre as múl­ti­plas obras pu­bli­ca­das in­clu­em-se “A Co­lher e o Gé­nio do Ca­na­vi­al”, “A Kyan­da e o Bar­qui­nho do Fu­xi”, “O Ma­bo­que Má­gi­co”, “O Im­bon­dei­ro que que­ria ser Ár­vo­re de Na­tal”, “Ka­bu­lo o Rei”, “O Ani­ver­sá­rio do Vovô Im­bo”, “O Ba­lão Ver­me­lho”, “Os Pa­ti­nhos no Par­que”, “O Me­do vo­ou pe­la Ja­ne­la”, “A Mú­cua que Ba­loi­ça­va ao Ven­to”, “O Ngui­ko e as Man­di­o­cas”, “O So­nho de um Ro­bo­tei­ro”, “Uli­ka e a Bo­ne­ca”, Os Es­qui­los Su­per-Rá­pi­dos”, “Ani­mais que En­can­tam”, “A Es­fre­go­na Dan­ça­ri­na”, “Os Kan­den­gues Des­fi­lam no Car­na­val e “Te­tembwa ya Di­pan­da”.

Um se­mi­ná­rio su­bor­di­na­do ao te­ma “Cons­tru­ção da per­so­na­gem à luz dos vá­ri­os di­dac­tas te­a­trais” re­a­li­za-se a 1 e 2 de Ou­tu­bro, no co­lé­gio Boa Vi­são, no bair­ro Gra­fa­nil, em Vi­a­na, nu­ma ini­ci­a­ti­va do gru­po Mu­lon­gi Ia Mbo­te.

Em de­cla­ra­ção on­tem ao Jor­nal de An­go­la, Di­e­go dos San­tos, co­or­de­na­dor da ac­ti­vi­da­de, dis­se que os te­mas vão ser dis­cu­ti­dos por via de exer­cí­ci­os prá­ti­cos, com ba­ses teó­ri­cas de dra­ma­tur­gos clás­si­cos e mo­der­nos.

Du­ran­te os dois di­as de de­ba­tes, re­al­çou, as ques­tões a se­rem apre­sen­ta­das as­sen­tam nas téc­ni­cas de cons­tru­ção da per­so­na­gem, do es­pec­tá­cu­lo e pro­ces­sos de re­pre­sen­ta­ção com ba­se nas te­o­ri­as de Sta­nis­lavs­ki, An­ne Bo­gart, Ta­dashi Su­zu­ki, An­to­nin Ar­taud e Ber­tolt Bre­cht. Pa­ra a con­ver­sa, foi con­vi­da­do o director do Enig­ma Te­a­tro e es­tu­dan­te do Cur­so Su­pe­ri­or de Ar­tes Cé­ni­cas do (Isar­tes), Tony Fram­pê­nio. En­ce­na­dor, dra­ma­tur­go e director ar­tís­ti­co, Tony Fram­pê­nio tem for­ma­ção em Te­a­tro, Te­le­vi­são e Ci­ne­ma pe­la Es­co­la bra­si­lei­ra (BRAAPA).

Fre­quen­ta o Cur­so de Te­a­tro no Isar­tes e te­ve o seu pri­mei­ro con­tac­to com a ar­te em 1992 no Se­mi­ná­rio Mai­or de Luanda, on­de es­tu­dou. É um dos ar­tis­tas da clas­se do te­a­tro da no­va va­ga com ex­ce­len­tes re­fe­rên­ci­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.