Ho­me­na­gem à se­nho­ra Ans­tee

Jornal de Angola - - PARTADA - VICTOR CARVALHO |

Mor­reu no pas­sa­do dia 25 de Agos­to, com 90 anos de ida­de, a se­nho­ra Mar­ga­retAns­tee, an­ti­ga en­vi­a­da es­pe­ci­al das Nações Unidas pa­ra An­go­la e a pes­soa que te­ve a res­pon­sa­bi­li­da­de his­tó­ri­ca de de­cla­rar co­mo li­vres e jus­tas as pri­mei­ras eleições re­a­li­za­das no país, já lá vão qua­se 24 anos.

Fo­ram mo­men­tos di­fí­ceis, mar­ca­dos pe­la in­tran­si­gên­cia dos per­de­do­res na re­cu­sa de acei­tar a de­ci­são po­pu­lar e que mar­ca­ram a his­tó­ria de An­go­la, in­fe­liz­men­te de for­ma tra­gi­ca­men­te ne­ga­ti­va.

Ami­ga e pro­fun­da ad­mi­ra­do­ra de An­go­la e dos An­go­la­nos, Mar­ga­retAns­tee foi a pri­mei­ra mu­lher a ser no­me­a­da pe­las Nações Unidas pa­ra um dos mais al­tos car­gos da or­ga­ni­za­ção.

So­bre os seus om­bros te­ve a pe­sa­da res­pon­sa­bi­li­da­de de li­de­rar a Mis­são de Ve­ri­fi­ca­ção das Nações Unidas em An­go­la (UNAVEM II), fun­da­da em 1991 e con­cluí­da em 1995, acu­mu­lan­do es­se car­go com o de re­pre­sen­tan­te es­pe­ci­al do Se­cre­tá­rio-Ge­ral da or­ga­ni­za­ção.

Du­ran­te es­se pe­río­do de tem­po, a se­nho­ra Ans­tee foi ata­ca­da, hu­mi­lha­da e vi­li­pen­di­a­da de uma for­ma to­tal­men­te mi­se­rá­vel por aque­les que tu­do fi­ze­ram pa­ra que a sua mis­são de con­se­guir a paz fa­lhas­se.

O seu tem­pe­ra­men­to bri­tâ­ni­co, de on­de se des­ta­ca­va uma su­bli­me iro­nia e apu­ra­do sen­ti­do de hu­mor, aju­da­ram-na a pas­sar ao la­do das tor­pes men­ti­ras e ca­lú­ni­as que so­bre si lan­ça­ram e que ser­vi­ram pa­ra a aju­dar a per­ce­ber quem, na ver­da­de, es­ta­va in­te­res­sa­do no fu­tu­ro dos An­go­la­nos. Por sua von­ta­de nun­ca os an­go­la­nos vol­ta­ri­am a pe­gar em ar­mas de­pois das eleições de 1992.

Pes­so­al­men­te ti­ve o pri­vi­lé­gio his­tó­ri­co de acom­pa­nhar de per­to to­dos os seus em­pe­nha­dos es­for­ços pa­ra que o re­sul­ta­do das eleições co­lo­cas­se, efec­ti­va­men­te, um pon­to fi­nal a dé­ca­das de con­fli­to.

De­pois, já com as ar­mas a ten­ta­rem im­por-se à ra­zão, con­ti­nu­ei a as­sis­tir de mui­to per­to a to­do o seu in­ten­so tra­ba­lho di­plo­má­ti­co de­sen­vol­vi­do em su­ces­si­vas ron­das ne­go­ci­ais en­tre o go­ver­no e a UNITA pa­ra que os acor­dos de paz fos­sem as­si­na­dos.

Nu­ma sa­la hú­mi­da de Abid­jan, em 1993 te­rá per­ce­bi­do a im­pos­si­bi­li­da­de de con­cre­ti­zar es­se seu ob­jec­ti­vo quan­do, já com o do­cu­men­to e os ane­xos des­ses acor­dos fei­tos e em ci­ma da me­sa pa­ra se­rem as­si­na­dos, foi con­fron­ta­da com uma es­tra­nha re­cu­sa por par­te da de­le­ga­ção da UNITA em as­si­nar aqui­lo com o que já se ti­nha te­o­ri­ca­men­te com­pro­me­ti­do, sim­ples­men­te por ter pe­di­do mais uma ho­ra pa­ra sa­tis­fa­zer com mais ri­gor uma exi­gên­cia que se pren­dia com a se­gu­ran­ça das tro­pas a se­rem re­ti­ra­das das zo­nas que es­ta­vam ocu­pa­das.

Du­ran­te to­do es­se pro­ces­so ne­go­ci­al, a se­nho­ra Ans­te­e­sem­pre fez ques­tão de dei­xar trans­pa­re­cer uma in­to­cá­vel tran­qui­li­da­de, não pres­cin­din­do dos pon­tu­ais in­ter­va­los às cin­co da tar­de de ca­da dia pa­ra to­mar um chá com lei­te, nem de ma­dru­gar às seis ho­ras pa­ra dar umas bra­ça­das na pis­ci­na do ho­tel ivoi­ri­en­se­on­de es­ta­va a me­di­a­ção ne­go­ci­al, que par­ti­lha­va com re­pre­sen­tan­tes dos Es­ta­dos Uni­dos, Rús­sia e Por­tu­gal.

Mes­mo de­pois do fim da sua mis­são em An­go­la, Mar­ga­retAns­tee aqui vol­ta­va sem­pre que po­dia, fos­se pa­ra re­ver os mui­tos ami­gos que por cá dei­xou, ou sim­ples­men­te pa­ra ma­tar sau­da­des dos lo­cais pe­los quais se apai­xo­nou.

No seu li­vro “Ór­fãos da Guer­ra Fria”, a se­nho­ra Ans­tee su­bli­nha com pro­fun­da tris­te­za a for­ma co­mo vi­veu o pe­río­do da guer­ra san­gren­ta que se aba­teu so­bre Luanda em Ou­tu­bro e No­vem­bro de 1992, apon­tan­do co­ra­jo­sa­men­te o de­do à co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal ao con­si­de­rar um “es­cân­da­lo” o fac­to de­la ter ig­no­ra­do o que na­que­le pe­río­do de es­ta­va a pas­sar em An­go­la.

Es­se epi­só­dio mar­cou-a pa­ra o res­to da vi­da e ser­viu pa­ra a aju­dar a re­for­çar os es­for­ços pe­la ob­ten­ção da paz, mas tam­bém pa­ra per­ce­ber de que la­do es­ta­va a ra­zão.

Em 2014, Mar­ga­retAns­tee es­te­ve pe­la úl­ti­ma vez em An­go­la ten­do-se en­tão reu­ni­do com o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos a quem vol­tou a ex­pres­sar to­da a sua ad­mi­ra­ção pe­la co­ra­gem e de­ter­mi­na­ção dos An­go­la­nos em tra­ba­lha­rem pa­ra ter um fu­tu­ro me­lhor.

Um fu­tu­ro que ela, in­fe­liz­men­te, já não po­de­rá ver mas que tu­do fez pa­ra que pu­des­se ter si­do tem­po­ral­men­te an­te­ci­pa­do.

An­go­la e os An­go­la­nos, per­de­ram pa­ra sem­pre uma ami­ga que me­re­ce ser lem­bra­da co­mo par­te po­si­ti­va de um pro­ces­so que de­mo­rou de­ma­si­a­do tem­po a ter­mi­nar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.