Zo­nas ru­rais com mais água

ME­LHO­RIA DOS SER­VI­ÇOS BÁ­SI­COS NO MUN­GO Pro­jec­tos so­ci­ais vão con­ti­nu­ar a me­re­cer aten­ção es­pe­ci­al

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - JUS­TI­NO VITORINO |

Um to­tal de 67 fa­mí­li­as de al­dei­as do mu­ni­cí­pio do Mun­go, na pro­vín­cia do Hu­am­bo, pas­sou, des­de domingo, a be­ne­fi­ci­ar de água ca­na­li­za­da, fru­to da inau­gu­ra­ção de três sis­te­mas de cap­ta­ção, dis­tri­bui­ção e tra­ta­men­to do pro­du­to, equi­pa­dos com tec­no­lo­gi­as de pon­ta.

Os equi­pa­men­tos fo­ram cons­truí­dos no âm­bi­to dos Pro­gra­mas de In­ves­ti­men­tos Pú­bli­cos do Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Hu­am­bo e de “Água pa­ra To­dos”, im­ple­men­ta­dos pa­ra a me­lho­ria das con­di­ções so­ci­ais da po­pu­la­ção da­que­la re­gião.

O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal do Mun­go, Afon­so Can­dum­ba, exor­tou a po­pu­la­ção pa­ra pre­ser­var o bem co­lo­ca­do à sua dis­po­si­ção, com vis­ta a ga­ran­tir ao equi­pa­men­to um mai­or tem­po de vi­da útil.

Afon­so Can­dum­bo re­al­çou que a inau­gu­ra­ção dos no­vos sis­te­mas de cap­ta­ção e dis­tri­bui­ção de água vai per­mi­tir que mui­tas al­dei­as dis­tan­tes da se­de mu­ni­ci­pal te­nham mai­or aces­so ao pro­du­to.

Com a cons­tru­ção des­tes equi­pa­men­tos so­ci­ais, o ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal do Mun­go acre­di­ta que a po­pu­la­ção dei­xa de con­su­mir o pro­du­to ex­traí­do di­rec­ta­men­te dos ri­os, evi­tan­do, as­sim, o sur­gi­men­to de do­en­ças cau­sa­das por con­su­mo de água im­pró­pria.

O ad­mi­nis­tra­dor Afon­so Can­dum­bo afir­mou que, nes­ta al­tu­ra, es­tão em con­clu­são mais al­guns

Aces­so à água po­tá­vel nas co­mu­ni­da­des ru­rais dei­xa de ser pre­o­cu­pa­ção pa­ra a po­pu­la­ção

sis­te­mas de cap­ta­ção, dis­tri­bui­ção e tra­ta­men­to de água a ní­vel da co­mu­na do Cam­bu­en­go.

Mu­ní­ci­pes aplau­dem

Os no­vos sis­te­mas vão ser inau­gu­ra­dos em bre­ve. “A ini­ci­a­ti­va da exe­cu­ção dos re­fe­ri­dos pro­jec­tos tem co­mo ob­jec­ti­vo fun­da­men­tal a apro­xi­ma­ção dos ser­vi­ços so­ci­ais bá­si­cos à po­pu­la­çã”.

O mu­ní­ci­pe Ja­cin­to Tchiye­tu sa­li­en­tou que fi­ca­ram pa­ra trás os tem­pos em que a po­pu­la­ção era obri­ga­da a re­cor­rer aos ri­os pa­ra ex­trair água, mes­mo que, pa­ra is­so, ti­ves­se de an­dar vá­ri­os qui­ló­me­tros.

A che­fe de de­par­ta­men­to pa­ra a po­lí­ti­ca fa­mi­li­ar da Di­rec­ção Pro­vin­ci­al do Hu­am­bo da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher, Al­di­na Si­ca­to, mos­trou-se pre­o­cu­pa­da com o au­men­to de ca­sos de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca na re­gião, so­bre­tu­do os re­la­ci­o­na­dos com abu­sos se­xu­ais a mu­lhe­res, fu­ga à pa­ter­ni­da­de, acu­sa­ção de fei­ti­ça­ria, agres­sões fí­si­cas e pri­va­ção de bens.

Pa­ra a re­so­lu­ção des­tes con­fli­tos, Al­di­na Si­ca­to é de opi­nião que o diá­lo­go é a me­lhor via e acon­se­lha os ci­da­dãos a de­nun­ci­a­rem os ca­sos quan­do es­ti­ve­rem con­fron­ta­dos com qual­quer si­tu­a­ção do gé­ne­ro.

Pa­ra­le­la­men­te a is­so, pe­de a to­das as fa­mí­li­as pa­ra par­ti­ci­pa­rem nas cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção e pa­les­tras, pa­ra di­mi­nuir os ca­sos de vi­o­lên­cia nas co­mu­ni­da­des.

A Di­rec­ção Pro­vin­ci­al do Hu­am­bo da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher, em par­ce­ria com al­gu­mas ONG, igre­jas e au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais, es­tá a re­a­li­zar cam­pa­nhas de di­vul­ga­ção dos ins­tru­men­tos ju­rí­di­cos na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais que vi­sam com­ba­ter a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, bem co­mo res­ga­tar os va­lo­res mo­rais e cí­vi­cos.

“Há ne­ces­si­da­de de a so­ci­e­da­de unir-se pa­ra en­con­trar soluções que vi­sam ba­nir es­te fe­nó­me­no, cu­jas prin­ci­pais ví­ti­mas têm si­do as cri­an­ças e as mu­lhe­res”, afir­mou.

A res­pon­sá­vel re­al­çou que a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca é um fe­nó­me­no so­ci­al que in­fe­liz­men­te tem es­ta­do a cres­cer no país e daí a ne­ces­si­da­de de se cri­a­rem me­ca­nis­mos pa­ra com­ba­tê-la. Al­di­na Si­ca­to ex­pli­cou ain­da que a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca apre­sen­ta-se co­mo uma das for­mas mais gra­ves de vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos, pois ocor­re no seio fa­mi­li­ar, on­de se ad­qui­rem os mais bá­si­cos prin­cí­pi­os e va­lo­res cí­vi­cos e mo­rais, que nor­tei­am uma sã con­vi­vên­cia dos ci­da­dãos.

Ho­mens que­bram ta­bus

O so­ció­lo­go Adol­fo Ma­du­rei­ra, in­ter­pe­la­do pe­lo Jor­nal de An­go­la,é de opi­nião que o uso ex­ces­si­vo de be­bi­das al­coó­li­cas, a per­da dos va­lo­res mo­rais e cí­vi­cos, bem co­mo a ne­gli­gên­cia por par­te da ju­ven­tu­de têm es­ta­do na ba­se do au­men­to de ca­sos de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca na re­gião.

Adol­fo Ma­du­rei­ra re­fe­riu-se à im­por­tân­cia do co­nhe­ci­men­to da lei pe­los agen­tes res­pon­sá­veis pe­la sua apli­ca­ção e pe­la po­pu­la­ção em ge­ral. Por is­so, acres­cen­tou, es­tão em cur­so ac­ções que vi­sam a sua am­pla di­vul­ga­ção e abor­da­gem.

As quei­xas so­bre ofen­sas cor­po­rais e mo­rais, a não pres­ta­ção de alimentos e de­sa­lo­ja­men­to fo­ram apon­ta­dos pe­lo so­ció­lo­go co­mo os prin­ci­pais pro­ble­mas que ocor­rem na­que­la ins­ti­tui­ção de acon­se­lha­men­to fa­mi­li­ar. “Te­mos es­ta­do a re­gis­tar na nos­sa pro­vín­cia a pre­sen­ça de ho­mens na Di­rec­ção da Pro­mo­ção da Mu­lher a so­li­ci­tar os ser­vi­ços, de­vi­do ao mau com­por­ta­men­to de mui­tas mu­lhe­res, que dei­xam de ali­men­tar os fi­lhos”.

NI­LO MA­TEUS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.