Do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res já são uma epi­de­mia

SAÚ­DE PÚ­BLI­CA EM AN­GO­LA Má­rio Fer­nan­des aler­ta que es­tá a au­men­tar o nú­me­ro de pes­so­as com pro­ble­mas car­día­cos

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - ALEXA SONHI |

As do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res em An­go­la já po­dem ser con­si­de­ra­das epi­de­mia e um gran­de pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca, por os nú­me­ros de ca­sos no­ti­fi­ca­dos já es­ta­rem mui­to pró­xi­mos dos apre­sen­ta­dos por mui­tos paí­ses afri­ca­nos.

A afir­ma­ção é do pre­si­den­te da So­ci­e­da­de An­go­la­na de Do­en­ças Car­di­o­vas­cu­la­res, Má­rio Fer­nan­des, que, na aber­tu­ra, on­tem, do III con­gres­so de Car­di­o­lo­gia e Hi­per­ten­são, afir­mou que, “ape­sar de o país não ter ain­da da­dos exac­tos, a es­ta­tís­ti­ca não fo­ge mui­to da re­a­li­da­de de mui­tos paí­ses afri­ca­nos.”

Na aber­tu­ra do con­gres­so, re­a­li­za­do sob o le­ma “Do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res: mais co­nhe­ci­men­tos, pre­ven­ção e me­lhor tra­ta­men­to”, o car­di­o­lo­gis­ta re­ve­lou que, em Áfri­ca, mor­rem, anu­al­men­te, cer­ca de 500 mil pes­so­as ví­ti­mas de pa­to­lo­gi­as car­día­cas.

Em An­go­la, as do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res mais fre­quen­tes são o aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC), a hi­per­ten­são ar­te­ri­al e o der­ra­me ce­re­bral, tam­bém co­nhe­ci­do por trom­bo­se.

O mé­di­co aler­tou que as pes­so­as que pra­ti­cam me­nos exer­cí­ci­os fí­si­cos e com há­bi­tos ali­men­ta­res me­nos sau­dá­veis ga­nham pe­so e, co­mo con­sequên­cia, de­sen­vol­vem a di­a­be­tes e a hi­per­ten­são, do­en­ças que con­si­de­rou “al­ta­men­te si­len­ci­o­sas.” “O com­por­ta­men­to de al­guns in­di­ví­du­os cria con­di­ções pa­ra o sur­gi­men­to des­sas do­en­ças”, de­cla­rou o es­pe­ci­a­lis­ta em Car­di­o­lo­gia. Má­rio Fer­nan­des aler­tou ain­da à po­pu­la­ção que es­tá a au­men­tar o nú­me­ro de jo­vens com do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res, uma re­a­li­da­de re­sul­tan­te do con­su­mo pre­co­ce e ex­ces­si­vo de be­bi­das al­coó­li­cas e de sal, além do ta­ba­gis­mo.

Já so­bre o nú­me­ro cres­cen­te de be­bés com pro­ble­mas car­día­cos, o mé­di­co de­cla­rou que se de­ve à mal­for­ma­ção con­gé­ni­ta. Mui­tas des­sas cri­an­ças vêm ao mun­do com car­di­o­pa­ti­as con­gé­ni­tas, in­for­mou o mé­di­co, que dis­se ser já uma re­a­li­da­de no país a cor­rec­ção de al­guns destes de­fei­tos atra­vés de ci­rur­gi­as car­día­cas, re­a­li­za­das no Hos­pi­tal Jo­si­na Ma­chel e na Clí­ni­ca Gi­ras­sol.

A So­ci­e­da­de An­go­la­na de Do­en­ças Car­di­o­vas­cu­la­res con­tro­la cer­ca de 200 mé­di­cos es­pe­ci­a­lis­tas na área, a mai­o­ria dos qu­ais es­tá con­cen­tra­da em Lu­an­da. “Es­for­ços con­ti­nu­am a ser fei­tos no sen­ti­do de se au­men­tar o nú­me­ro de es­pe­ci­a­lis­tas”, dis­se o mé­di­co Má­rio Fer­nan­des, que in­for­mou ha­ver tam­bém ser­vi­ços de Car­di­o­lo­gia nas pro­vín­ci­as de Ben­gue­la, Ca­bin­da, Huí­la, Zai­re, Ben­go, Hu­am­bo e Ma­lan­je.

For­ma­ção con­tí­nua

O bas­to­ná­rio da Or­dem dos Mé­di­cos de An­go­la, Car­los Al­ber­to Pin­to de Sou­sa, con­si­de­rou o con­gres­so um ac­to de for­ma­ção con­tí­nua, por pro­por­ci­o­nar a tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as e actualização de co­nhe­ci­men­tos dos pro­fis­si­o­nais na área de Car­di­o­lo­gia. Além dis­so, acres­cen­tou, é uma ex­ce­len­te oca­sião pa­ra a ce­le­bra­ção de acor­dos en­tre os vá­ri­os par­cei­ros.

O bas­to­ná­rio sa­li­en­tou que, com vis­ta ao au­men­to do nú­me­ro de es­pe­ci­a­lis­tas, a Or­dem dos Mé­di­cos, em par­ce­ria com o Mi­nis­té­rio da Saú­de, pro­mo­ve a des­cen­tra­li­za­ção dos in­ter­na­tos de es­pe­ci­a­li­da­de.

Nas re­giões aca­dé­mi­cas do país, acen­tu­ou, os in­ter­na­tos es­tão a fun­ci­o­nar de for­ma a per­mi­tir que mais mé­di­cos es­pe­ci­a­lis­tas se­jam for­ma­dos lo­cal­men­te.

O bas­to­ná­rio con­fir­mou ha­ver mé­di­cos no es­tran­gei­ro a fa­zer es­pe­ci­a­li­da­de em Car­di­o­lo­gia e, tão lo­go ter­mi­nem a for­ma­ção, re­gres­sam ao país pa­ra re­for­ça­rem as equi­pas cri­a­das.

“A nos­sa me­ta é che­gar a ter car­di­o­lo­gis­tas tam­bém nos hos­pi­tais mu­ni­ci­pais”, re­ve­lou o bas­to­ná­rio da Or­dem dos Mé­di­cos de An­go­la, pa­ra quem o pro­ces­so vai le­var ain­da al­gum tem­po por a for­ma­ção na es­pe­ci­a­li­za­ção em Car­di­o­lo­gia du­rar cin­co anos, no mí­ni­mo.

No con­gres­so, que ter­mi­na ama­nhã, es­tão en­tre os es­tran­gei­ros con­vi­da­dos pe­la or­ga­ni­za­ção do even­to os pre­si­den­tes das so­ci­e­da­des eu­ro­peia e lu­só­fo­na de Car­di­o­lo­gia e re­pre­sen­tan­tes das or­ga­ni­za­ções Pan-afri­ca­na de Car­di­o­lo­gia e Mun­di­al da Saú­de (OMS).

DO­MIN­GOS CADÊNCIA

Car­di­o­lo­gis­ta Má­rio Fer­nan­des quan­do dis­cur­sa­va na ce­ri­mó­nia de aber­tu­ra do con­gres­so de Car­di­o­lo­gia e Hi­per­ten­são que ter­mi­na ama­nhã

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.